Percy Jackson e os Olimpianos RPG BR
Bem vindo ao maior fórum de RPG de Percy Jackson do Brasil.

Já possui conta? Faça o LOGIN.
Não possui ainda? Registre-se e experimente a vida de meio-sangue.

Ficha de Reclamação

Página 11 de 11 Anterior  1, 2, 3 ... 9, 10, 11

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Ficha de Reclamação

Mensagem por Psiquê em Sex 07 Out 2016, 12:41

Relembrando a primeira mensagem :




Fichas de Reclamação


Este tópico foi criado para que o player possa ingressar na sua vida como semideus ou criatura mitológica. Esta ficha não é válida sob nenhuma hipótese para os 3 grandes (Hades, Poseidon e Zeus) devendo os interessados para estas filiações fazerem um teste específico, como consta aqui [link]. Para os demais semideuses, a avaliação é comum - o que não quer dizer que ao postar será aceito. Avaliamos na ficha os mesmos critérios que no restante do fórum, mas fichas comuns exigem uma margem menor de qualidade, mas ainda será observada a coesão, coerência, organização, ortografia e objetividade. Abaixo, a lista de deuses e criaturas disponíveis em ordem alfabética, com as devidas observações.









































































































































Deuses / Criaturas Avaliação
Afrodite Comum
Apolo Comum
Atena Rigorosa
Ares Comum
Centauros(as) Comum
Deimos Comum
Deméter Comum
Despina Rigorosa
Dionísio Comum
Dríades (apenas sexo feminino) Comum
Éolo Comum
Eos Comum
Espíritos da Água (Naiádes, Nereidas e Tritões) Comum
Hades Especial (clique aqui)
Hécate Rigorosa
Héracles Comum
Hefesto Comum
Hermes Comum
Héstia Comum
Hipnos Comum
Íris Comum
Macária Rigorosa
Melinoe Rigorosa
Nêmesis Rigorosa
Nyx Rigorosa
Perséfone Rigorosa
Phobos Comum
Poseidon Especial (clique aqui)
Sátiros (apenas sexo masculino) Comum
Selene Comum
Tânatos Comum
Zeus Especial (clique aqui)



A Ficha


A ficha é composta de algumas perguntas e o campo para o perfil físico e psicológico e a história do personagem e é a mesma seja para semideuses seja para criaturas. O personagem não é obrigado a ir para o Acampamento, mas DEVE narrar na história a descoberta de que é um semideus e sua reclamação.

Plágio não será tolerado e, ao ser detectado, acarretará um ban inicial de 3 dias + aviso, e reincidência acarretará em ban permanente. Plágio acarreta banimento por IP.

Aceitamos apenas histórias originais - então, ao usar um personagem criado para outro fórum não só não será reclamado como corre o risco de ser punido por plágio, caso não comprove autoria em 24h. Mesmo com a comprovação, a ficha não será aceita.

Fichas com nomes inadequados não serão avaliadas a menos que avisem já ter realizado o pedido de mudança através de uma observação na ficha. As regras de nickname constam nas regras gerais no fórum.

Lembrando que o único propósito da ficha é a reclamação do personagem. Qualquer item desejado, além da faca inicial ganha no momento de inscrição do fórum e dos presentes de reclamação (adquiridos caso a ficha seja efetivada) devem ser conseguidos in game, através de forjas, mercado, missões e/ou DIY.



TEMPLATE PADRÃO:
Não serão aceitas fichas fora desde modelo

Código:
<center>
<a href="goo.gl/6qY3Sg"><div class="frankt1">FICHA DE RECLAMAÇÃO</div></a><div class="frank1"></div><div class="franktextim">[b]— Por qual deus deseja ser reclamado/ qual criatura deseja ser e por quê?[/b]

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit. Curabitur facilisis lacus eu urna varius, quis tempus neque tincidunt. Nulla ex nisl, ornare et maximus nec, auctor quis nisi. Interdum et malesuada fames ac ante ipsum primis in faucibus.

[b]— Perfil do Personagem (Características Físicas e Características Psicológicas - preferencialmente separadas):[/b]

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit. Curabitur facilisis lacus eu urna varius, quis tempus neque tincidunt. Nulla ex nisl, ornare et maximus nec, auctor quis nisi. Interdum et malesuada fames ac ante ipsum primis in faucibus.

[b]— História do Personagem:[/b]

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit. Curabitur facilisis lacus eu urna varius, quis tempus neque tincidunt. Nulla ex nisl, ornare et maximus nec, auctor quis nisi. Interdum et malesuada fames ac ante ipsum primis in faucibus. Mauris ut luctus lorem, at malesuada neque. Integer eget consectetur mi, sit amet efficitur magna. Maecenas tincidunt euismod orci non pretium. Suspendisse potenti. Donec non enim et est fringilla faucibus quis at elit.

Maecenas a augue odio. Pellentesque faucibus vehicula sollicitudin. Curabitur tincidunt purus ante, ut ultricies dui congue non. Ut volutpat convallis gravida. In interdum, mi id lacinia dignissim, mauris nulla maximus sem, fermentum luctus sapien velit sed felis. Nullam fermentum, lectus in eleifend iaculis, magna ex bibendum mi, nec dignissim felis urna tincidunt ex. Nunc vitae elementum diam. Nullam ac leo cursus, porta magna vitae, tempor purus. Nunc dictum, purus non malesuada auctor, turpis felis tristique turpis, ac volutpat dolor mi eget eros. Donec a neque a augue tincidunt hendrerit eu et sapien.

Maecenas vel est vulputate, suscipit enim a, vehicula mauris. Curabitur ac molestie dui. Sed vel venenatis lacus. Sed at purus interdum, venenatis metus viverra, sodales metus. Sed aliquet eleifend nisl, id placerat urna sagittis sit amet. Aliquam vitae scelerisque lectus. Maecenas ligula massa, luctus eget commodo sit amet, dignissim eu quam. Curabitur interdum vitae lectus ut congue.

Nulla mollis ornare magna in suscipit. Quisque pretium libero at sem condimentum, dignissim pretium turpis rhoncus. Ut mattis posuere nibh sit amet fringilla. Nulla feugiat imperdiet fermentum. Aenean in diam urna. Interdum et malesuada fames ac ante ipsum primis in faucibus. In pharetra convallis neque fringilla gravida. Donec ullamcorper, eros et pharetra facilisis, lectus turpis sollicitudin justo, vitae lobortis quam lorem quis tellus.
</div><div class="frank2"></div> <div class="frankt2">Percy Jackson RPG BR</div></center>


<style type="text/css">.frank1 {margin-left:-320px; width:300px; height:200px; padding:20px; background:transparent; border-left:1px solid #000; border-top:1px solid #000;} .frank2 {margin-right:-320px; width:300px; height:200px; padding:20px; background:transparent; border-right:1px solid #000; border-bottom:1px solid #000;margin-top:-210px;} .frankt1 {margin-left:-320px; width:300px; text-align:center; font-family:'Slabo 27px'; font-size:30px; color:#000; padding:10px;font-weight: bold; line-height:25px;letter-spacing:-1px;} .frankt2 {margin-right:-220px; width:210px; font-family: VT323; font-size:12px; text-transform:uppercase; letter-spacing:2px; text-align:center; color: #000; line-height:9px;padding:10px;} .franktextim {width:550px; padding:30px; font-family:calibri; font-size: 13px; color:black; background: #fff; display: relative; margin-top:-230px;text-align:justify;} .franktextim b {font-size:13;color:#4D4C4C; font-family:'Slabo 27px'; font-weight:700;} .franktextim i {color:#9A9999;} .franktextim f {font-weight: bold; font-size:13; color:#777;font-family:'Slabo 27px'}</style><link rel="stylesheet" href="path/to/font-awesome/css/font-awesome.min.css"><link href="https://fonts.googleapis.com/css?family=VT323" rel="stylesheet"><link href="https://fonts.googleapis.com/css?family=Slabo+27px" rel="stylesheet">



Tks Maay from TPO
Psiquê
avatar
Administradores
Mensagens :
962

Localização :
Castelo maravilhoso do Eros

Voltar ao Topo Ir em baixo


Re: Ficha de Reclamação

Mensagem por Yujin Hyun em Qua 12 Jul 2017, 16:02


FICHA DE RECLAMAÇÃO
— Por qual deus deseja ser reclamado/ qual criatura deseja ser e por quê?

Desejo ser reclamado por Héstia. Não tenho um motivo específico a não ser pela melhor adaptação a trama da personagem.

— Perfil do Personagem (Características Físicas e Características Psicológicas - preferencialmente separadas):

Físicas: Yujin tem um corpo magro e esguio para a sua idade, além da coloração de sua pele branca como a de seu pai. Seu cabelo é negros e liso com uma divisória no centro. Um clássico corte considerado "nerd" para os padrões americanos. Seus olhos possuem tonalidade castanha enquanto seus lábios finos contrastam em uma nuance avermelhada. O garoto tem um gosto muito peculiar por roupas longas e sempre é visto trajando moletons e bermudas além de claro seu par de uwabaki branco com listras. Em resumo é um clássico adolescente caucasiano de sua idade.

Psicológicas: Assim como o dragão do horóscopo chinês, yujin é um garoto generoso e compassivo com seus familiares e próximos. Tenaz e inteligente o garoto desenvolveu empatia até demais para até mesmo com desconhecidos, sendo este um defeito deveras grave. Determinado e forte em seus objetivos, Yujin não aceita derrotas e falhas já que foi doutrinado desde pequeno a isto — o que acarreta em um abalo mais intenso em casa de falhas.

— História do Personagem:

Hyujin não teve uma vida traumatizante como a da maioria dos semideuses. Nunca foi órfão ou sequer fugiu de casa, muito menos odiou sua progenitora, mas pelo contrário. Héstia era como uma entidade maior qual ele sempre admirou e tentou alcançar. A história do rapaz começou a muito tempo atrás bem no inicio da dinastia Hyun.

A família sempre fora prestigiada por reger e reatar laços entre as famílias coreanas por milênios, como os mediadores de tratados de paz. Todo homem tinha a obrigação de ser regente enquanto as mulheres os auxiliavam. As eras se passaram e tudo fluía bem, até que um dos familiares de Hyujin resolveu negar seu destino como mediador.

Ele havia feito o oposto — começou um conflito entre duas cidades que em pouco tempo devastou parte da população. Com a reputação manchada, a família havia recorrido a medidas drásticas; o culto ao dragão de fogo foi iniciado e em alguns meses a paz havia sido restaurada. Com a queda do golpista e a reputação restaurada, o avô de Hyun havia de cumprir sua parte do trato feito nos cultos a entidade.

O lendário dragão qual nunca fora visto havia solicitado que quando um 24° filho único da família nascesse, ele deveria ser preparado para um propósito maior. O tempo se passou e a profecia permaneceu intacta, até o nascimento de Hyujin que estava destinado a grandes feitos.

Seu pai havia clamado por ajuda durante um de seus acordos com as nações unidas quando a entidade se manifestou. O dragão na realidade era Héstia que havia descido ao mundo mortal para averiguar sobre os tratados, mas acabou apaixonando-se pelo homem.

Hyujin foi reclamado quando tinha dez anos de idade durante um ataque em uma palestra de seu pai que o levou consigo. Uma criatura tentou mata-lo ao perceber sua descendência divina e com o devido cuidado fora eliminada pelo garoto que deu seu primeiro sinal sobre-humano. Foi a partir daquele dia que seu destino estaria traçado.

Os treinos se iniciaram e o garoto cresceu sob os cuidados e ensinamentos de seu pai. Todos os dias eles rezavam a suas mães antes de repetir inúmeras vezes treinamentos corporais e de sobrevivência. Como a profecia dizia, ele deveria estar pronto para os grandes desafios que a deusa havia determinado a prole.

Quando completou quinze anos Hyujin foi levado por seu pai até o acampamento meio-sangue nas Américas. Seu treinamento básico havia sido concluído e agora o acampamento era o único local qual ele poderia desenvolver melhor suas habilidades. Agora o garoto permanece no único lugar seguro para sua raça, mas será que ainda haverá tempo para o jovem mediador?

Percy Jackson RPG BR



Yujin Hyun
avatar
Filhos de Héstia
Mensagens :
14

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Ficha de Reclamação

Mensagem por Silvia Kawasaki em Qua 12 Jul 2017, 21:58


Ficha de Reclamação - AVALIAÇÃO

YUJIN HYUN


Olá, Yujin. Vamos à sua avaliação.
Ficha rápida, sucinta, mas que não deixou a desejar no quesito história. Você soube muito bem passar uma ambientação para o seu personagem e introduzir a trama dele de forma bastante original, parabéns. Vi apenas pequeninos erros, coisas que podem ser facilmente evitadas com uma leitura atenta do texto antes da postagem, mas nada muito grave. Portanto...

Ave, Yujin Hyun, reclamado como filho de Héstia!

Silvia Kawasaki
avatar
Curandeiros de Asclépio
Mensagens :
400

Localização :
Chalé de Íris

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Ficha de Reclamação

Mensagem por Shin Dak Ho em Seg 17 Jul 2017, 11:58


FICHA DE RECLAMAÇÃO
— Por qual deus deseja ser reclamado/ qual criatura deseja ser e por quê?

Desejo ser reclamado como filho de Perséfone. O motivo é que já joguei outras vezes como prole de Afrodite, e gostei do roleplay como alguém com beleza "além", porém não gostaria de repetir o progenitor e acredito que o mais próximo disso seria justamente alguém que descende da Perséfone.

— Perfil do Personagem (Características Físicas e Características Psicológicas - preferencialmente separadas):

A aparência de Dakho tem muito a ver com o esperado de um filho de Perséfone. Independente de como seja sua personalidade, a maioria das pessoas que acabam o julgando por sua aparência tendem a achar sua beleza ligeiramente singular, para não dizer que passa a impressão de ser intimidador. Isso se dá porque não possui olhos muito grandes. Quando está relaxado, pode parecer que está com uma expressão de raiva ou desconforto. Possui olhos e cabelos pretos, muito escuros mesmo. Ele mesmo corta seu cabelo, deixando a lateral bem baixa porém com uma pequena franja que quando penteada para trás acaba dando volume. Tem 1,80 de altura e uma paixão especial por vestimentas pretas ou rosas.

Dakho é um cara legal. Como teve que aprender desde cedo a ajudar nas coisas em sua casa, por conta do que passou quando adotaram Sofie, acabou por se tornando fortemente responsável... Para a grande maioria das coisas. Ele tenta não bancar o tiozão a maior parte do tempo, permitindo os outros e a si mesmofazer coisas absurdas se notar que vão tirar algum proveito real daquilo. Apesar de não ser muito de puxar assunto, pelo menos um aceno ele irá dá para aqueles que acabar por cruzar o olhar. Poucas coisas o aborrecem, isso desde novo. Uma dessas coisas é tentar ofender de alguma maneira a sua irmã Sofie. Quando isso acontece Dakho definitivamente deixa de ser o cara legal para se tornar o pesadelo do infeliz que ousou se meter com a sua família. No mais, nada excepcional que mereça ser citado, Dakho é definitivamente alguém dentro da média.
— História do Personagem:
Capítulo 1: Shin Taewoo

A história de Dakho inicia-se na verdade com Shin Taewoo, seu pai. Taewoo nasceu e cresceu em Daegu, uma cidade ao sudeste da Coréia do Sul. Desde criança ele se mostrou alguém curioso e de iniciativa, e de uma paixão muito específica sobre conhecer o mundo de todas as formas que lhe fosse possível. Um dos motivos de ter sido sempre um dos melhores entre as escolas que passou foi justamente para que no futuro pudesse cumprir esse seu maior sonho. Seu país possuía de tempos em tempos programas de intercâmbio entre países e um dos requisitos era justamente histórico escolar exemplar. Por isso, quando chegou sua hora de entrar na faculdade e ele se inscreveu para as duas vagas para estudar Turismo nos Estados Unidos não foi surpresa nenhuma ele ter sido um dos selecionados para viajar até Nova Iorque e ter essa honra. Era o curso que ele sempre quis fazer, então mesmo que de início existisse uma barreira linguística — porque apesar de saber inglês era a primeira vez utilizando-o pra valer — tudo deu certo no fim. Foi inclusive na sua faculdade que ele conheceu aquele que viria a ser seu melhor amigo, Erik Skousen, um sueco. Eles não eram exatamente do mesmo curso, mas acabaram se conhecendo por algum capricho do destino e assim ficou sendo pelos longos anos que passaram na faculdade. E foi então na Festa de Formatura que a vida de Taewoo mudou.

A festa estava indo tudo como planejado: todos se divertindo e comemorando a graduação. Só que no meio disso tudo, quando começou a música de verdade, Taewoo cruzou o olhar com a mulher mais linda que ele já tinha visto até então. Era uma mulher com a pele mais escura que a sua, cabelos negros e um sorriso que mais parecia que ela estava desafiando todos ali a conseguirem sua atenção. Ficou como que hipnotizado e quanto mais se aproximava da mesma, mais sentia-se atraído por ela. Como sempre foi alguém bem descontraído, não teve dificuldade em iniciar o assunto. Aliás, o papo fluiu de uma maneira sem igual, e quando ele se deu conta já estavam os dois em um hotel desfrutando um do outro de uma forma mais íntima.

Capítulo 2: Mudança

Durante o tempo que ficou estudando para se formar sendo sustentado pelo governo da Coreia do Sul, Taewoo arranjou alguns empregos de meio período e quando finalmente se formou tinha reservas para alugar uma casa em Nova Iorque. Não era exatamente o seu plano, mas quando meses antes foi informado que seria pai e, mais do que isso, esse filho seria um Semideus, bom, ele precisava se refugiar. A conversa com Perséfone foi bastante simples, Taewoo não era cético para a maioria das coisas. A mulher explicou que estava grávida e quem ela era, e Taewoo precisaria ser mais que um pai, precisaria ser um guardião daquele bebê que ela estava gerando. Explicou que na idade certa ele apresentaria parte dos seus poderes, estaria ligado às flores e à magia, que seria tão bonito quanto ela e que chamaria atenção por isso, e o dever de Taewoo seria escondê-lo dos outros seres míticos até que ele enfim pudesse se deslocar para um local seguro. Alguns meses após Taewoo se mudar para a casa que alugara para morar com seu filho, Erik anunciou que também tinha conseguido moradia pelas redondezas, então seriam vizinhos. Mais que isso, também disse que seria pai de uma menina. Taewoo ficou muito feliz por poder compartilhar aquela nova fase da sua vida com Erik, afinal estavam tão perto um do outro que provavelmente acabariam se envolvendo.

Passado o tempo necessário, nasceu então Shin Dak Ho, o mais novo filho da Rainha do Submundo. Perséfone entregou-o para Taewoo, e junto do bebê uma carta que deveria ser entregue a ele quando chegasse o momento certo. E feito isso, ela se foi. Pouco tempo depois nasceu Sofie Skousen, filha de Erik.

Capítulo 3: Shin Dakho

Aqui inicia-se a história real de Dakho. Ele cresceu tendo somente seu pai de parente próximo, segundo o que sempre lhe foi dito sua mãe tinha viajado para muito longe sem prazo para voltar. Porém Dakho era compreensível, viveu toda sua infância sem criticar a ausência de sua mãe, até porque seu pai era simplesmente incrível. Além disso, tinha o suporte do tio Erik também, quem ele respeitava como se fosse seu segundo pai, afinal cresceu com ele sempre por perto.

A infância de Dakho no geral foi bastante comum, apesar de ele ter tido alguns problemas de percurso enquanto tentava sair da escola. Ainda novo foi diagnosticado com dislexia, possuía dificuldade para interpretar alguns textos, isso se conseguisse ao menos o ler. Sua psicólogo por algum tempo cogitou que ele talvez tivesse algum nível menor de autismo, pois estava sempre viajando olhando os arredores como se não ligasse para o que estava o que acontecia, além da sua ideia maluca de que as letras não deixavam que ele as lesse porque não paravam de dançar quando ele tentava. Posteriormente essa ideia foi descartada, e ficou decidido que ele era apenas muito distraído. Por conta disso, sofreu um pouco de bullying na escola. Como possuía dislexia, precisava passar por provas especiais, e alguns garotos da sua sala achavam isso um absurdo porque segundo eles Dakho recebia tratamento especial por ser "burro". Dakho por sua vez não se afetava muito. Apesar dos seus problemas sempre foi muito seguro de si, então simplesmente ignorava o que os garotos estúpidos falavam.

Quando chegou no ensino médio começou a notar algumas coisas. Mudou de instituição porém foi para uma bastante conhecida, então boa parte das pessoas da sua sala acabaram sendo as mesmas, incluindo uma parte do grupo dos garotos que tentavam o incomodar. A diferença dessa vez é que esse grupo se aproximou de Dakho, alegando que eram "amigos" pois estudaram vários anos juntos. Por sua personalidade, o jovem Shin apenas aceitou passar a fazer parte da roda de amizade deles e se surpreendeu quando notou que eles estavam mesmo diferentes, pois não faziam mais baderna como costumavam fazer antes. Isso que lhe permitiu se aproximar do que seria o líder deles, Louis Alecssander. Nunca tiveram conversado antes, porém eles eram tão compatíveis que chegava a ser engraçado. Gostavam do mesmo tipo de música, mesmas comidas e compartilhavam às vezes até as mesmas paranoias em relação à vida. Quando se deu conta Dakho já se sentia envolvido com Louis, mais do que ele um dia já imaginou estar.

Capítulo 4: A filha do tio Erik

Antes de continuar a história de Dakho torna-se completamente necessário citar sua relação com Sofie Skousen, a filha do tio Erik. A garota sempre foi mais calada, Dakho até diria mais fria porque quando estavam juntos quanto criança ele tentava a todo custo arrancar uma risada dela mas na maioria das vezes só levava um gelo, com ela virando o rosto para o lado como se não desse muita atenção. Só que apesar de levar essas ignoradas, ele nunca se sentiu desconfortável perto dela e, pelo o que ele podia dizer o sentimento era recíproco. Ele a via desde sempre como uma irmã que morava em outra casa, até porque Taewoo e Erik viviam marcando programas juntos, tipo ver o jogo do time favorito deles na casa de Dakho, e acaba que Sofia ia junto então como eles não se interessavam pelo programa dos seus pais acabavam indo brincar de alguma coisa no quintal, coisas do tipo.

Em outras palavras, era aquele tipo de relação que não precisava de palavras para expressar o sentimento. Eles apenas eram, e só isso importava.

Capítulo 5: Paixão

Novamente, para prosseguir na história de Dakho se torna necessário voltar rapidamente para as coisas que ele sempre aprendeu em casa. Apesar de boa parte dos coreanos serem bastante tradicionais no que diz a respeito à grande maioria das coisas, Taewoo nunca teve a mente fechada para essas coisas. Quer dizer, ele ligava sim para as tradições e sabia que elas eram importantes, porém uma boa parte delas ele simplesmente não conseguia aceitar e isso era pauta de discussão sempre que se reunia para reuniões em família quando ainda morava na Coreia, porque assim como ele sua família também era muito mente aberta então sempre era agradável quando se reuniam. Por isso, Taewoo levou isso para sua casa e ensinou desde cedo para Dakho que se ele respeitasse os outros conseguiria coisas grandiosas na sua vida. Quer dizer, o jovem Shin tinha total liberdade para ser o que ele quisesse, tanto que Taewoo nunca impôs nem mesmo as roupas de Dakho, nem mesmo a profissão que queria que ele exercesse e, o que importa para essa parte da história do garoto, nunca impôs por quem seu filho deveria se sentir atraído.

O que esse ponto ressaltado quer dizer é que quando Dakho se aproximou de Louis e começou a sentir um sentimento mais forte que amizade o garoto não se sentiu confuso. De verdade aquela estava sendo sua primeira experiência no que diz respeito a se apaixonar, então estava meio assustado com o que viria em seguida. Sabia que não podia forçar Louis a retribuir aquele sentimento, e pior, sentia-se completamente certo quanto a heterossexualidade do seu amigo, então não seguiu muito em frente com essa paixão. Se ele deixasse aquilo pra lá e foca-se em outras coisas logo esqueceria, pensou. Porém as coisas não aconteceram dessa maneira. Começou até mesmo a ficar desconfortável estar na presença de Louis. Viajado como sempre foi, Dakho se pegava sempre se imaginando como seria namorar Louis e o quanto eles seriam perfeitos juntos. Eram muito compatíveis, lembram? Seria o maior casal que aquele país um dia já teria ouvido falar. Mas era determinado, e novamente, firmou sua decisão de não seguir em frente com aquilo.

Só que em determinado dia, Taewoo precisou viajar a negócios e deixou Dakho sob custódia de Erik, e a única forma que tinham de se comunicar era por mensagens. Em algum ponto pai e filho começaram a falar sobre a escola e por algum motivo um deles puxou o assunto namoro. A relação de Dakho e Taewoo nunca envolveu segredos, era algo que os dois se orgulhavam, então ele contou o que estava acontecendo na sua cabeça em relação a Louis. O problema foi que Dakho se descuidou em algum ponto e acabou mandando a mensagem que tinha escrito com todas as letras que gostava de Louis para o próprio Louis. Ele ficou desesperado naquele mesmo momento, sentiu como se o teto que o protegia fosse cair naquele mesmo momento bem em cima de si. O celular acusou que Louis tinha lido a mensagem, porém não respondeu. Na verdade, a partir daquele momento, Louis não disse mais nada. No dia seguinte, na escola, Dakho simplesmente não conseguiu olhar na cara do seu amigo e, aparentemente, isso não fez a menor diferença, pois Louis simplesmente o ignorou também. Isso se seguiu por longas três semanas.

Passou bastante tempo e embora não falassem naquele assunto, os outros amigos em comum entre os dois começaram a estranhar eles não estarem mais tão próximos quanto antes. Ambos notaram que chegaria um ponto em que não poderiam mais fingir que nada aconteceu, mas continuaram guardando tão noção para eles mesmos. Certo dia, enquanto Dakho decidiu ir ao banheiro durante o intervalo, ele não notou, mas Louis o seguiu. E foi ali naquele banheiro que as coisas se resolveram, e da melhor forma possível. Louis estava estranho, entrou no banheiro olhando para trás e saiu abrindo todas as portas das cabines para checar se estava vazio. E estava. De forma súbita aproximou-se de Dakho, que estava mais afastado, do outro lado do banheiro lavando as mãos e foi surpreendido por nada menos que um beijo. Nenhuma palavra foi dita, mas aquele beijo significou infinitas coisas, e uma delas foi o início de um relacionamento. Dakho só queria que aquilo tivesse durado... Mais.

Capítulo 6: Decepção
O relacionamento do jovem Shin não durou muito. Louis retribuía o afeto de Dakho porém não tinha coragem para aceitar para o mundo o que sentia, e isso foi ficando cada vez mais complicado. A família de Louis em diversos momentos se mostrou ser contra os “faggots”, então ele não podia simplesmente contar que estava namorando um garoto, e isso foi consumindo o relacionamento aos poucos, até que um dia Louis apareceu na sala apresentando sua nova namorada. Aquilo foi um choque para Dakho, que apesar de ter fingido aceitar bem no momento, quando chegou em casa não conseguiu segurar mais sua frustração e chorou deitado na sua cama até pegar no sono e, quando acordou, chorou um pouco mais até sentir que sua alma estava satisfeita. Como dito, foi seu primeiro relacionamento, então o jovem sentia-se traído, e quando pensava nisso esse sentimento se tornava raiva. Era simplesmente um turbilhão infinito de coisas rodando na sua cabeça e ele não conseguia lidar muito bem. Por sorte, o ensino médio tinha acabado, e no fim das contas Dakho superou, já tinha superado coisas piores, como quando o tio Erik morreu.

Capítulo 7: Mundo despedaçado
Quando ainda era apenas uma criança, Dakho passou por uma experiência que ele não desejaria a ninguém. De forma resumida, um dia Sofie apareceu muito assustada e com sangue nas mãos gritando por Taewoo, dizendo que o papai dela estava sangrando e não respondia quando ela chamava. Taewoo foi correndo até a outra casa, enquanto Dakho ficava encarregado de tentar acalmar Sofie. O garoto só conseguia rir de nervoso porque seu pai pediu para cuidar de Sofie enquanto ele mesmo estava desesperado. O lance é que os dois ficaram abraçados sentados em algum canto da sala até a garota dormir e, quando isso aconteceu, o jovem tentou ir devagar até a casa em que Erik morava. Ficou surpreso ao encontrar uma ambulância e um carro da polícia lá, com um policial conversando com seu pai e alguns curiosos comentando que Erik tinha “se matado”, e foi aí que Dakho percebeu a gravidade da situação. Ele sentiu seu mundo rodar, embora não estivesse tonto de verdade. Sentiu o chão sumir, embora ainda continuasse de pé, e então caiu de joelhos no chão. Ali ele ficou durante vários minutos, até começarem a sair com uma maca de dentro da casa. Tinham muitas pessoas na frente, mas conseguiu notar o saco preto sendo carregado, e dentro do saco volume suficiente para indicar ser uma pessoa.

Só se levantou quando Taewoo notou o jovem ajoelhado e se aproximou, dizendo que ele devia ter ficado em casa cuidando de Sofie, mas o garoto nem mesmo respondeu, estava em choque, não muito diferente da garota momentos antes quando chegou na sua casa pedindo por ajuda. O lance é que Erik nunca ia visitar seus familiares, sempre disse que não tinha a melhor relação com eles e que esse era um dos motivos de ele ter se mudado para Nova Iorque sozinho. Em outras palavras, não tinha com quem Sofie ficar. Na verdade, até tinha, porque ela passou algumas semanas morando com Dakho e Taewoo, o único problema é que pela lei ela deveria morar com algum parente legítimo ou então seria mandada para um orfanato. Naquela situação, somente a segunda opção estava disponível e Taewoo não estava disposto a deixar aquilo acontecer, e muito menos Dakho.

Foram longos meses. Praticamente toda semana ocorria uma reunião para discutir sobre a guarda de Sofie. O Estado não achava Taewoo apto a cuidar de uma criança, quanto mais duas. Ele ainda era muito jovem, morava de aluguel, era pai solteiro, não tinha uma renda alta, enfim, tudo contava contra ele. Só que enquanto o adulto travava uma luta na justiça, Dakho travava uma luta em casa. Sua relação com Sofie tinha sido destruída após a morte de Erik e o início da luta para conseguir a guarda da garota. O jovem Shin fazia de tudo para tentar deixar a garota confortável, mas ela não parecia mais ser a mesma. Enquanto o garoto tentava ser prestativo, ela simplesmente desprezava os esforços dele. Ela dizia que eles só estavam fazendo aquilo por pena e que nunca desejou passar por aquilo, que seria mais fácil deixarem ela de uma vez. E sempre que ela dizia isso era como se um pedaço de Dakho fosse arrancado dele. Como dito, a relação deles sempre foi verdadeira, porém eles nunca foram de expressar em palavras, então ter que ouvir Sofie falando todas aquelas coisas simplesmente destruíam o jovem por dentro.

Mas ele tentava não se deixar abalar. Quanto mais ela dizia que pra desistirem dela, mais Dakho se esforçava para tentar fazer com que ela se sentisse em casa. Não era pena, ela estava errada. Ela era a irmã de outra família que ele tinha e não permitiria que ela sofresse ficando largada sem ninguém. Provavelmente essa situação contribuiu bastante para o amadurecimento precoce dos dois. Tão jovens, porém passando por uma situação tão dura.

Demoraram muitos meses, para Dakho pareciam séculos, mas finalmente os advogados entraram em um acordo. Entraram em contato com os parentes de Erik, informaram que ele tinha morrido e deixado uma filha para trás, e para o choque de todos eles simplesmente não se importaram. Falaram que podiam o que quisessem com Sofie, eles não tinham nada a ver com isso. Sem perceberem, eles colaboraram para que a guarda da garota fosse conquistada por Taewoo. Basicamente, o que aconteceu foi que o júri decidiu que ela poderia ficar com a família. Já estava com eles mesmo durante aquela situação toda e não apresentava nenhuma injúria, o que contava como pontos positivos para Taewoo. Na mesma medida, acabaram notando que ela aos poucos ia superando o que aconteceu se apoiando em Dakho. Em outras palavras, concordaram que aquela família era a ideal para ela. E assim ficou.

Capítulo 8: Sou filho de um deus?

Anos se passaram desde o capítulo anterior, e podemos voltar para o presente. A relação entre Sofie e Dakho deu um salto gigantesco durante esse tempo. Apesar de não ter sido mencionado anteriormente, antes de contar para seu pai no fatídico dia que por engano acabou confessando para Louis, era Sofie que servia de porto seguro para ele enquanto tinha suas crises de “não posso falar, vou estragar a amizade”, então sim, ela foi a primeira a saber quando Dakho se apaixonou pela primeira vez. Sua primeira nota baixa? Também ela foi a primeira a saber, e ainda ajudou a esconder até ele fazer a recuperação e se livrar da reprovação. Ele ajudava ela sempre que ele precisava de algo, e ela retribuía fazendo o mesmo.

Certo dia, Dakho precisou do cartão de crédito de seu pai para uma pequena compra. Era bem barato mesmo, era apenas uma peça para seu celular, ele tinha derrubado e rachou no canto, visitou a assistência e não era grande coisa, então queria consertar logo. Ele chegou em casa chamando por ele, mas somente Sofie estava em casa. Ele explicou para sua irmã a situação e como era algo bastante simples ela subiu para o quarto de Taewoo com ele afim de procurar o bendito cartão de crédito. Podiam usar sem medo, ele definitivamente não iria se importar. Só que enquanto procuravam, Sofie acabou encontrando um envelope. Julgando pela aparência meio surrada parecia ser algo um tanto antigo. Tipo, não antigo tipo da era dos faróis, mas claramente aquilo já estava ali há alguns bons anos. Não sabiam se era o certo a se fazer, mas como dito nos capítulos anteriores, a relação de Taewoo e Dakho era isenta de mentiras, e isso se estendia para Sofie também, assim sendo eles acharam que não teria problema checar o que estava dentro. E ambos tiveram uma surpresa.

Da parte de Dakho, ele encontrou uma carta direcionada a Taewoo falando sobre si. Dizia que ele era especial, que ele tinha sangue divino e quanto completasse a idade certa ele deveria ser mandado para um lugar seguro. Ironicamente, Dakho possuía exatamente a mesma idade que estava mencionada na carta. A assinatura... Era um nome desconhecido. Mas da forma que estava escrito ele tinha certeza: era da sua mãe. Ficaram os dois aguardando ansiosos pela chegada de Taewoo, e quando ele finalmente chegou em casa, Dakho não perdeu tempo, e foi direto mostrando a carta. O homem pareceu hesitar no início, mas logo contou. E bom, ele somente repetiu o que o garoto já tinha lido. Semideus? Perséfone? Um lugar seguro? Aquilo tudo parecia loucura demais, mesmo para ele que sempre teve a mente aberta. Mais parecia que seu pai não queria contar a verdade, e isso fazia Dakho se sentir traído. Uma parte de si sabia que seu pai jamais mentiria, mas não fazia sentido. Simplesmente não fazia sentido. Ele disse que iria no endereço que tinha na carta. Taewoo não pareceu que fosse recusar, pelo contrário, sugeriu formas do garoto chegar onde queria. Sofie por outro lado não deixou transparecer sua opinião. Só que eis o que aconteceu: Dakho tinha outros planos.

Ele combinou um dia com seu pai para irem juntos, mas como estava se negando a aceitar aquela ideia toda de divindade, resolveu ir checar sozinho. Basicamente, pegou o carro do seu pai e estava se preparando para sair quando se assustou quando olhou pelo retrovisor e notou uma presença no banco de trás. Era Sofie. Ela disse que conhecia seu irmão e que sabia que ele não esperaria muito mais para saber mais sobre aquela história estranha. Disse que iria com ele, para poder intervir se alguma coisa fosse acontecer. E assim seguiram. Quando chegaram no local, já estava quase amanhecendo, só que deviam seguir para uma parte fora da estrada, para a floresta. Os dois concordaram que era loucura, mas não pretendiam voltar agora que já estavam ali. Andaram por algum tempo sem achar nada, até que ouviram um barulho galho se partindo, seguido de uma pancada bem alta. Quando se viraram na direção do barulho, notaram um ser que nunca tinham visto antes. Era um tipo de touro humanoide, muito alto e claramente muito bravo. Ele avançou na direção dos irmãos, que se separaram jogando o corpo para lados opostos, fazendo o minotauro avançar no vazio. Com apenas um olhar cruzado eles decidiram: vamos correr. E que corrida turbulenta. O bicho não parou de segui-los e aquela situação toda bastou para que Dakho finalmente aceitasse que a história do seu pai era real. Se sentiu péssimo por duvidar dele.

A corrida só parou quando depois de correr por longos minutos, pareceu que o terreno deu uma descida que fez Dakho e Sofie tropeçarem. Caíram perto um do outro, e aquele parecia o fim. Só que por algum motivo... O monstro parou de avançar. Não por vontade própria, foi como se alguma coisa o segurasse. Parando para olhar com cautela, era como uma barreira. Não demorou muito que para que algumas pessoas se reunissem perto de onde a dupla de irmãos caiu. “Novos semideuses”, eles gritavam, como se anunciando a chegada deles. Mas espera, semideuses? Dakho não entendeu o plural, mas depois de serem acomodados naquilo que chamavam Acampamento Meio-Sangue explicaram que aquela barreira protegia o lugar. Que somente seres com sangue divino podiam atravessar, e que, portanto, tanto ele quanto Sofie, por terem o atravessado, possuíam esse sangue correndo em suas veias. Significava que ela também era um semideus. Dakho foi reclamado primeiro. Aconteceu durante um treinamento em que se viu pressionado, algo muito comum segundo o que ouviu. Para si não foi surpresa nenhuma, afinal já sabia de tudo por causa da carta. Sofie por sua vez seguiu como uma incógnita.

E como se adaptaram? Bom, isso fica para histórias futuras.
Percy Jackson RPG BR



Shin Dak Ho
avatar
Indefinido
Mensagens :
1

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Ficha de Reclamação

Mensagem por Hécate em Ter 18 Jul 2017, 10:08



Atualizado!







Hécate

.:: deusa da magia e das encruzilhadas :: mestra da névoa :: adm do pejotinha ::.

Hécate
avatar
Administradores
Mensagens :
191

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Ficha de Reclamação

Mensagem por Kalled C. Almeida em Ter 18 Jul 2017, 11:22

Shin Dak Ho:

Sua ficha está longa, porém boa. Devo dizer que seu modo narrativo é novo pra mim, você parece ter experiência com o fórum e por isso não posso te aprovar. Veja bem, apesar da sua ficha estar boa ela está muito longa para que sua reclamação tenha sido tão "pobre". A reclamação não precisa ser nada uau, mas ela precisa ter certos detalhes como o que você sentiu na hora, que símbolo apareceu, que tipo de poder você manifestou e no seu caso você pareceu não se importar quase nada com isso tratando de forma casual e leviana, sugiro que poste sua ficha novamente atentando para este detalhe.
Shin Dak Ho: Reprovado como filho de Persefóne
Kalled C. Almeida
avatar
Líder dos Menestréis
Mensagens :
651

Localização :
Residindo em Nova York

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Ficha de Reclamação

Mensagem por Conteúdo patrocinado

Conteúdo patrocinado

Voltar ao Topo Ir em baixo

Página 11 de 11 Anterior  1, 2, 3 ... 9, 10, 11

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum