Percy Jackson e os Olimpianos RPG BR
Bem vindo ao maior fórum de RPG de Percy Jackson do Brasil.

Já possui conta? Faça o LOGIN.
Não possui ainda? Registre-se e experimente a vida de meio-sangue.

{Betrayal} - MNEM para Jonas W. Harris e Dianna Jelavic

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

{Betrayal} - MNEM para Jonas W. Harris e Dianna Jelavic

Mensagem por Silvia Kawasaki em Sex 23 Set 2016, 00:10

Betrayal
missão narrada externa média



Semideuses reagem de maneira diferente ao mundo mítico em que se veem subitamente colocados. Sentimentos conflitantes podem transformar vidas e nem sempre é possível saber quem está certo e quem está errado. Existe justiça no mundo dos deuses e meios-sangues? Será que agir contra os grandes poderosos pode realmente ser considerado traição?

Pontos obrigatórios:

Narrem como foi seu dia até serem chamados à Casa Grande. Incluam sentimentos, trama, contextualizem-se na missão;
Vocês receberão o chamado após o horário do jantar e Quíron os esperará na sacada do andar de cima, com expressão bastante grave;
O meio como receberão o chamado fica a critério de vocês;
Terminem o post chegando à Casa Grande e recebendo a notícia de que há uma missão para vocês.

Condições dos combatentes:

Jonas W. Harris: HP 350/490; MP 340/490
Dianna Jelavic: HP 100/110; MP 100/110

Informações adicionais:

Missão narrada externa média para Jonas W. Harris e Dianna Jelavic
Local: Pinheiro de Thalia
Tempo: 15:30
Clima: 23 °C
Prazo de postagem: 7 dias
Caso precise de mais tempo, tenha dúvidas ou reclamações, pode contatar por MP
Evite templates muito estreitos (menos de 400px) e com barrinhas e cores cegantes
Armas e poderes utilizados no turno em spoiler ou code no fim do post
Boa sorte!


Silvia Kawasaki
Curandeiros de Asclépio
Mensagens :
239

Localização :
Acampamento Meio-Sangue - Chalé de Íris

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: {Betrayal} - MNEM para Jonas W. Harris e Dianna Jelavic

Mensagem por Jonas W. Harris em Sex 23 Set 2016, 15:52


Son of War


-  -  -  -  -  -  -  -  -  -  -  -  -  -  -  -  -  -  -  -  -  -  -  -  -  -  -  -  -  -  -  -  -  -  -  -  -  -  -  -  -  -  -  -  -  -  -  -  -  -  -  -  -  -  -  -  -  -  -  -  -  -  -  -  -  -  -  -


– Você sabe onde vou enfiar essa espada se encontrá-la mais uma vez sobre a minha cama, Harris! – Exclamou Katherine, minha vizinha de beliche. Seus belos cabelos ondulados estavam presos em um coque mal feito, com alguns fios livres anexados a sua nuca pelo suor que escorria em decorrência da limpeza do chalé. A temperatura elevada fazia com que a simples função de arrumar as camas, se tornasse algo torturante e me deixasse ofegante. A camiseta alaranjada colava em meus ombros suados, e gotículas que brotavam aleatoriamente na testa escorriam até a altura da sobrancelha, e então pingavam no assoalho avermelhado da residência.

A divisão dos afazeres havia sido feita em sorteio – ou não tão sorteio assim, afinal, os veteranos que ficaram com os serviços mais difíceis deram a oportunidade dos calouros trocarem com eles. Vitor havia ficado com a arrumação das camas e eu com limpeza do arsenal, mas – não me pergunte como – entramos em um acordo e trocamos de tarefas. Eu teria que trocar os lençóis e fronhas e estender os edredons variantes entre vermelhos e pretos sobre as camas. Não via dificuldade em executá-lo, tirando o fato de que o chalé estava uma completa zona.

A limpeza se estendeu por toda a manhã, até o horário do almoço. Uma grande parcela dos meus meios-irmãos rumou ao refeitório assim que terminou as arrumações, mas a sujeira e o líquido decorrente da transpiração me causavam um certo receio de sair do chalé antes de tomar uma ducha. Deixei que a água gelada escorresse pelo meu corpo por demorados minutos, lavando todas impurezas acumuladas, então saí do banheiro trajando uma calça jeans surrada com um rasgo no joelho esquerdo e uma camiseta vermelha qualquer que encontrei facilmente em meu baú. Calcei um Vans preto e me dirigi para o local do almoço, eu já estava atrasado.

Após a refeição estava marcado um treino conjunto do chalé de Ares com o de Nêmesis, seria algum tipo de dinâmica com intuito amistoso, mas que só acirrariam as rixas entre as casas. Resolvi me abster do treino, tirar uma folga no período vespertino para cuidar de Exarion, meu mascote esqueleto. Antes mesmo que alguém me incomodasse com uma avalanche de perguntas, saí em direção aos estábulos. Não estava em um dia bom, meu humor variava de feliz a depressivo, e então a engraçado em um estalar de dedos. Não era comum tal alteração tão constante, mas também não era a coisa mais difícil de acontecer. Talvez estar com meu cavalo pudesse ajudar nisso.

O odor de estrume podia ser sentido a vários metros de distância dos estábulos, mas no momento que adentrei o lugar, o cheiro deu uma amenizada, talvez pelo fato de meu cérebro começar a acostumar. A baia do meu mascote ficava no fundo do galpão, onde a maioria não chegava; grande parte dos semideuses estacionavam logo nas primeiras baias encantados com os belíssimos Pégasus ou cavalos normais de crinas loiras, não que isso torna-se meu cavalo-esqueleto menos belo, Exarion era um ser único aos meus olhos e isso é o mais importante.

“Hey chefe, quanto tempo!” ecoou a voz em minha mente. Esbocei um leve sorriso, sabendo de quem tratava-se. Me posicionei a frente da entrada de sua baia e acariciei seu focinho que estava colocado para o lado externo da minúscula porteira que o prendia. Seus ossos estavam mais amarelados que o comum, demonstrando uma falta excessiva de banhos. Lembrei-me do rancor que o cavalo tinha de água, e soltei um fraco riso que pairou no ar sem respostas. “Estou aqui agora, parceiro”. É difícil explicar como funciona a telepatia entre nós, mas eu diria que é como se você estivesse simplesmente conversando, mas apenas com a mente; eu tinha convicção que Exarion havia recebido minha fala, mas não tinha uma forma de obter certeza.

O tempo fluiu de forma a me fazer perder o sentido. O cavalo me contou inúmeras histórias inusitadas que haviam ocorrido nos estábulos, e eu gargalhava de forma fácil, tanto pelos assuntos quanto pela forma que Exarion contava. Era óbvio que ele estava aumentando, mas eu me divertia tanto que nem o contestei. Quando dei por mim, já estava anoitecendo e o sinal para o jantar começando a tocar. Despedi rapidamente do mascote e caminhei em direção ao refeitório.

Todos meus irmãos já ocupavam a mesa cinco. Os ruídos provenientes dali sempre eram mais altos do que da maioria das mesas. Parei na extremidade da mesa e bati com a minha mão sobre essa, de forma a chamar atenção de todos que a ocupavam. Seus olhos assustados estavam voltados para mim, de modo a manter suas bocas tagarelas fechadas por alguns segundos.

– Calem a boca! – Todos voltaram seus olhos para os pratos fartos de comida. Me sentei na extremidade do banco a minha direita e coloquei alguns pedaços de frango em meu prato, desejei meu copo cheio de refrigerante de limão e o desejo foi atendido na hora. Não estava com fome, apenas comi por obrigação, levando em consideração a quantidade de energia que teria que gastar amanhã com o treino na parede de escalada. O barulho que reinou no local foi o de garfos e facas chocando com o fundo dos pratos. Percebi os olhares de alguns dos meus irmãos repousados em mim, mas não entendia o motivo. Bruce estava sentado a minha esquerda me fitando assim como os outros. – O que houve, garoto? Desembucha.

– Quíron perguntou por você. – Os olhos do garoto voltaram-se para seu prato enquanto mastigava um pedaço de batata cozida que havia colocado na boca após me responder. Antes mesmo de engolir e esquecendo completamente os bons modos, meu meio-irmão continuou: – Disse para você ir se encontrar com ele na Casa Grande assim que terminasse sua refeição.

Problemas. Essa sempre era a única razão para Quíron me chamar até a Casa Grande essa hora da noite. Havia perdido até o apetite. Levantei-me imediatamente, antes mesmo de terminar minha refeição, e comecei a caminhar automaticamente em direção a casa de veraneio. Refletia mentalmente sobre o possível motivo de ser chamado, mas nada me ocorria. Estava ponderando em minha mente a possibilidade de ter feito algo errado, quando identifiquei uma forma em sua cadeira de rodas situada na sacada do segundo andar. Sua expressão carrancuda me dizia que as coisas iam de mal a pior.

-  -  -

– Agora que ambos estão aqui, vamos ao que interessa. – Com o canto dos olhos fitei a garota que havia chegado. Seus longos cabelos loiros estavam presos em um rabo de cavalo bem feito e sua expressão era tão séria quanto a minha. Seus olhos estavam focados no velho centauro de forma petrificante, atenciosa, e talvez até um pouco assustadora. Voltei minha atenção novamente a Quíron, que continuou sua fala. – Tenho uma missão para vocês.




Armas Levadas
Nenhuma arma até o presente momento.
Poderes Utilizados
Nenhuma habilidade utilizada neste turno.

template feito por ~ Will — Editado por ~ Aahron.
Jonas W. Harris
Filhos de Ares
Mensagens :
445

Localização :
Chalé de Ares

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: {Betrayal} - MNEM para Jonas W. Harris e Dianna Jelavic

Mensagem por Silvia Kawasaki Ontem à(s) 00:18

Betrayal
missão narrada externa média



POR COMUM ACORDO ENTRE OS PLAYERS, A MISSÃO AGORA PASSA A SER SOLO DE JONAS W. HARRIS

— Fico satisfeito que tenha vindo logo, Jonas. Espero não ter atrapalhado seu jantar — o centauro mostrou-se simpático, mas sua expressão grave não amenizou.

Sem querer se delongar mais, disse ao filho de Ares que algo realmente grave estava ocorrendo em Los Angeles. Um desgarrado do acampamento havia muito tempo tinha desaparecido, revoltado por jamais saber quem era sua ascendência divina, mas agora resolvera reaparecer e vinha fazendo rituais e suas intenções claramente não eram boas. O problema: Quíron não tinha exatidão do que ele estava tramando.

— Sua missão é descobrir o que ele quer e impedi-lo, Jonas. Darwin não é um semideus comum e acho que você é a melhor opção para pará-lo.

Pontos obrigatórios:

Faça uma narração de acordo com a introdução acima;
Desenvolva a conversa com Quíron da maneira que achar melhor, mas deixe bem claras as suas emoções e reações à proposta dele;
Termine o post deixando o acampamento;
Sinta-se à vontade para demonstrar emoções e preencher as lacunas entre os pontos obrigatórios.

Condições dos combatentes:

Jonas W. Harris: HP 350/490; MP 340/490

Informações adicionais:

Missão narrada externa média para Jonas W. Harris
Local: Los Angeles
Tempo: noite
Clima: 21 °C
Prazo de postagem: 7 dias
Caso precise de mais tempo, tenha dúvidas ou reclamações, pode contatar por MP
Evite templates muito estreitos (menos de 400px) e com barrinhas e cores cegantes
Armas e poderes utilizados no turno em spoiler ou code no fim do post
Boa sorte!


Silvia Kawasaki
Curandeiros de Asclépio
Mensagens :
239

Localização :
Acampamento Meio-Sangue - Chalé de Íris

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: {Betrayal} - MNEM para Jonas W. Harris e Dianna Jelavic

Mensagem por Conteúdo patrocinado Hoje à(s) 12:36

Conteúdo patrocinado

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum