[EVENTO] The Hypno Song — Grupo 2 (Alaric)

Página 1 de 2 1, 2  Seguinte

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

[EVENTO] The Hypno Song — Grupo 2 (Alaric)

Mensagem por Alaric L. Morningstar em Sab 14 Out 2017, 00:01

The Hypno Song

CAPÍTULO UM


Aquilo tudo era um tanto confuso. Alaric se lembrou dos boatos que corriam entre meio-sangues pelos últimos dias, sobre bastardos que tiveram certos sonhos e coincidentemente acabaram morrendo por "não o cumprirem".

Ele olhou ao redor, tentando se situar. Estava em uma espécie de fábrica de vídeo-games, e não demorou para notar o tão famoso logo em algumas máquinas: Nintendo.

É um belo lugar, não? — Ouviu uma voz masculina vindo de algum lugar, mas não via nada. A maior parte do local não possuía iluminação alguma, já que, àquela hora, o local teoricamente estaria fechado. — Ah, tantos jogos... me sinto em casa. E você também sentirá certa nostalgia, amigo! — Pôde ver, fora das sombras, apenas uma mão ossuda, de dedos longos e com unhas que mais pareciam garras. E, num toque, quebrara correntes e cadeados que interditavam uma entrada. — Encontre os outros quatro escolhidos aqui. Honre-me! — A voz pareceu modificar-se no grito final, demonstrando um tom demoníaco.

[...]

Assim que acordou, no meio da madrugada, viu um bilhete no criado-mudo ao lado de sua cama.

"1229 NW 8th St, North Bend, WA 98045, EUA"


| Pontos Obrigatórios |


— Vocês terão um pesadelo esta noite, descrevam-no como quiserem. Acabarão lembrando também de boatos sobre outros semideuses que passaram pelo mesmo, mas que, ignorando o sonho, morreram de formas misteriosas;

— Ao acordarem, verão o mesmo bilhete que Alaric recebeu. Assustados, deem um jeito de ir o mais rápido possível até Washington (ou quem sabe, por algum motivo coerente, seus personagens já estavam lá), onde encontrarão a maior fábrica da Nintendo nos EUA. As portas estarão destrancadas, encontrem Alaric no meio do galpão principal (seria um lugar grande, cheio de máquinas e caixas). Se quiserem, até podem interagir;

— Ele os guiará até uma entrada escondida, que leva a uma sala com uma TV e um video-game enormes, mas desconhecidos. A porta se trancará sozinha, os aparelhos eletrônicos também serão ligados automaticamente. Num clarão, ficarão imóveis e não verão nada além disto: https://www.youtube.com/watch?v=C19O5xm51dk

— No final da abertura, finalmente se encontrarão em uma casa de modelo antigo, humilde, num único quarto. Notarão, então, uma certa peculiaridade: seus personagens agora estão como crianças (com exceção de Alaric, que, como líder, será um pouquinho mais velho que os demais). Portanto, lembrem-se de se portarem psicologicamente como tais. A idade exata de vocês estará mais abaixo. Nota-se que, apesar de nesse momento estarem transformados em crianças, vocês ainda possuem os mesmos itens, poderes e congêneres de até hoje.

— Alaric, como um bom fã de Pokémon, reconhecerá o lugar: estarão em Lavender Town, uma espécie de cidade fantasma (e com várias teorias e creepypastas), conhecida por ser o lar de fantasmas (afinal, é onde os mortos daquele mundo são enterrados). A cidade é bem pequena, com pouquinhas casas, mas não encontrarão mais ninguém ali. E, nessa versão realística, ela está muito mais macabra que num simples jogo.

— Ao deixarem o local, perceberão uma neblina espessa ao redor, e vez ou outra poderão ver vultos. Aliás, quero que explorem bem seus sentimentos quanto a isso, ainda mais sendo crianças; explorem, principalmente, a questão do medo (inclusive podem até adicionar mais alguns detalhes à ambientação da cidade). Encerrem seus posts guiados por Alaric em direção à Pokémon Tower, uma enorme torre antiga que é utilizada como cemitério.


| Observações Adicionais |


— Local: Nintendo North Bend, Washington;
— Horário: Inicialmente, por volta das 3h da manhã;
— Clima: Frio;
— Cuidado com o template e os codes do mesmo. Lembrem-se de revisar seus posts. Qualquer coisa importante/que deva ser considerada, spoiler;
— Prazo: 5 dias;

— Idades dos participantes
Alaric: 13 anos
Peter: 6 anos
Jhonn: 10 anos
Bianca: 9 anos
Aurora: 10 anos

— Em caso de dúvidas, podem me procurar. E, por favor, avisem quando postarem. Boa sorte.




Edited by H.I.M. and stolen by me
Alaric L. Morningstar
Alaric L. Morningstar
IndefinidosPercy Jackson RPG BR

Mensagens :
1048

Localização :
Hollywood Hills, LA.

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [EVENTO] The Hypno Song — Grupo 2 (Alaric)

Mensagem por Peter Lost em Qui 19 Out 2017, 19:00

ϟ
THE HYPNO SONG
Parte 1  
ϟ
Peter Lost
Quer se perder comigo?
[EVENTO] The Hypno Song — Grupo 2 (Alaric) HeOg5gr
É sempre um tanto repetitivo dizer que, para os semideuses, os sonhos podem não ser apenas sonhos e que talvez haja um tipo de significado por trás deles. Naquela noite fria, aquele clichê era real mais uma vez.

A última coisa da qual eu me lembrava era de estar em casa, deitado em minha cama confortável. Contudo eu me via sob um grande palco de madeira, onde um único foco de luz vinha em minha direção iluminando-me. Eu ainda vestia meu pijama azul com raios amarelos, enquanto os pés descalços pisavam desajeitadamente no chão frio.

Busquei algo que pudesse indicar minha localização, mas com exceção de mim, todo o resto do recinto estava mergulhado na mais profunda escuridão. Fiquei alguns minutos totalmente imóvel, tentando descobrir se aquilo era um sonho ou não, mas minhas memórias pareciam um tanto confusas.

- Peterzinho. Peterzinho. Que menino ousadinho! - Cantarolou uma voz masculina que ecoou por alguns instantes.

Meu corpo estremeceu, mas não tive coragem de mover os pés por um passo sequer.

- Q-Quem está aí? - Exclamei tentando exalar mais coragem do que realmente tinha.

- Isso não importa agora, meu jovem. – A voz me respondeu. Algo em seu tom parecia demonstrar que ele se divertia com aquela situação. - Deixarei um presentinho pra você. Siga para o local combinado e tudo estará perfeito! Não me decepcione.

Dito isso, antes que eu pudesse responder qualquer coisa, a luz que me iluminava se apagou, deixando-me no escuro completo. Siga para o local combinado? indaguei a mim mesmo. Ele não tinha me dado nenhum endereço.

Minha mente começou a trabalhar rapidamente, diversos semideuses haviam relatado um sonho estranho como esse nos últimos dias. Algo parecia fora de contexto por ali. Continuei cavocando as entranhas de minha consciência procurando mais informações sobre os relatos.

Foi quando uma onda de desespero começou a me dominar. Minha mente reunia os fatos rapidamente: rumores diziam que todos os semideuses que ignoraram o estranho chamado dos sonhos haviam morrido de forma misteriosa.

Comecei a suar frio enquanto uma ânsia crescente foi dominando meu corpo. Meus batimentos aceleraram e eu sabia o que teria que fazer. De alguma forma deveria obedecer à voz misteriosa. Sem conseguir me segurar, ajoelhei-me pronto para vomitar e então acordei.

Ω

Meu coração estava acelerado e o suor escorria por minha testa como se eu tivesse acabado de sair da arena. Precisei de alguns instantes para conseguir me acalmar, tentava fazer minha respiração ofegante diminuir. Banzay ainda estava deitado ao meu lado, mas já não dormia. Ele me encarava com seus olhos metálicos como se estivesse preocupado comigo.

Acariciei sua cabeça levemente, antes de me levantar e acender as luzes. Rodei o quarto com os olhos, em busca de qualquer sinal que pudesse ter sido deixado pela divindade. Sem muita dificuldade, avistei um pedaço de papel sob o criado mudo. Eu com certeza não tinha colocado aquilo ali.

Avancei pelo cômodo meio relutante, mas sabia que não teria escolha a não ser seguir as ordens. Então finalmente dei uma lida na única linha que poderia.

"1229 NW 8th St, North Bend, WA 98045, EUA"

Em um primeiro momento meu pensamento fora ir até Quíron e pedir por sua orientação, mas ainda faltavam muitas horas para amanhecer e eu temia que se demorasse para chegar ao destino talvez a morte me aguardasse como fizera com os demais semideuses.

Sem ter o que fazer, coloquei minha habitual camisa laranja do acampamento, uma jeans surrada e preparei meus equipamentos, vestindo minha luva (Perdição) na mão direita, meu anel de águia (Karabela) na esquerda, afivelei meu Lost Belt e, como sempre, mantinha Skiá em torno de meu pescoço. Aquele conjunto de itens simples eram a razão para que eu ainda estivesse vivo, e eu os tratava como verdadeiros companheiros.

- Desculpe Banzay. – Falei para o autômato. – Dessa vez irei sem você...

Ω

Mantive-me caminhando pelo acampamento o mais rápido que pude. Eu não tinha ideia de como faria para chegar em Washington, mas teria que chegar de qualquer maneira.

Estava imerso em pensamentos, passando próximo à enfermaria, quando me deparei com outra pessoa. Meu primeiro instinto foi de procurar uma desculpa para estar andando no acampamento durante a madrugada. Contudo, antes que eu pudesse ter qualquer tipo de reação, o vulto sussurrou com uma voz extremamente familiar:

- … Peter? O que faz aqui a essa hora? - Era Jhonn Stark!

- Foi o sonho que as pessoas morrem! - Comecei balbuciando as palavras o mais rápido que pude, sem perceber que elas quase não faziam sentido. - Ai teve uma voz, depois um endereço em um papel e eu não quero morrer, Jhonn!

Ele me encarava como se não estivesse entendendo uma palavra do que eu dizia, mas após alguns segundos o garoto colocou uma das mãos no bolso e puxou um papel, no qual eu consegui ler o mesmo endereço que encontrara mais cedo no meu próprio quarto.

- Pelo amor de Zeus todo poderoso, você não foi mandado pra esse lugar também, né?

Eu queria correr para meu quarto e me esconder, mas meu pai poderia estar olhando e eu realmente queria que ele se orgulhasse de mim. Olhei para Jhonn Stark com os olhos marejados, eu não queria ter que fazer aquilo, mas assenti com a cabeça.

Jhonn pareceu irritado, algo inédito para mim. Ele então olhou para seu relógio, como se estivesse especulando o tempo de viagem ou coisa do tipo.

Nós dois sabíamos que aquela seria uma longa viagem.

Ω

Aparentemente, Jhonn conhecia algumas pessoas que poderiam nos ajudar. No caso foi uma filha de Eolo chamada Reeze, que trabalhava em empresas aéreas. A garota conseguira algumas passagens de avião para nós e eu não poderia ficar mais grato a ela, afinal, o céu era reino de meu pai e voar era uma das coisas que eu mais gostava de fazer.

Jhonn não pareceu se aborrecer com minha insistência em ficar na janelinha, além disso, aquelas cadeiras reclináveis eram simplesmente demais. Meu tédio no voo foi sanado pela diversão em ficar brincando tanto com as poltronas reclináveis quanto com a mesinha de jantar.

Tudo parecia mais simples ali no céu, tudo parecia calmo e eu me sentia muito bem por estar ali, não tinha medo de turbulência alguma, afinal, papai não deixaria nada acontecer comigo enquanto eu estivesse em seus domínios.

Por fim, eu e meu novo companheiro conversamos sobre nossos sonhos e tentamos encontrar, sem sucesso algum dicas sobre o que poderia estar acontecendo.

Por fim, não demorou tanto para chegarmos ao nosso destino, ainda mais com Jhonn pagando um táxi do aeroporto até o endereço marcado. Tentei pensar positivo, mas tudo me fazia sentir vontade de fugir dali e voltar para o acampamento.

O local era nada mais nada menos do que uma enorme fábrica da Nintendo. O que me deixou bem animado, afinal, quem não gosta dos jogos da Nintendo?

Sorri e me voltei para Jhonn. Ele analisava o lugar com um olhar um pouco mais crítico do que o meu, o que me fez virar o corpo para onde o garoto olhava. As portas estavam abertas. Eu sabia que aquilo só podia dizer que, quem quer que nos tivesse chamado ali, estava nos convidando para entrar.

- Que conveniente, não? – Ele falou mais para si mesmo do que para mim e, sem esperar minha resposta, avançou.

Eu o segui de perto, atento a qualquer coisa que pudesse surgir das sombras e nos atacar. Vagamos pela fábrica e por fim, encontramos uma sala fracamente iluminada. Mantive-me seguindo os passos do curandeiro e, no instante em que entramos, soltei uma leve exclamação. Estávamos em um grande galpão, cheio de máquinas com caixas espalhadas e empilhadas por todos os lugares, no centro jaziam outros semideuses, como se estivessem esperando por nós.

Reconheci Bianca, prole de Selene que sempre fora muito gentil e atenciosa comigo, e Alaric, o feiticeiro mais descolado que eu já conhecera em toda a minha vida. Acenei para eles de forma animada e sorridente, há tempos que não via os dois e, apesar das circunstâncias, sentia saudades deles. Antes de falar qualquer coisa, uma garota adentrou o recinto. Eu não a conhecia.

Agarrei a mão de Jhonn. Após tantas missões juntos, eu o via como uma espécie de irmão mais velho. Por fim, depois de algumas breves apresentações, descobri que o nome da garota era Aurora, uma filha de Afrodite.

Alaric então nos guiou pelo local, até uma sala escondida, na qual podiam-se encontrar diversos jogos, uma TV enorme e um vídeo-game que fazia jus ao tamanho da televisão. Olhei um tanto maravilhado para tudo aquilo, mas no momento em que todos entramos, a porta atrás de nós se fechou com um baque quase ensurdecedor.

No mesmo instante, todos os aparelhos eletrônicos começaram a ligar sozinhos, de forma que eu senti vontade de correr para longe dali. Mas não teria lugar para ir, afinal, estávamos presos.

No instante seguinte, um clarão iluminou minha vista, de forma que a única coisa que pude ver foi uma espécie de introdução de algum tipo de jogo. Os gráficos não eram muito bons, a imagem estava em preto e branco, mas eu tinha certeza que já havia visto aquilo em algum lugar. A música animadora parecia feita para inspirar jovens jogadores, mas estava mais alta do que eu gostaria de admitir. Sem muita demora, a palavra "POKÉMON" apareceu diante de meus olhos.

Ω

Quando dei por mim, todos estávamos juntos em um quarto pequeno e, de certa forma, precário. Pisquei algumas vezes, tentando segurar as lágrimas que surgiam em meus olhos sem motivo aparente.

- Onde nós estamos? - Minha voz fina denunciava que eu já não era mais o mesmo. O medo passou a tomar conta de mim enquanto eu me segurava para não chorar. - E-Eu... Eu quero minha mãe...

O simples fato de me lembrar de minha mãe fez com que as lágrimas até então contidas com sucesso escapassem de meus olhos e se acumulassem em uma única grande gota em meu queixo. Olhei para meu próprio corpo por um rápido momento. Foi então que percebi, eu não era mais um garoto de 11 anos, mas uma réplica mais nova de mim!

Para meu espanto, eu não era o único mais novo naquele lugar. Todos estavam mais novos! Eu já não me importava mais em chorar, apenas me encolhi em um canto do quarto e deixei minha lágrimas saírem. Queria ir embora, queria encontrar meus amigos para poder brincar com eles. Lembrei-me de Banzay em casa, aquelas pequenas lembranças estavam transformando a missão em um verdadeiro pesadelo de tortura.

Alaric foi o primeiro a tentar colocar ordem no grupo. O garoto dissera que reconhecia o local, e estávamos em uma cidade fantasma de um jogo de Pokémon chamada Lavender Town. Tudo o que eu mais queria era correr para longe dali, mas eu tinha medo de sair correndo para longe dos meus companheiros e ficar sozinho.

Alaric nos explicou tudo o que precisávamos sobre a cidade, o que não me fez ficar mais confortável com o que estava ocorrendo. Eu só queria voltar para o acampamento e meus amigos. Por fim, o feiticeiro falou:

- Bem, nesta parte do jogo normalmente os jogadores precisam subir na Pokémon Tower. – Ele disse pensativo. Se estava com medo, eu não conseguira perceber.

Contudo, todos pareceram entender o que Alaric queria dizer. Nós teríamos que subir a tal torre. Tentei reunir toda a coragem que meu frágil corpo de aproximadamente 6 anos poderia ter e segui meus companheiros. Ao sair da pequena casa, encontramo-nos em uma cidade literalmente morta.

Não havia pessoas, não havia fantasmas, não havia absolutamente nada a não ser uma neblina extremamente densa. Todo aquele clima pareceu fazer meu estômago revirar. Agarrei no braço de Alaric, que no momento era o mais velho do grupo. Usava minhas pequenas mãozinhas para segurá-lo com toda a força que eu podia.

Meu coração se acelerava a cada passo que dávamos. Vez ou outra eu avistava alguns vultos, mas fechava os olhos imediatamente e apertava ainda mais o braço do filho de Nyx, soltando gritinhos esporádicos a cada sensação estranha que tinha, enquanto rezava, sem sucesso, para Zeus me ajudar.

Após alguns momentos, comecei a me adaptar com aquele ambiente. Obviamente não soltaria o braço do filho de Nyx tão cedo, mas já não tinha mais vontade de chorar o tempo todo. Contudo eu admito que a cada indício de que algum vulto ou criatura pudesse aparecer meu olhos se fechavam instantaneamente e minha cabeça se enterrava na barriga de Morningstar. Não sabia se o estava irritando, mas algo me dizia que aquele não seria o pior dos meus problemas

Por mim, nós ficaríamos dentro de casa até que alguém viesse nos resgatar, mas Alaric já nos guiava pela cidade até a Torre, eu não sabia o que esperar, mas sabia que se havia alguém que poderia nos tirar de lá, esse alguém era o feiticeiro!
Adendos:
Arsenal:
{Karabela} / Sabre [A karabela tem um punho aberto com o pomo no formato de uma cabeça de águia. Seu cabo anatômico permitia o manejo mais fácil de cortes circulares quando se luta a pé e e de cortes oscilantes quando montado no cavalo/pégaso. É feita de bronze sagrado e seu punho é revestido com couro. Vem junto de uma bainha de couro. No nível 20 transforma-se em um anel, com a cabeça e as asas de uma águia entalhadas.] {Bronze sagrado e couro} (Nível Mínimo: 1) [Recebimento: Presente de Reclamação de Zeus]

Perdição [Espada com lamina de bronze sagrado. A arma se adequa em peso e tamanho ao usuário, seu cabo é de aço negro com um fino revestimento de couro preto para melhor manuseio e tem um comprimento padrão. A arma não tem nada de especial em relação a uma arma de bronze sagrado comum, exceto pelo fato de que, quando a espada não esta em uso, ela se torna uma luva negra com as letras “PL” bordadas em branco, indicando que ela só funciona com Peter.] {Bronze Sagrado, Aço Negro, Couro e Tintura} (Nível mínimo: 9) {Nenhum elemento}

{Lost Belt} / Armadura [Uma armadura que protege o usuário. A armadura é feita de bronze e é reforçada para aguentar grandes danos, tanto que golpes comuns de espada causam pouco dano nela. Protege a parte do tronco, pescoço - por causa da gola de metal -, peitorais, costas e ombros. Quando o dono quiser, a armadura se transforma em um cinto, revestido em couro e vice-versa. É muito leve, tanto que Peter pode correr como se estivesse vestindo uma camisa comum.] {Bronze e Couro} (Nível: 24) {Não controla nenhum elemento} [Recebimento: ¥ Dragon Dovahkiin ¥ ]

▲ {Skiá} / Colar [Trata-se de um colar feito inteiramente de prata que ostenta um pequeno pingente de ônix lapidado cuidadosamente no formato de um relâmpago. O item concede o usuário a habilidade de, uma vez por evento/missão, absorver um ataque não físico (mágico ou elemental), desde que o adversário tenha no máximo até o mesmo nível que o jogador.] (Prata, Ônix) {Nível mínimo: 40} (Não controla nenhum elemento) [Recebimento: Missão - "The Lost Boys" / Avaliada por Ayla Lennox e Atualizada por Psiquê.]

{Banzay} / Autômato [Uma versão robótica de um carcaju adulto (semelhante a um urso), possui 1m e é feito de bronze sagrado. Tem presas e garras bem afiadas, tendo ótimo desempenho em cortes e perfurações. Ao comando do seu dono, pode dar descargas elétricas.][Material: Bronze Sagrado, essência de eletricidade][Nível mínimo: 15][Recebimento: comprada de Korran M. Collins e recebida de presente por Ayla Lennox. Atualizada por Hécate.]
Poderes:
Poderes passivos:
Nenhum poder passivo utilizado
Poderes Ativos:
Nenhum poder ativo utilizado.
Observações:
Nada de mais por aqui, achei mais um post introdutório mesmo <3
Peter Lost
Peter Lost
Filhos de ZeusAcampamento Meio-Sangue

Mensagens :
279

Localização :
Lost...

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [EVENTO] The Hypno Song — Grupo 2 (Alaric)

Mensagem por Bianca H. Somerhalder em Qui 19 Out 2017, 20:42

THE HYPNO SONG

Mesmo estando inconsciente, Bianca ainda podia sentir que o colchão era desconfortável e mal cheiroso, e que lá fora os lobos uivavam como se algo estivesse errado. A inquietude do sono a proporcionava uma irritação com a qual ela não sabia lidar, de modo que acordava e dormia por inúmeras vezes seguidas. Em certo momento, soltou um grunhido gutural e colocou as pernas para fora da cama.

A pele fina de seu pé absorveu o frio do chão, o que fez Hale sentir calafrios até a altura da espinha. Havia tanto tempo que não se permitia sentir frio que, àquela altura, se sentia deliciada com a sensação. Era como se estivesse viva pela primeira vez durante semanas.

De repente, percebeu que sua boca estava curiosamente seca. Sem se importar de calçar sapatos ou vestir roupas mais decentes, abriu a porta do quarto de hotel e andou pelo corredor escuro. Havia esquecido de trazer água para colocar em sua cabeceira, e portanto necessitava ir até a cozinha do local para conseguir acabar com sua sede.

Estranhamente, percebeu que agora os lobos já não uivavam mais. O silêncio era tão absoluto que a menina podia ouvir cada indivíduo respirando dentro de seu respectivo quarto, e isso a dava uma sensação estranha de poder. Caso quisesse, podia agora mesmo adentrar seus recintos e matar cada um deles. Aquele pensamento a fez sorrir, mas logo os afastou. Não conseguiria se controlar se pensasse demais naquilo.

Chegou à cozinha com a mente distraída, de modo que quase não percebeu que não estava sozinha. Quando o fez, soltou uma exclamação de surpresa tão alta que fez o outro se virar. Era um homem alto e moreno, com olhos tão pretos que podiam até mesmo se associar a um buraco negro. Quando sorriu, Bianca percebeu que era um sorriso afetado, quase como o dela na presença de sangue.

— Estava esperando por você, lunática — disse com uma voz grave, mas que mesmo assim conseguia ser calma. Hale, que não conhecia o homem, somente levantou as sobrancelhas e esperou. Talvez fosse uma coincidência ele ter usado seu apelido. — Acha que está pronta para o que virá a seguir?

Bianca, cruzando os braços bem abaixo do peito, lançou um sorriso desafiador para o outro. Talvez ele quisesse a assustar, ou talvez fosse louco, mas de fato não estava conseguindo nenhum efeito na menina.

— Acha que está pronto para levar um soco na cara?

Para sua surpresa, o homem soltou uma gargalhada. Ele pareceu achar o comentário divertido, e isso Somerhalder não podia aceitar. Ninguém ignorava uma ameaça dela. Entretanto, quando estava prestes a dar um passo para a frente e atacar, o homem começou a derreter. Literalmente derreter. Sua pele começou a cair aos poucos e, em consequência, seus ossos ficaram à mostra. Eram ossos pretos, contudo, que aparentavam terem sido queimados ou algo do tipo.

— O jogo está apenas começando, querida.

E desapareceu, restando apenas pó no lugar que antes estava.

Bianca acordou respirando com dificuldade, como sempre acontecia após um pesadelo, mas dessa vez não estava em pânico ou com medo, mas sim curiosidade. Eram poucas as vezes em que um sonho não significava nada no mundo semideus, e aquele tinha sido particularmente estranho. Além disso, havia ouvido boatos sobre semideuses que ignoraram sonhos e acabaram morrendo… Não queria ser mais uma entre esses. Não sabia o que fazer, então somente se sentou na cama.

Quando o fez, viu que um papel meio amassado se encontrava em cima do seu criado-mudo. Não hesitou antes de pegá-lo. Tinha certeza de que ele não estava ali antes e, considerando suas opções, o papel era a melhor delas para descobrir o que caralhos estava acontecendo.

“1229 NW 8th St, North Bend, WA 98045, EUA”

Hale teve de pensar somente por, no máximo, cinco segundos. No sexto, a prole da lua já estava se levantando e colocando roupas adequadas. Uma calça jeans, regata preta e jaqueta de couro. Nos pés, um coturno brilhando de tão limpo. Havia levado apenas as armas de que gostava para o hotel, de modo que não precisou ficar escolhendo com quais se equipar. Pegou todas.

Sem paciência para ter de fazer todo o caminho até a porta de frente do hotel em que estava, pulou a janela do quarto. Seus pés pousaram com um baque surdo na calçada, mas foi baixo o bastante para que ninguém do prédio acordasse. A rua estava deserta, e até mesmo os gatos que sempre estavam passeando por ali haviam sumido.

Sem nenhuma pressa, Bianca entrou na sua BMW que estava estacionada do outro lado da rua. Jogando as armas para o banco ao lado, abriu a janela e deu partida no carro. Enquanto o vento entrava e batia em seu rosto, a menina pensou no que poderia estar a esperando em Washington. Provavelmente, nada de bom; mas correr atrás do perigo era sua maior diversão.

X X X

Quando estacionou o carro, percebeu que estava em um lugar um tanto quanto estranho. Era uma fábrica bastante grande, com uma placa escrito ”Nintendo” em cima da porta destrancada. Bianca sabia vagamente que se tratava de video-games, mas não conseguiu pensar num motivo para o endereço ser aquele. De toda forma, tinha certeza que não havia errado, então entrou.

O espaço era grande e escuro, mas a maior parte de seu espaço estava preenchida por máquinas e caixas. Somerhalder se sentiu levemente tentada a bisbilhotar o que tinha dentro das caixas, mas desistiu quando viu que havia um menino no meio do galpão. Quando ele se virou, viu quem era. Alaric. Esboçou um sorriso enquanto caminhava em sua direção.

— Se você souber o que estamos fazendo aqui, por favor me diga — disse assim que chegou ao seu lado. No meio de muitos pensamentos, Bianca tinha a sensação de que ela e Alaric sempre se encontravam nas situações mais estranhas, porém não comentou nada. — Não é sempre que sou atraída no meio da madrugada para… Isso, seja lá o que for.

Após poucos segundos, mais pessoas chegaram. Jhonn Stark, como sempre com cara de prestativo, recebeu um sorriso de Bianca, embora ela tivesse vontade de lhe oferecer bem mais que isso. De volta, recebeu um cumprimento que pareceu contido, o que a fez rir baixinho; assim que viu Peter Lost ao lado dele, Hale soltou uma risada e acenou de volta para ele, que tinha acenado antes. Ela sequer acreditava no quanto o garotinho era corajoso, e isso a fazia admirá-lo um pouco; por fim, uma garota que a prole da lua não conhecia adentrou o recinto. Seus olhos eram claros e seu cabelo castanho, o que a faziam ser bonita. Somerhalder, sem demonstrar nenhuma emoção em especial, se aproximou.

— Bianca Hale Somerhalder, filha de Selene — disse para a menina, oferecendo um leve aceno com a cabeça. Apesar da apresentação, não estava com muita disposição para interagir decentemente com pessoas, de modo que somente esperou que a outra se apresentasse: Aurora. Só queria saber o que estava acontecendo, afinal.

Assim que voltou a prestar atenção no que estava acontecendo ao seu redor, Alaric começou a conduzi-los por um caminho estranho, já que aparentemente não dava a lugar algum. Entretanto, quando o semideus chegou ao seu destino, ele abriu uma porta que Bianca não havia visto ali anteriormente. Começou a ficar tensa, apertando os punhos. A situação não estava totalmente dentro de seu controle, e isso a fazia questionar o que estava acontecendo.

A sala nova possuía uma TV e um video-game gigantes, o que a fez ficar sem reação pelos primeiros segundos. Estava prestes a fazer algum comentário quando, de repente, a porta se trancou sozinha. O pensamento sumiu de sua cabeça, e tudo que ela pôde fazer foi observar os aparelhos ligarem sozinhos. Suas sobrancelhas automaticamente se ergueram. Estavam ali para assistir um filme, era isso?

Um filme estranho, de fato. Era tudo em preto e branco, com uma resolução não tão boa, que fazia Bianca querer dormir. Ela não sabia do que se tratava, mas ao final da abertura o nome “Pokémon” apareceu, o que a levou a deduzir que era esse o nome do desenho. Nunca fora muito fã de televisão, de modo que não conhecia muitos programas.

Os olhos da menina ficaram pregados na televisão grande por um tempo, então se assustou quando olhou ao redor e o ambiente era totalmente diferente. Parecia uma casa, mas esta tinha apenas um cômodo simples, e tinha uma aura assustadora inexplicável. Quando olhou para a cama, Bianca teve vontade de deitar nela e tentar dormir ali. Estava muito cansada.

Entretanto, esqueceu o cansaço quando olhou para as pessoas que a acompanhavam. De repente, todos tinham virado crianças. Pensou em perguntar o que estava acontecendo, mas até Alaric parecia ter uma expressão confusa no rosto. Olhando para si mesma, Bianca abriu a boca numa expressão de surpresa. Tinha a estatura menor do que o normal, de modo que suas armas quase eram pesadas demais para serem carregadas. Cruzando os braços para impedir que suas mãos tremessem, encarou os outros.

— Vocês acham que… Vamos ficar todos bem? — Logo que falou isso, se arrependeu. Havia sido ensinada a não demonstrar sentimentos, mas ainda não conseguia controlar isso muito bem. Era como se sempre esquecesse dos ensinamentos ao enfrentar uma situação inédita. — Quer dizer… Isso é meio estranho, né?

Alguns dos outros compartilhavam de sua opinião sobre o local, felizmente. Soltou um suspiro de alívio ao perceber que não era a única minimamente assustada ali, mas prometeu a si mesma que seria forte. O pai teria orgulho ao ouvir que ela enfrentou o perigo tão bravamente.

Ao pensar no pai, algo estranho se agitou dentro dela, mas ela não sabia exatamente o motivo. Era como se fosse saudade… Mas por que estaria com saudade dele? De todo modo, não teve tempo para pensar nisso. O filho de Nyx se precipitou para o meio do grupo, dizendo reconhecer o lugar. Bianca, ao ouvir isso, estremeceu. Ele já havia ido ali antes? Era assustador demais para ela imaginar alguém morando no local.

Entretanto, ele disse que era algo que envolvia Pokémon, o desenho preto e branco. O lugar se chamava Lavender Town e, como uma explicação para a aura assustadora, era uma cidade fantasma. Somerhalder se sentiu aliviada ao ouvir isso. Os fantasmas não causavam danos nas pessoas, não era? Pelo menos, foi nisso que ela escolheu acreditar, o que a levou a achar a situação divertida. Nunca antes havia visto um morto!

Apesar de ser bem macabra a cidade, Bianca começou a não ligar. Parecia quase impossível que não se divertissem tentando capturar fantasmas — seria isso que fariam? Ela esperava que sim —, mas por outro lado poderia até mesmo ser perigoso. Às vezes o medo invadia seus pensamentos, mas a semideusa tentava expulsá-lo com todas as suas forças. O perigo era meio que excitante, não tinha como negar.

— Um, dois, três, quatro, alguns mortos vamos pegar… — começou a cantar baixinho, soltando uma risada no final de cada repetição. Estava ansiosa para começar, então tentava se distrair com qualquer coisa. Aproximando-se dos outros, seguiu-os para fora da casa.

Mas, para sua infelicidade, não viu nenhum fantasma andando pela rua. Pensou em sentar na calçada e ficar com raiva de tudo aquilo, mas não era culpa de ninguém. ”Fantasmas bobos…, pensou ela. A única coisa que conseguia ver claramente era uma neblina, e ela parecia tão infinita que Bianca tinha vontade de sair correndo através dela. Talvez de fato pudesse fazer isso… Já ia se virar para Jhonn e perguntar quando, de repente, conseguiu ver um vulto.

Sua boca se escancarou e ela ficou paralisada. Primeiro, bateu palmas e deu pulinhos de felicidade, e considerou a ideia de ir correndo atrás daquilo. Mas, alguns segundos depois, considerou a ideia de não ser um fantasma, mas sim alguma coisa realmente perigosa, e seu coração começou a bater mais forte.

— Será que aquilo é um fantasma? Porque eu nunca conheci um antes — tentou falar isso de forma engraçada, mas sua voz tremeu no meio da frase. Não porque estava mentindo, mas porque, caso não fosse o que esperava, estaria com grandes problemas. — Eu espero que seja…

Tentando tranquilizar a si mesma, Hale fez algumas considerações em sua cabeça. Bem, se aquilo era uma cidade fantasma, e não tinham encontrado nenhuma pessoa desesperada de medo — como eles próprios estavam —, certamente não podia ser algo vivo. Cidades fantasmas eram povoadas por fantasmas.

Ela não sabia se acreditava totalmente naquilo, mas fingiu que sim. Se forçasse seu psicológico a acreditar, não ficaria com medo, porque fantasmas sempre foram inofensivos. Inclusive, eles nem poderiam tocar nela, porque passavam pelas pessoas direto!

Quando ficou calma, olhou para onde estavam indo. Era uma torre realmente grande, maior que toda sua casa, e lembrava-se vagamente de terem se referido a ela como Pokémon Tower, um cemitério. Não era um nome muito criativo, mas pelo menos não era aterrorizante também.

Segurando sua adaga com força, Bianca obrigou a si mesma a continuar andando firmemente. Para isso, precisou de um forte argumento para incentivá-la: talvez, por acaso, fizesse amizade com algum fantasma pelo caminho.

pormenores:
arsenal:
{Falling Stars} / Shurikens [Conjunto com 10 shurikens de bronze sagrado, mas que se repõem sempre, funcionando quase como um "conjunto de shurikens infinitas". São guardadas em um estojo de couro e veludo. O alcance é limitado à força do semideus, mas não ultrapassa 25m. Podem ser atiradas até 2 por turno, e ambas seriam afetadas pelos poderes.] {Bronze sagrado} (Nível mínimo: 1) [Recebimento: Presente de Reclamação de Selene]

{Moonlight} / Adaga [Trata-se de uma adaga com a lâmina ligeiramente mais larga e curva. O seu formato é levemente arredondado – o que lembra uma lua na sua fase crescente. O cabo tem uma espécie de cobertura (como em sabres) feita de bronze sagrado, o que dá certa defesa as mãos daquele que a está empunhando. Tem uma coloração esbranquiçada e toma um tom azulado quando exposto à luz lunar. No nível 20, se torna um botton escrito "CLUBE DE ASTRONOMIA".] {Bronze Sagrado} (Nível Mínimo: 1) [Recebimento: Presente de Reclamação de Selene]

{Backstab} Adaga [Adaga de bronze sagrado. Diferente do comum, a daga possui uma empunhadura com meia guarda, que protege a mão do portador parcialmente, sem contudo interferir em seus movimentos.]

{Perfidious} Anel [Anel dourado em forma de garra, se encaixa no dedo indicador do arauto. É afiado, mas seu dano seria semelhante a de uma ponta de flecha se usado em ataque corporal, devido ao tamanho diminuto. Ainda assim, possui a capacidade de inocular veneno ao toque, seja diretamente, seja transmitindo o poder para a arma segurada. O veneno é debilitante, sendo considerado um veneno sobrenatural do nível do personagem, para fins de resistências - mas RM não se aplica - e causa a perda de 5% do HP do alvo por 3 turnos seguidos. 1 vez por missão. Adicionalmente, o anel detecta a presença de venenos em um raio de 5m do semideus, esquentando levemente como sinal, ainda que o semideus deve procurar para achar o local exato da presença da substância - a temperatura do anel indica a proximidade. Ambos os poderes só funcionam se o anel estiver sendo utilizado - apenas carregá-lo não permite nenhuma das duas coisas]

{Temptation} Colar [Colar com pingente de uma maçã com uma serpente enrodilhada. Emite um cheiro levemente adocicado. Portá-lo aumenta os poderes de charme, persuação e lábia do Arauto em 10% sempre que em uso (efetividade e chance de acerto, mas não efeitos ou duração). Uma vez por missão pode ser ativado de forma a recuperar 20% de seu HP e MP]

— {Bravery} / Dog tag [Aparentemente uma placa normal de identificação do exército, com os dados básicos do semideus. Com uma bênção mágica contínua, abençoa seu utilizador com um bônus de 15% em sua força física e providencia uma resistência de igual nível a poderes e auras que envolvam os atributos medo e pânico.] {Prata} (Nível mínimo: 1.) [Recebimento: "Face Your Fears", treino trimestral para filhos de Selene e Hipnos. Avaliado por Ayla Lennox e atualizado por ~Lady Íris~.]

Braçadeira quitinosa [Braçadeira lisa e cilíndrica, de tons avermelhados. Ao ser ativado, faz com que a pele do semideus tenha suas características alteradas, se enrijecendo, aumentando sua resistência a golpes físicos em 50% por 3 turnos. 1 vez por evento. (nível mínimo: 07) {Material: pele de carangueijo gigante} [Ganho como recompensa pelo evento "O levante"]

❃{Ilusion} / Anel [Enquanto saia do local em que tinha sido mantida prisioneira, a filha de Selene encontrou um anel no formato de uma caveira negra. Tal item exala uma constante fumaça negra que só poderá ser enxergada por aqueles que tiverem a permissão de seu portador sendo útil para a localização de se portador. De modo que as outras pessoas não enxergam a fumaça, assim a semideusa pode desejar que ninguém veja a fumaça, ou que ao menos uma pessoa a encontre. A desejo do portador e apenas uma vez por missão, a fumaça exalada aumenta deixando uma área de 3x3 completamente no escuro impossibilitando a visão de seu inimigo por três rodadas. Poderes que permitem visão no escuro são afetados em 40%, pois se trata de algo mágico não uma escuridão normal.] {Bronze} (Nível Mínimo: 30) {Nenhum Elemento} [Recebimento: Missão Save Yourserlves, avaliada por Athena e atualizada por Asclépio]

♦️ {Leviathan} / Pulseira O devorador de homens.". Uma vez por missão ou evento, ao ser ativado, as letras emitem um brilho bem fraco e as semideusas são induzidas a um estado combativo acima do normal. Isso aumenta em 30% os efeitos e danos causados por ataques corpo-a-corpo. O efeito dura até duas rodadas, mas pode ser interrompido de acordo com o desejo do usuário.] {Ouro, magia} (Nível mínimo: 40) {Não controla nenhum elemento} [Recebimento: Missão - Leviathan. Avaliada por Éris e Atualizada por Asclépio]

Δ {Stetia} / Espada [Item ganho na entrada de Bianca ao grupo de semideuses, é feito de bronze sagrado e cabo do mesmo material, envolto com couro para melhor manuseio. Possui 110 cm de extensão da ponta da lâmina ao fim do cabo, sendo uma arma um tanto quanto pesada, mas podendo ser empunhada com uma única mão, ainda que requeira um pouco de força; seus atributos, porém, compensam sua dificuldade: a espada, uma vez por ocasião, pode ser envolta com uma energia de fonte desconhecida que dobra o dano causado no oponente, desde que com a lâmina da arma. A espada vem acompanhada de uma bainha de couro simples.] (Nível mínimo: 40) {Bronze sagrado e couro} [Recebimento: por Harmonia na missão "Attracting", atualizada por Asclépio.]

◆ {Luck} / Ficha de Cassino [É uma ficha de cassino comum, aparentemente. Tendo a cor vermelha e os números escritos em branco, só dá para se notar o brasão do cassino pelo toque. Sua habilidade especial é que, uma vez a cada missão e em somente uma rodada, quando ativa enquanto segura pela semideusa, ela permite que a portadora escape de somente um golpe vindo de um oponente ao teleportar-se o mínimo de distância possível para desviar-se do ataque. Caso venha mais de um golpe, o amuleto só pode ser usado em um deles, tendo que defender o outro normalmente, caso o teleporte ainda a deixe na linha de ataque - definido pelo narrador, a ficha só leva para o espaço livre próximo, mas a semideusa não define o local. Caso seja um golpe em área, aplica-se o máximo de cinco metros de raio para teleporte, se o ataque pegar mais do que a área de teleporte, os danos serão calculados normalmente. Para ativá-lo, a usuária precisa ficar rodando a ficha entre os dedos de sua mão.][Material: Plástico.][Nível mínimo: 65][Recebimento: Missão "Money Lies", avaliada por Poseidon e atualizada por ~Eos]

♥️ {Ágape} / Cristal [O pequeno cristal (5cm de altura) é feito de diamante rosa e emite um brilho forte quando ativado seu poder. O item dá ao utilizador a possibilidade de usá-lo para uma das duas finalidades: Pode fazer com que os poderes de manipulação emocional do semideus se potencializem em 25%, porém apenas os que envolvem paixão, sedução, charme e similares; Ou pode fazer com que o meio-sangue adquira 25% resistência aos poderes citados anteriormente. Para filhos de Afrodite o efeito dura três turnos no máximo, e para os demais apenas dois turnos. Pode ser usado uma vez por missão ou evento. O cristal foi presenteado pela própria Afrodite em seu evento no Acampamento Meio-Sangue.] {Diamante Rosa} (Nível Mínimo: 1) {Não controla Nenhum Elemento} [Recebimento: Presente de Afrodite pela participação no evento Level Up: Valentine's. Atualizado por Psiquê]
poderes:
Nível 2: Beleza ao Luar
Os filhos de Selene ficam extremamente bonitos a noite, quase tanto quanto os filhos de Afrodite. É apenas um efeito estético, contudo pode ser vantajoso, já que boa aparência faz as pessoas conseguirem atenção mais facilmente. Contudo, apenas no período noturno. [Modificado] [passivo]

Nível 2
As you wish - Arautos adquirem uma compreensão melhor das motivações das criaturas - o que procuram, suas paixões, o que os desestabiliza. Esse é um poder passivo, que permite ao semideus saber os anseios dos seus adversários e - consequentemente - qual a melhor forma de tentá-los, desviando-os do seu caminho. No caso, o desejo do personagem - não um desejo sexual, mas suas ambições e motivações mais fortes, sejam materiais ou sentimentais. Não permite a manipulação, apenas o conhecimento, e personagens mental/ sentimentalmente resistentes tem essa visão bloqueada, mas apenas se forem de nível igual ou superior. [passivo]

Nível 3: Sentidos Aguçados
Quando está a noite, os sentidos (Visão, audição, tato, olfato e paladar) dos filhos de Selene serão mais aguçados, melhor do que qualquer meio-sangue, sendo o dobro do que um humano comum em questão de acuidade e/ou alcance. [Modificado] [passivo]

Nível 4
Gosto pelo perigo - Arautos são rodeados por uma aura que instiga seus alvos. Isso faz com que eles próprios possam se tornar uma tentação em si, como se rodeados por uma aura sobrenatural - não mudará a aparência, mas mesmo que seja feio, o arauto ainda será considerado "instigante", "carismático", "exótico" ou similar - o famoso "ele não é bonito, mas tem um certo "que" que não dá pra explicar". Seus poderes de charme são ampliados em 5% a partir deste nível, aumentando para 10% no nível 14, e mais 5% a cada 10 níveis subsequentes, chegando ao máximo de 25% no nível 44. [passivo]

Nível 9
Visão no escuro - Éris transita entre os mundos, mas grande parte do seu tempo é gasta no Tártaro, como filha da Noite e deusa desprezada por seus pares. Viver em tais ambientes a tornou apta a lidar com seus abismos e escuridões, e seus seguidores adquirem a visão no escuro, com acuidade e alcance igual à visão normal. Caso já possuam tal habilidade, o alcance é ampliado em 50%. [passivo]

Nível 20
Andar silencioso - Os arautos desenvolvem uma propensão para a furtividade, e isso se reflete em sua postura e movimentação. Não quer dizer que não produzam ruído algum, mas que seus passos são mais leves e silenciosos - e, consequentemente, mais difíceis de detectar - do que o de semideuses comuns. [passivo]

Nível 23
Mente escorregadia - Arautos conseguem ocultar melhor seus pensamentos, já que a efetividade de seus poderes depende dos oponentes não saberem suas intenções. Além disso, seus pensamentos são desordenados, impedindo poderes de leitura mental, que deixam de funcionar contra eles se provenientes de oponentes até 5 níveis abaixo. Acima disso e até 5 níveis acima, captam apenas coisas superficiais, devido a uma resistência inata. Se a diferença for maior do que cinco níveis, funciona normalmente. [passivo]



I'M FALLING
put your wings on me,
wings on me
Bianca H. Somerhalder
Bianca H. Somerhalder
Feiticeiros de Circe

Mensagens :
748

Localização :
Los Angeles, Califórnia

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [EVENTO] The Hypno Song — Grupo 2 (Alaric)

Mensagem por Jhonn Stark em Qui 19 Out 2017, 21:59


Dreams of death
Do you believe in ghosts?

Lavender town
Where the living never rest in peace
[EVENTO] The Hypno Song — Grupo 2 (Alaric) Ghost-pokemon-14378
As coisas ruins tinham mania de bater à porta quando a noite chegava.

Não que ele já não soubesse disso. Estava convicto de que as catástrofes, geralmente inclinadas por ideias dos deuses e outros seres superpoderosos, traziam seus convites perigosos durante os sonhos mais profundos e noites mais sombrias. Mesmo assim, aquilo ainda era capaz de assombrá-lo todas as vezes em que se repetia.

Naquela noite, não foi diferente.

Ele abriu os olhos e respirou profundamente. Sentiu antes mesmo de visualizar o ambiente ao seu redor que aquilo era um sonho. Como sua assistente de enfermaria costumava dizer, sempre havia algo… inconsistente no mundo onírico. Às vezes se expressava como um véu denso no qual as imagens eram projetadas. Às vezes, algumas situações eram tão bizarras que claramente não seriam expressas no mundo  real. E às vezes, com prática, você simplesmente sabia.

O cheiro de fumaça ardia em suas narinas, forçando-o a se retrair. Estava no meio de uma torre alta de madeira, com arquitetura oriental. Um pilar central de madeira agitava-se pesadamente, tentando segurar toda a estrutura que entrava em colapso ao seu redor.

O templo, aos poucos, era consumido pelas chamas.

Várias sombras moviam-se por entre os pontos cegos daquele inferno ardente. Nenhuma anatomicamente próxima de algo humano. Flutuavam em agonia, suas auras púrpuras e olhos vermelhos encarando o filho de Héstia com intensidade.

Um grito bestial rasgou o ar.

O corpo de Stark parecia prestes a colapsar, mas o semideus forçou sua integridade. — É só um sonho. Estamos bem, estamos inteiros, ninguém pode nos ferir.

O cenário oriental e sombrio, com criaturas agonizantes e vozes gritantes… bem, aquilo fazia com que suas duas personalidades quisessem sair correndo para longe dali. Eles não eram muito fãs daquilo. Não depois de... bem, de serem raptados por criaturas sombrias em uma viagem ao oriente.

Então, sentiu o ardor em suas costas quando uma das sombras atacou. Virou-se e tentou atacar a criatura, que já não estava mais lá.

Outras seguiram sua liderança: duas esferas negras e fantasmagóricas que o atiraram ao chão, arrancando o ar de seus pulmões. Enquanto tentava desesperadamente recuperar o fôlego, o garoto quase foi atingido por um dos pilares de madeira que havia cedido.

Levantou-se desesperadamente, procurando uma rota de fuga: as janelas estavam obstruídas. A única escadaria presente estava coberta por entulhos. O filho de Héstia não sairia dali tão facilmente.

Sua atenção foi então direcionada para uma risada em meio a todo aquele caos. Um vulto sombrio e humanóide o espiava do lado do pilar central. Não podia distinguir bem suas feições, mas queria bastante poder desfigurá-las com alguns socos se pudesse.

— O que foi, semideus? — Disse a voz, em desdém. — Mal começamos o nosso jogo e você já está assustado assim?

— Quem diabos é você? — Stark sentia sua personalidade forte aflorar. — Qual é a sua?

Por entre todo aquele véu de sombras, o curandeiro sentiu um sorriso sendo dado em resposta às suas perguntas. A criatura apenas tocou no pilar enquanto mantinha o olhar fixo no garoto,

— Siga minhas instruções. — Disse, em um tom hostil. — E talvez viva para descobrir. Caso não esteja disposto… seja apagado, como esse lugar foi.

Em um piscar de olhos, a figura sumiu. Todos os pilares restantes do templo, desgastados pelas chamas e pelo caos, começaram a ceder.

E o jovem semideus foi soterrado pelos destroços.

Acordou logo em seguida, estendendo o corpo em um instinto desesperado de buscar a liberdade. Seu coração batia de forma intensa, e o suor que descia por sua testa era frio. Demorou algum tempo para perceber que o cheiro de fumaça havia sido substituído por um forte odor de éter, e que não estava mais coberto por vigas de madeira e cinzas, apenas por papelada.

Mais uma vez, havia dormido na bancada da enfermaria.

Ali, porém, havia um bilhete que não estava presente antes que ele dormisse. Inspecionando-o rapidamente, não pode evitar o arrepio que acompanhava o reconhecimento daquilo.

Um sonho. Um endereço. Uma ordem.

Sendo quem era, claramente conhecia os boatos que rodavam pelo mundo semidivino. De semideuses que se recusavam a receber ordens de um sonho e encontravam seu triste fim.

Aparentemente, o Mal — com “m” maiúsculo — iria dar uma festa. E ele tinha sido convidado.

"Má ideia." Dizia Yin1 em sua cabeça. "Péssima ideia"

“E a sua sugestão seria…?” Yang2 revidou, impaciente. “Se ficarmos, morremos. Se formos, TALVEZ morremos. Mas podemos dar uma surra em alguém antes.”

Stark queria apenas que eles calassem a boca por um segundo.

Desde o incidente em que se separou pela primeira vez, sua mente permanecia fragmentada, discutindo consigo mesma o tempo todo. Suas metades mágicas tentavam sempre guiá-lo pelo que achavam ser o certo, mas era evidente que não concordavam tão bem entre si.

De qualquer forma, dessa vez ambas estavam corretas: era uma má ideia que ele teria que abraçar.

Levantou-se e sentiu sua cabeça girar. Não precisava ser um curandeiro para saber que seu estado geral era desfavorável: a última missão em que foi quase o destruiu de vez. Antes de seguir seu rumo, por prudência, vasculhou algumas das bancadas de itens. Sem muita cerimônia, ingeriu dois conjuntos completos de poções, esperando que aquilo bastasse.

Não teria muitas alternativas de viagem: Washington era fora da área das irmãs cinzentas. Seria uma viagem cansativa e perigosa para um pégaso. Tudo o que lhe restava era uma alternativa de contato, e ele esperava que ela estivesse disponível.

Então, sem hesitar, seguiu seu caminho.

*     *     *

Contava mentalmente cada um de seus itens, discutindo em murmúrios sobre quão condenada e comprometida aquela missão parecia. Seria uma cilada? Talvez um maníaco que quisesse seu poder? Todo aquele caos fazia com que o medalhão mágico de Psiquê ardesse no bolso de sua camisa, indicando o quão próxima estava uma separação forçada de suas metades.

Ele respirou. Controlou o fôlego, mentiu para si mesmo dizendo que tudo ficaria bem. Leu pela última vez o endereço no misterioso papel, e então… esbarrou com uma pequena figura no meio daquela madrugada.

Seus sentidos foram retomados em instantes, e sua consciência semidivina parecia sinalizar que aquela era uma figura que ele conhecia. Com uma rápida leitura da fisionomia e da energia familiar emanada pelo indivíduo à sua frente, concluiu que só podia ser uma pessoa.

— … Peter? — sussurrou Stark, incrédulo. Não podia falar muito alto, para evitar a problemática das harpias vigilantes. — O que faz aqui a essa hora?

Os intensos olhos azuis do filho de Zeus não paravam quietos enquanto ele tentava falar algo de forma coerente. Seus murmúrios alternavam principalmente entre um sonho estranho e uma mensagem.

Aquilo deixou o curandeiro ainda mais agitado.

Ele ergueu o papel com o endereço no ar. — Pelo amor de Zeus todo poderoso, você não foi mandado pra esse lugar também, né?

Infelizmente, o garotinho assentiu.
O destino tinha um senso de humor meio sequelado.

O filho de Héstia revirou os olhos, impaciente. Olhou a hora em seu relógio. Não gostava muito de seu plano, mas teria que seguí-lo.

Seria uma longa, longa viagem.

*     *     *


O voo da madrugada não foi tão ruim quanto a viagem turbulenta na carruagem da danação.

Ao contrário de semideuses menos informados, Stark tinha os contatos certos para cruzar fronteiras sem muitas dificuldades burocráticas do Acampamento. Reeze, uma filha de Éolo infiltrada em várias das companhias aéreas americanas, era a pessoa certa para conseguir duas passagens de urgência para Washington. Porém, não era capaz de prover transportes terrestres de viagens menores, ficando esse ponto com as Irmãs Cinzentas.

Não foi a viagem mais memorável da vida de Jhonn, mas ele aproveitou para conversar um pouco com o mais novo. Talvez compartilhando seus sonhos, tivessem uma chance de entender aquilo melhor, certo?

Errado. Só ficou tudo mais confuso e bagunçado.

Chegaram ao endereço marcado ainda de madrugada, deixados por um táxi de preço bem salgado saído do aeroporto. Uma enorme fábrica erguia-se do chão à frente dos dois, e apesar dos transtornos normais de um semideus, o curandeiro conseguia processar o título e a logomarca presentes ali.

Nintendo. Uma fábrica de videogames.

Uma fábrica de videogames deserta, de madrugada, marcada por uma ameaça de morte que levou dois garotos ao seu endereço. Inclusive, para espanto e alarde maior, uma fábrica com as portas abertas.

— Que conveniente, não? — Stark revirou os olhos, forçando-se a andar. Suas mãos instintivamente se estendiam para o cinto na calça, aguardando qualquer movimento nas sombras para sacar suas facas.

Conforme avançavam pelos salões da fábrica, porém, seus sentidos indicaram mais algo… familiar. Duas presenças intensas que ficavam cada vez mais próximas conforme caminhavam.

Apressou o passo.

Ao chegar em um salão amplo, ficou chocado com os outros semideuses presentes. Dois conhecidos de um longo tempo, reunidos ali. Tiveram que deixar o acampamento e sair até Washington para se encontrar novamente, tudo sem plano algum. Aquilo fazia com que ele quisesse rir um pouco.

Alaric, o feiticeiro. Um semideus de Nyx e amigo de longa data, meio recluso e gótico como qualquer bom filho da Deusa. Foi cumprimentado com um aceno respeitoso de cabeça, e um aperto de mão formal.

— É bom te ver vivo. — Disse Stark. Aquilo era o equivalente de “Oi, que legal te ver por aqui!” dos mortais.

Tentou evitar a briga mental que suas metades tinham quanto a Bianca.

"Vamos manter uma posição profissional e evitar muito alarde." Yin insistia. "Depois de solucionar tudo podemos partir para... informalidades."

“Você tá brincando, né?” Yang desdenhou. “Faz éons que não nos vemos. Inclusive, saudades daquela festa.”

"Você acha mesmo que ela ainda pensa em nós depois daquela festa? Isso é muito imaturo da sua parte."

Caminhou firmemente até a mesma e a cumprimentou com um sorriso cordial. — Ora, ora. — disse — Parece que o destino nos juntou outra vez, não é mesmo?

A última semideusa que se juntou ao grupo ele não conhecia. Isso, por si só, já erguia uma interrogação em sua mente. Como curandeiro e prole de quem era, poucas eram as pessoas com quem não se familiarizava. De qualquer forma, acenou levemente para a mesma.

Em instantes, Alaric chamou a atenção de todos, seguindo em frente como um guia. Não questionando o conhecimento de terreno do mesmo, Jhonn seguiu sua liderança junto aos outros.

O silêncio reinava enquanto seguiam: o garoto evitava alguma conversa com Bianca para evitar uma divisão instantânea de suas metades. Alaric não falava muito quando estava concentrado. Peter estava assustado. Inclusive, o mesmo passou o resto do caminho de mãos dadas com o filho de Héstia, um gesto de confiança que acabou por tranquilizá-lo mais.

Eles iriam sair dali. Ele jurava isso.

Pararam. Encontraram uma extremidade oculta, que levava até uma sala diferente. Todos entraram, com alguma hesitação óbvia, e tentaram contemplar o ambiente. Tudo o que viam, porém, era um videogame e uma televisão exageradamente imensos.

Antes que pudessem notar, já era tarde.

As portas atrás de si se fecharam. Os equipamentos eletrônicos começaram a brilhar. Em meio ao caos, Stark tentava manter-se perto de Peter, enquanto localizava as auras dos outros ao seu redor. Não podia se deixar levar por qualquer coisa. Não devia deixar a equipe se desmontar antes mesmo de tudo começar.

Quando o clarão sumiu, eles não estavam mais lá.

*     *     *


As luzes foram substituídas por alguns pixels agrupados de forma estranha, com uma qualidade gráfica claramente menor do que a existente na atualidade. As cenas repassadas, porém, pareciam despertar um estalo na cabeça do curandeiro. Uma memória de infância, de dias mais fáceis.

“Pokémon”. A logomarca apenas confirmou tudo.

Mas o maior dos imprevistos ainda estava por vir…

*     *     *


O feixe brilhante se aquietou. O garoto, então, decidiu que abrir os olhos era seguro.

Viu-se em um quarto simples, clássico de qualquer jogo da franquia. O modelo oriental era característico, mas os gráficos ali pareciam bem realistas. No mesmo quarto, quatro crianças permaneciam com expressões confusas.

Não sabia qual divindade ou criatura mágica havia os jogado para lá, mas seus propósitos pareciam ser bem estranhos,

O quarto, porém, parecia… diferente. Maior.

O garoto, que estava sentado na beirada de uma cama, percebeu então algo perturbador: seus pés não alcançavam o chão.

Levantou-se com um pulo, espantado. Caminhou até um espelho presente no recinto. Seu coração bateu mais forte enquanto ele tentava negar o que já imaginava ter ocorrido. Assim que viu seu reflexo, finalmente sua ficha caiu.

Aquelas não eram crianças aleatórias. Eram seus companheiros.
E ele também tinha voltado a ser uma criança.

A agonia de todos era clara e impactante. Bianca perguntava se tudo ficaria bem; Peter chorava querendo a mãe; Alaric estava atônito. Stark não sabia nem o que devia fazer ali, apenas sentia que aquela barulheira toda não ajudaria em nada.

E aquela aura… ah, aquela aura. Medonha, maciça e tenebrosa. Ele sabia que todos estavam sentindo. Suas metades também sentiam, mas preferiam manter-se juntas ao invés de se dispersar. Seu corpo parecia fraquejar, porém. Por quanto tempo ele aguentaria?

Auras medonhas significavam inimigos medonhos. Eram os monstros debaixo da cama, as criaturas que vagavam no escuro do quarto, forçando o garoto de Héstia a implorar por uma luz acesa.

Conteve um arrepio. Era um dos mais velhos ali, tinha que se portar como tal. Seria o semideus maduro que bate no monstro debaixo da cama e incendeia as criaturas do escuro do quarto.

Alaric era um pouco mais alto que ele. Talvez fosse mais velho ali também. O filho de Nyx começou a explicar que tinha conhecimento de onde eles estavam: Lavender Town. Sua teoria para deixar o local, porém, também parecia só um chute: seguiriam até o ponto principal daquela cidade, uma torre que funcionava de cemitério.

Jhonn desde criança tinha ótimos instintos para saber quando os mais velhos mentiam. E claramente o feiticeiro não tinha ideia do que estava fazendo, mas era a melhor alternativa que eles tinham.

Seguiram para fora da residência, logo deparando-se com um denso véu de névoa. Por cima daquele borrão etéreo, podiam visualizar alguns telhados antigos, desgastados pelo tempo. As outras casas pareciam estar abandonadas, largadas para as traças e os espíritos.

Assim que a cortina cinzenta tocou o corpo do curandeiro, o mesmo se retraiu. Começou a respirar pesadamente, sem sinal de que avançaria tão cedo. Seus companheiros, apesar de bastante hesitantes, seguiam avançando.

Eu não vou. Disse para si mesmo. — Você vai sim, precisamos ir. — Retrucou, começando a pisar fundo e avançar. — Você não entende, não é? Eu não quero passar por isso outra vez! — Parou novamente. O pé direito se posicionava na frente, querendo andar, e o esquerdo estático no chão, logo atrás.

O medalhão de Psiquê ardeu forte no peito do garoto.

Tudo bem então, seu medroso! — Disse, quase rosnando. Forçava-se a seguir, arrastando o peso do corpo para frente. — Se você não quer ir comigo, então pode... ir... embora!

Em um passe de mágica, assim que a última palavra foi dita, um brilho azul envolveu Stark, oscilando sua forma física e atirando duas crianças ao chão.

A primeira, com uma camisa branca de bolso preto, olhou para a outra com um olhar choroso. Seu bobão, olha só o que você fez! Apontou para si mesmo e para o outro. Qual é o seu problema?

O outro, um Stark de camisa preta de bolso branco, bufou. — O que eu fiz? O que você não fez, isso sim!

Lá estavam eles: duas crianças de dez anos brigando enquanto o grupo seguia em frente.

E foi então que viram o primeiro dos vultos. Uma sombra disforme, estranha e assustadora que fez com que Yin se encolhesse de medo. Yang, por sua vez, estava pronto para bater no que quer que fosse.

Outras sombras começavam a surgir. Olhares curiosos através da névoa, que não podiam ser estudados a fundo. Na verdade, nem deveriam.

Yin e Yang lembraram-se das histórias que ouviam quando eram mais novos. De como seu pai os dizia que o bicho-papão pegava as crianças malcriadas de noite e as levava para o seu covil. Lembraram-se dos homens maus que os pegaram na China, seus corpos tremendo diante do medo, que oscilava entre a inocência infantil e a constatação adulta de que sim, os monstros existiam, e eram piores dos que o seu pai contava.

Em uma ocasião rara, concordaram que já tinham experienciado abduções na névoa por entidades demoníacas o bastante.

E então, de mãos dadas, correram na direção do grupo que se distanciava, deixando as sombras para trás e vislumbrando os pilares da torre dos mortos.

Adendos:
Armas:
♦️ Faca [Sua lâmina bronzeada mede cerca de 24 cm, e seu cabo tem o mesmo comprimento padrão. É bastante afiada e é perfeita para ataque ágeis e rápidos. O bom desta arma é sua eficiência tanto para mãos hábeis quanto para manuseios mais inexperientes, pois é uma arma curta, fácil de esconder e ao mesmo tempo fácil de manusear. Seu punho é feito de aço, mas uma camada de couro escuro cobre o aço para que o usuário possa segurá-la firmemente. Na parte inferior da lâmina, próxima ao cabo, há entalhado as siglas do Acampamento "CHB"; uma propriedade que só os meio-sangues e criaturas místicas podem ter e usar (ajuda um pouco na destreza)] {Bronze, aço e couro} (Nível mínimo: 1) {Nenhum elemento} [Recebimento: Administração; item inscrição padrão do fórum] No cinto.

— {Phoenix} / Espada [Espada de 90 cm, com sua lâmina medindo cerca de 75 cm. É feita de um cristal único e especial, a espada é longa e fina, com um corte afiadíssimo e infalível. Sua guarda-mão tem um formato de taça, porém, com delicados formatos de chamas queimando na direção da lâmina, como se a consumissem; seu punho é feito de aço. Vem junto de uma bainha coberta por malha de aço e couro branco. Quando não está em uso, se transforma em um anel de prata com o desenho de uma chama.] {Cristal, Prata e Aço} (Nível Mínimo: 1) {Controle sobre o Fogo} [Recebimento: Presente de Reclamação de Héstia adaptado por Harry S. Sieghart] Mão direita,
indicador.


— {Scorched} / Escudo (Escudo circular feito de ouro e prata com várias camadas destes materiais. No centro do escudo está desenhado uma lareira, o símbolo de Héstia. Na parte interior do escudo, ou seja, onde há um encaixe para o usuário por o seu braço há uma espécie de almofada, simbolizando o "conforto". Útil para aguentar ataques fortes. Quando não está em uso, se transforma em um relógio de ponteiros feito de ouro com a parte interior de ouro branco.] {Prata e Ouro} (Nível Mínimo: 1) {Controle sobre o Fogo} [Recebimento: Presente de Reclamação de Héstia adaptado por Harry S. Sieghart] Pulso esquerdo

- {Flame} / Faca de Arremesso [Faca de arremesso de ouro solar, com o cabo de couro. Também pode ser usada para combates diretos. Apresenta o entalhe de uma fogueira em sua lâmina.] {Ouro Solar} (Nível Mínimo: 2) {Não controla elementos} [Recebimento: forjado por Harry S. Sieghart] Att por Hécate.No cinto.

- {Flare} / Faca de Arremesso [Faca de arremesso de ouro solar, com o cabo de couro. Também pode ser usada para combates diretos. Apresenta o entalhe de uma fogueira em sua lâmina.] {Ouro Solar} (Nível Mínimo: 2) {Não controla elementos} [Recebimento: forjado por Harry S. Sieghart] Att por Hécate. No cinto.

- {Burn} / Bainha [Cinto de couro com uma fivela de prata comum, que quando pressionada, transforma o cinto em um parecido, com 3 bainhas de facas, sendo duas delas laterais (para as facas de ouro solar) e uma na parte de trás do cinto (para a faca de bronze).] {Ouro Solar} (Nível Mínimo: 1) {Não controla elementos} [Recebimento: forjado por Harry S. Sieghart] Att por Hécate. Cintura.

{Winged Sneakers} / Tênis [Um par de tênis azulados, que tem como detalhes alguns desenhos de ventos. Ao bater seus pés um no outro por três vezes, o usuário começa a voar. Consegue chegar em alturas e alcançar velocidades consideráveis. Para descer, basta fazer as mesmas ações que fez para subir que ele diminuirá a altitude aos poucos. Quando está sendo usado em solo confere ao semideus que o calça um aumento de cerca de 10% em sua agilidade. {Couro} (Nível Mínimo: 20) {Não controla nenhum elemento} [Recebimento: Missão "Chama da Esperança" narrado e avaliado por Dom Demon/William Véroz; atualizado por ~Lady Íris~] Calçados.

Braçadeira quitinosa [Braçadeira lisa e cilíndrica, de tons avermelhados. Ao ser ativado, faz com que a pele do semideus tenha suas características alteradas, se enrijecendo, aumentando sua resistência a golpes físicos em 50% por 3 turnos. 1 vez por evento. (nível mínimo: 07) {Material: pele de carangueijo gigante} [Ganho como recompensa pelo evento "O levante"] Pulso direito.

— Bolsa de Componentes Mágicos / Bolsa (Nela são guardados desde objetos para preparo de poções até bisturis e utensílios médicos [ela possui espaço infinito para tais coisas e somente para tais coisas; também aparece e desaparece, dependendo exclusivamente da necessidade do semideus]) {Couro} (Nívem mínimo: 1) (Controle sobre nenhum elemento)[Presente de Curandeiro] No aguardo pra convocação.

— Colar do Serpentário / Colar (o formato e o estilo da confecção lembram uma serpente dourada; nunca pode ser perdido, vendido ou retirado a força, pois identifica os curandeiros e, portanto, não é considerado um item nas contagens para missões, eventos e tramas, embora ainda seja preciso citá-lo) (seu efeito principal é o de, quando retirado do pescoço, se transformar em um dos itens a seguir: uma réplica quase totalmente semelhante do Bordão de Asclépio (ou seja, uma espécime de bastão rústico e fino envolvido por uma serpente de escamas feitas de prata envenenada que podem ser tão afiadas quanto uma espada, possuindo o mesmo potencial de corte de uma arma laminada; ele se adapta completamente ao tamanho e porte físico do usuário). {Prata, madeira e veneno} (Nível mínimo: 1) (Controle sobre nenhum elemento) [Presente de Curandeiro] Pescoço.

{Help} / Anel [Um anel de prata, com um pequeno pedaço de rubi preso nele. Abençoado por Asclépio, este anel permite ao curandeiro, aumentar seu limite de cura nas técnicas curativas em 20%, ou seja, se uma técnica permite o curandeiro recuperar 100 HP ou MP, usando este anel ele conseguirá curar 120 de HP ou MP, sem qualquer gasto extra. No caso de um número não exato, o valor é arredondado para baixo. Não tem influência sobre técnicas de ressuscitação. Dura dois turnos, uma vez por ocasião.] {Titânio e Rubi} (Nível Minímo: 45) {Controle sobre Cura} [Recebimento: Missão "O guerreiro da cura", avaliada por Macária e atualizada por Asclépio.] Mão esquerda, indicador.

{Weismann} / Runa [Um fragmento da Runa Weismann, que foi destruída durante a segunda Batalha dos Reis. Foi dada a Ayla e Jon pelo próprio Weismann, o Rei Prata Imortal. Pode ser colocada em um colar, pulseira e até mesmo em um anel, pois seu tamanho não é maior do que o de uma pedra brita, e tem a coloração branca. Apesar de a runa ter concedido a imortalidade para Weismann, ela não a concedeu para os semideuses, mas graças ao seu poder, os danos físicos recebidos pelos semideuses diminui em 25%, podendo aumentar progressivamente a cada dez níveis subidos. Não pode ser perdida, vendida e tampouco trocada ou dada, visto que além do poder fornecido ele é um símbolo da confiança e amizade dos Reis para com Ayla e Jhonn.] (Nível mínimo: 50) {Não controla nenhum elemento} [Recebimento: Missão "Return of Kings", passada e avaliada por Nyx e atualizada por Hécate.] No bolso da camisa.
Poderes:
Passivos

Aura de restauração (Nível 43)
A presença do curandeiro emite uma aura que afeta seus aliados próximos, ampliando fatores de cura/ regeneração e ampliação próprios enquanto em uma área a até 25m de raio de distância do servo de Asclépio. Isso faz com que as restaurações sejam 50% maiores (mínimo de 1 ponto) mas não altera as condições das mesmas. Adicionalmente, seus próprios fatores naturais (regenerações passivas, não poderes ativos) são ampliados, desde que, obviamente, ele esteja dentro da situação especificada. [Novo]

Ativos

-
Itenzão especialzão:
❖ {Tao} / Amuleto [Um amuleto antigo de prata com inscrições em um idioma desconhecido. A imagem circular de Yin e Yang se complementando permanecem no centro da figura. Ao ser segurado por seu usuário, pode dividi-lo em suas duas essências, personalidades opostas com HP/MP individuais, equivalentes a 1/2 do total do personagem. Devido ao estado incompleto do item como está, cada uma das personalidades pode utilizar apenas poderes de um dos grupos aos quais o semideus pertence – Um com acesso aos poderes de Héstia, o outro aos poderes de Asclépio. O nível máximo de acesso aos poderes equivale a ¾ do nível atual do personagem. Com futuras DiY, as limitações do item poderão ser removidas.] {Metal e Magia} (Nível Mínimo: 70) {Magia} [Recompensa pela DiY "Yin and Yang", avaliada e atualizada por Hécate.] Bolso da camisa.
Obs:
Legendinhas, personagens e explicações:
1Yin: O princípio passivo. Manifestação de Jhonn que incorpora a reação, a passividade, a mente intuitiva e empática. É um personagem mais racional, compassivo e emotivo da dupla. É o lado bom e puro de Stark, sua parte protetiva. Só tem acesso aos poderes de seu patrono, Asclépio.

2Yang: O princípio ativo. Manifestação de Jhonn que incorpora a ação, o calor,  a impulsividade e vigorosidade. É um personagem de certa forma irritadiço e tomado facilmente por seu instinto, representando a parte guerreira de Stark. Só tem acesso aos poderes de sua progenitora, Héstia.
Outras observações cabíveis:
Então, lá vamos nós.

❖ O pesadelo do Jhonn foi uma referência à Burned Tower de Johto, no exato momento em que ela foi destruída e a ave lendária de lá se enfureceu.
❖ Eu não detalhei muito questões de cenário pra não fazer burrada, ou me alongar muito.
❖ Jhonn se separa em suas personalidades sempre que passa por um estresse psicológico muito grande ou as duas metades discutem entre si, já que estão sempre ativas em sua cabeça.
❖ Esse conceito TAMBÉM é uma referência, só que dessa vez ao conceito de fusão gem presente em Steven Universe.
❖ O personagem tem um trauma bem grande com o oriente, vultos e coisas macabras, já que no processo de "descoberta" do medalhão de Psiquê ele foi sequestrado, torturado e perseguido por demônios orientais malignos. É.
❖ As cores de "Voz" do Jhonn nas duas personalidades são distintas para que possa ser narrada a discussão entre elas enquanto ele não se divide. Daí todo mundo pode saber quem disse o quê.
❖ Yin e o Jhonn "completo" tem a mesma cor de texto, não coincidentemente. Apenas por Yin ser o traço dominante da personalidade do personagem completo.
Sobre a cura no começo do post:
Basicamente, eu usei duas poções de energia e duas de vitalidade. Somando meus bônus e fazendo as conta,
eu fico com 795HP e 595MP. Mais do que o bastante pra continuar vivo, mores.

As poções usadas já estavam preparadas na enfermaria, e é algo que eu faço sem gasto próprio. Então... Só pra registro:

Poções usadas:
Nível 6
Poção Vitalícia Simples: Uma poção de coloração esverdeada-pálida, caso tenha sido formulada do jeito correto, e de gosto ligeiramente azedo; é particularmente básica e, portanto, não necessita da especialização ‘Alquimista’. Seu principal efeito é o de, após ingerida pela boca como um líquido, recuperar a vida do paciente. Por questões de segurança, só pode ser consumida uma dose a cada turno.

Nível 9
Poção Energética Simples: Ao ser produzida da forma apropriada, a poção adquirirá uma tonalidade arroxeada e um gosto frutífero refrescante e adocicado; comum e imprescindível para os curandeiros, ela não precisa da especialização ‘Alquimista’ para ser feita. O efeito dela é, quando sorvida para dentro dos lábios, restaurar a energia do cliente. É óbvio e claro que ela não pode ser ingerida em excesso e, portanto, seu uso só é liberado uma vez a cada turno.

Nível 12
Poção Vitalícia Média: Se criada corretamente, a poção irá adquirir uma coloração semelhante à Poção Vitalícia Simples, porém desta vez será um pouco mais brilhante do que a anterior e será um pouco mais escura. O gosto da poção, a princípio, é azedo, contudo vai se tornando refrescante conforme é ingerida. Este tipo de poção só poderá ser criados por Alquimistas, uma vez que ela é mais avançada que a sua antecedente. Por questões de segurança, só uma dose pode ser ingerida uma vez por turno.

Nível 15
Poção Energética Média: Ao ser produzida da forma apropriada, a poção adquirirá uma tonalidade arroxeada, levemente brilhante e um gosto frutífero de refrescante e adocicado; também como a poção vitalícia média, esta só pode ser criada por aqueles curandeiros que decidiram tornar-se Alquimistas. Por questões de segurança, ela só pode ser ingerida uma vez por turno.
AGORA VAI!:

[/b]
[EVENTO] The Hypno Song — Grupo 2 (Alaric) Giphy
[b]
Jhonn Stark
Jhonn Stark
IndefinidosPercy Jackson RPG BR

Mensagens :
691

Localização :
Acampamento Meio-Sangue

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [EVENTO] The Hypno Song — Grupo 2 (Alaric)

Mensagem por Aurora R. Bailey em Sex 20 Out 2017, 01:01


if you'll be my star, i'll be your sky
You can hide underneath me and come out at night. When i turn jet black and you show off your light



 Bailey parecia relaxa, o ambiente onde se encontrava podia proporcionar isso. Resolveu ir ao bar da boate tomar algo mais forte enquanto ainda podia, fez um pedido aleatório e recebeu um drink literalmente azul. A garota não esperou muito para desfrutar da sua bebida e o terminou em poucos goles, seu gosto era um misto de ácido com doce e desceu rasgando em sua garganta fazendo-a tossir um pouco.

Precisava procurar Elisa, precisavam retornar para casa, em poucos passos sentiu o efeito do álcool a pouco consumido. Continuou andando até perceber o banheiro do local, resolveu entrar para poder pôr a mente no lugar. Se debruçou sobre a pia se encarando no espelho, a visão não estava nos melhores momentos e riu consigo.

Direcionou sua atenção a torneira a sua frente, planejando refrescar seu rosto, a água estava gelada e isso a agradava. Molhou seu rosto sem se preocupar muito com o cabelo que acabou tendo uma boa parte molhada.
— Isso são modos de uma dama? — A garota levantou a cabeça rapidamente assustada, pelo espelho pode ver uma figura encostada em um dos reservados, apertou os olhos pra tentar visualizar melhor, porém sua visão continuava ruim. Se xingou por isso e virou-se rapidamente para tentar ver o real. Incrédula percebeu que nada nem ninguém se encontrava ali. — Não tente entender — a garota voltou seu olhar desesperado para o espelho temendo poder ver algo ali ainda. — Gostaria apenas que soubesse que — palavras começaram a surgir no espelho após sua frase, sendo: O JOGO ESTÁ APENAS COMEÇANDO.

Ray após passar um longo tempo longe do acampamento achou que por estar ali novamente estaria livre dos pesadelos, apesar que dias antes conseguira dormir tranquilamente. Intrigantemente aquele pesadelo não seguia as mesmas características dos seus habituais, pensando um pouco recordara que alguns semideuses estavam comentando sobre mortes após pesadelos estranhos.

Após resolver não voltar a dormir a garota notou perto das suas coisas um papel com alguns escritos.

"1229 NW 8th St, North Bend, WA 98045, EUA"

Não sabia do que se tratava, pegou o pequeno papel e fitou-o por um tempo. Tinha planos para o dia que viria, mas não queria arriscar não saber do que aquela localidade se tratava. Depois de um pouco pensar chegou a conclusão que deveria ir ao tal endereço, não custava nada, apenas um pouco do seu tempo e dinheiro com passagens.


Depois de algum tempo se arrumando, Ray decidiu compor seu visual com peças básicas: uma blusa preta; um casaco de couro marrom, que mandara fazer umas modificações no seu acabamento interno para que pudesse caber um dos seus chicotes de um lado e do outro sua amada adaga, fazendo que o casaco ficasse com um aspecto mais largo; uma calça jeans e botas confortáveis, não gostava da ideia de ser prejudicada por escolhas mal feitas.

Já pronta a garota decidiu partir para seu misterioso destino, não recordava se era necessário pedir autorização para sair do acampamento, mas não quis tirar aquelas dúvidas no momento e saiu no meio da noite. Pegou emprestado uma moto de um dos seus irmãos, prometendo trazê-la o mais breve possível. Em pouco tempo chegou ao aeroporto mais próximo, para sua sorte o voo sairia em trinta minutos sendo apenas necessário aguardar esse tempo. Tentava compreender o que o sonho, mas nada específico vinha a sua mente.

finalmente havia chegado em Washington, sua parada final dependia apenas de um táxi, o que não era difícil em um aeroporto. Bailey logo adentrou um e pediu ao motorista que a levasse ao endereço que estava no papel, entregando-lhe após se pronunciar.


em pouco tempo já estava em frente ao local, Bailey olhou em volta antes de começar sua procura, não viu ninguém do lado de fora. Começou a andar em direção a uma porta que estava aberta. O recinto era grande e possuía muitas caixas e máquinas de jogos, a garota até então não sabia exatamente do que se tratava aquele local. No centro do galpão quatro silhuetas se fizeram presentes na visão da Ray, três desconhecidas e uma inesquecível. Eram três homens, John uma próle de Héstia; o segundo garoto que estava agarrado no outro se chamava Peter filho de Zeus, sua reação deixara a impressão que tivesse sido pela entrada da única desconhecida por parte do grupo; Alaric única pessoa ali presente que conhecia, isso lhe dava um certo alívio, porém lhe causara desconforto, ela havia partido sem deixar rastros, não sabia qual poderia ser a reação do rapaz naquele momento e por fim Bianca filha de Selene, a mesma foi rápida e fechada na sua apresentação, facilitando as coisas para Bailey.

—  Aurora, filha de Afrodite. —  Não era muito boa com apresentações e agradeceu por todos terem sido rápidos. Logo em seguida Alaric tomou as rédeas da situação e levou todos a outra entrada, ninguém aparentava saber o caminho que seguiam, apenas iam de acordo com Alaric.

Entraram em uma sala com aparelhos de video-game e uma tv enormes, logo um clarão foi visto e um vídeo começou a ser reproduzido. De início Bailey não sabia do que se tratava, apenas perto do final reconhecera o desenho em questão, pensara um pouco e recordara o nome: se tratava de pokemon.

Após a passagem do vídeo nada continuou como antes, o ambiente não era o mesmo e as pessoas ali tinham diminuído de tamanho inclusive a própria Aurora, que antes já não entendia nada se afundava cada vez mais na falta de informações. Perdida em seus pensamentos a pequena, que agora aparentava ter uns dez anos, ouvira apenas parte de que deveriam chegar em uma torre.

Logo saíram do local onde parecia ser o mais seguro no momento, todos aparentavam sentir medo, estava totalmente deserto o caminho, a visibilidade era baixa, mas o filho de Nyx parecia saber onde estava indo. Apesar da regressão de idade Aurora ainda possuía a marca da maldição então aquele ambiente não lhe trazia sentimentos. A garota continuou a caminhar sendo a última do grupo, olhando com curiosidade tudo a sua volta, temendo o que poderia vir.

Considerações:
Maldição:
{Unable} / Maldição [Como garantia de que a garota não vá se desviar de seu caminho, Nêmesis a marcou com um símbolo no braço - uma espada quebrada ao meio. Mais que uma lembrança de que deve cumprir sua missão, a marca inibe a ação de sentimentos na jovem, desde que esses não sejam causados por poderes e/ou itens. Na prática, a maldição torna Nicole vazia de sentimentos naturais - como o medo de perder alguém, por exemplo - ainda que estes sentimentos possam ser causados por poderes e itens de outros seres. Não interfere no uso dos poderes da prole de Afrodite.][Recebimento: conquistado por DIY, avaliado por Orfeu e atualizado por Ares.]
itens:


♥️ {Beauté} / Chicote  [É um chicote, todo trabalhado a mão, com 2,5m. Ele é feito de couro, e nesse couro, pode se perceber detalhes em renda, bordada manualmente. Ele também reluz alguns fios acobreados, deixando entrever o bronze sagrado, que ajuda em ataques mais precisos, e pode cortar a pele do atingido.]{Couro e bronze sagrado} (Nível Mínimo: 1 ) [Recebimento: Presente de Reclamação de Afrodite]




♦️ {Unloved} / Faca [Uma faca parecida com a que Nicole usara para matar uma colega no passado, porém com um aspecto mais voltado para as batalhas, feita de bronze e com o cabo feito de prata. A faca é envenenada, e uma vez por missão esse veneno pode ser ativado, fazendo com que o alvo acertado fique apaixonado pela semideusa, independentemente dos gostos pessoais ou de poderes, caso seja no máximo 2 níveis mais forte que ela. O efeito dura no máximo dois turnos até que o alvo volte ao normal. É necessário a garota ativar a faca antes de desferir o golpe, sendo que caso o mesmo erre o efeito do veneno perde seu efeito.] {Bronze e Prata} (Nível Mínimo: 12) {Não controla elementos} [Recebimento por Aldrick no treinamento do 3º Trimestre de 2014]




Elixir da Vida (médio): Recupera 30HP










.
thanks maay
Aurora R. Bailey
Aurora R. Bailey
Filhos de AfroditeAcampamento Meio-Sangue

Mensagens :
208

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [EVENTO] The Hypno Song — Grupo 2 (Alaric)

Mensagem por Alaric L. Morningstar em Sex 20 Out 2017, 01:03

The Hypno Song

CAPÍTULO DOIS


Era de se esperar como seria o interior do local: uma construção antiga, mal preservada e cuja maior parte de sua área era tomada pela penumbra. O térreo servia como uma sala de espera, com algumas cadeiras e uma recepção, embora, assim como lá fora, não houvesse nenhum sinal de vida ali. Até havia uma porta nos fundos, atrás da bancada, mas talvez fosse melhor não arrumarem mais encrencas.

Ali dentro, a névoa, inexplicavelmente, também se fazia presente, mesmo que as janelas e porta estivessem fechadas. Ela parecia vir de uma escada na parede oposta à que se encontravam, mas era menos densa que aquela lá de fora.

Segurando a mão de Peter, Alaric respirou fundo, à frente dos outros semideuses. Tentava conter aquele sentimento mais genuíno do ser humano, que há tempos não experimentava. Ele tinha medo, mas procurava não demonstrar aos seus companheiros — afinal, era o líder do grupo e o mais velho, deveria mostrar confiança e apoiá-los.

E mesmo temendo, o garoto permitiu-se um sorriso antes de seguir em frente. No fundo, apesar de todo o cenário e clima assustadores, estava dentro de seu jogo preferido, o que acabou trazendo certa animação. "Eu sou Alaric Morningstar, sou um mestre pokémon", disse consigo mesmo, lembrando-se das incontáveis vezes que zerara aquilo. Ele então avançou em direção às escadas, finalmente adentrando no cemitério. O jogo havia acabado de começar.


| Pontos Obrigatórios |


— Introduzam seus turnos com o que foi abordado acima, reagindo a todo o cenário e seguindo pelas escadas. Assim que chegarem no primeiro andar, notarão que é ali que de fato se encontram as covas (bem como nos andares superiores). Inicialmente, não notarão nada que os prendesse ali, então continuarão subindo pela torre;

— A partir do segundo andar, entretanto, começarão a ouvir algumas vozes e verão vultos também, o que os assustarão. A princípio, seria algo rápido, não muito claro e que aconteceria de tempos em tempos, mas, conforme vão avançando os andares, as vozes e os vultos começam a tornar-se constantes, e finalmente entenderão as mensagens. Diriam coisas como "saia daqui", "corra" e congêneres;

— Nesse ponto, vocês demonstrarão certa insegurança, uma incerteza sobre realmente continuar em frente. Amedrontados, cogitarão voltar, mas Alaric acabará retomando o controle e os incentivará a não desistir, lembrando da mensagem da entidade em seus sonhos;

— Nesse momento, já estariam no quinto andar. Quando seguirem para o próximo, que é o penúltimo, verão cinco criaturas surgindo (seja da névoa mais densa, de uma das covas ou do meio das sombras). No começo não conseguirão identificá-las bem, embora estejam olhando-os com um olhar hostil. Após ouvirem um "nós te avisamos", cada uma avançará em um semideus (informações sobre as criaturas de cada um estará em spoiler abaixo);

— Narrem um confronto contra cada um dos seus adversários (e, por favor, levem como uma luta individual). Peço que mantenham a coerência, e que não façam o clássico "one-hit-k.o". Assim que os derrotarem, encerrem seus posts preparando-se para o sétimo e último andar, onde certamente os esperaria a fonte de todo o terror.


| Observações Adicionais |


— Local: The Pokémon Tower, Lavender Town;
— Horário: Por volta das 3h da manhã;
— Clima: Frio;
— Cuidado com o template e os codes do mesmo. Lembrem-se de revisar seus posts. Qualquer coisa importante/que deva ser considerada, spoiler;
— Seus oponentes estão no spoiler abaixo. Para fins interpretativos, caso queiram saber (embora não influenciará na luta de vocês) o de Alaric será uma espécie de "ratazana-zumbi-demoníaca-gigante" (Raticate — quem pegar a referência dessa criatura em especial, pegou) que sairá de uma das covas.
— Prazo: 5 dias;
— Em caso de dúvidas, podem me procurar. E, por favor, avisem quando postarem. Boa sorte.


peter:

6 anos
Nível 57
HP: 640/660
MP: 640/660

Oponente:

Haunter — 330 HP
Esse fantasma é um estágio intermediário entre Gastly e Gengar: seu corpo, ainda não totalmente desenvolvido, conta com uma cabeça (que tem uma espécie de cauda como terminação) e mãos flutuantes, cujos dedos são afiados como garras. Possui também chifres, e todo o seu corpo tem a coloração roxa. Surgirá de uma das covas do local.
— Ataques
Lick: Haunter possui uma enorme língua fantasmagórica e, ao mesmo tempo, tóxica. Ao lamber (ou até mesmo "chicotear" com ela) o inimigo, consegue dar-lhe um bom dano.
Shadow Punch: Uma aura sombria envolve a "mão" do fantasma, permitindo-lhe dar um soco poderoso no oponente.
jhonn:

10 anos
Nível 80
HP: 795/890
MP: 595/890

Oponente:

Marowak — 445 HP
É uma espécie de criatura reptiliana, embora tenha traços humanoides, coberta por um couro rígido e castanho, mas numa versão "zumbi". A cabeça, diferente do resto do corpo, revela seu crânio por inteiro. Bípede, em uma das "mãos" segura um grande osso em forma de bastão. Surgirá de uma das covas do local.
— Ataques
Headbutt: Potencializando sua força no crânio, a criatura pode dar uma potente cabeçada no inimigo.
Bone Club: Marowak pode atirar o osso, que usa como arma em batalha, em direção ao seu inimigo. O osso retorna como um bumerangue.
bianca:

9 anos
Nível 90
HP: 970/990
MP: 970/990

Oponente:

Gengar — 495 HP
Uma espécie de "sombra", que assume uma forma humanoide, embora seus braços e pernas sejam curtos. Seus dedos são pontudos como garras, tem chifres e possui também uma forma meio "espinhosa" da nuca até o que seria uma pequena cauda. Seu corpo inteiro tem uma coloração roxa, numa tonalidade mais escura. Ostenta um sorriso tão maníaco e medonho quanto seus olhos vermelhos. Surgirá das sombras do local.
— Ataques
Shadow Punch: Uma aura sombria envolve a "mão" de Gengar, permitindo-lhe dar um soco poderoso no oponente.
Shadow Ball: Concentrando seus poderes, ele pode criar uma esfera de energia negra (do tamanho de uma bola de tênis) e atirá-la contra um oponente.
aurora:

10 anos
Nível 17
HP: 220/260
MP: 162/260
Oponente:

Gastly — 130 HP
É um fantasma pequeno, com um corpo esférico de tom enegrecido rodeado por um "gás" roxo. Possui olhos grandes e malignos, bem como um simples sorriso que exibe apenas dois caninos afiados. Surgirá da neblina do local.
— Ataque
Lick: Gastly possui uma enorme língua fantasmagórica e, ao mesmo tempo, tóxica. Ao lamber (ou até mesmo "chicotear" com ela) o inimigo, consegue dar-lhe um bom dano.
Night Shade: O fantasma cria miragens na mente do oponente, confundindo-o.




Edited by H.I.M. and stolen by me
Alaric L. Morningstar
Alaric L. Morningstar
IndefinidosPercy Jackson RPG BR

Mensagens :
1048

Localização :
Hollywood Hills, LA.

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [EVENTO] The Hypno Song — Grupo 2 (Alaric)

Mensagem por Peter Lost em Qua 25 Out 2017, 17:00

ϟ
THE HYPNO SONG
Parte 2 
ϟ
Peter Lost
Quer se perder comigo?
[EVENTO] The Hypno Song — Grupo 2 (Alaric) HeOg5gr
O caminho até a torre fora uma das coisas mais aterrorizantes que eu havia feito em muito tempo. Infelizmente, as coisas não melhoraram com a chegada ao nosso destino. O interior da torre era simplesmente horripilante.

O lugar escuro e antigo não me agradou nem um pouco. E para piorar, também estava envolto da estranha névoa que nos rondava desde que começamos a andar pela cidade. Meu coração palpitava a cada passo que dávamos em direção ao desconhecido. Ironicamente, o recinto se assemelhava muito com uma recepção, de forma que eu me via obrigado a pensar em quem teria coragem de ficar ali esperando por qualquer coisa.

Olhei ao redor, eu já não estava mais completamente assustado, como quando chegara naquele “mundo estranho”, mas mesmo assim não me sentia a vontade para ficar andando por ali. Ainda segurando a mão de Alaric, rodeei o local com os olhos, de forma a me deparar com uma escadaria ao fundo, por onde a névoa parecia ficar mais densa.

Eu não queria ir por ali, mas se o feiticeiro estivesse certo, nós teríamos que subir por aquela torre. Sem muitas palavras, Alaric pareceu respirar fundo, mas eu não o vi demonstrar medo algum. Aquilo me trazia confiança e, no momento, era o que eu mais precisava.

Com um leve sorriso, o filho de Nyx avançou em direção às escadas. Eu, soltei sua mão, com apreensão de ser um dos primeiros a subir as escadarias. O jogo estava prestes a começar.

Ω

O primeiro andar já se mostrava algo extremamente desagradável. Diversas covas estavam espalhadas por todo o local, parecendo uma espécie de cemitério abandonado. Em um primeiro momento, senti grande desconforto, afinal, o lugar não era o que se pode chamar de convidativo.

Respirei fundo, tentando acalmar os pensamentos e diminuir o ritmo cardíaco, ao mesmo tempo que tentava me convencer, sem muito sucesso, de que aquilo ali não poderia me prejudicar.

Apesar da sala ser no mínimo desagradável, não havia nada de mais por ali além da névoa fantasmagórica que, ao meu ver, parecia um tanto mais espessa. Portanto, segui o grupo de perto tentando não perder nenhum dos meus companheiros de vista. O meu maior pesadelo seria ficar sozinho naquele lugar.

Fomos avançando juntos, todos pareciam apreensivos. E foi então que uma voz baixa e indecifrável ecoou como se estivesse atrás de mim. Um calafrio correu por todo meu corpo, fazendo-me virar de supetão e fitar a escuridão total. Não havia nada ali.

Respirei fundo, tentando convencer a mim mesmo de que fora apenas uma peça pregada pela minha mente. Continuei avançando no ritmo dos outros herois, contudo o maior terror daquela cidade voltou a me atormentar. Vultos apareciam de tempos em tempos e as vozes ecoavam cada vez mais altas pelo recinto.

Eu sabia que não conseguiria aguentar aquilo por muito mais tempo, o cenário parecia se repetir a cada andar e o medo era crescente dentro de mim, mas que outra opção eu teria? Focalizei meus olhos no chão e tentei ignorar tudo à minha volta. Apenas caminhei como um robô em piloto automático, enquanto tentava não começar a chorar novamente.

Em certo ponto, os vultos pareciam mais vívidos e as vozes ecoavam extremamente altas e claras. Algumas nos diziam para fugirmos enquanto podíamos, outras apenas davam ordens simples como “Corram”, além disso, eu podia jurar ter ouvido algumas gargalhadas ao fundo.

Todas as células de meu corpo parecia gritar para que eu saísse dali, meus braços e pernas pareciam relutantes quanto aos meus comandos de avançar. Eu me forçava mais para continuar a cada passo que tinha, mas com certeza minha determinação estava chegando ao fim.

- Corram por suas vidas! – Ecoou uma voz forte e fantasmagórica em minha mente.

Esse momento foi decisivo para mim. Todos os meus músculos travaram e eu já não conseguia dar mais nenhum passo. As lágrimas tornaram a escorrer pelo meu rosto infantil e minhas bochechas se tornaram extremamente rosadas.

Olhei em volta e todos pareciam estar extremamente desanimados e prontos para desistir. “Eu não sou o único” pensei um tanto aliviado. Se todos desistíssemos, talvez pudéssemos encontrar uma forma alternativa de sairmos daquele lugar.

As vozes continuavam a ecoar e os vultos apareciam com grande frequência. Sem conseguir me aguentar, agachei e levei as mãos ao rosto enquanto chorava.

- Não quero mais fazer isso, quero ir pra casa! – Falei baixinho, de forma que apenas eu escutasse. - Papai, por favor me tire daqui, eu não aguento mais!

Todos pareciam querer desistir, aparentemente os membros do grupo pareciam incertos em relação a esta tarefa. Alaric mais uma vez se mostrou o líder do grupo. Ele nos fitou por alguns instantes, como se estivesse pensando no que dizer.

- Pessoal, estamos quase no fim! – Ele começou seu discurso. Tentando nos convencer de que aquilo deveria ser feito.

Pouco a pouco ele conseguiu fazer com que os membro do nosso pequeno grupo se sentissem a vontade para terminar a tarefa, lembrando-nos dos sonhos que tivemos e do que acontecera antes com aqueles que não seguiram as ordens, mas eu sabia que não conseguiria. Mantive-me agachado, a decepção era evidente em meu rosto.

Se eu tivesse meus bons onze anos, aquilo não seria problema. Eu lutara contra monstros, eu desafiara deuses poderosos e criaturas além da imaginação. Minha vida havia me preparado para situações como aquela, mas por algum motivo eu não estava conseguindo acessar aquela coragem.

Aparentemente, meu eu de seis anos era um inútil completo. Mantive-me de olhos fechados, chorando silenciosamente e desapontado com minha própria falta de poder. Sem muito aviso, uma mão pousou sobre meu ombro, fazendo-me estremecer antes de abrir os olhos.

O filho da noite estava agachado bem na minha frente, olhando-me no fundo dos olhos.

- Temos que continuar, Peter – Ele falou baixa e calmamente, de maneira que os outros semideuses não o escutassem.

- Eu não consigo, Alaric. – A voz choro saiu mais aguda do que eu esperava.

- Claro que consegue! Você vai ver, vamos todos chegar em casa sãos e salvos! – Ele exibiu um pequeno sorriso em seu semblante, como se estivesse tentando me passar confiança.

- Mas eu… – Minha voz falhou, logo antes de eu soltar um soluço em meio as lágrimas. - Mas eu estou com medo!

- Quer saber um segredinho? – Ele se aproximou de mim, ainda com o seu sorriso. - Eu também estou, Peter.

Eu o fitei incrédulo, Alaric não tinha medo de nada! Eu realmente estava sem palavras. Ficamos alguns instantes nos encarando até que ele tornou sua fala.

- Eu ia me sentir muito mais seguro se você estivesse com a gente. – Falou, mas eu não soube dizer se era mentira ou se ele realmente queria minha companhia. Sem explicar mais nada, ele se levantou e estendeu a mão para mim.- Vamos lá?

Encarei sua mão por uma fração de segundo, antes de respirar fundo e enxugar as lágrimas.

- Vamos lá... – Falei enquanto segurava sua mão e me levantava.

Ω

Todos avançamos da melhor forma possível. Pelas minhas contas, estávamos no quinto ou sexto andar quando nos deparamos com diversos vultos.

Diferentemente dos anteriores, estes vultos não sumiram, eles nos encaravam como se estivessem bravos conosco. Em um primeiro momento eu não conseguia distinguir uns dos outros, portanto ficamos apenas encarando-os.

Eu não sabia muito bem o que pensar, mas fechei a mão direita com força, preparando-me para ativar perdição, caso fosse necessário. Eu me sentia um tanto inseguro para lutar, afinal, eu já não era mais o mesmo.

Eu sabia que minha força física estava extremamente reduzida e temia que minhas habilidades físicas e meus poderes divinos também estivessem mais enfraquecidos. Engoli um seco, esperando que os vultos sumissem, mas aquilo não aconteceu. A voz que me atormentara até o momento me se manifestou mais uma vez, falando apenas “Nós te avisamos”.

No instante seguinte, as criaturas avançaram contra nós, um deles voou em minha direção com grande velocidade. Conforme ele se aproximava, tudo ao meu redor pareceu fora de foco, minha mente estava completamente concentrada na criatura.

Ativei meu Lost Belt e transformei Perdição em sua forma de lâmina. A espada parecia menor do que usualmente, afinal, ela era uma espada mágica que se adequava em tamanho e peso de acordo com o usuário.

Sorri ao perceber que conseguiria manejá-la com a mesma facilidade de sempre. O medo já não estava entre meus sentimentos, ele havia sido substituído pela excitação e pela adrenalina em meu sangue.

Desviei do primeiro avanço da criatura, jogando meu corpo para o lado e posicionando-me ao seu lado ao mesmo tempo que tentava um corte horizontal no monstro.

Ele era rápido e conseguiu se desviar de meu ataque, distanciando-se de mim. Eu o analisei e, para minha surpresa, o monstro parecia apenas uma cabeça com mãos flutuantes e dedos afiados.

Não tive tempo para analisar mais a cena, pois o monstrengo já colocava sua língua pra fora e me atacava como se quisesse me lamber. Com um leve impulso no chão, projetei o corpo para o alto e saltei por cima da criatura, utilizando minha habilidade de voo para desviar se eu ataque.

Em seguida posicionei-me atrás do monstro, que parecia um tanto confuso e já se virava em minha direção. Mais uma vez, desferi um golpe com minha espada horizontalmente. Mas a criatura desviou novamente como se fosse algo fácil.

Ela era rápida, e eu não tinha tanto fôlego quanto habitualmente por conta dos pequenos pulmões e membros curtos, portanto minha única esperança era derrotar o monstro o mais rápido possível. Minha respiração já parecia mais pesada e aquilo, a longo prazo, iria afetar a luta.

Avancei com perdição à frente do corpo e deferi um golpe vertical contra o monstro. Suas mãos flutuantes estavam envolvidas em uma aura sombria, e antes que meu golpe pudesse acertá-lo, ele socou-me com força, arremessando-me alguns metros para trás.

Caído no chão, eu sentia vontade de chorar, mas aquela não era a hora. Forcei-me a levantar mais uma vez, com lágrimas escorrendo e uma cara de choro estampada em meu rosto. Eu queria gritar e xingar o monstro de “bobo” ou “chatão”, contudo eu não tinha certeza se ele poderia me entender, então apenas me preparei para uma estratégia clássica.

Concentrei energia na mão esquerda e me posicionei de maneira defensiva. Respirei fundo e arremessei Perdição contra o monstro. Ele desviou de minha arma, mas enquanto ele fazia seu movimento, avancei e atirei um relâmpago de minha mão esquerda em sua direção, o qual o acertou em cheio.

A criatura foi jogada para trás, mas eu ainda não havia terminado meu combo. Enquanto avançava, transformei meu anel em uma espada, Karabela, e perfurei o monstro, fazendo-o desaparecer em meio a escuridão.

Ω

Após recuperar meus itens e os transformar de volta em seus estados fundamentais sentei-me, enquanto chorava por conta dos machucados da batalha. Todos os meus companheiros pareciam ter derrotados seus inimigos. Eu praguejava da pior maneira que um garoto de 6 anos pode fazer, xingando tudo e todos de… Boboca ou Besta.

Após todos os ânimos se acalmarem, estávamos prontos para terminar aquilo. Levantei-me ainda com a cara emburrada e os olhos inchados de tanto chorar naquele dia. Fitei a escadaria que nos levaria ao próximo andar, bravo como nunca antes um garotinho de 6 anos havia ficado.

Eu iria terminar aquilo, nem que pra isso tivesse que perder uma semana de sobremesas no acampamento!
Adendos:
Arsenal:
{Karabela} / Sabre [A karabela tem um punho aberto com o pomo no formato de uma cabeça de águia. Seu cabo anatômico permitia o manejo mais fácil de cortes circulares quando se luta a pé e e de cortes oscilantes quando montado no cavalo/pégaso. É feita de bronze sagrado e seu punho é revestido com couro. Vem junto de uma bainha de couro. No nível 20 transforma-se em um anel, com a cabeça e as asas de uma águia entalhadas.] {Bronze sagrado e couro} (Nível Mínimo: 1) [Recebimento: Presente de Reclamação de Zeus]

Perdição [Espada com lamina de bronze sagrado. A arma se adequa em peso e tamanho ao usuário, seu cabo é de aço negro com um fino revestimento de couro preto para melhor manuseio e tem um comprimento padrão. A arma não tem nada de especial em relação a uma arma de bronze sagrado comum, exceto pelo fato de que, quando a espada não esta em uso, ela se torna uma luva negra com as letras “PL” bordadas em branco, indicando que ela só funciona com Peter.] {Bronze Sagrado, Aço Negro, Couro e Tintura} (Nível mínimo: 9) {Nenhum elemento}

{Lost Belt} / Armadura [Uma armadura que protege o usuário. A armadura é feita de bronze e é reforçada para aguentar grandes danos, tanto que golpes comuns de espada causam pouco dano nela. Protege a parte do tronco, pescoço - por causa da gola de metal -, peitorais, costas e ombros. Quando o dono quiser, a armadura se transforma em um cinto, revestido em couro e vice-versa. É muito leve, tanto que Peter pode correr como se estivesse vestindo uma camisa comum.] {Bronze e Couro} (Nível: 24) {Não controla nenhum elemento} [Recebimento: ¥ Dragon Dovahkiin ¥ ]

▲ {Skiá} / Colar [Trata-se de um colar feito inteiramente de prata que ostenta um pequeno pingente de ônix lapidado cuidadosamente no formato de um relâmpago. O item concede o usuário a habilidade de, uma vez por evento/missão, absorver um ataque não físico (mágico ou elemental), desde que o adversário tenha no máximo até o mesmo nível que o jogador.] (Prata, Ônix) {Nível mínimo: 40} (Não controla nenhum elemento) [Recebimento: Missão - "The Lost Boys" / Avaliada por Ayla Lennox e Atualizada por Psiquê.]
Poderes:
Poderes passivos:
Perícia com armas laminadas (Nível 1)- Filhos de Zeus são bons com espadas, as manejando com certa familiaridade.

Voar (Nível 5) - Será seu poder característico. É muito útil e aperfeiçoado quando quiser.

Vigor de Touro (Nível 6) - Como um dos símbolos de seu pai é o touro, seu vigor é maior que os outros semideuses, podendo correr e afins por mais tempo.

Poderes Ativos:
Relâmpago (Nível 27)- Golpe clássico, onde você pode descarregar uma rajada de energia elétrica a um alvo a até 50m. A rajada vai em linha reta, e se dissipa se bater em alguma barreira que interrompa o trajeto. 1 vez a cada 2 rodadas.
Observações:
O post ficou mais curto do que eu esperava, mas acho que não vai influenciar na qualidade dele, portanto espero que goste...
Peter Lost
Peter Lost
Filhos de ZeusAcampamento Meio-Sangue

Mensagens :
279

Localização :
Lost...

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [EVENTO] The Hypno Song — Grupo 2 (Alaric)

Mensagem por Bianca H. Somerhalder em Qua 25 Out 2017, 20:34

THE HYPNO SONG

Embora as paredes caindo aos pedaços e as sombras presentes fossem de fato assustadoras, Bianca ficou curiosa para saber mais sobre o local. Não porque tinha interesse em obter conhecimento, mas porque um dia pretendia ser tão assustadora quanto aquilo… Ou até mais. Um sorriso brotou em seu rosto, imaginando-se com o sonho realizado.

Balançou a cabeça para ambos os lados para se concentrar no ambiente ao seu redor e, com um suspiro, repreendeu-se mentalmente. Distraía-se muito fácil, e aquela não era uma característica que admirava. Então, para fingir estar totalmente por dentro da missão, passou os olhos pelo ambiente com mais precisão.

O térreo era uma recepção, o que vagamente lembrava um hospital para Bianca, fazendo-a ter arrepios. Não tinha boas lembranças de lugares como aqueles, o que a fez desviar os olhos das cadeiras de espera com rapidez. A ação acabou fazendo com que visualizasse a névoa ali dentro também, embora menos densa, e uma dúvida estabeleceu-se dentro de si. Nunca havia visto essas coisas dentro de prédios, então não soube se era uma anomalia dos fantasmas ou apenas um fato desconhecido para ela. Deduziu que a resposta era a primeira opção, já que as portas e janelas estavam completamente fechadas, impossibilitando a passagem da névoa.

Então, ainda analisando tudo, conseguiu captar uma escada oposta a eles, local de onde aparentemente estava vindo toda aquela coisa branca. Por alguns segundos, mordeu os lábios e estacou no mesmo lugar em que estava. Não queria subir por ali. No início achara a ideia de fantasmas extremamente interessante, mas, agora que estavam tão próximos de realmente ver um, não parecia tão agradável assim. Na verdade, tinha medo. A voz de seu pai ecoou em sua cabeça: ”Tenha coragem, Bianca. Ninguém a terá por você.” Suspirou novamente e, dessa vez, seguiu o resto do grupo.

Assim que chegou no primeiro andar, ficou encantada. As covas estavam espalhadas por todo o recinto, de modo que ficou tentada a se aproximar de uma delas. Nunca havia visitado um cemitério antes, mas sempre a falaram que as pessoas voltavam mais sombrias dele… Será que ela também voltaria? O pai provavelmente gostaria daquilo. Mas continuaram apenas subindo os andares, que eram praticamente todos igualmente desertos.

Entretanto, ao chegarem no segundo andar, algo que não tinha no primeiro a fez dar um pulo de surpresa e medo: vozes começaram a confundir a mente de Bianca, embora fossem tão confusas e rápidas que ela não conseguia entender nenhuma palavra sequer. Os vultos novamente estavam ali, como na rua, mas agora a menina não tinha tanta certeza de que não lhe fariam nenhum mal. Pareciam bem ofensivas ali, naquele lugar assustador.

Achou que era coisa de sua cabeça, já que nada era muito claro, mas ao passo em que subiam mais, mais Hale conseguia distinguir o que lhe era dito. No começo, pegou algumas palavras aleatórias, como “daqui” e “vai”, mas não tinha muito sentido para ela. No quarto andar, apenas, as frases se esclareceram. “Saia daqui”, “vai embora” e “corra” foram as que ficaram gravadas na cabeça da menina, como um alerta para ela de que não deveria estar ali.

Seus pés vacilaram e sua lábio inferior tremeu levemente. Olhou para os companheiros não com dúvida sobre o que deveriam fazer, mas sim como um apelo desesperado para irem embora dali rápido. Apenas Alaric, o mais velho entre eles, parecia determinado a continuar. E, apesar de querer demonstrar coragem, Bianca não tinha forças para aquilo. A ameaça iminente das vozes foi como um gatilho para sua vontade de voltar correndo para casa.

Não foi tão fácil decidir ir embora como ela pensou que seria, de todo modo. O filho de Nyx — para o qual Somerhalder lançou um olhar raivoso — os incentivou a continuar, embora Bianca fosse capaz de sentir o medo que ele emanava. Com um sorriso de deboche, levantou as sobrancelhas e o encarou. Ele não era tão corajoso quanto aparentava, e não ia convencê-la a ficar. A menina não tinha o costume de fingir coisas que não possuía, como a coragem naquele momento.

E estava prestes a comunicar isso para eles, quando foi lembrada também do sonho estranho que tivera. Apesar de parecer um acontecimento muito distante, a prole da lua ainda se lembrava dos ossos pretos e do pó no chão da cozinha, e de como o homem parecia corajoso ao enfrentá-la. Não queria morrer para aquele cara… Não para ele, que não tinha recuado a uma ameaça dela.

Rangendo os dentes de raiva por sentir tanto orgulho, seguiu para o sexto andar com os músculos duros e a cabeça martelando. Podia sentir que algo de ruim estava para acontecer. Seu senso de perigo não só apitava, mas sim gritava para que ela saísse dali. Entretanto, seu bônus era que se sentia atraída pelo perigo e, embora tivesse medo, havia algo desconhecido que a puxava para os andares acima, como um ímã.

Um ímã que a queria morta, provavelmente. Porque a sombra nada transparente que Bianca viu se aproximar continha um olhar de raiva e hostilidade, de modo que parecia prestes a atacar a qualquer momento. Sua cor aparentava ser roxa, embora a prole da lua não conseguisse ver bem ainda, já que a figura havia surgido das sombras.

Dando um passo para a frente com a curiosidade que não deveria ter, Somerhalder ouviu as palavras “nós te avisamos”. E, como num piscar de olhos, o bicho estava se jogando para cima dela com dedos — ou garras? Eram bem afiados, de todo modo — prontos para atacar. Tombando para o lado de súbito, a menina encarou o outro.

Ele possuía olhos totalmente vermelhos e um sorriso maníaco, como se estivesse pronto para matar a qualquer momento. No mesmo momento, Hale se perguntou se o pai gostaria daquela coisa diante dela. Ele era tudo que o homem sempre pedia para ela ser: assustador e ofensivo. Rangendo os dentes de raiva, a menina prometeu que mataria o bicho não para sobreviver, mas porque ele era o que ela queria ser.

Naquela hora, todo o medo sumiu de dentro dela, sendo substituído por uma raiva que a própria menina não sabia que tinha dentro dela. Pegando Stetia da bainha, deu passos firmes até a coisa, que aparentemente possuía espinhos nas costas, e levantou a espada.

Entretanto, o adversário foi mais rápido, já que lançou na direção da menina uma esfera negra com, mais ou menos, o tamanho de uma bola de tênis. Com certa dificuldade, Hale abaixou-se e livrou-se do ataque, embora seu cabelo quase tenha sido atingido. Então, jogou-se na direção do monstro, desferindo a lâmina contra seu braço. Essa, porém, só pegou de raspão, fazendo um sangue escuro sair da pele — se é que aquilo era uma pele.

Com rapidez, ele levantou-se e tentou agarrar o rosto de Bianca com os dedos-lâminas, mas tudo que conseguiu foi causar um arranhão superficial na bochecha dela, que soltou um grunhido irritado e dolorido. Largando a espada para colocar a mão no rosto, alcançou sua adaga com a outra mão. E, com habilidade, lançou a arma em direção ao monstro, que cravou em alguma parte dele.

Essa coisa ainda não morreu!, pensou com irritação. Então, novamente recuperando Stetia, Hale aproveitou o tempo em que o adversário sentia dor e se aproximou, enfiando a arma no que deveria ser seu pescoço. Como mágica, seu corpo se transformou em pó preto, deixando no chão a adaga da menina.

Colocando novamente suas coisas nos lugares, observou a escada que levava para o próximo andar. Não sentia mais tanto medo. Depois de perceber que poderia ser forte o bastante para matar tudo que entrasse em seu caminho, a coragem começava a vir naturalmente. E, juntamente com ela, a vontade de passar por mais daquelas experiências cheias de adrenalina.

Bianca nunca se sentia tão viva como quando estava combate.

pormenores:
arsenal:
{Falling Stars} / Shurikens [Conjunto com 10 shurikens de bronze sagrado, mas que se repõem sempre, funcionando quase como um "conjunto de shurikens infinitas". São guardadas em um estojo de couro e veludo. O alcance é limitado à força do semideus, mas não ultrapassa 25m. Podem ser atiradas até 2 por turno, e ambas seriam afetadas pelos poderes.] {Bronze sagrado} (Nível mínimo: 1) [Recebimento: Presente de Reclamação de Selene]

{Moonlight} / Adaga [Trata-se de uma adaga com a lâmina ligeiramente mais larga e curva. O seu formato é levemente arredondado – o que lembra uma lua na sua fase crescente. O cabo tem uma espécie de cobertura (como em sabres) feita de bronze sagrado, o que dá certa defesa as mãos daquele que a está empunhando. Tem uma coloração esbranquiçada e toma um tom azulado quando exposto à luz lunar. No nível 20, se torna um botton escrito "CLUBE DE ASTRONOMIA".] {Bronze Sagrado} (Nível Mínimo: 1) [Recebimento: Presente de Reclamação de Selene]

{Backstab} Adaga [Adaga de bronze sagrado. Diferente do comum, a daga possui uma empunhadura com meia guarda, que protege a mão do portador parcialmente, sem contudo interferir em seus movimentos.]

{Perfidious} Anel [Anel dourado em forma de garra, se encaixa no dedo indicador do arauto. É afiado, mas seu dano seria semelhante a de uma ponta de flecha se usado em ataque corporal, devido ao tamanho diminuto. Ainda assim, possui a capacidade de inocular veneno ao toque, seja diretamente, seja transmitindo o poder para a arma segurada. O veneno é debilitante, sendo considerado um veneno sobrenatural do nível do personagem, para fins de resistências - mas RM não se aplica - e causa a perda de 5% do HP do alvo por 3 turnos seguidos. 1 vez por missão. Adicionalmente, o anel detecta a presença de venenos em um raio de 5m do semideus, esquentando levemente como sinal, ainda que o semideus deve procurar para achar o local exato da presença da substância - a temperatura do anel indica a proximidade. Ambos os poderes só funcionam se o anel estiver sendo utilizado - apenas carregá-lo não permite nenhuma das duas coisas]

{Temptation} Colar [Colar com pingente de uma maçã com uma serpente enrodilhada. Emite um cheiro levemente adocicado. Portá-lo aumenta os poderes de charme, persuação e lábia do Arauto em 10% sempre que em uso (efetividade e chance de acerto, mas não efeitos ou duração). Uma vez por missão pode ser ativado de forma a recuperar 20% de seu HP e MP]

— {Bravery} / Dog tag [Aparentemente uma placa normal de identificação do exército, com os dados básicos do semideus. Com uma bênção mágica contínua, abençoa seu utilizador com um bônus de 15% em sua força física e providencia uma resistência de igual nível a poderes e auras que envolvam os atributos medo e pânico.] {Prata} (Nível mínimo: 1.) [Recebimento: "Face Your Fears", treino trimestral para filhos de Selene e Hipnos. Avaliado por Ayla Lennox e atualizado por ~Lady Íris~.]

Braçadeira quitinosa [Braçadeira lisa e cilíndrica, de tons avermelhados. Ao ser ativado, faz com que a pele do semideus tenha suas características alteradas, se enrijecendo, aumentando sua resistência a golpes físicos em 50% por 3 turnos. 1 vez por evento. (nível mínimo: 07) {Material: pele de carangueijo gigante} [Ganho como recompensa pelo evento "O levante"]

❃{Ilusion} / Anel [Enquanto saia do local em que tinha sido mantida prisioneira, a filha de Selene encontrou um anel no formato de uma caveira negra. Tal item exala uma constante fumaça negra que só poderá ser enxergada por aqueles que tiverem a permissão de seu portador sendo útil para a localização de se portador. De modo que as outras pessoas não enxergam a fumaça, assim a semideusa pode desejar que ninguém veja a fumaça, ou que ao menos uma pessoa a encontre. A desejo do portador e apenas uma vez por missão, a fumaça exalada aumenta deixando uma área de 3x3 completamente no escuro impossibilitando a visão de seu inimigo por três rodadas. Poderes que permitem visão no escuro são afetados em 40%, pois se trata de algo mágico não uma escuridão normal.] {Bronze} (Nível Mínimo: 30) {Nenhum Elemento} [Recebimento: Missão Save Yourserlves, avaliada por Athena e atualizada por Asclépio]

♦️ {Leviathan} / Pulseira O devorador de homens.". Uma vez por missão ou evento, ao ser ativado, as letras emitem um brilho bem fraco e as semideusas são induzidas a um estado combativo acima do normal. Isso aumenta em 30% os efeitos e danos causados por ataques corpo-a-corpo. O efeito dura até duas rodadas, mas pode ser interrompido de acordo com o desejo do usuário.] {Ouro, magia} (Nível mínimo: 40) {Não controla nenhum elemento} [Recebimento: Missão - Leviathan. Avaliada por Éris e Atualizada por Asclépio]

Δ {Stetia} / Espada [Item ganho na entrada de Bianca ao grupo de semideuses, é feito de bronze sagrado e cabo do mesmo material, envolto com couro para melhor manuseio. Possui 110 cm de extensão da ponta da lâmina ao fim do cabo, sendo uma arma um tanto quanto pesada, mas podendo ser empunhada com uma única mão, ainda que requeira um pouco de força; seus atributos, porém, compensam sua dificuldade: a espada, uma vez por ocasião, pode ser envolta com uma energia de fonte desconhecida que dobra o dano causado no oponente, desde que com a lâmina da arma. A espada vem acompanhada de uma bainha de couro simples.] (Nível mínimo: 40) {Bronze sagrado e couro} [Recebimento: por Harmonia na missão "Attracting", atualizada por Asclépio.]

◆ {Luck} / Ficha de Cassino [É uma ficha de cassino comum, aparentemente. Tendo a cor vermelha e os números escritos em branco, só dá para se notar o brasão do cassino pelo toque. Sua habilidade especial é que, uma vez a cada missão e em somente uma rodada, quando ativa enquanto segura pela semideusa, ela permite que a portadora escape de somente um golpe vindo de um oponente ao teleportar-se o mínimo de distância possível para desviar-se do ataque. Caso venha mais de um golpe, o amuleto só pode ser usado em um deles, tendo que defender o outro normalmente, caso o teleporte ainda a deixe na linha de ataque - definido pelo narrador, a ficha só leva para o espaço livre próximo, mas a semideusa não define o local. Caso seja um golpe em área, aplica-se o máximo de cinco metros de raio para teleporte, se o ataque pegar mais do que a área de teleporte, os danos serão calculados normalmente. Para ativá-lo, a usuária precisa ficar rodando a ficha entre os dedos de sua mão.][Material: Plástico.][Nível mínimo: 65][Recebimento: Missão "Money Lies", avaliada por Poseidon e atualizada por ~Eos]

♥️ {Ágape} / Cristal [O pequeno cristal (5cm de altura) é feito de diamante rosa e emite um brilho forte quando ativado seu poder. O item dá ao utilizador a possibilidade de usá-lo para uma das duas finalidades: Pode fazer com que os poderes de manipulação emocional do semideus se potencializem em 25%, porém apenas os que envolvem paixão, sedução, charme e similares; Ou pode fazer com que o meio-sangue adquira 25% resistência aos poderes citados anteriormente. Para filhos de Afrodite o efeito dura três turnos no máximo, e para os demais apenas dois turnos. Pode ser usado uma vez por missão ou evento. O cristal foi presenteado pela própria Afrodite em seu evento no Acampamento Meio-Sangue.] {Diamante Rosa} (Nível Mínimo: 1) {Não controla Nenhum Elemento} [Recebimento: Presente de Afrodite pela participação no evento Level Up: Valentine's. Atualizado por Psiquê]
poderes:
Nível 1: Perícia com adagas e armas laminadas pequenas
O filho de Selene se habitua mais fácil a este tipo de arma, apresentando um aprendizado mais veloz e um manejo mais natural. Apenas para adagas, facas e punhais, armas com estruturas e alcance semelhantes, exigindo técnicas parecidas. Note que a perícia apenas implica uma dificuldade menor no manejo e aprendizado, bem como certa facilidade em utilizar as técnicas conhecidas, mas não implica em conhecimento instantâneo ou precisão absoluta. [Modificado] [passivo]

Nível 2: Beleza ao Luar
Os filhos de Selene ficam extremamente bonitos a noite, quase tanto quanto os filhos de Afrodite. É apenas um efeito estético, contudo pode ser vantajoso, já que boa aparência faz as pessoas conseguirem atenção mais facilmente. Contudo, apenas no período noturno. [Modificado] [passivo]

Nível 2
As you wish - Arautos adquirem uma compreensão melhor das motivações das criaturas - o que procuram, suas paixões, o que os desestabiliza. Esse é um poder passivo, que permite ao semideus saber os anseios dos seus adversários e - consequentemente - qual a melhor forma de tentá-los, desviando-os do seu caminho. No caso, o desejo do personagem - não um desejo sexual, mas suas ambições e motivações mais fortes, sejam materiais ou sentimentais. Não permite a manipulação, apenas o conhecimento, e personagens mental/ sentimentalmente resistentes tem essa visão bloqueada, mas apenas se forem de nível igual ou superior. [passivo]

Nível 3: Sentidos Aguçados
Quando está a noite, os sentidos (Visão, audição, tato, olfato e paladar) dos filhos de Selene serão mais aguçados, melhor do que qualquer meio-sangue, sendo o dobro do que um humano comum em questão de acuidade e/ou alcance. [Modificado] [passivo]

Nível 4
Gosto pelo perigo - Arautos são rodeados por uma aura que instiga seus alvos. Isso faz com que eles próprios possam se tornar uma tentação em si, como se rodeados por uma aura sobrenatural - não mudará a aparência, mas mesmo que seja feio, o arauto ainda será considerado "instigante", "carismático", "exótico" ou similar - o famoso "ele não é bonito, mas tem um certo "que" que não dá pra explicar". Seus poderes de charme são ampliados em 5% a partir deste nível, aumentando para 10% no nível 14, e mais 5% a cada 10 níveis subsequentes, chegando ao máximo de 25% no nível 44. [passivo]

Nível 9
Visão no escuro - Éris transita entre os mundos, mas grande parte do seu tempo é gasta no Tártaro, como filha da Noite e deusa desprezada por seus pares. Viver em tais ambientes a tornou apta a lidar com seus abismos e escuridões, e seus seguidores adquirem a visão no escuro, com acuidade e alcance igual à visão normal. Caso já possuam tal habilidade, o alcance é ampliado em 50%. [passivo]

Nível 20
Andar silencioso - Os arautos desenvolvem uma propensão para a furtividade, e isso se reflete em sua postura e movimentação. Não quer dizer que não produzam ruído algum, mas que seus passos são mais leves e silenciosos - e, consequentemente, mais difíceis de detectar - do que o de semideuses comuns. [passivo]

Nível 23
Mente escorregadia - Arautos conseguem ocultar melhor seus pensamentos, já que a efetividade de seus poderes depende dos oponentes não saberem suas intenções. Além disso, seus pensamentos são desordenados, impedindo poderes de leitura mental, que deixam de funcionar contra eles se provenientes de oponentes até 5 níveis abaixo. Acima disso e até 5 níveis acima, captam apenas coisas superficiais, devido a uma resistência inata. Se a diferença for maior do que cinco níveis, funciona normalmente. [passivo]



I'M FALLING
put your wings on me,
wings on me
Bianca H. Somerhalder
Bianca H. Somerhalder
Feiticeiros de Circe

Mensagens :
748

Localização :
Los Angeles, Califórnia

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [EVENTO] The Hypno Song — Grupo 2 (Alaric)

Mensagem por Aurora R. Bailey em Qua 25 Out 2017, 22:34


if you'll be my star, i'll be your sky
You can hide underneath me and come out at night. When i turn jet black and you show off your light


O local era surpreendente, Bailey sentia-se em um filme de suspense em que a qualquer momento entraria alguém com faca na mão,sorriu para si, tentava voltar sua atenção para o grupo que seguia à sua frente, todos pareciam analisar o local.

Continuaram seguindo os passos do mais velho, o térreo não era muito estranho, Aurora observava tudo com curiosidade e ficara desapontada com a simplicidade daquele local. Até então nada prendeu sua atenção.
Seguiram para o primeiro andar, a garota como sempre vinha atrás de todos. Não se chateava com aquilo, gostava de manter uma certa distância, apesar de ser quase desconsiderada.

O visual dos lances se tornaram opostos, aquele andar tinha características próprias, peculiares por possuir diversas covas, mas a garota continuou a seguir seu caminho sem se importar muito com o visual do recinto, queria poder concluir logo o que vinha pela frente.

O andar seguinte possuía as mesmas características, Bailey começava a ficar cansada de tanto andar, não era uma das suas coisas preferidas, principalmente com pernas mais curtas do que no cotidiano.

Não demorara pra começar a ouvir sussurros, olhou pros seus colegas e não parecia algo vindo deles. Cogitou em permanecer parada ali tentando decifrar o que tentavam dizer, mas apenas sons confusos chegavam até ela.

De relance pôde ver algo passando, esfregou os olhos pra ter certeza que enxergava bem tudo ali, mas nada voltou a acontecer. Continuaram seguindo andares acima, quanto mais subiam mais vozes podiam escutar, até que finalmente ficou claro o que se tratava.

As vozes pediam que todos fossem embora, Aurora já não permanecia tão calma, os vultos que passavam ligeiros faziam com que a garota tenta-se acompanhar seus movimentos. Todos aparentavam não gostar daquela situação e era notório a vontade de sair dali o quanto antes, esse era um desejo da Bailey também.

Para a surpresa da garota o incentivo de Alaric tinha acalmado os ânimos de todos, apesar do medo presente acabaram aceitando continuar a seguir o caminho que tinham começado.
Continuaram a subir, infelizmente o próximo andar não parecia tão vazio quanto os outros. Todos foram surpreendidos por formas que começavam a se materializar de todos os cantos.

Aurora pode ver uma criatura não identificada surgir da neblina existente no local, a criança não sabia dizer ao certo do que se tratava, apenas que possuía olhos negros e um sorriso de dar náuseas, sua boca não possuía nada além de dois caninos, aparentemente afiados. Aurora pôs a mão em sua jaqueta, tateando o chicote ali escondido e o retirando, não gostaria de saber como seria o teor daquele episódio sem estar devidamente preparada.

Em um único momento todos se pronunciaram com um “ nós avisamos” , agora ela compreendia o que aquelas vozes andares abaixo queriam dizer. Não deveriam chegar até ali, Aurora sorriu, começava a se empolgar com aquele jogo. Sabia que quando mais desobedecessem o aviso mais perto da glória estariam.

Uma pequena interrogação surgiu na mente da garota, não sabia ao certo se teria as mesmas vantagens naquele pequeno corpo, precisava tentar a sorte, não gostaria de terminar ali daquela forma.

A criatura aparentava estar com sede, seu sorriso pedia morte, independente de quem fosse e Bailey havia se tornado sua oponente naquele momento. Após a retirada do chicote o ser exibiu sua enorme língua para a garota, soava como um aviso que não seria fácil.

Ela sorriu e tentou um golpe, certeiro, mas não podia considerar ganho. O ser apenas se dissolveu junto com a neblina, aquele não era o verdadeiro, foi isso que ela constatou ao olhar para esquerda e ver um sorriso debochado invadir seu consciente. Não entendia como aquilo era possível, finalmente a criatura decidiu reagir avançando sobre o pequeno corpo de Aurora, agora ela agradecia por estar daquele tamanho, conseguia desviar melhor dos ataques.  

Por um momento a língua daquele ser estranho passou perto do braço esquerdo da garota, ela sentiu como se tivesse posto o braço perto a chamas, não sentia queimar, apenas um calor intenso. Seus sentidos ficaram mais alerta, sabia que seria um perigo se aquilo tocasse nela.  

Pouco a pouco a garota foi analisando o estilo daquele fantasma, sempre reproduzia uns dois metros a sua esquerda sua próxima projeção, não sabia ao certo se tratava-se do real, mas precisava arriscar seu palpite. Continuou com tentando chicoteá-lo e como pensou ele atacava e sumia assim que o chicote ia em sua direção.

Antes do próximo ataque com o chicote ativou rapidamente sua adaga com a mão esquerda e direcionou um novo ataque, antes que a criatura pensasse em fazer outro ataque a garota lançou em sua direção a adaga, como tinha notado dois metros a sua esquerda, por sorte a mesma atingiu o fantasma real. Agora ele continuou imóvel, com a própria adaga Aurora atravessou seu pequeno corpo até sair pela cabeça, para seu alívio a criatura sumiu e não retornou mais.

Depois desse breve cansaço ela retornou para perto dos seus companheiros, agradecia a mãe por ter conseguido derrotar aquele monstro. Infelizmente não havia saído ilesa daquela luta, uma queimadura se fazia presente em um dos seus braços, aparentemente parecia ter sido um arranhão, mas o efeito não era de tal. Respirou fundo e se preparou para a dor que viria depois que seu corpo perde-se a adrenalina.
 

Considerações:
Armas :
♥️ {Beauté} / Chicote  [É um chicote, todo trabalhado a mão, com 2,5m. Ele é feito de couro, e nesse couro, pode se perceber detalhes em renda, bordada manualmente. Ele também reluz alguns fios acobreados, deixando entrever o bronze sagrado, que ajuda em ataques mais precisos, e pode cortar a pele do atingido.]{Couro e bronze sagrado} (Nível Mínimo: 1 ) [Recebimento: Presente de Reclamação de Afrodite]




♦️ {Unloved} / Faca [Uma faca parecida com a que Nicole usara para matar uma colega no passado, porém com um aspecto mais voltado para as batalhas, feita de bronze e com o cabo feito de prata. A faca é envenenada, e uma vez por missão esse veneno pode ser ativado, fazendo com que o alvo acertado fique apaixonado pela semideusa, independentemente dos gostos pessoais ou de poderes, caso seja no máximo 2 níveis mais forte que ela. O efeito dura no máximo dois turnos até que o alvo volte ao normal. É necessário a garota ativar a faca antes de desferir o golpe, sendo que caso o mesmo erre o efeito do veneno perde seu efeito.] {Bronze e Prata} (Nível Mínimo: 12) {Não controla elementos} [Recebimento por Aldrick no treinamento do 3º Trimestre de 2014]




Elixir da Vida (médio): Recupera 30HP
Poderes utilizados::


Poderes Passivos:

Beleza Estonteante (Nível 1)

Como filhos da deusa da beleza, você é naturalmente belo, sendo tal beleza notável e admirada por todos. Seus olhos têm uma coloração que não se define completamente, sendo intrigantes e como se fossem hipnotizantes; sua voz atrai, seus lábios são provocantes, seu rosto possui uma beleza harmoniosa e o corpo não fica para trás. Tudo em você chama a atenção pela beleza especial que possui, e é praticamente impossível deixar de notá-lo. Não é nenhum efeito hipnótico, contudo - apenas estético.

Habilidade com Chicotes e Correntes (Nível 1)

É com esse tipo de arma que você se identifica perfeitamente e o tipo de arma com o qual se destaca. Tais armas parecem ser uma extensão de seu corpo, você consegue realizar movimentos incomuns e precisos, aprendendo a manusear esse tipo de arma facilmente. Não quer dizer que nunca erre, mas que seus movimentos são melhores com esse tipo de arma. É algo que evoluiu com o semideus.

Eterna Boa Forma (Nível 2) [Modificado, unido com bons reflexos]

A boa forma que você possui agora não confere apenas belas curvas, no caso das meninas, ou músculos definidos, no caso dos meninos, mas também confere certa agilidade e destreza para se esquivar de alguns ataques. É algo leve, contudo, e outros fatores podem interferir. Em combates, você transfere sua graça aos seus movimentos, o que faz com que seja capaz de se esquivar com mais facilidade, com movimentos belos e fluidos. Na prática, chances de esquiva aumentadas em 25% contra golpes normais.


Harmonia intocável (Nível 4) [Modificado - união de Aparência frágil e de Harmonia intocável]

Você não se aparece originalmente como uma ameaça, se apresentando de um modo belo e intrigante, fazendo o adversário pensar que você não é alvo dele e fazendo-o também sentir-se culpado caso te machuque. Em geral, faz com que você não seja o foco do primeiro ataque caso esteja em grupo, a menos que seja o semideus mais forte do local. Por outro lado, suas atitudes influenciam: não adianta tentar se fingir de inocente e permanecer armado, assim como durante um combate um monstro ou oponente não vai se deixar envolver nem parar de revidar apenas pela sua aparência, caso continue atacando.


Delicadeza (Nível 6)

Assim como pombos ou cisnes, seus passos são suaves e delicados, dificilmente sendo percebidos pelo inimigo em uma aproximação sutil. Note que sentidos aguçados ainda podem captar sua presença, assim como uma aproximação descuidada podem lhe denunciar. O silêncio não é completo.



Autocontrole (Nível 9)

Suas emoções não podem lhe atrapalhar em momento algum em uma batalha ou momento importante. Você não viverá a mercê delas, você saberá controla-las facilmente podendo manter o foco em uma batalha sem ser influenciado por nenhum sentimento, a menos que seja mais forte que você. Poderes que afetem emoções como charme, medo, fúria e etc terão efeito reduzido, não fazendo efeito se proveniente de inimigos de menor poder. Se forem de nível igual a até 5 níveis acima, 50% de resistência, e de 6 a 10 níveis, 25%. Acima disso, os poderes o afetam normalmente.

Super-Elasticidade (Nível 10)

Uma habilidade ainda relacionada à eterna boa forma dos filhos de Afrodite, que agora relaciona a incrível habilidade em realizar movimentos que exigem muita elasticidade corporal sua e uma excelente condição física. Você seria como um contorcionista, mas note que limites humanos ainda devem ser considerados.






Inteligência (Nível 16) [Modificado]

Você conseguiu chegar a um nível mais alto, provando que você domina estratégias de lutas e batalhas. Isso mostra que filhos de Afrodite não tem somente superficialidade. Assim você consegue rapidamente observar o inimigo, sabendo os seus pontos fracos e pontos fortes, você pode estudá-lo brevemente e saber como atacar. Isso é válido apenas para fraquezas visíveis, como técnica de luta e brechas na armadura, mas não fraquezas emotivas ou sobrenaturais. É um olhar mais aguçado, mas ainda é natural. Assim, toda vez que atacar suas chances de acerto serão maiores nesse caso.

Disposição (Nível 17) [NOVO - idealizado por Sadie Bronwen]

Em qualquer ocasião, o filho de Afrodite sempre parecerá mais jovial. Ele não aparenta cansaço ou esforço, e ações que normalmente deixariam qualquer um fatigado não parecem atingi-lo. Na prática, habilidades de dreno de HP e MP tem efeito reduzido em 50% contra eles se provenientes de personagens de nível menor. Para nível igual ou até 5 níveis acima, 25% de resistência e, acima disso, são afetados normalmente.

Ativos:

Nenhum até o momento.


.
thanks maay
Aurora R. Bailey
Aurora R. Bailey
Filhos de AfroditeAcampamento Meio-Sangue

Mensagens :
208

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [EVENTO] The Hypno Song — Grupo 2 (Alaric)

Mensagem por Jhonn Stark em Qua 25 Out 2017, 23:19


Dreams of death
Do you believe in ghosts?

Lavender town
Where the living never rest in peace
[EVENTO] The Hypno Song — Grupo 2 (Alaric) Ghost-pokemon-14378
Eles não demoraram muito para chegar à torre dos mortos.

A porta cerrou-se atrás deles com um rangido intenso e enferrujado, como se não tivesse sido aberta a várias décadas. Apesar de ser um recinto fechado, a névoa parecia também se instalar ali. Sua tonalidade combinava com a do resto do prédio, onde o cinza prevalecia até entre as cadeiras e as mínimas rachaduras.

Cadeiras de espera. Um balcão. Uma porta que levava a alguma sala possivelmente reservada. Aquilo o fez recordar de sua enfermaria.

Yin, o curandeiro, estremeceu. Yang cruzou os braços e sacudiu a cabeça em repúdio.

Foi então que perceberam o olhar confuso dos membros do grupo para com eles. Começaram a entrar minimamente em um estado de pânico, sem saber ao certo como explicar aquilo. Yang tentava encontrar qualquer buraco para se esconder. Yin, por sua vez, sorriu e tentou deixá-los cientes de que não era uma alucinação.

É uma looonga história. Disse. Depois nós situamos vocês.

A aura amedrontadora ainda era bastante forte, e a inquietação de todos ainda era perceptível. Porém, todos tinham noção do que deviam fazer ali: se a névoa vinha dos andares mais altos, descendo pelas escadarias, era para lá que eles deviam ir.

Não demorou muito para que dessem os primeiros passos nas escadas, preparando-se para o pior.

*     *     *


Lápides. Aos montes. Dos mais diversos tamanhos e complexidades, espalhadas por todo o primeiro andar da construção. Palavras gravadas por entes queridos marcavam o sentimento de perda e sofrimento que vivenciavam. A energia pesada do local parecia ficar mais intensa ali, mais carregada.

Era um cemitério.

Sabe de uma coisa? Disse Yin, recuando alguns passos. Realmente podemos pensar nisso de voltar, não é?

Yang ignorou-o, avançando por entre as caixas funerárias sem pensar duas vezes.

Você fica muito melhor calado, sabichão. — Falou, revirando os olhos e seguindo seu caminho.

Aquele piso era sombrio e desconcertante, claro. Mas não parecia haver nele nada que estivesse dentro dos objetivos de trabalho dos semideuses presentes. Não que eles soubessem exatamente qual era seu objetivo, mas geralmente envolvia alguma criatura sedenta de sangue ou algum item brilhante que algum dos deuses havia perdido.

Subiram as escadas para o próximo piso, ainda sem a plena convicção do que diabos estavam fazendo ali.

Covas, covas e… — Yang suspirou. — Uau, mais covas!

Você pode passar cinco segundos sem desrespeitar os mortos? Yin disse, já irritado com a atitude do outro.Não é legal irritar fantasmas em uma cidade fantasma, seu cabeça oca.

Gente morta não tem sentimentos, bobão! — Rebateu. — Então pra quê eu…

Uma série de sussurros cortou seu raciocínio. Vultos surgiam e desapareciam em meio à névoa que os rodeava. O que diziam era incompreensível.

Desculpa, desculpa, parei! — Disse Yang, tropeçando para trás e caindo sentado.

Repentinamente, silêncio outra vez. Sem sombras, ou mal, ou qualquer outra coisa.

Acho que eles aceitaram as desculpas. Yin esticou a mão, levantando seu oposto. Vamos, ainda temos um bom caminho pra seguir.

Porém, parecia que as sombras eram um pouco mais rancorosas do que o esperado. A cada lance de escadas, ficavam mais próximas e mais nítidas. Conforme as vozes ficavam mais audíveis, os semideuses ficavam mais inquietos e nervosos.

A aura do grupo era inversamente proporcional à energia do ambiente. E naquele momento, após o quarto lance de escadas e túmulos, a aura era opressoramente negativa.

“Vá embora.” Disse uma voz sem dono. O corpo dos semideuses foi tomado por arrepios.

“Saia daqui.” Disse outra voz. Várias outras juntaram-se ao coro. “Suma. Fuja. Volte.”

Eles ficaram estagnados onde estavam. A incerteza rondando ao seu redor. O curandeiro, trêmulo, sentiu algo roçando em sua pele, soltando um grito baixo. Ele se aproximou de Yang, tentando segurar as lágrimas.

Por favor, eu quero ir para casa!

O outro garoto parecia imobilizado pelo próprio medo. Yang era um valentão, mas sua fachada infantil cedeu com uma facilidade impressionante ao medo exagerado que aquele local passava. Tudo o que fazia, ocasionalmente, era gritar com as sombras para que fossem embora.

Ele sentia o peso daquilo em todos os outros. A vontade que todos tinham de desistir. Talvez não fosse tão vergonhoso se eles…

— Pessoal, estamos quase no fim! — A voz de Alaric ressoou em seus ouvidos. — Só mais um pouco e vamos chegar lá! Sejam corajosos!

Yin hesitou. Era difícil ter coragem quando se enfrentava um medo de verdade. Ele e Yang haviam repetido milhares de vezes o pesadelo da China, lembrando dos homens maus, das coisas ruins que fizeram… eles eram só crianças. Mesmo naquele dia, mesmo na idade que juntos eles realmente tinham… não possuíam estrutura para aquele trauma.

— Podem escolher se querem sair dessa vivos ou não! — Falou o filho de Nyx. — Vocês não tem nada a perder seguindo em frente!

O “vocês” se referia a todos os semideuses ali. Mas naquele instante, Yin e Yang assentiram um para o outro, em uma concordância silenciosa. Conseguiriam fazer aquilo, juntos. Com o corpo separado, pelo menos tinham a companhia um do outro para aquele tipo de situação.

Deram as mãos e subiram mais um lance de escadas.

Tudo iria dar certo, pensou Yin. Eles conseguiriam sair dali sãos e salvos. Não gostava de admitir, mas a companhia de Yang trazia uma sensação boa para ele. Se estavam juntos, não havia o que temer, certo?

Errado.

— Nós avisamos vocês. — Disseram as sombras logo que pisaram no novo andar.

Um som grave e arrastado foi ouvido de dentro da névoa. Yang só teve tempo de ativar seu escudo antes que o projétil ósseo atingisse-o certeiramente no peito.

O menino caiu de costas no chão. O outro, em pânico, ouvia as passadas pesadas de um vulto em sua direção, sendo atingido e arremessado ao chão por… o que quer que fosse aquilo.

Lembrava-se de uma ocasião na infância em que fora atingido por um carneiro antipático na fazenda de um tio. O acontecimento foi deveras semelhante, embora dessa vez o carneiro parecesse ter surrado ele pra valer.

A forma reptiliana alaranjada parecia hostil e insatisfeita com a presença dos dois ali. Por trás de seu crânio ósseo, seus olhos fulminavam os semideuses de forma bem direta. O bastão ósseo retornou magicamente à sua mão, e sua posição indicava que ele estava pronto para tomar outra investida.

O filho de Héstia se ergueu, ativando também sua espada. O curandeiro, por sua vez, puxou o colar de Asclépio de seu pescoço, convertendo-o em um bordão.

O monstro avançou.
Eles também.

A criatura girou o bastão ósseo, que foi aparado pelo bordão. O curandeiro sentiu uma dor lancinante descendo por seu braço, recordando que aquele não era seu corpo em plenas condições físicas. Aquela seria uma desvantagem e tanto.

O filho de Héstia tentou se aproveitar da oportunidade com uma estocada direta no réptil, arrancando um grito de fúria do mesmo. Antes que pudesse desviar, porém, recebeu um golpe de cauda que o jogou para longe. O curandeiro, por sua vez, conseguiu recuar o bastante para não ser atingido pela clava de osso.

Escondeu-se atrás de uma das lápides, vendo o osso bumerangue explodir a extremidade escrita que permanecia a poucos centímetros de sua cabeça, jogando dezenas de pequenas rochas aos seus pés.

Pensou rapidamente, com a respiração pesada. Sentia a dor em seu peito causada pela cabeçada que levou. Com o canto do olho, viu Yang se levantar e se aproximar de si. Não pareciam ter muitas chances.

Tinham que combater um lagarto superpoderoso enquanto lutavam com a força de um garoto de 11 anos. Yang não podia manejar uma espada tão bem. O escudo não tinha a mesma firmeza em suas mãos. Yin, por sua vez, não conseguia bloquear uma pancada física, e estava exposto a ataques de distância.

A criatura dava passos pesados em sua direção, fazendo o chão tremer e as pedrinhas da lápide se agitarem. Foi olhando para as pedras, porém, que Yin teve uma ideia: podiam estar fracos fisicamente, mas havia algo que não tinha sido tirado dos dois apesar da idade.

Pegou algumas das pedrinhas e rolou-as pelo chão na direção em que Yang estava. O valentão o encarou como se estivesse louco, sem noção do que fazer. Mas quando encarou o curandeiro, viu em seus olhos a ideia que estava fixa naquelas pedrinhas. Então, sem mais atrasos, assentiu.

O marowak estava a poucos passos do esconderijo do garoto de branco. Ele podia sentir seu medo. Ergueu a clava de ossos, vitorioso, pronto para esmagar sua vítima, quando de repente…

Agora!

Ouviu o grito desesperado ao mesmo tempo em que algo subia aos céus, do exato local que ele tinha como alvo. Encarando o teto, viu o garoto de Asclépio flutuando no ar, aproveitando-se da magia de seus sapatos. Pegou a clava e mirou, sabendo que não havia escapatória.

Em uma fração de segundo, ouviu algo diminuto rolar por entre seus pés. Antes que pudesse concretizar seu arremesso, uma pequena explosão fez com que perdesse o equilíbrio do corpo, caindo de costas no chão.

O filho de Héstia agradeceu aos deuses que o poder destrutivo controlado não foi o bastante para derrubar aquela torre velha.

O curandeiro, por sua vez, sabia que era a sua hora de contribuir para o plano. Ativou seu cinto e retirou das bainhas as duas facas de ouro solar, posicionando-se logo acima do monstro reptiliano. Então, com o bater dos calcanhares em seu sapato, mergulhou direto no corpo do adversário, cravando as armas em seu peito.

Com um estalo oco e um sibilo alto, a criatura ainda se debateu por alguns instantes antes de parar de vez seus movimentos. Ao contrário de um monstro, porém, não se desfez em poeira.

Yin e Yang encararam-se em silêncio por um instante, expressando o máximo de respeito mútuo que conseguiam naquele momento. O filho de Héstia ajudou o curandeiro a se levantar, e ambos, apesar das dores que apresentavam, ainda conseguiam ficar em pé.

Juntaram-se ao resto do grupo. Viram em sua frente o último lance de escadas.

Subiram juntos sem hesitação.

Adendos:
Armas:
♦️ Faca [Sua lâmina bronzeada mede cerca de 24 cm, e seu cabo tem o mesmo comprimento padrão. É bastante afiada e é perfeita para ataque ágeis e rápidos. O bom desta arma é sua eficiência tanto para mãos hábeis quanto para manuseios mais inexperientes, pois é uma arma curta, fácil de esconder e ao mesmo tempo fácil de manusear. Seu punho é feito de aço, mas uma camada de couro escuro cobre o aço para que o usuário possa segurá-la firmemente. Na parte inferior da lâmina, próxima ao cabo, há entalhado as siglas do Acampamento "CHB"; uma propriedade que só os meio-sangues e criaturas místicas podem ter e usar (ajuda um pouco na destreza)] {Bronze, aço e couro} (Nível mínimo: 1) {Nenhum elemento} [Recebimento: Administração; item inscrição padrão do fórum] No cinto.

— {Phoenix} / Espada [Espada de 90 cm, com sua lâmina medindo cerca de 75 cm. É feita de um cristal único e especial, a espada é longa e fina, com um corte afiadíssimo e infalível. Sua guarda-mão tem um formato de taça, porém, com delicados formatos de chamas queimando na direção da lâmina, como se a consumissem; seu punho é feito de aço. Vem junto de uma bainha coberta por malha de aço e couro branco. Quando não está em uso, se transforma em um anel de prata com o desenho de uma chama.] {Cristal, Prata e Aço} (Nível Mínimo: 1) {Controle sobre o Fogo} [Recebimento: Presente de Reclamação de Héstia adaptado por Harry S. Sieghart] Mão direita,
indicador.


— {Scorched} / Escudo (Escudo circular feito de ouro e prata com várias camadas destes materiais. No centro do escudo está desenhado uma lareira, o símbolo de Héstia. Na parte interior do escudo, ou seja, onde há um encaixe para o usuário por o seu braço há uma espécie de almofada, simbolizando o "conforto". Útil para aguentar ataques fortes. Quando não está em uso, se transforma em um relógio de ponteiros feito de ouro com a parte interior de ouro branco.] {Prata e Ouro} (Nível Mínimo: 1) {Controle sobre o Fogo} [Recebimento: Presente de Reclamação de Héstia adaptado por Harry S. Sieghart] Pulso esquerdo

- {Flame} / Faca de Arremesso [Faca de arremesso de ouro solar, com o cabo de couro. Também pode ser usada para combates diretos. Apresenta o entalhe de uma fogueira em sua lâmina.] {Ouro Solar} (Nível Mínimo: 2) {Não controla elementos} [Recebimento: forjado por Harry S. Sieghart] Att por Hécate.No cinto.

- {Flare} / Faca de Arremesso [Faca de arremesso de ouro solar, com o cabo de couro. Também pode ser usada para combates diretos. Apresenta o entalhe de uma fogueira em sua lâmina.] {Ouro Solar} (Nível Mínimo: 2) {Não controla elementos} [Recebimento: forjado por Harry S. Sieghart] Att por Hécate. No cinto.

- {Burn} / Bainha [Cinto de couro com uma fivela de prata comum, que quando pressionada, transforma o cinto em um parecido, com 3 bainhas de facas, sendo duas delas laterais (para as facas de ouro solar) e uma na parte de trás do cinto (para a faca de bronze).] {Ouro Solar} (Nível Mínimo: 1) {Não controla elementos} [Recebimento: forjado por Harry S. Sieghart] Att por Hécate. Cintura.

{Winged Sneakers} / Tênis [Um par de tênis azulados, que tem como detalhes alguns desenhos de ventos. Ao bater seus pés um no outro por três vezes, o usuário começa a voar. Consegue chegar em alturas e alcançar velocidades consideráveis. Para descer, basta fazer as mesmas ações que fez para subir que ele diminuirá a altitude aos poucos. Quando está sendo usado em solo confere ao semideus que o calça um aumento de cerca de 10% em sua agilidade. {Couro} (Nível Mínimo: 20) {Não controla nenhum elemento} [Recebimento: Missão "Chama da Esperança" narrado e avaliado por Dom Demon/William Véroz; atualizado por ~Lady Íris~] Calçados.

Braçadeira quitinosa [Braçadeira lisa e cilíndrica, de tons avermelhados. Ao ser ativado, faz com que a pele do semideus tenha suas características alteradas, se enrijecendo, aumentando sua resistência a golpes físicos em 50% por 3 turnos. 1 vez por evento. (nível mínimo: 07) {Material: pele de carangueijo gigante} [Ganho como recompensa pelo evento "O levante"] Pulso direito.

— Bolsa de Componentes Mágicos / Bolsa (Nela são guardados desde objetos para preparo de poções até bisturis e utensílios médicos [ela possui espaço infinito para tais coisas e somente para tais coisas; também aparece e desaparece, dependendo exclusivamente da necessidade do semideus]) {Couro} (Nívem mínimo: 1) (Controle sobre nenhum elemento)[Presente de Curandeiro] No aguardo pra convocação.

— Colar do Serpentário / Colar (o formato e o estilo da confecção lembram uma serpente dourada; nunca pode ser perdido, vendido ou retirado a força, pois identifica os curandeiros e, portanto, não é considerado um item nas contagens para missões, eventos e tramas, embora ainda seja preciso citá-lo) (seu efeito principal é o de, quando retirado do pescoço, se transformar em um dos itens a seguir: uma réplica quase totalmente semelhante do Bordão de Asclépio (ou seja, uma espécime de bastão rústico e fino envolvido por uma serpente de escamas feitas de prata envenenada que podem ser tão afiadas quanto uma espada, possuindo o mesmo potencial de corte de uma arma laminada; ele se adapta completamente ao tamanho e porte físico do usuário). {Prata, madeira e veneno} (Nível mínimo: 1) (Controle sobre nenhum elemento) [Presente de Curandeiro] Pescoço.

{Help} / Anel [Um anel de prata, com um pequeno pedaço de rubi preso nele. Abençoado por Asclépio, este anel permite ao curandeiro, aumentar seu limite de cura nas técnicas curativas em 20%, ou seja, se uma técnica permite o curandeiro recuperar 100 HP ou MP, usando este anel ele conseguirá curar 120 de HP ou MP, sem qualquer gasto extra. No caso de um número não exato, o valor é arredondado para baixo. Não tem influência sobre técnicas de ressuscitação. Dura dois turnos, uma vez por ocasião.] {Titânio e Rubi} (Nível Minímo: 45) {Controle sobre Cura} [Recebimento: Missão "O guerreiro da cura", avaliada por Macária e atualizada por Asclépio.] Mão esquerda, indicador.

{Weismann} / Runa [Um fragmento da Runa Weismann, que foi destruída durante a segunda Batalha dos Reis. Foi dada a Ayla e Jon pelo próprio Weismann, o Rei Prata Imortal. Pode ser colocada em um colar, pulseira e até mesmo em um anel, pois seu tamanho não é maior do que o de uma pedra brita, e tem a coloração branca. Apesar de a runa ter concedido a imortalidade para Weismann, ela não a concedeu para os semideuses, mas graças ao seu poder, os danos físicos recebidos pelos semideuses diminui em 25%, podendo aumentar progressivamente a cada dez níveis subidos. Não pode ser perdida, vendida e tampouco trocada ou dada, visto que além do poder fornecido ele é um símbolo da confiança e amizade dos Reis para com Ayla e Jhonn.] (Nível mínimo: 50) {Não controla nenhum elemento} [Recebimento: Missão "Return of Kings", passada e avaliada por Nyx e atualizada por Hécate.] No bolso da camisa.
Poderes:
Passivos

Nível 2

Bom Senso - O filho de Héstia, diante de uma situação, consegue discernir o caminho menos danoso com mais facilidade, sabendo quando uma ação é claramente estúpida ou perigosa. Vale ressaltar que não é um poder combativo - ele não pressente um ataque ou nada do tipo, mas intuiria, por exemplo, que fazer o movimento x seria estúpido, ou que não conseguiria saltar a uma distância y sem se ferir. Para dúvidas, consulte o narrador para manter a coerência. (Héstia)

Nível 6

Sensitivo - Ao encontrar uma pessoa, você reconhece o que ela está sentindo (de forma geral, ainda que não saiba o que provoque a alteração sentimental). Aqueles que possuírem qualquer tipo de resistência ou aura relacionadas a esse poder e que tiverem no mínimo 10 níveis a mais que o Filho de Héstia, a anulação dessa habilidade é imediata. (Héstia)

Ativos

Nível 5

Carga cinética I - É a capacidade de energizar objetos com um fogo explosivo através do toque. Carregando o alvo, ele não causará queimaduras, mas ficará energizado por 1 turno. Depois, uma pequena explosão (atingindo 2x2m²) ocorrerá e afetará o portador do objeto ou aquele que estiver na mesma área que o item. Ainda não é possível manipular a energia, por isso é certeza que o objeto estourará com intensidade fraca. Só é possível carregar objetos pequenos (almofadas, talheres, pratos, por exemplo), cujos materiais não apresentem nenhuma especialidade (como bronze sagrado). Precisa-se tocar diretamente no objeto a ser afetado. (Héstia)
Itenzão especialzão:
❖ {Tao} / Amuleto [Um amuleto antigo de prata com inscrições em um idioma desconhecido. A imagem circular de Yin e Yang se complementando permanecem no centro da figura. Ao ser segurado por seu usuário, pode dividi-lo em suas duas essências, personalidades opostas com HP/MP individuais, equivalentes a 1/2 do total do personagem. Devido ao estado incompleto do item como está, cada uma das personalidades pode utilizar apenas poderes de um dos grupos aos quais o semideus pertence – Um com acesso aos poderes de Héstia, o outro aos poderes de Asclépio. O nível máximo de acesso aos poderes equivale a ¾ do nível atual do personagem. Com futuras DiY, as limitações do item poderão ser removidas.] {Metal e Magia} (Nível Mínimo: 70) {Magia} [Recompensa pela DiY "Yin and Yang", avaliada e atualizada por Hécate.] Bolso da camisa.
Obs:
Legendinhas, personagens e explicações:
1Yin: O princípio passivo. Manifestação de Jhonn que incorpora a reação, a passividade, a mente intuitiva e empática. É um personagem mais racional, compassivo e emotivo da dupla. É o lado bom e puro de Stark, sua parte protetiva. Só tem acesso aos poderes de seu patrono, Asclépio.

2Yang: O princípio ativo. Manifestação de Jhonn que incorpora a ação, o calor,  a impulsividade e vigorosidade. É um personagem de certa forma irritadiço e tomado facilmente por seu instinto, representando a parte guerreira de Stark. Só tem acesso aos poderes de sua progenitora, Héstia.
Outras observações cabíveis:
Então, lá vamos nós.

❖ Como o Jhonn tá em um tamanho menor em que ele não foi treinado pra lutar, tentei inserir isso como uma dificuldade combativa.
❖ O marowak bombadão me surrou. É. O próximo então... deus que me proteja
❖ O poder da carga cinética tem intensidade fraca, então só serviu pra desestabilizar o Marowak mesmo.
❖ Depois de desestabilizar o Marowak, o Yin se jogou do teto pra cravar as facas no tórax dele. Considerei um teto mais ou menos alto, mas não o bastante pra uma lesão pela queda (besta eu não sou né).
❖ O personagem tem um trauma bem grande com o oriente, vultos e coisas macabras, já que no processo de "descoberta" do medalhão de Psiquê ele foi sequestrado, torturado e perseguido por demônios orientais malignos. É.
❖ As cores de "Voz" do Jhonn nas duas personalidades são distintas para que possa ser narrada a discussão entre elas enquanto ele não se divide. Daí todo mundo pode saber quem disse o quê.
AGORA VAI!:

[EVENTO] The Hypno Song — Grupo 2 (Alaric) Giphy
Jhonn Stark
Jhonn Stark
IndefinidosPercy Jackson RPG BR

Mensagens :
691

Localização :
Acampamento Meio-Sangue

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [EVENTO] The Hypno Song — Grupo 2 (Alaric)

Mensagem por Alaric L. Morningstar em Qui 26 Out 2017, 00:05

The Hypno Song

CAPÍTULO TRÊS

[EVENTO] The Hypno Song — Grupo 2 (Alaric) Lkox69w


Assim que subiam as escadas finais, os cinco puderam ouvir uma melodia que parecia ir direto às suas mentes. A voz rouca e monstruosa acompanhava uma batida um tanto estranha — mas, ainda assim, havia algo naquilo que os puxava, como o canto de uma sereia.

"Come, little children, come with me
Safe and happy, you will be
Away from home, now let us run
With Hypno, you'll have so much fun

Oh, little children, please, don't cry
Hypno wouldn't hurt a fly
Be free to frolic, be free to play
Come with me to my cave to stay

Oh, little children, please, don't squirm
Those ropes, I know, will hold you firm
Now, look to me, the pendant calls
Back and forth your eyelids fall

Oh, little children, you can not leave
For you, your families will grieve
Minds unraveling at the seams
Allowing me to haunt their dreams

Do not wail and do not weep,
It is time for you to go to sleep
Little children, you were not clever
Now you will stay with me forever."

[EVENTO] The Hypno Song — Grupo 2 (Alaric) 7GS5MvG

Pontos Obrigatórios


— Adequem o que fora apresentado anteriormente aos seus posts. Mesmo que não queiram, sentirão como se estivessem hipnotizados (e, mesmo que queiram parar, continuarão andando);
— Chegando no último andar, verão uma criatura humanoide, de pele amarelada, orelhas pontudas e "nariz de bruxa" (semelhante ao gif lá em cima) que se apresentará como Hypno. Vocês verão alguns corpos de crianças desacordadas num canto e, atrás dele, uma espécie de altar com uma esfera (aparentemente feita de cristal) que em certos momentos emite um brilho fantasmagórico, como se houvessem pequenas almas vagando em seu interior;
— A princípio, Hypno não falará muito. Vocês se sentarão em círculo ao redor dele, cordas surgirão do chão e prenderá vocês (nos tornozelos e pulsos). Ele apenas dirá que foram crianças mal-criadas, e que agora suas almas o pertencem. Reajam a tudo isso;
— Hypno irá até Alaric e começará um ritual/hipnose, sugando sua alma a partir do pêndulo em uma de suas mãos. Ele estará imóvel, mas vocês não (apenas amarrados). Sendo assim, encontrem um jeito de livrar-se das cordas e atacarem a criatura (mais detalhes sobre o oponente estarão em spoiler no final);
— Não será uma luta fácil, mas, com trabalho em equipe, poderão vencê-lo. Finalizem seus turnos derrotando Hypno (mas ele não morrerá, a princípio) antes da alma de Alaric ser totalmente sugada.

[EVENTO] The Hypno Song — Grupo 2 (Alaric) 7GS5MvG

Informações Adicionais


— Local: Sétimo e último andar da Pokémon Tower, Lavender Town;
— Horário: Por volta das 3h da manhã;
— Condições climáticas: Temperatura baixa, presença de neblina;
— Prazo: 5 dias, ou seja, até as 23:59 de 31/10/17 (horário de Brasília);
— Em caso de dúvidas, podem me procurar. E, por favor, avisem quando postarem. Boa sorte;

— Neste vídeo (clica) encontra-se a tal música mencionada, junto de sua tradução.


peter:

6 anos
Nível 57
HP: 600/660
MP: 532/660
jhonn:

10 anos
Nível 80
HP: 760/890
MP: 575/890
bianca:

9 anos
Nível 90
HP: 960/990
MP: 970/990
aurora:

10 anos
Nível 17
HP: 190/260
MP: 162/260

hypno:

HP: 750/750
MP: 750/750
Considerem-no com os poderes de um filho de Hipnos e mentalista de Psique nível 76
Hypno não possui armas (por isso, usem e abusem dos poderes dele).



Edited by H.I.M. & morningstar
Alaric L. Morningstar
Alaric L. Morningstar
IndefinidosPercy Jackson RPG BR

Mensagens :
1048

Localização :
Hollywood Hills, LA.

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [EVENTO] The Hypno Song — Grupo 2 (Alaric)

Mensagem por Bianca H. Somerhalder em Ter 31 Out 2017, 21:51

THE HYPNO SONG

A cabeça de Bianca ainda estava na luta que acabara de ocorrer quando, do nada, uma música inundou seus ouvidos. A voz era rouca e estranha, de modo que fazia com que os pelos da nuca da menina se eriçassem. O que era mais estranho ainda era que, embora fosse horripilante, ela não tinha vontade de voltar para casa. Estava em constante movimento para a origem do som, sem sequer se questionar se era uma decisão sensata. Seu corpo ficou mais leve e menos resistente, e sua postura relaxou-se como há tempos não fazia.

Come, little children, come with me
Safe and happy, you will be
Away from home, now let us run
With Hypno, you'll have so much fun

Estava hipnotizada. Tudo sumiu de sua mente e, quando chegou ao sétimo e último andar, a única coisa em que conseguia pensar era em descobrir o que causava o barulho. Seu desejo foi atendido. Somerhalder avistou uma criatura diferente de todas que já tinha visto: era amarela e com olhos profundos, nariz e orelhas enormes e pontiagudos e, para completar, uma cabeça grande em excesso.

Apesar de se sentir confusa com a situação, Hale conseguiu entender que aquilo ali à sua frente se chamava Hypno. Ele não parecia exatamente amigável, mas agora a menina não sentia nenhum medo. Pelo contrário: depois da luta anterior, sentia como se pudesse fazer qualquer coisa. Entretanto, quando estava prestes a formar uma opinião precipitada, viu uma horda de crianças dormindo — ou mortas? Pareciam que estavam respirando — atrás do monstro, embora ela não conseguisse adivinhar o que ele faria com elas.

Além disso, também havia um altar, acompanhado de uma bola de cristal brilhante. O motivo pelo qual ela brilhava era desconhecido, mas o brilho acontecia em momentos descompassados, sem nenhuma ordem pré determinada. Depois de muitos segundos observando, a menina assemelhou aquilo a almas, e instantaneamente desejou que estivesse errada. Caso morresse, não queria ter sua alma dentro de uma esfera.

De repente, a menina começou a se mover e se sentou em um círculo, igualmente aos outros semideuses. Ela de fato sabia que estava hipnotizada, já que não era totalmente de sua vontade fazer aquilo, mas não conseguia sequer detectar a parte de sua mente que era contra aquelas ações. O monstro ela forte, e ela podia perceber isso com uma clareza absurda.

Enquanto seus tornozelos e pulsos eram presos por cordas, Bianca começou a se perguntar por que não reagia. Ela de fato podia tentar superar a hipnose, não podia? Mas não foi necessária a tentativa. As palavras ”vocês foram crianças más, e agora suas almas me pertencem” ecoaram na cabeça da prole da lua, que de súbito rangeu os dentes e encarou o adversário. Naquele momento, sentia que sua mente estava novamente livre para ela mesma.

Ninguém se moveu, entretanto. A menina ficou se perguntando se teria de ser a primeira a se libertar, mas talvez não pudesse o fazê-lo de fato. Com esse pensamento, observou Hypno se aproximando de Alaric com uma expressão ameaçadora e um pêndulo estranho nas mãos. O filho de Nyx estava tendo sua alma sugada e, apesar disso não estar claro, Bianca conseguia deduzir. O ódio tomou conta dela.

Forçando as mãos para trás até sentir uma dor profunda, Somerhalder alcançou ambas as adagas que estavam na parte de trás de seu cinto: Moonlight e Backstab. Cruzou-as para que atingissem a corda e, com certa dificuldade, começou a serrar. Não demorou muito para que as cordas se rompessem, já que a lâmina era afiada. Com um sorriso de satisfação, a prole da lua cortou também as que amarravam suas pernas e se levantou.

Pensou, por um segundo, em atacar sozinha Hypno, mas não seria exatamente sensato, já que ele parecia bem forte. Então, dirigindo-se para Aurora com um olhar ansioso, usou ambas as mãos e ambas as adagas para ser mais rápida. A ambidestria realmente ajudava, às vezes. Mas não se demorou nesse pensamento, porque, quando olhou para os lados, percebeu que havia dois Jhonn. Um deles já estava atacando o monstro, enquanto o outro soltava Peter das amarras.

Com todos os quatro livres, seria bem mais fácil atacar. Uma ordem se estabeleceu ao longo dos ataques, embora ninguém estivesse a determinado de fato: Jhonn, Bianca, Peter e Aurora. Bianca, em sua vez, rolou para a frente com rapidez, aproveitando que Hypno ainda estava distraído com Stark. Assim que o monstro notou sua presença, ele tocou na menina para que algo ocorresse, mas não surtiu nenhum efeito. A semideusa o encarou por alguns segundos, esperando o ataque, mas sentiu-se completamente normal e rápida para ela mesma tocá-lo, convocando Limos. Desse modo, o monstro gastaria cinquenta por cento a mais de sua energia para conseguir usar seus poderes.

Em seguida, a menina se afastou. Era tudo muito rápido e, em sua segunda vez de atacar, viu que Jhonn — um deles — se encontrava em pânico, quase sem conseguir reagir ao que acontecia. Correndo até ele, Bianca o agarrou e o balançou com força, fazendo com que sua mente voltasse ao que estava acontecendo. Não podia se darem ao trabalho de perderem um lutador.

— Acorda, porra! Precisamos de você aqui!

Assim que ele voltou a si, Somerhalder virou-se para Hypno. Não tinha muitas ações, já que se encontrava longe dele; por isso, jogou dois shurikens, um em cada olho do bicho, de modo que ele não seria capaz de enxergar mais, impossibilitando várias de suas ações.

Seus ataques ficaram mais imprecisos, e Bianca não queria mais atacar corpo a corpo. Queria ter o privilégio de ver o adversário sofrer de longe, então utilizou mais de seus poderes: pronunciando a palavra ”dor” alta o suficiente para que o outro ouvisse, a prole da lua apontou para ele e esperou. No mesmo instante, Hypno começou a se remoer de dor. Ela sorriu. Não podia negar: sentia prazer em ver os outros sofrendo.

Aquele pensamento se instalou em sua cabeça, e ela mal conseguiu prestar atenção nos ataques seguintes. Queria sangue, queria cabeças rolando, queria mortes… Ela finalmente tinha descoberto o lado sanguinário que o pai sempre perguntara sobre. E estava fascinada.

Jhonn deu o ataque final e, com um sorriso, Somerhalder se virou para os outros três. Eram crianças e, mesmo assim, mais fortes do que muitos outros semideuses adultos.

pormenores:
arsenal:
{Falling Stars} / Shurikens [Conjunto com 10 shurikens de bronze sagrado, mas que se repõem sempre, funcionando quase como um "conjunto de shurikens infinitas". São guardadas em um estojo de couro e veludo. O alcance é limitado à força do semideus, mas não ultrapassa 25m. Podem ser atiradas até 2 por turno, e ambas seriam afetadas pelos poderes.] {Bronze sagrado} (Nível mínimo: 1) [Recebimento: Presente de Reclamação de Selene]

{Moonlight} / Adaga [Trata-se de uma adaga com a lâmina ligeiramente mais larga e curva. O seu formato é levemente arredondado – o que lembra uma lua na sua fase crescente. O cabo tem uma espécie de cobertura (como em sabres) feita de bronze sagrado, o que dá certa defesa as mãos daquele que a está empunhando. Tem uma coloração esbranquiçada e toma um tom azulado quando exposto à luz lunar. No nível 20, se torna um botton escrito "CLUBE DE ASTRONOMIA".] {Bronze Sagrado} (Nível Mínimo: 1) [Recebimento: Presente de Reclamação de Selene]

{Backstab} Adaga [Adaga de bronze sagrado. Diferente do comum, a daga possui uma empunhadura com meia guarda, que protege a mão do portador parcialmente, sem contudo interferir em seus movimentos.]

{Perfidious} Anel [Anel dourado em forma de garra, se encaixa no dedo indicador do arauto. É afiado, mas seu dano seria semelhante a de uma ponta de flecha se usado em ataque corporal, devido ao tamanho diminuto. Ainda assim, possui a capacidade de inocular veneno ao toque, seja diretamente, seja transmitindo o poder para a arma segurada. O veneno é debilitante, sendo considerado um veneno sobrenatural do nível do personagem, para fins de resistências - mas RM não se aplica - e causa a perda de 5% do HP do alvo por 3 turnos seguidos. 1 vez por missão. Adicionalmente, o anel detecta a presença de venenos em um raio de 5m do semideus, esquentando levemente como sinal, ainda que o semideus deve procurar para achar o local exato da presença da substância - a temperatura do anel indica a proximidade. Ambos os poderes só funcionam se o anel estiver sendo utilizado - apenas carregá-lo não permite nenhuma das duas coisas]

{Temptation} Colar [Colar com pingente de uma maçã com uma serpente enrodilhada. Emite um cheiro levemente adocicado. Portá-lo aumenta os poderes de charme, persuação e lábia do Arauto em 10% sempre que em uso (efetividade e chance de acerto, mas não efeitos ou duração). Uma vez por missão pode ser ativado de forma a recuperar 20% de seu HP e MP]

— {Bravery} / Dog tag [Aparentemente uma placa normal de identificação do exército, com os dados básicos do semideus. Com uma bênção mágica contínua, abençoa seu utilizador com um bônus de 15% em sua força física e providencia uma resistência de igual nível a poderes e auras que envolvam os atributos medo e pânico.] {Prata} (Nível mínimo: 1.) [Recebimento: "Face Your Fears", treino trimestral para filhos de Selene e Hipnos. Avaliado por Ayla Lennox e atualizado por ~Lady Íris~.]

Braçadeira quitinosa [Braçadeira lisa e cilíndrica, de tons avermelhados. Ao ser ativado, faz com que a pele do semideus tenha suas características alteradas, se enrijecendo, aumentando sua resistência a golpes físicos em 50% por 3 turnos. 1 vez por evento. (nível mínimo: 07) {Material: pele de carangueijo gigante} [Ganho como recompensa pelo evento "O levante"]

❃{Ilusion} / Anel [Enquanto saia do local em que tinha sido mantida prisioneira, a filha de Selene encontrou um anel no formato de uma caveira negra. Tal item exala uma constante fumaça negra que só poderá ser enxergada por aqueles que tiverem a permissão de seu portador sendo útil para a localização de se portador. De modo que as outras pessoas não enxergam a fumaça, assim a semideusa pode desejar que ninguém veja a fumaça, ou que ao menos uma pessoa a encontre. A desejo do portador e apenas uma vez por missão, a fumaça exalada aumenta deixando uma área de 3x3 completamente no escuro impossibilitando a visão de seu inimigo por três rodadas. Poderes que permitem visão no escuro são afetados em 40%, pois se trata de algo mágico não uma escuridão normal.] {Bronze} (Nível Mínimo: 30) {Nenhum Elemento} [Recebimento: Missão Save Yourserlves, avaliada por Athena e atualizada por Asclépio]

♦️ {Leviathan} / Pulseira O devorador de homens.". Uma vez por missão ou evento, ao ser ativado, as letras emitem um brilho bem fraco e as semideusas são induzidas a um estado combativo acima do normal. Isso aumenta em 30% os efeitos e danos causados por ataques corpo-a-corpo. O efeito dura até duas rodadas, mas pode ser interrompido de acordo com o desejo do usuário.] {Ouro, magia} (Nível mínimo: 40) {Não controla nenhum elemento} [Recebimento: Missão - Leviathan. Avaliada por Éris e Atualizada por Asclépio]

Δ {Stetia} / Espada [Item ganho na entrada de Bianca ao grupo de semideuses, é feito de bronze sagrado e cabo do mesmo material, envolto com couro para melhor manuseio. Possui 110 cm de extensão da ponta da lâmina ao fim do cabo, sendo uma arma um tanto quanto pesada, mas podendo ser empunhada com uma única mão, ainda que requeira um pouco de força; seus atributos, porém, compensam sua dificuldade: a espada, uma vez por ocasião, pode ser envolta com uma energia de fonte desconhecida que dobra o dano causado no oponente, desde que com a lâmina da arma. A espada vem acompanhada de uma bainha de couro simples.] (Nível mínimo: 40) {Bronze sagrado e couro} [Recebimento: por Harmonia na missão "Attracting", atualizada por Asclépio.]

◆ {Luck} / Ficha de Cassino [É uma ficha de cassino comum, aparentemente. Tendo a cor vermelha e os números escritos em branco, só dá para se notar o brasão do cassino pelo toque. Sua habilidade especial é que, uma vez a cada missão e em somente uma rodada, quando ativa enquanto segura pela semideusa, ela permite que a portadora escape de somente um golpe vindo de um oponente ao teleportar-se o mínimo de distância possível para desviar-se do ataque. Caso venha mais de um golpe, o amuleto só pode ser usado em um deles, tendo que defender o outro normalmente, caso o teleporte ainda a deixe na linha de ataque - definido pelo narrador, a ficha só leva para o espaço livre próximo, mas a semideusa não define o local. Caso seja um golpe em área, aplica-se o máximo de cinco metros de raio para teleporte, se o ataque pegar mais do que a área de teleporte, os danos serão calculados normalmente. Para ativá-lo, a usuária precisa ficar rodando a ficha entre os dedos de sua mão.][Material: Plástico.][Nível mínimo: 65][Recebimento: Missão "Money Lies", avaliada por Poseidon e atualizada por ~Eos]

♥️ {Ágape} / Cristal [O pequeno cristal (5cm de altura) é feito de diamante rosa e emite um brilho forte quando ativado seu poder. O item dá ao utilizador a possibilidade de usá-lo para uma das duas finalidades: Pode fazer com que os poderes de manipulação emocional do semideus se potencializem em 25%, porém apenas os que envolvem paixão, sedução, charme e similares; Ou pode fazer com que o meio-sangue adquira 25% resistência aos poderes citados anteriormente. Para filhos de Afrodite o efeito dura três turnos no máximo, e para os demais apenas dois turnos. Pode ser usado uma vez por missão ou evento. O cristal foi presenteado pela própria Afrodite em seu evento no Acampamento Meio-Sangue.] {Diamante Rosa} (Nível Mínimo: 1) {Não controla Nenhum Elemento} [Recebimento: Presente de Afrodite pela participação no evento Level Up: Valentine's. Atualizado por Psiquê]
poderes:
Nível 1: Perícia com adagas e armas laminadas pequenas
O filho de Selene se habitua mais fácil a este tipo de arma, apresentando um aprendizado mais veloz e um manejo mais natural. Apenas para adagas, facas e punhais, armas com estruturas e alcance semelhantes, exigindo técnicas parecidas. Note que a perícia apenas implica uma dificuldade menor no manejo e aprendizado, bem como certa facilidade em utilizar as técnicas conhecidas, mas não implica em conhecimento instantâneo ou precisão absoluta. [Modificado] [passivo]

Nível 2: Beleza ao Luar
Os filhos de Selene ficam extremamente bonitos a noite, quase tanto quanto os filhos de Afrodite. É apenas um efeito estético, contudo pode ser vantajoso, já que boa aparência faz as pessoas conseguirem atenção mais facilmente. Contudo, apenas no período noturno. [Modificado] [passivo]

Nível 2
As you wish - Arautos adquirem uma compreensão melhor das motivações das criaturas - o que procuram, suas paixões, o que os desestabiliza. Esse é um poder passivo, que permite ao semideus saber os anseios dos seus adversários e - consequentemente - qual a melhor forma de tentá-los, desviando-os do seu caminho. No caso, o desejo do personagem - não um desejo sexual, mas suas ambições e motivações mais fortes, sejam materiais ou sentimentais. Não permite a manipulação, apenas o conhecimento, e personagens mental/ sentimentalmente resistentes tem essa visão bloqueada, mas apenas se forem de nível igual ou superior. [passivo]

Nível 3: Sentidos Aguçados
Quando está a noite, os sentidos (Visão, audição, tato, olfato e paladar) dos filhos de Selene serão mais aguçados, melhor do que qualquer meio-sangue, sendo o dobro do que um humano comum em questão de acuidade e/ou alcance. [Modificado] [passivo]

Nível 4
Gosto pelo perigo - Arautos são rodeados por uma aura que instiga seus alvos. Isso faz com que eles próprios possam se tornar uma tentação em si, como se rodeados por uma aura sobrenatural - não mudará a aparência, mas mesmo que seja feio, o arauto ainda será considerado "instigante", "carismático", "exótico" ou similar - o famoso "ele não é bonito, mas tem um certo "que" que não dá pra explicar". Seus poderes de charme são ampliados em 5% a partir deste nível, aumentando para 10% no nível 14, e mais 5% a cada 10 níveis subsequentes, chegando ao máximo de 25% no nível 44. [passivo]

Nível 5
Palavra de Poder: Dor - A lábia e as habilidades de manipulação do seguidor de Éris afeta diretamente o alvo, de forma sobrenatural. Ao apontar para o oponente (que deve ser capaz de ouví-lo e estar dentro do campo de visão do semideus, dentro de até 15m e sem barreiras que impeçam a visualização do alvo) e pronunciar a palavra adequada em grego antigo, o alvo é tomado por dores intensas, como se tivesse sofrido um ferimento. Existe a perda de MP, mas não há nenhum dano físico real. Não é considerado um poder sonoro para fins de resistência, uma vez que é uma habilidade sobrenatural, mas o efeito não é causado pelo volume da voz. 1 vez por missão. [ativo]

Nível 9
Visão no escuro - Éris transita entre os mundos, mas grande parte do seu tempo é gasta no Tártaro, como filha da Noite e deusa desprezada por seus pares. Viver em tais ambientes a tornou apta a lidar com seus abismos e escuridões, e seus seguidores adquirem a visão no escuro, com acuidade e alcance igual à visão normal. Caso já possuam tal habilidade, o alcance é ampliado em 50%. [passivo]


Nível 12
Convocação III: Fome - Invocando o poder de Limos sobre um alvo tocado, o Arauto desregula o equilíbrio de seus organismo. Não provoca uma fome real, mas faz com que seu poder seja "autoconsumido", saindo do controle, e fazendo com que gaste uma quantia maior na ativação de poderes - 50% a mais durante 3 turnos. Para fins de resistência é considerado um poder de dreno. 1 vez por combate. [ativo]

Nível 20
Andar silencioso - Os arautos desenvolvem uma propensão para a furtividade, e isso se reflete em sua postura e movimentação. Não quer dizer que não produzam ruído algum, mas que seus passos são mais leves e silenciosos - e, consequentemente, mais difíceis de detectar - do que o de semideuses comuns. [passivo]

Nível 23
Mente escorregadia - Arautos conseguem ocultar melhor seus pensamentos, já que a efetividade de seus poderes depende dos oponentes não saberem suas intenções. Além disso, seus pensamentos são desordenados, impedindo poderes de leitura mental, que deixam de funcionar contra eles se provenientes de oponentes até 5 níveis abaixo. Acima disso e até 5 níveis acima, captam apenas coisas superficiais, devido a uma resistência inata. Se a diferença for maior do que cinco níveis, funciona normalmente. [passivo]

Nível 25
Ambidestria - Seguidores de Éris, com o tempo e o treino conseguem desenvolver o uso de ambas as mãos. A ambidestria não aumenta sua força, contudo - então, apenas armas leves ou de uma mão só conseguem ser portadas em cada mão. [passivo]
hypno:
♦️ Nível 5

Toque entorpecente - Seu toque adquire a capacidade de entorpecimento da Morfina, e você pode tanto usá-lo a favor de um aliado ou contra um inimigo. Quando usado em um aliado reduz em 50% as penalidades (não os danos) de ferimentos contínuos por 3 rodadas. Contra inimigos, provoca dormência e paralisia no membro afetado [ não no corpo inteiro], por 3 rodadas. Inimigos com 5 lvl acima tem a paralisia reduzida a um turno. Com 10 lvl acima não são afetados. Essa habilidade não afeta os órgãos do adversário,de forma que não é possível fazer o pulmão, rim ou coração do oponente pararem de funcionar. Essa habilidade pode ser usada uma vez a cada cinco rodadas, e necessita de contato físico para que funcione. Cada oponente pode ser afetado uma vez por combate.[Novo] [ativo que ele tentou usar na Bianca]
observação:
Eu usei dois ativos:
um de lvl 5 e outro de lvl 12, totalizando 68 MP perdidos, bjos.
I'M FALLING
put your wings on me,
wings on me
Bianca H. Somerhalder
Bianca H. Somerhalder
Feiticeiros de Circe

Mensagens :
748

Localização :
Los Angeles, Califórnia

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [EVENTO] The Hypno Song — Grupo 2 (Alaric)

Mensagem por Jhonn Stark em Ter 31 Out 2017, 23:37


Dreams of death
Do you believe in ghosts?

Lavender town
Where the living never rest in peace
[EVENTO] The Hypno Song — Grupo 2 (Alaric) Ghost-pokemon-14378
Todo o plano começou a desmoronar no momento em que colocaram os pés naquela escadaria.

Sentiram seus corpos mais leves, distantes. Ainda conseguiam ter a consciência de que estavam lá, de que pisavam no solo e percebiam coisas como a temperatura do ambiente ou a cadência de suas passadas. Mesmo assim, era como se estivessem acompanhando tudo como espectadores, não protagonistas.

Uma voz começou a ecoar ao fundo.

"Come, little children, come with me
Safe and happy, you will be
Away from home, now let us run
With Hypno, you'll have so much fun


Seus corpos pareciam cada vez mais entorpecidos. Criam cegamente que as promessas da voz eram verdadeiras. Queriam estar felizes e a salvo. Queriam tanto…

O subconsciente do filho de Héstia parecia gritar contra seu corpo. Seu instinto dizia que subir era uma má ideia, que aquela voz era uma má ideia. O curandeiro, por sua vez, seguia hipnotizado pelas promessas que lhes eram feitas, sorrindo e avançando sem hesitar.

Oh, little children, please, don't cry
Hypno wouldn't hurt a fly
Be free to frolic, be free to play
Come with me to my cave to stay


Quando chegaram ao último andar, todos se depararam com uma criatura estranha.

Tinha uma fisionomia humanóide. O que chamava atenção, porém, era a tonalidade amarelada de sua pele e algumas feições exageradas: orelhas pontudas e um nariz enorme. Além disso, parecia carregar um pêndulo em uma das mãos.

Atrás da criatura, alguns corpos infantis permaneciam, desacordados. Aquilo gerou na mente dos semideuses a urgência feroz de fugir de verdade, apesar dos encantos da canção. Infelizmente, seus corpos ainda não obedeciam.

Atrás do monstro, uma esfera emitia uma aura estranha, um brilho etéreo, como se almas tremulantes estivessem cativas ali.

Bem vindas, crianças. — Disse a entidade. — Eu sou Hypno.

Seus corpos ainda estavam se movendo por conta própria. Organizaram-se ao redor de Hypno, formando um círculo. Assim que se sentaram, viram as cordas que surgiam do chão para agarrar seus pulsos e tornozelos, incapacitando-os para uma fuga. Não havia o que fazer.

Vocês foram muito malcriados. — Hypno falou, de forma macabra. — Como castigo, suas almas ficarão para sempre comigo.

O monstro amarelado caminhou até Alaric, como se para demonstrar o que ele queria dizer com tudo aquilo. Concentrando-se e movendo o pêndulo em suas mãos diante do garoto de Nyx, indefeso e hipnotizado, sugava aos poucos sua energia vital como um fio prateado que se estendia do corpo até o objeto.

O filho de Héstia cerrou as mãos, com raiva. Ele conseguia sentir a energia vital do amigo se esvaindo, e não gostava nada daquilo. Subitamente, no mesmo instante que aquilo ocorria com sua contraparte, notou algo inusitado: seus movimentos estavam de volta. Ele estava no controle.

Mas como se livrar daquelas amarras? Além de se livrar de forma eficiente, os dois precisavam ser rápidos para reagir, atacando o monstro e libertando seus amigos presos. O que seria a melhor alternativa naquele caso?

O garotinho de camisa branca olhou para o de camisa preta. Um olhar profundo e sério. Ambos estavam relativamente próximos no círculo, um ao lado do outro. Existia uma alternativa que eles tinham  que tentar, embora não tivessem tanta prática em execução.

Estenderam as mãos mais próximas um para o outro. A direita de Yin e a esquerda de Yang, desesperadamente tentando se aproximar. As palmas de suas mãos ardiam, suas formas físicas tremulando e se desfazendo.

Desfizeram-se em dois montes de energia azul, que reformaram-se entre o espaço que os distanciava. Livres de amarras, eram um outra vez.

Ativou sua espada. Suas propriedades mágicas foram despertas, tornando-a uma personificação bestial de uma ave em chamas. O item então voou na direção de Hypno, atingindo-o nas costas e finalmente chamando sua atenção.

A luz azul tomou seu corpo outra vez, e novamente estava separado em dois.

— Vai ajudar os outros! — Disse Yang, com a espada ressurgindo em suas mãos. — Eu vou distrair ele!

Yin assentiu, partindo na direção de Peter. Retirou uma das facas de seu cinto, começando a partir as cordas. Viu que Bianca havia se libertado também, e estava libertando a outra garota.

Quando rompeu a última corda, viu Yang sendo arremessado por cima de sua cabeça, batendo em uma lápide um pouco afastada. O Hypno, com um olhar raivoso, o havia atirado para lá de alguma maneira.

Mas é claro! Disse Yin, percebendo a lógica naquilo. Ele é tipo psíquico!

— Jura? — Gritou Yang, grunhindo de dor. — Obrigado, nem percebi!

Todos os semideuses, agora livres, partiram para cima do monstro.

Yin, o curandeiro, puxou uma de suas facas de ouro solar, disparando-a em direção ao peito da criatura. Assim que ela se fincou em sua carne estranha, a criatura soltou um urro de dor, encarando o curandeiro. Seus olhos foram tomados por um brilho azulado, e então…

Então tudo deu errado.

Dezenas de mãos brotaram do chão. Mãos de zumbis chineses raivosos, ansiosos pelo sangue de Yin. Elas o seguravam e arranhavam, querendo puxá-lo para o inferno. Querendo levá-lo de volta para a tortura que sofreu. Ele tremia intensamente, imobilizado pelo medo, alheio a tudo o que ocorria ao seu redor. Como eles pararam ali? O que queriam? Como ele…

Foi sacudido com força de volta à realidade. Bianca gritava alguma palavra que, naquela idade, deixaria qualquer pai horrorizado, e dizia para ele retornar à real. O que Hypno havia criado então era uma ilusão. De qualquer forma, o medo grande ainda penalizava o garoto, que não tinha o foco completo na batalha à sua frente.

Yang se levantou, aproximando-se outra vez. Com mais um grito agônico do monstro, reparou que algum dos aliados tinha conseguido a façanha de cegá-lo. Posicionando-se à frente da fera enfurecida, concentrou todos os seus esforços para disparar uma intensa rajada de chamas em seu corpo, uma chama intensa que debilitou gravemente a criatura.

Retornou para perto de Yin, estendendo a mão para o garoto e tentando passar um pouco de tranquilidade para ele. — Eu sei que você tá com medo. — Ele disse. Apesar de ser o lado durão, ele tinha que ter um pouco de sensibilidade também. — Mas estamos todos, não é?

Yin sorriu, assentindo. Ergueu a própria mão e agarrou a do companheiro. Juntos, então?

O outro concordou. — Juntos.

Se uniram pela última vez naquela noite, sem se separar novamente.

Ao olhar o inimigo novamente, viram que este havia passado por maus bocados naqueles momentos de batalha. Peter, Bianca e Aurora tinham dado uma bela surra nele também. Naquele instante, Peter e Aurora utilizavam seus poderes para manter o monstro imóvel, dando a brecha que Stark precisava para agir.

Rosas e correntes se projetavam do chão, prendendo-se ao corpo do humanóide aflito. O carcereiro converteu-se em prisioneiro.

Stark ergueu outra vez sua espada, pondo-se a correr. Seu corpo ardia de dor e cansaço. Sem pensar duas vezes, jogou todo o peso do corpo na direção de sua investida, usando a lâmina para um golpe perfurante direto e profundo.

Apenas parou quando o oponente não mais se debateu.

Puxou a espada de volta e suspirou. Apreciou por um instante o silêncio chocante que surgiu após aquela derrota, contemplando sua própria força e orgulho.

”Nós conseguimos.” Pensou. “Vencemos.”

Adendos:
Armas:
♦️ Faca [Sua lâmina bronzeada mede cerca de 24 cm, e seu cabo tem o mesmo comprimento padrão. É bastante afiada e é perfeita para ataque ágeis e rápidos. O bom desta arma é sua eficiência tanto para mãos hábeis quanto para manuseios mais inexperientes, pois é uma arma curta, fácil de esconder e ao mesmo tempo fácil de manusear. Seu punho é feito de aço, mas uma camada de couro escuro cobre o aço para que o usuário possa segurá-la firmemente. Na parte inferior da lâmina, próxima ao cabo, há entalhado as siglas do Acampamento "CHB"; uma propriedade que só os meio-sangues e criaturas místicas podem ter e usar (ajuda um pouco na destreza)] {Bronze, aço e couro} (Nível mínimo: 1) {Nenhum elemento} [Recebimento: Administração; item inscrição padrão do fórum] No cinto.

— {Phoenix} / Espada [Espada de 90 cm, com sua lâmina medindo cerca de 75 cm. É feita de um cristal único e especial, a espada é longa e fina, com um corte afiadíssimo e infalível. Sua guarda-mão tem um formato de taça, porém, com delicados formatos de chamas queimando na direção da lâmina, como se a consumissem; seu punho é feito de aço. Vem junto de uma bainha coberta por malha de aço e couro branco. Quando não está em uso, se transforma em um anel de prata com o desenho de uma chama.] {Cristal, Prata e Aço} (Nível Mínimo: 1) {Controle sobre o Fogo} [Recebimento: Presente de Reclamação de Héstia adaptado por Harry S. Sieghart] Mão direita,
indicador.


— {Scorched} / Escudo (Escudo circular feito de ouro e prata com várias camadas destes materiais. No centro do escudo está desenhado uma lareira, o símbolo de Héstia. Na parte interior do escudo, ou seja, onde há um encaixe para o usuário por o seu braço há uma espécie de almofada, simbolizando o "conforto". Útil para aguentar ataques fortes. Quando não está em uso, se transforma em um relógio de ponteiros feito de ouro com a parte interior de ouro branco.] {Prata e Ouro} (Nível Mínimo: 1) {Controle sobre o Fogo} [Recebimento: Presente de Reclamação de Héstia adaptado por Harry S. Sieghart] Pulso esquerdo

- {Flame} / Faca de Arremesso [Faca de arremesso de ouro solar, com o cabo de couro. Também pode ser usada para combates diretos. Apresenta o entalhe de uma fogueira em sua lâmina.] {Ouro Solar} (Nível Mínimo: 2) {Não controla elementos} [Recebimento: forjado por Harry S. Sieghart] Att por Hécate.No cinto.

- {Flare} / Faca de Arremesso [Faca de arremesso de ouro solar, com o cabo de couro. Também pode ser usada para combates diretos. Apresenta o entalhe de uma fogueira em sua lâmina.] {Ouro Solar} (Nível Mínimo: 2) {Não controla elementos} [Recebimento: forjado por Harry S. Sieghart] Att por Hécate. No cinto.

- {Burn} / Bainha [Cinto de couro com uma fivela de prata comum, que quando pressionada, transforma o cinto em um parecido, com 3 bainhas de facas, sendo duas delas laterais (para as facas de ouro solar) e uma na parte de trás do cinto (para a faca de bronze).] {Ouro Solar} (Nível Mínimo: 1) {Não controla elementos} [Recebimento: forjado por Harry S. Sieghart] Att por Hécate. Cintura.

{Winged Sneakers} / Tênis [Um par de tênis azulados, que tem como detalhes alguns desenhos de ventos. Ao bater seus pés um no outro por três vezes, o usuário começa a voar. Consegue chegar em alturas e alcançar velocidades consideráveis. Para descer, basta fazer as mesmas ações que fez para subir que ele diminuirá a altitude aos poucos. Quando está sendo usado em solo confere ao semideus que o calça um aumento de cerca de 10% em sua agilidade. {Couro} (Nível Mínimo: 20) {Não controla nenhum elemento} [Recebimento: Missão "Chama da Esperança" narrado e avaliado por Dom Demon/William Véroz; atualizado por ~Lady Íris~] Calçados.

Braçadeira quitinosa [Braçadeira lisa e cilíndrica, de tons avermelhados. Ao ser ativado, faz com que a pele do semideus tenha suas características alteradas, se enrijecendo, aumentando sua resistência a golpes físicos em 50% por 3 turnos. 1 vez por evento. (nível mínimo: 07) {Material: pele de carangueijo gigante} [Ganho como recompensa pelo evento "O levante"] Pulso direito.

— Bolsa de Componentes Mágicos / Bolsa (Nela são guardados desde objetos para preparo de poções até bisturis e utensílios médicos [ela possui espaço infinito para tais coisas e somente para tais coisas; também aparece e desaparece, dependendo exclusivamente da necessidade do semideus]) {Couro} (Nívem mínimo: 1) (Controle sobre nenhum elemento)[Presente de Curandeiro] No aguardo pra convocação.

— Colar do Serpentário / Colar (o formato e o estilo da confecção lembram uma serpente dourada; nunca pode ser perdido, vendido ou retirado a força, pois identifica os curandeiros e, portanto, não é considerado um item nas contagens para missões, eventos e tramas, embora ainda seja preciso citá-lo) (seu efeito principal é o de, quando retirado do pescoço, se transformar em um dos itens a seguir: uma réplica quase totalmente semelhante do Bordão de Asclépio (ou seja, uma espécime de bastão rústico e fino envolvido por uma serpente de escamas feitas de prata envenenada que podem ser tão afiadas quanto uma espada, possuindo o mesmo potencial de corte de uma arma laminada; ele se adapta completamente ao tamanho e porte físico do usuário). {Prata, madeira e veneno} (Nível mínimo: 1) (Controle sobre nenhum elemento) [Presente de Curandeiro] Pescoço.

{Help} / Anel [Um anel de prata, com um pequeno pedaço de rubi preso nele. Abençoado por Asclépio, este anel permite ao curandeiro, aumentar seu limite de cura nas técnicas curativas em 20%, ou seja, se uma técnica permite o curandeiro recuperar 100 HP ou MP, usando este anel ele conseguirá curar 120 de HP ou MP, sem qualquer gasto extra. No caso de um número não exato, o valor é arredondado para baixo. Não tem influência sobre técnicas de ressuscitação. Dura dois turnos, uma vez por ocasião.] {Titânio e Rubi} (Nível Minímo: 45) {Controle sobre Cura} [Recebimento: Missão "O guerreiro da cura", avaliada por Macária e atualizada por Asclépio.] Mão esquerda, indicador.

{Weismann} / Runa [Um fragmento da Runa Weismann, que foi destruída durante a segunda Batalha dos Reis. Foi dada a Ayla e Jon pelo próprio Weismann, o Rei Prata Imortal. Pode ser colocada em um colar, pulseira e até mesmo em um anel, pois seu tamanho não é maior do que o de uma pedra brita, e tem a coloração branca. Apesar de a runa ter concedido a imortalidade para Weismann, ela não a concedeu para os semideuses, mas graças ao seu poder, os danos físicos recebidos pelos semideuses diminui em 25%, podendo aumentar progressivamente a cada dez níveis subidos. Não pode ser perdida, vendida e tampouco trocada ou dada, visto que além do poder fornecido ele é um símbolo da confiança e amizade dos Reis para com Ayla e Jhonn.] (Nível mínimo: 50) {Não controla nenhum elemento} [Recebimento: Missão "Return of Kings", passada e avaliada por Nyx e atualizada por Hécate.] No bolso da camisa.
Poderes:
Passivos

Nível 2

Bom Senso - O filho de Héstia, diante de uma situação, consegue discernir o caminho menos danoso com mais facilidade, sabendo quando uma ação é claramente estúpida ou perigosa. Vale ressaltar que não é um poder combativo - ele não pressente um ataque ou nada do tipo, mas intuiria, por exemplo, que fazer o movimento x seria estúpido, ou que não conseguiria saltar a uma distância y sem se ferir. Para dúvidas, consulte o narrador para manter a coerência. (Héstia)

Nível 6

Sensitivo - Ao encontrar uma pessoa, você reconhece o que ela está sentindo (de forma geral, ainda que não saiba o que provoque a alteração sentimental). Aqueles que possuírem qualquer tipo de resistência ou aura relacionadas a esse poder e que tiverem no mínimo 10 níveis a mais que o Filho de Héstia, a anulação dessa habilidade é imediata. (Héstia)

Nível 8

Visão das Chamas - O fogo representa também a energia da vida. A partir desse nível, filhos de Héstia conseguem ver as chamas internas das pessoas, conseguindo saber sobre seu estado de saúde geral (cansado, ferido, próximo da morte, etc) apenas com o olhar. Na prática, sabe quanto de vida um aliado possui. Bloqueios de aura também afetam esta visão. [Novo] (Héstia)

Ativos

Nível 30

Pirocinese III - Agora seu controle melhorou a ponto de aumentar a quantia de fogo que fica sobre seu comando, e permitir tal ato sem concentração. No caso de controle, mantém sob seu domínio chamas que abranjam uma área de até 1000m², mas pode separar esta quantia de fogo de uma chama maior. Mover o fogo  é uma ação de gasto constante que implica em arrastá-lo ou fazê-lo "quicar" entre materiais combustíveis (10m pelo solo sem material inflamável, 20m em material inflamável, 6m em um "salto" entre materiais - uma das alternativas, por turno). Arrastar o fogo por material não inflamável fará com que seja reduzido até se estinguir totalmente em até 10 turnos (dependendo da quantia de fogo), não permitindo que se mantenha o poder por mais tempo sem que haja novo gasto para criação de novas chamas. Caso haja material inflamável para manter as chamas, não há limitação de duração até esse material ser extinguido. Caso pegue em materiais inflamáveis, o fogo aumentará de volume e poderá sair do controle do semideus. Da mesma forma que pode mover as chamas, também pode extinguí-las, desde que dentro da área delimitada a cada turno. A partir de agora, também pode dar formas específicas às chamas (como uma forma humanóide ou similar) e separar porções de fogo, podendo controlar até 2 focos por vez, desde que não ultrapassem a área total permitida pelo poder. Isso exige concentração, contudo. Porções de fogo separadas ainda se movimentam e agem apenas dentro dos padrões disponíveis, independente da forma. As chamas criadas aumentam de tamanho (até 5x 10). A criação conta como um poder normal (nível do poder x 4 no turno de ativação), mas movimentação e afins o gasto é constante (nível do poder por turno). [Modificado] (Héstia)

Poder do Hypno

♦️ Nível 35

Pesadelo acordado - o alvo é tomado pelos seus piores pesadelos, ficando em pânico. Ele tem tendência a deixar o que estiver fazendo e abandonar a batalha, ou se continuar, tem todas as suas defesas reduzidas em 50%. Obviamente, só funciona em seres vivos. Inimigos acima de 5 lvl tem as penalidades reduzidas pela metade, e acima de 10 lvl não são afetados. Dura três rodadas, uso único, alvo único.[Novo] (Hipnos)

◉ Nível 38. Telecinese avançada: Consegue mover objetos bem pesados, como carros e a velocidade é ótima.
(Psiquê)

Poder da espada

Poder do Item (Nível 75) Voo da Fênix - Uma vez por missão, o semideus consegue fazer com que sua espada assuma a aparência de uma fênix, de modo que ela sozinha consiga voar em direção ao inimigo para atingi-lo. O efeito é um tanto quanto mais visual, de modo que a espada não possuirá nenhum poder que uma fênix teria. Após acertar ou não seu alvo, a espada se consome em cinzas e renasce novamente na mão do filho de Héstia. Pode ser usado uma vez por missão, acertando ou não seu alvo.
Itenzão especialzão:
❖ {Tao} / Amuleto [Um amuleto antigo de prata com inscrições em um idioma desconhecido. A imagem circular de Yin e Yang se complementando permanecem no centro da figura. Ao ser segurado por seu usuário, pode dividi-lo em suas duas essências, personalidades opostas com HP/MP individuais, equivalentes a 1/2 do total do personagem. Devido ao estado incompleto do item como está, cada uma das personalidades pode utilizar apenas poderes de um dos grupos aos quais o semideus pertence – Um com acesso aos poderes de Héstia, o outro aos poderes de Asclépio. O nível máximo de acesso aos poderes equivale a ¾ do nível atual do personagem. Com futuras DiY, as limitações do item poderão ser removidas.] {Metal e Magia} (Nível Mínimo: 70) {Magia} [Recompensa pela DiY "Yin and Yang", avaliada e atualizada por Hécate.] Bolso da camisa.
Obs:
Legendinhas, personagens e explicações:
1Yin: O princípio passivo. Manifestação de Jhonn que incorpora a reação, a passividade, a mente intuitiva e empática. É um personagem mais racional, compassivo e emotivo da dupla. É o lado bom e puro de Stark, sua parte protetiva. Só tem acesso aos poderes de seu patrono, Asclépio.

2Yang: O princípio ativo. Manifestação de Jhonn que incorpora a ação, o calor,  a impulsividade e vigorosidade. É um personagem de certa forma irritadiço e tomado facilmente por seu instinto, representando a parte guerreira de Stark. Só tem acesso aos poderes de sua progenitora, Héstia.
Outras observações cabíveis:
Então, lá vamos nós.

❖ Pra se soltar, as metades se fundiram. Já que a forma deles é fluida e de energia, eles conseguiram se reunir e deslizar pra fora das cordas.
❖ O primeiro golpe foi pra distrair o Hypno mesmo. E foi o golpe em que eu usei o poder da espada. Logo após isso, o Hypno joga o Yang pra longe com telecinese.
❖ Depois do ataque do Yin, o Hypno usa a ilusão de pior medo. Pro Yin, essa ilusão é daquela questão do sequestro por zumbis psicopatas na China. É.
❖ Ainda sobre a ilusão: Devido ao meu nível, eu sofro menos, e a Bianca me despertou de volta pra a luta (nesse meio tempo, o pessoal já tinha atacado, por isso não narrei ele vendo). Mesmo depois de cair na real, ele ainda estava meio desestabilizado, então não atacou.
❖ Quando Yang conseguiu se levantar do arremesso psíquico, ele voltou e tacou fogo no Hypno. Quando os outros voltaram a atacar, ele foi até o Yin e convenceu ele a se fundir pra que eles pudessem lutar juntos.
❖ Espero que baste pra eu não morrer q
AGORA VAI!:

[EVENTO] The Hypno Song — Grupo 2 (Alaric) Giphy
Jhonn Stark
Jhonn Stark
IndefinidosPercy Jackson RPG BR

Mensagens :
691

Localização :
Acampamento Meio-Sangue

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [EVENTO] The Hypno Song — Grupo 2 (Alaric)

Mensagem por Peter Lost em Ter 31 Out 2017, 23:49

ϟ
THE HYPNO SONG
Parte 3 
ϟ
Peter Lost
Quer se perder comigo?
[EVENTO] The Hypno Song — Grupo 2 (Alaric) HeOg5gr
Aquele dia parecia estar longe de acabar e eu, como qualquer criança da minha idade, já estava com sono por estar acordado até tão tarde. Queria terminar logo com aquilo para poder me deitar em algum lugar e dormir tranquilamente.

Todos subimos as escadas, eu me sentia dolorido da última batalha e meus olhos inchados denunciavam a quantidade exagerada de lágrimas que eu havia deixado escapar. Não demorou muito para que uma voz estranha e um tanto quanto macabra começasse a ecoar e minha mente. Em um primeiro momento, não entendi o que queria dizer, mas logo percebi que se tratava de uma música.

Todas as células de meu corpo me diziam para fugir, para correr daquele lugar com toda a velocidade que pudesse e não olhar para trás por nada, mas meus movimentos pareciam se negar a obedecer minha mente.

A letra da música parecia me convidar para o próximo andar, como se quisesse minha presença. Não sabia se os outros membros do grupo também a ouviam, mas minha cabeça se negava a fitá-los, mantendo-se erguida e forçando-me a olhar para frente.

Meus pensamentos pareciam livres da suposta hipnose, mas meu corpo continuava a caminhar lentamente. Os passos leves eram dados de forma que meu desespero ficasse maior a cada segundo.

A música parecia aumentar de volume a cada degrau que eu subia até que finalmente eu pude me ver parado próximo aos meus amigos em uma sala escura. Ao centro, uma criatura de pele amarela, com grandes orelhas pontudas e um nariz notavelmente grande se encontrava ao centro.

Tive a impressão de vê-lo soltar um leve sorriso, mas com a fraca iluminação, não consegui ter certeza se fora apenas minha imaginação. A mesma voz da canção ecoou em minha mente, fazendo os pelos de minha nuca se levantarem com uma simples frase: “Olá little children, eu sou Hypno. Não tenha medo.

Apesar do que a voz dizia, meu medo era cada vez maior e eu sabia que algo precisaria ser feito. Mas meu corpo então tornou a se mover, e pude perceber que meus companheiros também pareciam estar no mesmo transe que eu.

Conforme me movia tentei analisar o lugar onde me situava. O quarto era escuro, mas meus olhos já haviam se acostumado com todo aquele ambiente, portanto consegui distinguir algumas crianças desacordadas ao fundo, eu não sabia se estavam vivas ou não, mas com certeza não queria ter o mesmo destino que elas.

Meu coração se acelerou com aquela imagem e com a ideia de que eu poderia ser o próximo corpo a ser descartado naquele lugar. Se meus movimentos não estivessem sendo controlados, com certeza eu estaria chorando mais uma vez.

Finalmente avistei uma orbe estranha brilhando de forma macabra de tempos em tempos, e um altar que parecia ser usado para alguma espécie de ritual ou coisa do tipo. Eu realmente não estava gostando nada daquela situação.

Quando dei por mim, já me via sentado no chão frio. Ao que pude perceber, meus companheiros também haviam se organizado de forma que todos estávamos sentados em um grande círculo, no qual o humanoide amarelo se posicionava no centro.

Mais uma vez imaginei ele abrindo um leve sorriso, mas antes que pudesse pensar em qualquer coisa, cordas surgiram do chão e se enrolaram em meus tornozelos. Por algum motivo, talvez o desespero, o controle mental de Hypno sumira.

Sem me demorar, joguei o corpo para frente, tentando me soltar das amarras que se prendiam com mais força a cada segundo. O suor já brotava em minha testa e o estranho sentimento de cansaço parecia ter sido tomado por uma ansiedade crescente.

Soltei alguns gritos de desespero, mas era inútil. Quanto mais eu tentava me soltar, mais preso eu me sentia. Finalmente tive a brilhante ideia de tentar me levantar, portanto coloquei os braços no chão no intuito de impulsionar meu corpo para cima, mas o inesperado aconteceu: mais cordas brotaram do chão, amarrando meus pulsos atrás de meu corpo.

Eu gritava em desespero, mas já não havia o que fazer, eu estava totalmente imobilizado. Fechei os olhos, e deixei meu corpo jogado no chão. Aquele com certeza seria meu fim.

Vocês foram muito malcriados.— Hypno falou, sua voz assustadora impregnava toda minha mente. — Como castigo, suas almas ficarão para sempre comigo.

A criatura não pareceu se importar com nenhum de nós, a não ser Alaric. Tentei olhar para meus companheiros, todos pareciam imobilizados, o que me deixou ainda mais apreensivo. Eu estava praticamente paralisado de medo. Já não conseguia pensar em uma estratégia sequer. Enquanto isso, Hypno se aproximou do feiticeiro.

Suas mãos amareladas exibiam um pêndulo esquisito, o qual fazia o filho de noite ficar aparentemente hipnotizado. Eu não sabia o que estava acontecendo ali e finalmente, mais uma vez, deixei minhas lágrimas escorrerem pelo meu rosto até o chão. Era o fim.

Fechei meus olhos, já havia desistido de lutar e estava pronto para me juntar à pilha de crianças desacordadas quando senti alguém empurrando meu corpo para frente. Voltei-me para quem quer que fosse e, para meu espanto, era o filho de Héstia… Ou devo dizer, uma de suas metades.

Voltei meus olhos para Hypno, que estava sendo atacado por uma versão black robes de meu salvador. Tentei conter o riso com aquela imagem, mas seria impossível não rir enquanto poucas palavras surgiam em minha mente e eu me via cada vez mais empolgado: “Tá na hora de brincar!

Olhei ao redor, a luta parecia favorável para nós. Éramos em quatro semideuses… Cinco se contássemos os dois Jhonns de forma separada. Contudo, a criatura não parecia querer se render apesar de sua tremenda desvantagem.

Ouso dizer que aquilo me alegrou um pouco, afinal, lutar fazia com que minha mente se tornasse ativa, fazendo com que eu me sentisse extremamente poderoso - e convenhamos, o poder é algo viciante.

Transformei minha luva e meu anel em duas espadas poderosas, logo antes de ativar minha armadura. A luta me pareceu extremamente sincronizada, atacávamos de forma cadenciada e coordenada, tentando suprimir qualquer tipo de desvantagem que pudéssemos ter.

Jhonn fez seu movimento, seguido de Bianca. Não me pareceram muito efetivos, mas algo me dizia que aquela era a minha brecha para um ataque rápido. Avancei pelo flanco direito da criatura, correndo em sua direção.

Tentei desferir um golpe horizontal com minhas duas lâminas e, quando estava na iminência de fazê-lo, percebi um desenho de borboleta em seus olhos. No instante seguinte ele estava ao meu lado, dando-me um chute na região do baço e arremessando-me para longe.

Cai no chão dolorido e confuso, afinal, o que tinha acontecido ali? Respirei fundo, com medo do que viria a seguir, mas Aurora já estava mantendo-o ocupado com seu ataque.

Levantei-me com dificuldade e olhos marejados. Analisei a situação, tentando me recompor na luta e, me preparando para minha brecha de atacar. Meus companheiros lutavam bravamente, o que me mantinha entusiasmado apesar das dores.

Bianca então fez um movimento brilhante, disparando duas shurikens contra a criatura ao mesmo tempo em que ajudava Jhonn. Por incrível que pareça, ela conseguiu acertar Hypno nos olhos, de forma que a criatura urrou de dor. Finalmente ele não poderia desviar como havia feito anteriormente.

Tentei correr mais na direção do monstro mais uma vez, pronto para desferir outro golpe agora que ele não podia mais enxergar. Contudo, o barulho dos meus passos o fez virar em minha direção e, com um grito, minhas espadas foram arremessadas pelo salão.

Ótimo, agora ele pode levitar as coisas também?

Recuei alguns passos, fazendo barulho para que o monstro se focasse em mim. Mais uma vez os ataques de meus companheiros recomeçaram. A voz de Bianca ecoou pela sala. A palavra dor foi proferida com tamanha maldade que eu mesmo me senti incomodado com aquele poder.

Hypno se debatia no chão, gritando em agonia. Apesar de tudo o que ele fizera conosco, eu sentia muita pena da criatura amarela, não gostava de nenhum tipo de tortura. Já estava prestes a pedir para que a lupina parasse com aquela crueldade quando me lembrei de minha missão.

Eu não poderia deixá-lo machucar meus amigos, portanto fiz a única coisa que podia enquanto a criatura ainda estava no jogada. Levei minhas mãos ao chão, concentrando toda a energia que pude, de forma que correntes surgiam do chão e se enrolavam em nosso inimigo.

Ele não estaria totalmente imobilizado, mas com certeza aquilo ajudaria a por um fim na batalha. Ao mesmo tempo, avistei rosas se erguendo e se mesclando com minhas correntes, ajudando a prender a criatura. Era uma habilidade poderosa de Aurora que nos ajudaria a prender o “pokémon”.

Respirei fundo e fechei os olhos, naquele instante. Quando voltei a mim, Jhonn já desferia o golpe final no monstro. Finalmente havíamos derrotado a monstruosidade.

Recuperei minhas armas e sentei-me no chão mais uma vez, ofegante. Eu realmente não gostava daquele corpo infantil.

Olhei para meus companheiros, Bianca soltava um sorriso o que me deixou um tanto desconfortável, afinal, nada naquela havia sido interessante, nem mesmo bonito. Nós só havíamos torturado um monstro, logo antes de matá-lo.

Soltei um suspiro longo. Eu já estava pronto para dar o fora dali. Mas como sair? Lembrei-me de Alaric, que havia sido alvo de Hypno, corri os olhos pela sala procurando por ele. O feiticeiro estaria bem?

Adendos:
Arsenal:
{Karabela} / Sabre [A karabela tem um punho aberto com o pomo no formato de uma cabeça de águia. Seu cabo anatômico permitia o manejo mais fácil de cortes circulares quando se luta a pé e e de cortes oscilantes quando montado no cavalo/pégaso. É feita de bronze sagrado e seu punho é revestido com couro. Vem junto de uma bainha de couro. No nível 20 transforma-se em um anel, com a cabeça e as asas de uma águia entalhadas.] {Bronze sagrado e couro} (Nível Mínimo: 1) [Recebimento: Presente de Reclamação de Zeus]

Perdição [Espada com lamina de bronze sagrado. A arma se adequa em peso e tamanho ao usuário, seu cabo é de aço negro com um fino revestimento de couro preto para melhor manuseio e tem um comprimento padrão. A arma não tem nada de especial em relação a uma arma de bronze sagrado comum, exceto pelo fato de que, quando a espada não esta em uso, ela se torna uma luva negra com as letras “PL” bordadas em branco, indicando que ela só funciona com Peter.] {Bronze Sagrado, Aço Negro, Couro e Tintura} (Nível mínimo: 9) {Nenhum elemento}

{Lost Belt} / Armadura [Uma armadura que protege o usuário. A armadura é feita de bronze e é reforçada para aguentar grandes danos, tanto que golpes comuns de espada causam pouco dano nela. Protege a parte do tronco, pescoço - por causa da gola de metal -, peitorais, costas e ombros. Quando o dono quiser, a armadura se transforma em um cinto, revestido em couro e vice-versa. É muito leve, tanto que Peter pode correr como se estivesse vestindo uma camisa comum.] {Bronze e Couro} (Nível: 24) {Não controla nenhum elemento} [Recebimento: ¥ Dragon Dovahkiin ¥ ]

▲ {Skiá} / Colar [Trata-se de um colar feito inteiramente de prata que ostenta um pequeno pingente de ônix lapidado cuidadosamente no formato de um relâmpago. O item concede o usuário a habilidade de, uma vez por evento/missão, absorver um ataque não físico (mágico ou elemental), desde que o adversário tenha no máximo até o mesmo nível que o jogador.] (Prata, Ônix) {Nível mínimo: 40} (Não controla nenhum elemento) [Recebimento: Missão - "The Lost Boys" / Avaliada por Ayla Lennox e Atualizada por Psiquê.]
Poderes:
Poderes passivos:
Perícia com armas laminadas (Nível 1)- Filhos de Zeus são bons com espadas, as manejando com certa familiaridade.

Vigor de Touro (Nível 6) - Como um dos símbolos de seu pai é o touro, seu vigor é maior que os outros semideuses, podendo correr e afins por mais tempo.

Poderes Ativos:
Correntes prometeicas (Nível 12) – Zeus acorrentou Prometeu como castigo por ter roubado o fogo, e você pode acorrentar seus inimigos. Ao ativar esse poder, correntes surgem do solo e envolvem seu inimigo, prendendo-o. Inimigos acima de 5 lvl não ficam totalmente presos, mas perdem 50% dos seus movimentos. Não funciona se o inimigo estiver voando. Dura 2 rodadas, pode ser usada 1 vez a cada 3 rodadas.)
Observações:
No meu post, Hypno usou dois poderes contra Peter, sendo o primeiro deles:
◉ Nível 10. Efeito borboleta: Ao ativar essa habilidade, tudo ao seu redor começa a passar em câmera lenta enquanto você fica na velocidade normal. Uma das características dessa habilidade é que quando em uso um desenho traçado de uma borboleta surge nos olhos do mentalista. Pode ser usado apenas duas vezes e tem duração de apenas um turno.

e o segundo deles:
◉ Nível 17. Amnésia intermediária: Consegue apagar as lembranças de até um mês atrás, sendo a recuperação delas mais difícil.

Ressalto que os poderes de Aurora estarão em spoiler no post dela :)

Não ficou grande, mas a qualidade não deve ter sido afetada por isso, espero que goste :)
Peter Lost
Peter Lost
Filhos de ZeusAcampamento Meio-Sangue

Mensagens :
279

Localização :
Lost...

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [EVENTO] The Hypno Song — Grupo 2 (Alaric)

Mensagem por Aurora R. Bailey em Qua 01 Nov 2017, 00:01


if you'll be my star, i'll be your sky
You can hide underneath me and come out at night. When i turn jet black and you show off your light


A garota respirava fundo, tentando voltar ao seu normal enquanto se preparavam para continuar a subir as escadas. Não demorou para que uma música tomasse conta dos seus sentidos.
"Come, little children, come with me
Safe and happy, you will be
Away from home, now let us run
With Hypno, you'll have so much fun

Logo que começou a garota sentiu um calafrio percorrer o seu corpo, literalmente pensava em sair correndo dali, mas seu corpo não respondia ao comandos da sua mente. Continuava a subir sem pausas, o mesmo acontecia a seus companheiros, era isso que ela imaginava.

Oh, little children, please, don't cry
Hypno wouldn't hurt a fly
Be free to frolic, be free to play
Come with me to my cave to stay

A canção seguia e Bailey já não conseguia ter uma reação suficiente para pelo menos manter sua mente sã. Continuaram a andar até o último andar, onde puderam ver um ser estranho para a garota. Fitava-o enquanto se dirigia com os outros para um círculo, logo sentiu seus pulsos e tornozelos serem amarradas, a criatura tinha uma pele amarelada e nariz e orelhas pontiagudas.

Em seu caminho, que antes não havia notado muito havia corpos pelo chão, sentiu seu estômago revirar, tentando esquecer aquela sensação ruim, voltando a fitar a criatura percebeu logo atrás da mesma uma espécie de altar. No seu centro havia uma esfera, que aparentava ter luzes que dançavam dentro de si, apertou os olhos pra entender o que havia ali e notou como se fossem figuras de pessoas naquele pequeno objeto, supôs que fossem almas.

Finalmente pode escutar a criatura sussurrar algo como “ crianças mal-criadas, agora suas almas me pertencem” Bailey não gostou muito de ouvir aquilo, mas seus seus sentidos começaram a concordar com tudo aquilo, agora sabia o efeito de manipular uma pessoa, era agoniante.

O ser começou a fazer o que havia dito, seu primeiro alvo foi Alaric, podia ver como era o processo, mas nada conseguia fazer naquele momento. Aurora aparentava ser a mais vulnerável, seus sentidos voltaram quando a outra garota lhe ajudou, soltando-lhe de suas amarras. O ataque ao monstro já vinha acontecendo, Bailey acabou tendo uma reação retardatária.

Precisava ajudar seus companheiros e foi isso que tentou fazer. Atacou com seu chicote, por um breve momento tentou utilizar seus olhos como distração, mas percebeu que seu efeito havia sido anulado, sentiu uma corrente eletrizante passar pelo seu corpo, nunca havia experimentado falhar em seus poderes e aquele foi o momento.

Concluiu que seus poderes não poderiam lhe auxiliar naquele momento, agradecia por não estar sozinha enfrentando aquele ser. Não demorou muito para que seus colegas dessem um jeito impedir que o ser fizesse ataques frequentes. Aurora aproveitou esse momento para tentar atacá-lo novamente, eles estavam em sincronia nos ataques e tudo parecia cada vez mais eficaz. Ao recuar dando espaço para os outros pode ouvir a outra garota pronunciar algo, logo o monstro caiu no chão se debatendo de dor.

A garota um dos garotos concentrado enquanto algumas correntes surgiam e circulavam o monstro, decidiu rapidamente ajudá-lo. Aurora se concentrou e imaginei rosas surgindo do chão e circulando o monstro, podiam ver os espinhos adentrando sua pele e o prendendo cada vez mais.

Quando acabou sua invocação outra pessoa havia dado o golpe final, a garota podia respirar aliviada por um momento. Deixou um sorriso de alívio surgir em seu rosto, acreditava que seria possível continuar com o apoio dos outros.





Considerações:
Armas :
♥️ {Beauté} / Chicote [É um chicote, todo trabalhado a mão, com 2,5m. Ele é feito de couro, e nesse couro, pode se perceber detalhes em renda, bordada manualmente. Ele também reluz alguns fios acobreados, deixando entrever o bronze sagrado, que ajuda em ataques mais precisos, e pode cortar a pele do atingido.]{Couro e bronze sagrado} (Nível Mínimo: 1 ) [Recebimento: Presente de Reclamação de Afrodite]




♦️ {Unloved} / Faca [Uma faca parecida com a que Nicole usara para matar uma colega no passado, porém com um aspecto mais voltado para as batalhas, feita de bronze e com o cabo feito de prata. A faca é envenenada, e uma vez por missão esse veneno pode ser ativado, fazendo com que o alvo acertado fique apaixonado pela semideusa, independentemente dos gostos pessoais ou de poderes, caso seja no máximo 2 níveis mais forte que ela. O efeito dura no máximo dois turnos até que o alvo volte ao normal. É necessário a garota ativar a faca antes de desferir o golpe, sendo que caso o mesmo erre o efeito do veneno perde seu efeito.] {Bronze e Prata} (Nível Mínimo: 12) {Não controla elementos} [Recebimento por Aldrick no treinamento do 3º Trimestre de 2014]




Elixir da Vida (médio): Recupera 30HP
Poderes utilizados:


Poderes Passivos:

Beleza Estonteante (Nível 1)

Como filhos da deusa da beleza, você é naturalmente belo, sendo tal beleza notável e admirada por todos. Seus olhos têm uma coloração que não se define completamente, sendo intrigantes e como se fossem hipnotizantes; sua voz atrai, seus lábios são provocantes, seu rosto possui uma beleza harmoniosa e o corpo não fica para trás. Tudo em você chama a atenção pela beleza especial que possui, e é praticamente impossível deixar de notá-lo. Não é nenhum efeito hipnótico, contudo - apenas estético.

Habilidade com Chicotes e Correntes (Nível 1)

É com esse tipo de arma que você se identifica perfeitamente e o tipo de arma com o qual se destaca. Tais armas parecem ser uma extensão de seu corpo, você consegue realizar movimentos incomuns e precisos, aprendendo a manusear esse tipo de arma facilmente. Não quer dizer que nunca erre, mas que seus movimentos são melhores com esse tipo de arma. É algo que evoluiu com o semideus.

Eterna Boa Forma (Nível 2) [Modificado, unido com bons reflexos]

A boa forma que você possui agora não confere apenas belas curvas, no caso das meninas, ou músculos definidos, no caso dos meninos, mas também confere certa agilidade e destreza para se esquivar de alguns ataques. É algo leve, contudo, e outros fatores podem interferir. Em combates, você transfere sua graça aos seus movimentos, o que faz com que seja capaz de se esquivar com mais facilidade, com movimentos belos e fluidos. Na prática, chances de esquiva aumentadas em 25% contra golpes normais.


Harmonia intocável (Nível 4) [Modificado - união de Aparência frágil e de Harmonia intocável]

Você não se aparece originalmente como uma ameaça, se apresentando de um modo belo e intrigante, fazendo o adversário pensar que você não é alvo dele e fazendo-o também sentir-se culpado caso te machuque. Em geral, faz com que você não seja o foco do primeiro ataque caso esteja em grupo, a menos que seja o semideus mais forte do local. Por outro lado, suas atitudes influenciam: não adianta tentar se fingir de inocente e permanecer armado, assim como durante um combate um monstro ou oponente não vai se deixar envolver nem parar de revidar apenas pela sua aparência, caso continue atacando.


Delicadeza (Nível 6)

Assim como pombos ou cisnes, seus passos são suaves e delicados, dificilmente sendo percebidos pelo inimigo em uma aproximação sutil. Note que sentidos aguçados ainda podem captar sua presença, assim como uma aproximação descuidada podem lhe denunciar. O silêncio não é completo.



Autocontrole (Nível 9)

Suas emoções não podem lhe atrapalhar em momento algum em uma batalha ou momento importante. Você não viverá a mercê delas, você saberá controla-las facilmente podendo manter o foco em uma batalha sem ser influenciado por nenhum sentimento, a menos que seja mais forte que você. Poderes que afetem emoções como charme, medo, fúria e etc terão efeito reduzido, não fazendo efeito se proveniente de inimigos de menor poder. Se forem de nível igual a até 5 níveis acima, 50% de resistência, e de 6 a 10 níveis, 25%. Acima disso, os poderes o afetam normalmente.

Super-Elasticidade (Nível 10)

Uma habilidade ainda relacionada à eterna boa forma dos filhos de Afrodite, que agora relaciona a incrível habilidade em realizar movimentos que exigem muita elasticidade corporal sua e uma excelente condição física. Você seria como um contorcionista, mas note que limites humanos ainda devem ser considerados.






Inteligência (Nível 16) [Modificado]

Você conseguiu chegar a um nível mais alto, provando que você domina estratégias de lutas e batalhas. Isso mostra que filhos de Afrodite não tem somente superficialidade. Assim você consegue rapidamente observar o inimigo, sabendo os seus pontos fracos e pontos fortes, você pode estudá-lo brevemente e saber como atacar. Isso é válido apenas para fraquezas visíveis, como técnica de luta e brechas na armadura, mas não fraquezas emotivas ou sobrenaturais. É um olhar mais aguçado, mas ainda é natural. Assim, toda vez que atacar suas chances de acerto serão maiores nesse caso.

Disposição (Nível 17) [NOVO - idealizado por Sadie Bronwen]

Em qualquer ocasião, o filho de Afrodite sempre parecerá mais jovial. Ele não aparenta cansaço ou esforço, e ações que normalmente deixariam qualquer um fatigado não parecem atingi-lo. Na prática, habilidades de dreno de HP e MP tem efeito reduzido em 50% contra eles se provenientes de personagens de nível menor. Para nível igual ou até 5 níveis acima, 25% de resistência e, acima disso, são afetados normalmente.

Ativos:

Olhar Fatal (Nível 5)

Seus olhos são fascinantes, e se o seu inimigo encará-los diretamente, ficará perdidamente encantado com seus olhos. Sem que ele perceba no primeiro momento, ele irá ficar sem movimentos. Seu olhar encantador pode paralisá-lo, e ele estará vulnerável a um ataque seu. Duração: 1 rodada. Uma vez por oponente por combate. Não é um poder de charme, mas de paralisia/ constrição e afeta apenas um inimigo por vez.

Domínio das rosas I (Nível 10) [Modificado]

As rosas, além de lembrarem atitudes românticas, representam por vezes a deusa Afrodite. Com esse poder, você pode criar rosas e manipulá-las. Nesse nível, apenas uma área pequena (3m²) que chega até o joelho de um humano de estatura mediana. As roseiras atrapalham a movimentação, ferindo os oponentes. O dano não é grande, mas é incômodo. As plantas murcham e se desfazem em 3 rodadas. A área não se move após criada, permanecendo mesmo que o semideus se retire do local, mas afeta a todos em seu espaço de criação.





.
thanks maay

Aurora R. Bailey
Aurora R. Bailey
Filhos de AfroditeAcampamento Meio-Sangue

Mensagens :
208

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [EVENTO] The Hypno Song — Grupo 2 (Alaric)

Mensagem por Alaric L. Morningstar em Ter 07 Nov 2017, 00:58

The Hypno Song

CAPÍTULO QUATRO


De joelhos, curvado sobre o próprio corpo acorrentado e ferido, Hypno ainda sorria. Poderia ser insano, mas não se via perdedor.

A esfera brilhou mais forte, parecia remexer-se de um lado para o outro; as almas ali dentro contorcendo-se enquanto sua energia se ampliava. A torre tremeu, ameaçou cair, junto de todo aquele mundo paralelo.

A diferença entre Alaric e Hypno, naquele momento, era que, mesmo com ambos derrubados, o garoto por sua vez estava cabisbaixo. Por um instante, pareceu finalmente perder todo o otimismo que impusera em seu grupo; sentiu-se falhando como líder.

Ele então olhou cada um dos quatro ali, ao seu redor, que lutaram para lhe salvar. Era sua obrigação fazer o mesmo.

O pequeno Morningstar tentava manter-se de pé enquanto ia até onde o pêndulo de Hypno havia caído. Saltara contra a criatura e recitou as palavras que ecoavam em sua mente, desde quando voltara daquela tortura psicológica que fora a tentativa de extrair sua alma.

Il Padre, il Filio, et lo Spiritus Malum... — Sussurrou, movendo o objeto hipnotizante à frente de seus olhos. — Omnis caelestis delenda est.

[EVENTO] The Hypno Song — Grupo 2 (Alaric) 7GS5MvG

Pontos Obrigatórios


— Adequem o que fora apresentado anteriormente aos seus posts. A esfera começará a apresentar rachaduras, permitindo que dezenas de almas infantis fugissem, já livres;
— A própria alma de Hypno será absorvida pelo pêndulo, que então se transformará numa chave de modelo antigo. Em seguida, uma outra entidade surgirá: é Agon, um daemon que representa os jogos, concursos e desafios, e que havia aparecido em seus sonhos anteriormente;
— Ele os parabenizará pela missão cumprida, e apontará, no lado oposto da torre, uma porta similar à que viram no primeiro turno (onde entraram na sala com o jogo), indicando o caminho de volta para casa. Ela será aberta pela chave recém adquirida;
— Entretanto, ao passarem pela porta, cada um de vocês se encontrará em uma espécie de tempo-espaço distinto, onde terão que atravessar sozinhos um corredor com seus piores pesadelos;
— Chegando no final deste, finalmente encontrarão a última porta, que os levará de volta à realidade: naquela mesma sala secreta que haviam entrado no começo de tudo. De volta aos seus corpos "atuais" (com a idade atual), perceberão que, no bolso de cada um, há um fragmento da esfera fantasmagórica. Mas agora, livres, finalizem o evento de maneira criativa.

[EVENTO] The Hypno Song — Grupo 2 (Alaric) 7GS5MvG

Informações Adicionais


— Local: Sétimo e último andar da Pokémon Tower, Lavender Town;
— Horário: Por volta das 3h da manhã;
— Condições climáticas: Temperatura baixa, presença de neblina;
— Prazo: 7 dias (ampliado pela minha demora + pedido de players com justificativa plausível), ou seja, até as 23:59 de 14/11/17 (horário de Brasília).

peter:

6 anos
Nível 57
HP: 580/660
MP: 504/660
jhonn:

10 anos
Nível 80
HP: 775/890
MP: 475/890
bianca:

9 anos
Nível 90
HP: 970/990
MP: 902/990
aurora:

10 anos
Nível 17
HP: 220/260
MP: 102/260



Edited by H.I.M. & morningstar
Alaric L. Morningstar
Alaric L. Morningstar
IndefinidosPercy Jackson RPG BR

Mensagens :
1048

Localização :
Hollywood Hills, LA.

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [EVENTO] The Hypno Song — Grupo 2 (Alaric)

Mensagem por Bianca H. Somerhalder em Seg 13 Nov 2017, 20:33

THE HYPNO SONG

O sorriso no rosto de Somerhalder aumentava cada vez mais enquanto ela observava Hypno caído ao chão, visivelmente ferido; apesar de seu sorriso insano aparentar que ainda não havia perdido a batalha, a prole da lua sabia que sim. Conseguia reconhecer quando ganhava. Entretanto, sua felicidade se desfez assim que ela viu o estado de Alaric, igualmente fraco.

O filho de Nyx levantou-se meio cambaleante, de modo que Bianca lançou a ele um olhar de encorajamento. De modo algum correria para ajudá-lo: tinha sido ensinada que, quando se acredita na força de alguém, é preciso deixá-la superar os obstáculos sozinha. E a menina acreditava em Alaric. Somente quando ele começou a andar foi que, com um soltar de um suspiro, a semideusa viu para onde o garoto se dirigia.

A esfera de Hypno ainda brilhava, mas agora era ainda mais fortemente. As almas que supostamente — ou literalmente, Bianca não sabia — estavam ali tornaram-se subitamente inquietas, de modo que a energia parecia ser bem mais forte. Hale teve vontade de se aproximar, mas não teve coragem para tal quando Morningstar começou a sussurrar palavras desconhecidas para ela.

O que é isso...?, pensou. Segundos depois, rachaduras começaram a se formar na esfera, o que fez a garota arregalar os olhos e prender a respiração. Ela com certeza não sabia o que estava acontecendo, mas parecia ser algo de tão grande importância que seus olhos não conseguiam se desviar da cena.

Até que, de repente, as almas fugiram. Não almas quaisquer, mas almas infantis, parecendo tão aliviadas e livres que Bianca teve de segurar a nota de exclamação que ficou tentada a soltar. O mesmo aconteceu posteriormente, quando Hpyno sumiu e foi absorvido pela mesma esfera… Que já não era mais uma esfera, e sim uma chave antiga, trazendo para o ambiente o mesmíssimo cara de seu sonho — ela quase se esquecera de seu sonho!

Os acontecimentos foram tantos e tão rápidos que Somerhalder teve de esfregar a cabeça com as mãos, imaginando que talvez estivesse perdendo a clareza. Mas não estava. O cara que se apresentou como Agon, qualquer tipo de coisa que representa os jogos, os parabenizou pela missão. Naquele momento, Hale teve vontade de voar em seu pescoço e gritar com ele. Quase tinham morrido e ele estava os parabenizando? Não parecia de muito bom grado para ela.

Entretanto, não teve tempo para isso. Foi-lhes oferecido a chave antiga em suas mãos, que aparentemente os levaria para casa. Quase correndo por conta da tamanha ansiedade, a menina se colocou perto da porta que anteriormente não havia percebido. Ela parecia com a porta que os havia levado até aquilo tudo, mas ela tampouco percebeu isso. Tudo que passava na sua cabeça era deitar em uma cama macia e comer um hambúrguer bem grande.

Assim que a porta foi aberta, ela entrou. Juntamente com os companheiros. Mas, quando olhou ao seu redor, já não via mais nenhum deles. Estava sozinha de repente, e não sabia se tinha feito algo de errado para merecer isso. Um corredor branco e enorme estava à sua frente, e tudo que lhe restava era percorrê-lo.

Com passos lentos e compassados, a menina pensou ter chegado ao que era o fim do cômodo, mas, ao olhar para frente, percebeu que estava errada. Ele parecia nunca acabar… De todo modo, um barulho que ela reconhecia invadiu seus pensamentos, fazendo-a virar para trás de súbito. Era uma arma sendo engatilhada, e um homem encapuzado a apontava para seu pai amarrado ao chão.

— Não… Você não vai fazer isso.

— Não vou. Mas você vai.

O homem estendeu a arma para Bianca e, sem saber o que fazer, ela a aceitou. O objeto parecia frio e errado em suas mãos, mas a garota não tinha coragem de despejá-la. Talvez porque, caso soltasse, o outro podia matar não só seu pai, como também ela. Atire, ela o ouviu dizer.

Não teve coragem. Voltando o cano para sua própria cabeça, Somerhalder fechou os olhos. E apertou o gatilho. Imaginou que o pai não gostaria daquela decisão: ele a mandaria enfrentar o adversário. Mas ela não tinha forças para isso, depois de tudo que passara. E preferia morrer do que assassinar aqueles que amava.

Entretanto, não morreu como imaginava. Abriu os olhos novamente naquele corredor assustador, e ela já não sabia mais em qual parte dele estava. Era tudo terrivelmente igual e, portanto, impossível de detectar o caminho pelo qual percorrera.

Você não pode sair daqui, Bianca. Olhando para o teto, a menina arregalou os olhos. Não sabia de onde vinha aquela voz, mas era tão grave e distante que a deixava terrivelmente desconfortável. Mordendo o lábio, ela começou a andar mais depressa na direção que pensava ser a certa. Está presa para sempre… É impotente nesse lugar.

Impotência. Somerhalder temia a impotência. Começou a fechar e abrir a mão, como uma compulsão aleatória, e sua respiração se tornou irregular e difícil. Com o coração batendo forte, a menina correu. Para qualquer lugar. Ao fazer isso, o vento bateu em seu rosto e a fez voltar para si. Sua mente foi se clareando e, consequentemente, ficando mais calma. Bianca Hale Somerhalder podia fazer o que ela quisesse, inclusive sair dali.

E, ao pensar nisso, chegou à porta. Abriu-a desesperadamente, querendo realmente dar um fim àquilo. Para sua surpresa, quando chegou ao outro lado do batente, tinha crescido e amadurecido, voltando novamente à sua idade normal. Com um sorriso, tateou o bolso, que parecia pesado. Ali havia uma esfera fantasmagórica que, por algum motivo, a confortava.

Era como se fosse uma recompensa por tudo de ruim que havia passado.

pormenores:
arsenal:
{Falling Stars} / Shurikens [Conjunto com 10 shurikens de bronze sagrado, mas que se repõem sempre, funcionando quase como um "conjunto de shurikens infinitas". São guardadas em um estojo de couro e veludo. O alcance é limitado à força do semideus, mas não ultrapassa 25m. Podem ser atiradas até 2 por turno, e ambas seriam afetadas pelos poderes.] {Bronze sagrado} (Nível mínimo: 1) [Recebimento: Presente de Reclamação de Selene]

{Moonlight} / Adaga [Trata-se de uma adaga com a lâmina ligeiramente mais larga e curva. O seu formato é levemente arredondado – o que lembra uma lua na sua fase crescente. O cabo tem uma espécie de cobertura (como em sabres) feita de bronze sagrado, o que dá certa defesa as mãos daquele que a está empunhando. Tem uma coloração esbranquiçada e toma um tom azulado quando exposto à luz lunar. No nível 20, se torna um botton escrito "CLUBE DE ASTRONOMIA".] {Bronze Sagrado} (Nível Mínimo: 1) [Recebimento: Presente de Reclamação de Selene]

{Backstab} Adaga [Adaga de bronze sagrado. Diferente do comum, a daga possui uma empunhadura com meia guarda, que protege a mão do portador parcialmente, sem contudo interferir em seus movimentos.]

{Perfidious} Anel [Anel dourado em forma de garra, se encaixa no dedo indicador do arauto. É afiado, mas seu dano seria semelhante a de uma ponta de flecha se usado em ataque corporal, devido ao tamanho diminuto. Ainda assim, possui a capacidade de inocular veneno ao toque, seja diretamente, seja transmitindo o poder para a arma segurada. O veneno é debilitante, sendo considerado um veneno sobrenatural do nível do personagem, para fins de resistências - mas RM não se aplica - e causa a perda de 5% do HP do alvo por 3 turnos seguidos. 1 vez por missão. Adicionalmente, o anel detecta a presença de venenos em um raio de 5m do semideus, esquentando levemente como sinal, ainda que o semideus deve procurar para achar o local exato da presença da substância - a temperatura do anel indica a proximidade. Ambos os poderes só funcionam se o anel estiver sendo utilizado - apenas carregá-lo não permite nenhuma das duas coisas]

{Temptation} Colar [Colar com pingente de uma maçã com uma serpente enrodilhada. Emite um cheiro levemente adocicado. Portá-lo aumenta os poderes de charme, persuação e lábia do Arauto em 10% sempre que em uso (efetividade e chance de acerto, mas não efeitos ou duração). Uma vez por missão pode ser ativado de forma a recuperar 20% de seu HP e MP]

— {Bravery} / Dog tag [Aparentemente uma placa normal de identificação do exército, com os dados básicos do semideus. Com uma bênção mágica contínua, abençoa seu utilizador com um bônus de 15% em sua força física e providencia uma resistência de igual nível a poderes e auras que envolvam os atributos medo e pânico.] {Prata} (Nível mínimo: 1.) [Recebimento: "Face Your Fears", treino trimestral para filhos de Selene e Hipnos. Avaliado por Ayla Lennox e atualizado por ~Lady Íris~.]

Braçadeira quitinosa [Braçadeira lisa e cilíndrica, de tons avermelhados. Ao ser ativado, faz com que a pele do semideus tenha suas características alteradas, se enrijecendo, aumentando sua resistência a golpes físicos em 50% por 3 turnos. 1 vez por evento. (nível mínimo: 07) {Material: pele de carangueijo gigante} [Ganho como recompensa pelo evento "O levante"]

❃{Ilusion} / Anel [Enquanto saia do local em que tinha sido mantida prisioneira, a filha de Selene encontrou um anel no formato de uma caveira negra. Tal item exala uma constante fumaça negra que só poderá ser enxergada por aqueles que tiverem a permissão de seu portador sendo útil para a localização de se portador. De modo que as outras pessoas não enxergam a fumaça, assim a semideusa pode desejar que ninguém veja a fumaça, ou que ao menos uma pessoa a encontre. A desejo do portador e apenas uma vez por missão, a fumaça exalada aumenta deixando uma área de 3x3 completamente no escuro impossibilitando a visão de seu inimigo por três rodadas. Poderes que permitem visão no escuro são afetados em 40%, pois se trata de algo mágico não uma escuridão normal.] {Bronze} (Nível Mínimo: 30) {Nenhum Elemento} [Recebimento: Missão Save Yourserlves, avaliada por Athena e atualizada por Asclépio]

♦️ {Leviathan} / Pulseira O devorador de homens.". Uma vez por missão ou evento, ao ser ativado, as letras emitem um brilho bem fraco e as semideusas são induzidas a um estado combativo acima do normal. Isso aumenta em 30% os efeitos e danos causados por ataques corpo-a-corpo. O efeito dura até duas rodadas, mas pode ser interrompido de acordo com o desejo do usuário.] {Ouro, magia} (Nível mínimo: 40) {Não controla nenhum elemento} [Recebimento: Missão - Leviathan. Avaliada por Éris e Atualizada por Asclépio]

Δ {Stetia} / Espada [Item ganho na entrada de Bianca ao grupo de semideuses, é feito de bronze sagrado e cabo do mesmo material, envolto com couro para melhor manuseio. Possui 110 cm de extensão da ponta da lâmina ao fim do cabo, sendo uma arma um tanto quanto pesada, mas podendo ser empunhada com uma única mão, ainda que requeira um pouco de força; seus atributos, porém, compensam sua dificuldade: a espada, uma vez por ocasião, pode ser envolta com uma energia de fonte desconhecida que dobra o dano causado no oponente, desde que com a lâmina da arma. A espada vem acompanhada de uma bainha de couro simples.] (Nível mínimo: 40) {Bronze sagrado e couro} [Recebimento: por Harmonia na missão "Attracting", atualizada por Asclépio.]

◆ {Luck} / Ficha de Cassino [É uma ficha de cassino comum, aparentemente. Tendo a cor vermelha e os números escritos em branco, só dá para se notar o brasão do cassino pelo toque. Sua habilidade especial é que, uma vez a cada missão e em somente uma rodada, quando ativa enquanto segura pela semideusa, ela permite que a portadora escape de somente um golpe vindo de um oponente ao teleportar-se o mínimo de distância possível para desviar-se do ataque. Caso venha mais de um golpe, o amuleto só pode ser usado em um deles, tendo que defender o outro normalmente, caso o teleporte ainda a deixe na linha de ataque - definido pelo narrador, a ficha só leva para o espaço livre próximo, mas a semideusa não define o local. Caso seja um golpe em área, aplica-se o máximo de cinco metros de raio para teleporte, se o ataque pegar mais do que a área de teleporte, os danos serão calculados normalmente. Para ativá-lo, a usuária precisa ficar rodando a ficha entre os dedos de sua mão.][Material: Plástico.][Nível mínimo: 65][Recebimento: Missão "Money Lies", avaliada por Poseidon e atualizada por ~Eos]

♥️ {Ágape} / Cristal [O pequeno cristal (5cm de altura) é feito de diamante rosa e emite um brilho forte quando ativado seu poder. O item dá ao utilizador a possibilidade de usá-lo para uma das duas finalidades: Pode fazer com que os poderes de manipulação emocional do semideus se potencializem em 25%, porém apenas os que envolvem paixão, sedução, charme e similares; Ou pode fazer com que o meio-sangue adquira 25% resistência aos poderes citados anteriormente. Para filhos de Afrodite o efeito dura três turnos no máximo, e para os demais apenas dois turnos. Pode ser usado uma vez por missão ou evento. O cristal foi presenteado pela própria Afrodite em seu evento no Acampamento Meio-Sangue.] {Diamante Rosa} (Nível Mínimo: 1) {Não controla Nenhum Elemento} [Recebimento: Presente de Afrodite pela participação no evento Level Up: Valentine's. Atualizado por Psiquê]
poderes:
Nível 1: Perícia com adagas e armas laminadas pequenas
O filho de Selene se habitua mais fácil a este tipo de arma, apresentando um aprendizado mais veloz e um manejo mais natural. Apenas para adagas, facas e punhais, armas com estruturas e alcance semelhantes, exigindo técnicas parecidas. Note que a perícia apenas implica uma dificuldade menor no manejo e aprendizado, bem como certa facilidade em utilizar as técnicas conhecidas, mas não implica em conhecimento instantâneo ou precisão absoluta. [Modificado] [passivo]

Nível 2: Beleza ao Luar
Os filhos de Selene ficam extremamente bonitos a noite, quase tanto quanto os filhos de Afrodite. É apenas um efeito estético, contudo pode ser vantajoso, já que boa aparência faz as pessoas conseguirem atenção mais facilmente. Contudo, apenas no período noturno. [Modificado] [passivo]

Nível 2
As you wish - Arautos adquirem uma compreensão melhor das motivações das criaturas - o que procuram, suas paixões, o que os desestabiliza. Esse é um poder passivo, que permite ao semideus saber os anseios dos seus adversários e - consequentemente - qual a melhor forma de tentá-los, desviando-os do seu caminho. No caso, o desejo do personagem - não um desejo sexual, mas suas ambições e motivações mais fortes, sejam materiais ou sentimentais. Não permite a manipulação, apenas o conhecimento, e personagens mental/ sentimentalmente resistentes tem essa visão bloqueada, mas apenas se forem de nível igual ou superior. [passivo]

Nível 3: Sentidos Aguçados
Quando está a noite, os sentidos (Visão, audição, tato, olfato e paladar) dos filhos de Selene serão mais aguçados, melhor do que qualquer meio-sangue, sendo o dobro do que um humano comum em questão de acuidade e/ou alcance. [Modificado] [passivo]

Nível 4
Gosto pelo perigo - Arautos são rodeados por uma aura que instiga seus alvos. Isso faz com que eles próprios possam se tornar uma tentação em si, como se rodeados por uma aura sobrenatural - não mudará a aparência, mas mesmo que seja feio, o arauto ainda será considerado "instigante", "carismático", "exótico" ou similar - o famoso "ele não é bonito, mas tem um certo "que" que não dá pra explicar". Seus poderes de charme são ampliados em 5% a partir deste nível, aumentando para 10% no nível 14, e mais 5% a cada 10 níveis subsequentes, chegando ao máximo de 25% no nível 44. [passivo]

Nível 9
Visão no escuro - Éris transita entre os mundos, mas grande parte do seu tempo é gasta no Tártaro, como filha da Noite e deusa desprezada por seus pares. Viver em tais ambientes a tornou apta a lidar com seus abismos e escuridões, e seus seguidores adquirem a visão no escuro, com acuidade e alcance igual à visão normal. Caso já possuam tal habilidade, o alcance é ampliado em 50%. [passivo]

Nível 20
Andar silencioso - Os arautos desenvolvem uma propensão para a furtividade, e isso se reflete em sua postura e movimentação. Não quer dizer que não produzam ruído algum, mas que seus passos são mais leves e silenciosos - e, consequentemente, mais difíceis de detectar - do que o de semideuses comuns. [passivo]

Nível 23
Mente escorregadia - Arautos conseguem ocultar melhor seus pensamentos, já que a efetividade de seus poderes depende dos oponentes não saberem suas intenções. Além disso, seus pensamentos são desordenados, impedindo poderes de leitura mental, que deixam de funcionar contra eles se provenientes de oponentes até 5 níveis abaixo. Acima disso e até 5 níveis acima, captam apenas coisas superficiais, devido a uma resistência inata. Se a diferença for maior do que cinco níveis, funciona normalmente. [passivo]

Nível 25
Ambidestria - Seguidores de Éris, com o tempo e o treino conseguem desenvolver o uso de ambas as mãos. A ambidestria não aumenta sua força, contudo - então, apenas armas leves ou de uma mão só conseguem ser portadas em cada mão. [passivo]
hypno:
♦️ Nível 5

Toque entorpecente - Seu toque adquire a capacidade de entorpecimento da Morfina, e você pode tanto usá-lo a favor de um aliado ou contra um inimigo. Quando usado em um aliado reduz em 50% as penalidades (não os danos) de ferimentos contínuos por 3 rodadas. Contra inimigos, provoca dormência e paralisia no membro afetado [ não no corpo inteiro], por 3 rodadas. Inimigos com 5 lvl acima tem a paralisia reduzida a um turno. Com 10 lvl acima não são afetados. Essa habilidade não afeta os órgãos do adversário,de forma que não é possível fazer o pulmão, rim ou coração do oponente pararem de funcionar. Essa habilidade pode ser usada uma vez a cada cinco rodadas, e necessita de contato físico para que funcione. Cada oponente pode ser afetado uma vez por combate.[Novo] [ativo que ele tentou usar na Bianca]
observação:
Eu usei dois ativos:
um de lvl 5 e outro de lvl 12, totalizando 68 MP perdidos, bjos.
I'M FALLING
put your wings on me,
wings on me
Bianca H. Somerhalder
Bianca H. Somerhalder
Feiticeiros de Circe

Mensagens :
748

Localização :
Los Angeles, Califórnia

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [EVENTO] The Hypno Song — Grupo 2 (Alaric)

Mensagem por Peter Lost em Ter 14 Nov 2017, 19:39

ϟ
THE HYPNO SONG
Parte 4 
ϟ
Peter Lost
Quer se perder comigo?
[EVENTO] The Hypno Song — Grupo 2 (Alaric) HeOg5gr
Eu me via sentado, ofegante. A batalha havia sido árdua e, pra dizer o mínimo, sofrida. Minha mente vagava entre os mais variados pensamentos enquanto meus olhos fitavam a criatura com quem havia lutado poucos instantes atrás.

O humanoide amarelo ainda sorria, imagem que me causou calafrios por dias. Em contrapartida, ainda se mostrava cabisbaixo e um tanto abalado. Eu realmente não sabia se deveria dizer algo ao garoto, mas antes que eu pudesse pensar em naquilo, outra coisa chamou minha atenção.

A estranha esfera ao centro parecia brilhar com mais intensidade a cada instante todo o ambiente parecia cada vez mais instável. Algo não estava certo. Em seguida, a mesma começou a se rachar em diversos pedaços, permitindo que o que quer que estivesse ali dentro escapasse. Fechei os olhos com força. Se fossem fantasmas, eu com certeza não iria querer vê-los.

Após alguns instantes, respirei fundo logo antes de levantar-me um tanto cambaleante. Eu estava decidido a ajudar o feiticeiro, contudo ele se moveu e, devo admitir, fez algo que eu não esperava. Enquanto minha mente se focava sem sair dali, o filho da noite ainda enfraquecido se dirigiu até nosso oponente e, como se soubesse exatamente o que estava fazendo, começou a balançar o pêndulo, recitando uma espécie de feitiço ou coisa parecida.

Eu não tinha ideia do que estava acontecendo ali, mas em poucos instantes a alma da criatura foi sugada para dentro do objeto oscilante. Precisei piscar algumas vezes antes de entender: Alaric havia aprisionado a alma da criatura.

O pêndulo acabou por se tornar uma chave com aparência antiga. Tudo estava acontecendo tão rápido que eu quase não conseguia acompanhar, mas finalmente um vulto próximo ao nosso grupo e tudo pareceu levemente mais calmo para mim.

Meus parabéns, Peterzinho” a voz ecoou em minha mente. Era a mesma voz que de meu sonho naquela mesma noite. “Eu sou Agon, a personificação dos jogos, concursos e desafios.” Tudo ficou em silêncio, o que me fez pensar se meus amigos também estariam ouvindo aquilo, mas mantive-me quieto até que a voz retornou “Vejo que você terminou o jogo e, por isso, eu o parabenizo.

Avancei vagarosamente na direção de Agon, mas antes que eu chegasse perto o suficiente, ele apontou para o outro lado do cômodo. “A saída está ali, espero que tenham se divertido em meu jogo.

Não demorou muito até que percebêssemos que a chave recém encontrada serviria para abrir aquela porta estranha. A princípio, todos pareciam um tanto apreensivos, mas um a um, entramos pela porta.

Ω

Quando dei por mim, eu estava em um corredor enorme, no qual a saída podia ser vista ao fim. Olhei em volta, mas para minha surpresa, eu estava sozinho. Eu queria correr até o fim do lugar e terminar tudo aquilo, mas eu tinha a impressão de que não seria tão simples.

Comecei a caminhar e, no instante seguinte, todas as luzes se apagaram, o que me fez soltar um grito agudo de puro pavor. Eu tinha medo do escuro, mas não era nada que me deixasse paralisado de medo.

Continuei caminhando vagarosamente até que, o cenário pareceu mudar. Ao longe eu via o acampamento Meio-Sangue em chamas, meus amigos jaziam mortos sob a grama e Quíron me fitava com desespero.

- Por que você fez isso? – Ele exclamava repetidas vezes.

Tentei olhar em volta e percebi que minha roupa já não era a habitual camisa laranja do acampamento, mas uma camisa cinza com o símbolo dos titãs. Eu havia destruído o acampamento?

- Não fui eu, Quíron! – Gritei de volta, mas o centauro parecia um disco quebrado, dizendo sempre a mesma coisa. Tentei correr em sua direção enquanto as lágrimas apareciam em meu rosto.

Quanto mais rápido eu corria, mais distante o acampamento parecia. Mais uma vez mergulhei na escuridão e quando dei por mim, estava de volta no longo corredor. Tudo não havia passado de uma ilusão.

Avancei mais um pouco e em seguida eu me via no Olimpo, Zeus estava bem à minha frente sentado em sua cadeira de mármore. Ele me fitava com os olhos azuis imersos em fúria. O deus pigarreou a apontou em minha direção.

- Você foi um erro! – Sua voz era tão alta e poderosa como um trovão – Sua mãe está morta por sua causa! Eu amaldiçoo o dia em que você veio ao mundo, Peter Lost!

Aquelas palavras me acertaram em cheio, de forma que meu corpo foi invadido por uma forte ânsia, fazendo-me vomitar ali mesmo.

- Olhe só o que você fez agora! – O deus me olhou com nojo. - Você não serve para ser meu filho!

Fechei os olhos com força, tentando me convencer de que aquilo não era real. Precisei de alguns longos minutos até ter coragem de abrir os olhos mais uma vez. Eu voltara ao corredor. Sem pensar duas vezes, comecei a correr para o fim do corredor, mas quando estava quase chegando ao fim um último vulto apareceu.

- Peteco, eu morri por sua causa! – Arregalei os olhos, mais surpreso do que nunca. Era minha mãeAgora eu nunca poderei descansar em paz!

- Mamãe! Me desculpe! – Meus joelhos cederam à tentação e se dobraram.

- Agora você deve pagar com sua vida! – Ela dizia, enquanto seu rosto começava a se desfigurar até formar uma imagem de meu próprio rosto. - Você é o culpado, Peter Lost!

Em um movimento de desespero, levantei-me e corri para longe daquela criatura. Ela me seguia, gritando insultos e tentando me agarrar pelas roupas. O fim do corredor estava próximo, então apenas tapei os ouvidos e corri como se nada mais importasse.

Mantive os olhos fechados enquanto corria até perceber uma abrupta mudança na luminosidade. Abri os olhos lentamente, eu finalmente havia saído daquele lugar.

Ω

Todos pareciam estar bem e em com suas respectivas idades. Sorri para tudo o que estava acontecendo, meus amigos estavam bem, a missão havia sido completada e eu encontrara um pequeno fragmento da esfera de Hypno em meu bolso.

Me aproximei de Jhonn Stark, meu parceiro de viagem, e o abracei com um grande sorriso.

Obrigado por ter vindo comigo! – Falei, sentindo-me extremamente agradecido por ele estar ali. - Agora, o que acha de passarmos no McDonald’s antes de irmos para casa?

Adendos:
Arsenal:
{Karabela} / Sabre [A karabela tem um punho aberto com o pomo no formato de uma cabeça de águia. Seu cabo anatômico permitia o manejo mais fácil de cortes circulares quando se luta a pé e e de cortes oscilantes quando montado no cavalo/pégaso. É feita de bronze sagrado e seu punho é revestido com couro. Vem junto de uma bainha de couro. No nível 20 transforma-se em um anel, com a cabeça e as asas de uma águia entalhadas.] {Bronze sagrado e couro} (Nível Mínimo: 1) [Recebimento: Presente de Reclamação de Zeus]

Perdição [Espada com lamina de bronze sagrado. A arma se adequa em peso e tamanho ao usuário, seu cabo é de aço negro com um fino revestimento de couro preto para melhor manuseio e tem um comprimento padrão. A arma não tem nada de especial em relação a uma arma de bronze sagrado comum, exceto pelo fato de que, quando a espada não esta em uso, ela se torna uma luva negra com as letras “PL” bordadas em branco, indicando que ela só funciona com Peter.] {Bronze Sagrado, Aço Negro, Couro e Tintura} (Nível mínimo: 9) {Nenhum elemento}

{Lost Belt} / Armadura [Uma armadura que protege o usuário. A armadura é feita de bronze e é reforçada para aguentar grandes danos, tanto que golpes comuns de espada causam pouco dano nela. Protege a parte do tronco, pescoço - por causa da gola de metal -, peitorais, costas e ombros. Quando o dono quiser, a armadura se transforma em um cinto, revestido em couro e vice-versa. É muito leve, tanto que Peter pode correr como se estivesse vestindo uma camisa comum.] {Bronze e Couro} (Nível: 24) {Não controla nenhum elemento} [Recebimento: ¥ Dragon Dovahkiin ¥ ]

▲ {Skiá} / Colar [Trata-se de um colar feito inteiramente de prata que ostenta um pequeno pingente de ônix lapidado cuidadosamente no formato de um relâmpago. O item concede o usuário a habilidade de, uma vez por evento/missão, absorver um ataque não físico (mágico ou elemental), desde que o adversário tenha no máximo até o mesmo nível que o jogador.] (Prata, Ônix) {Nível mínimo: 40} (Não controla nenhum elemento) [Recebimento: Missão - "The Lost Boys" / Avaliada por Ayla Lennox e Atualizada por Psiquê.]
Poderes:
Poderes passivos:
Nenhum poder passivo utilizado.
Poderes Ativos:
Nenhum pode ativo utilizado
Observações:
Não ficou grande, e admito que não ficou muito bom, mas espero que goste :)
Peter Lost
Peter Lost
Filhos de ZeusAcampamento Meio-Sangue

Mensagens :
279

Localização :
Lost...

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [EVENTO] The Hypno Song — Grupo 2 (Alaric)

Mensagem por Jhonn Stark em Ter 14 Nov 2017, 23:36


Dreams of death
Do you believe in ghosts?

Lavender town
Where the living never rest in peace
[EVENTO] The Hypno Song — Grupo 2 (Alaric) Ghost-pokemon-14378
Silêncio.

O demônio dourado cai. Sentia o mais puro nível de aversão possível ao constatar que estava tudo acabado. Que não tinha mais chances de sair dali com uma vitória gloriosa. Que seus planos teriam dado completamente certo se não fossem aquelas crianças enxeridas.

Amplificou suas energias através da esfera de almas aprisionadas. A construção tremeu, abalada com tamanha emanação luminosa, fazendo com que ambos os Starks perdessem o equilíbrio por um instante.

Alaric havia retomado de seu momento de atordoamento. Não estava em suas melhores condições, o que era esperado, mas foi capaz de se impor apesar dos pesares. O filho de Nyx, agora em posse do pêndulo do monstro, reverteu literalmente o feitiço contra o feiticeiro.

Em poucos instantes, a alma do monstro era sugada pelo orbe brilhante. O item começou a rachar lentamente, liberando dezenas de almas aflitas por suas frestas.

Estavam livres. Estavam todos bem.

Silêncio.

Então, palmas. Uma série de palmas ritmadas, lentas e ecoantes. Uma figura turva começava a se materializar diante do grupo de semideuses, desta vez bem nítido. Yin sentiu um calafrio subir por seu corpo. No caso de Yang, foi só uma corrente de palavrões mesmo.

Era o mesmo homem de seus sonhos.

— Parabéns, Jhonn Stark. Ou deveria dizer Jhonn Starks? — O homem parecia pensativo. Não parecia falar diretamente com um indivíduo, estendendo sua fala mágica para que contemplasse cada um dos presentes. Divindades eram estranhas. — Eu sou Agon, daemon dos desafios e dos jogos. Você sobreviveu ao meu desafio. Considere sua missão cumprida com sucesso.

— Obrigado… eu acho? — Disse Yin. Yang por sua vez segurava os palavrões em sua garganta. Desafiar superpoderosos não era muito legal.

Ele estalou os dedos. A esfera que agora aprisionava Hypno em instantes foi convertida em uma chave. — Queria estender a visita por mais tempo, mas teremos que adiar os outros jogos para outras oportunidades. Agora é hora de vocês partirem.

O daemon apontou para a extremidade oposta da sala, onde uma porta igual à de entrada da sala da fábrica permanecia aguardando os filhos dos deuses.

Em um segundo, ele não estava mais lá.

Seguiram com pressa em direção à saída, sem conseguir conter a empolgação que existia dentro de cada um deles: tinham conseguido! O que veriam do outro lado primeiro? Comida? Comida seria uma boa. Uma cama macia? Algum prêmio além de sobreviver daquele tio muquirana?

A porta foi aberta. Yin e Yang saltaram.

* * *

Mas eles definitivamente não estavam em casa.

Estavam em uma dimensão escura, cinzenta. Dezenas de olhos amarelados os observavam por além da escuridão. Yin estremeceu quando as viu, congelado pelo medo. Sentia o cheiro de queimado. Ouvia as vozes daqueles que foram mortos… e não sabia o que fazer.

As sombras se aproximavam com formas sólidas. Formas de conhecidos deles. Peter, Bianca, Simmon, Ayla, Alaric, Zoey… um exército de amigos passados por traidores do acampamento. Todos encarando os Starks com olhares assassinos, perigosos e psicóticos.

“Nós somos vocês” A frase ecoava no ar, como se repetida por um coro invisível e angustiante. O coração dos garotos apertava.

Quando olharam um para o outro, viram em si mesmos os olhos dourados. Saltaram para longe um do outro por um instante, em choque e repulsa.

Yang ativou seu escudo, balançando a cabeça para espantar aquela desconfiança. Aproximou-se do outro garoto e segurou-o pela mão. Apertou-a com força e apontou com a cabeça para algum ponto na escuridão além daquele alvoroço, um ponto retangular. A saída.

Atravessou a primeira horda de pessoas empurrando-as para as laterais, deixando-as para trás conforme avançavam.

Não que Yang não sentisse medo: ele só não demonstrava da mesma maneira que Yin. Por ser o lado mais físico e bruto da dupla, a parte emocional direta não lhe cabia, sendo deixada para Yin. Isso o impedia de ser imobilizado de medo — ficando apenas balançado por todo aquele impulso —, tornando suas atitudes mais centradas e objetivas.

Conforme se aproximavam, porém, outros males os circundavam. Uma seta esbranquiçada rasgou os céus daquela dimensão, ficando cravada no escudo de Yang. Uma névoa subia pelo chão, tornando-se mais densa e deixando o ambiente inteiro em uma intensidão gélida.

O coração de Yang bateu mais forte. Ele sabia de quem era aquela flecha.

Outros tiros eram disparados de além do campo de visão dos semideuses. Estátuas congeladas de semideuses apareciam pelo caminho. Estátuas de semideuses de todos os progenitores possíveis, de todos os locais possíveis… E um pilar livre para receber Stark.

Eles saltaram por cima do pilar, gritando. Seus corpos já estavam trêmulos.

Mais alguns metros. Só mais alguns metros e estaria tudo bem, e eles conseguiriam seguir com suas vidas e…

Corvos brotaram do solo, formando uma cortina densa. No fim do caminho, um grupo de humanóides cinzentos aguardava a dupla, aguardando-os para a morte definitiva. À frente da porta, uma figura feminina chinesa os chamava para perto.

As pernas de ambos vacilaram por um instante. Tropeçaram em seus próprios passos, sentindo as asas dos corvos batendo em seus corpos. Sentiram os gritos escarnecedores das aves impedirem que suas próprias vozes agonísticas fossem ouvidas.

Mas não havia mais tempo. Não havia outra alternativa.

Ambos saltaram prontos para surrar os monstros. O brilho azul de psiquê tomou seus corpos uma última vez naquela madrugada.

Mas ao invés de sentirem alguma resistência, foram arremessados pela porta e caíram de volta no mundo real.

* * *

Voltou a si.

Sentiu dores no corpo. No seu corpo ]real, não naquela versão reduzida. Tinha 19 outra vez, e estava contente com isso. Seu coração batia de forma selvagem, desejando manter a reação de luta ou fuga. Os índices de adrenalina demorariam alguns instantes para voltar ao normal. Alguns dos outros semideuses se recuperavam mais rápido que ele, e pareciam estar bastante bem.

Sentiu o corpo tremer.

Não sabia o que fazer. Aquela última caminhada reviveu demônios que ele não gostaria de enfrentar, e alguns de que ele nem lembrava da existência. Se metade daqueles poderes estivesse disposta a aniquilar sua vida naquele momento… ele não teria muitas chances.

“Pelo menos estamos juntos”, pensou. Aquilo lhe deu uma mínima paz. Ele estava lá por si.

Sentiu o abraço antes de ver quem o dava.

Peter olhava para cima, sorrindo para ele — Obrigado por ter vindo comigo! — Falou. — Agora, o que acha de passarmos no McDonald’s antes de irmos para casa?

O filho de Héstia permaneceu atônito por um instante. O sorriso que surgiu no segundo seguinte foi incontrolável.

“Pelo menos estamos juntos”, pensaram Yin e Yang.

Eles aceitaram sem pensar duas vezes.

Adendos:
Armas:
♦️ Faca [Sua lâmina bronzeada mede cerca de 24 cm, e seu cabo tem o mesmo comprimento padrão. É bastante afiada e é perfeita para ataque ágeis e rápidos. O bom desta arma é sua eficiência tanto para mãos hábeis quanto para manuseios mais inexperientes, pois é uma arma curta, fácil de esconder e ao mesmo tempo fácil de manusear. Seu punho é feito de aço, mas uma camada de couro escuro cobre o aço para que o usuário possa segurá-la firmemente. Na parte inferior da lâmina, próxima ao cabo, há entalhado as siglas do Acampamento "CHB"; uma propriedade que só os meio-sangues e criaturas místicas podem ter e usar (ajuda um pouco na destreza)] {Bronze, aço e couro} (Nível mínimo: 1) {Nenhum elemento} [Recebimento: Administração; item inscrição padrão do fórum] No cinto.

— {Phoenix} / Espada [Espada de 90 cm, com sua lâmina medindo cerca de 75 cm. É feita de um cristal único e especial, a espada é longa e fina, com um corte afiadíssimo e infalível. Sua guarda-mão tem um formato de taça, porém, com delicados formatos de chamas queimando na direção da lâmina, como se a consumissem; seu punho é feito de aço. Vem junto de uma bainha coberta por malha de aço e couro branco. Quando não está em uso, se transforma em um anel de prata com o desenho de uma chama.] {Cristal, Prata e Aço} (Nível Mínimo: 1) {Controle sobre o Fogo} [Recebimento: Presente de Reclamação de Héstia adaptado por Harry S. Sieghart] Mão direita,
indicador.


— {Scorched} / Escudo (Escudo circular feito de ouro e prata com várias camadas destes materiais. No centro do escudo está desenhado uma lareira, o símbolo de Héstia. Na parte interior do escudo, ou seja, onde há um encaixe para o usuário por o seu braço há uma espécie de almofada, simbolizando o "conforto". Útil para aguentar ataques fortes. Quando não está em uso, se transforma em um relógio de ponteiros feito de ouro com a parte interior de ouro branco.] {Prata e Ouro} (Nível Mínimo: 1) {Controle sobre o Fogo} [Recebimento: Presente de Reclamação de Héstia adaptado por Harry S. Sieghart] Pulso esquerdo

- {Flame} / Faca de Arremesso [Faca de arremesso de ouro solar, com o cabo de couro. Também pode ser usada para combates diretos. Apresenta o entalhe de uma fogueira em sua lâmina.] {Ouro Solar} (Nível Mínimo: 2) {Não controla elementos} [Recebimento: forjado por Harry S. Sieghart] Att por Hécate.No cinto.

- {Flare} / Faca de Arremesso [Faca de arremesso de ouro solar, com o cabo de couro. Também pode ser usada para combates diretos. Apresenta o entalhe de uma fogueira em sua lâmina.] {Ouro Solar} (Nível Mínimo: 2) {Não controla elementos} [Recebimento: forjado por Harry S. Sieghart] Att por Hécate. No cinto.

- {Burn} / Bainha [Cinto de couro com uma fivela de prata comum, que quando pressionada, transforma o cinto em um parecido, com 3 bainhas de facas, sendo duas delas laterais (para as facas de ouro solar) e uma na parte de trás do cinto (para a faca de bronze).] {Ouro Solar} (Nível Mínimo: 1) {Não controla elementos} [Recebimento: forjado por Harry S. Sieghart] Att por Hécate. Cintura.

{Winged Sneakers} / Tênis [Um par de tênis azulados, que tem como detalhes alguns desenhos de ventos. Ao bater seus pés um no outro por três vezes, o usuário começa a voar. Consegue chegar em alturas e alcançar velocidades consideráveis. Para descer, basta fazer as mesmas ações que fez para subir que ele diminuirá a altitude aos poucos. Quando está sendo usado em solo confere ao semideus que o calça um aumento de cerca de 10% em sua agilidade. {Couro} (Nível Mínimo: 20) {Não controla nenhum elemento} [Recebimento: Missão "Chama da Esperança" narrado e avaliado por Dom Demon/William Véroz; atualizado por ~Lady Íris~] Calçados.

Braçadeira quitinosa [Braçadeira lisa e cilíndrica, de tons avermelhados. Ao ser ativado, faz com que a pele do semideus tenha suas características alteradas, se enrijecendo, aumentando sua resistência a golpes físicos em 50% por 3 turnos. 1 vez por evento. (nível mínimo: 07) {Material: pele de carangueijo gigante} [Ganho como recompensa pelo evento "O levante"] Pulso direito.

— Bolsa de Componentes Mágicos / Bolsa (Nela são guardados desde objetos para preparo de poções até bisturis e utensílios médicos [ela possui espaço infinito para tais coisas e somente para tais coisas; também aparece e desaparece, dependendo exclusivamente da necessidade do semideus]) {Couro} (Nívem mínimo: 1) (Controle sobre nenhum elemento)[Presente de Curandeiro] No aguardo pra convocação.

— Colar do Serpentário / Colar (o formato e o estilo da confecção lembram uma serpente dourada; nunca pode ser perdido, vendido ou retirado a força, pois identifica os curandeiros e, portanto, não é considerado um item nas contagens para missões, eventos e tramas, embora ainda seja preciso citá-lo) (seu efeito principal é o de, quando retirado do pescoço, se transformar em um dos itens a seguir: uma réplica quase totalmente semelhante do Bordão de Asclépio (ou seja, uma espécime de bastão rústico e fino envolvido por uma serpente de escamas feitas de prata envenenada que podem ser tão afiadas quanto uma espada, possuindo o mesmo potencial de corte de uma arma laminada; ele se adapta completamente ao tamanho e porte físico do usuário). {Prata, madeira e veneno} (Nível mínimo: 1) (Controle sobre nenhum elemento) [Presente de Curandeiro] Pescoço.

{Help} / Anel [Um anel de prata, com um pequeno pedaço de rubi preso nele. Abençoado por Asclépio, este anel permite ao curandeiro, aumentar seu limite de cura nas técnicas curativas em 20%, ou seja, se uma técnica permite o curandeiro recuperar 100 HP ou MP, usando este anel ele conseguirá curar 120 de HP ou MP, sem qualquer gasto extra. No caso de um número não exato, o valor é arredondado para baixo. Não tem influência sobre técnicas de ressuscitação. Dura dois turnos, uma vez por ocasião.] {Titânio e Rubi} (Nível Minímo: 45) {Controle sobre Cura} [Recebimento: Missão "O guerreiro da cura", avaliada por Macária e atualizada por Asclépio.] Mão esquerda, indicador.

{Weismann} / Runa [Um fragmento da Runa Weismann, que foi destruída durante a segunda Batalha dos Reis. Foi dada a Ayla e Jon pelo próprio Weismann, o Rei Prata Imortal. Pode ser colocada em um colar, pulseira e até mesmo em um anel, pois seu tamanho não é maior do que o de uma pedra brita, e tem a coloração branca. Apesar de a runa ter concedido a imortalidade para Weismann, ela não a concedeu para os semideuses, mas graças ao seu poder, os danos físicos recebidos pelos semideuses diminui em 25%, podendo aumentar progressivamente a cada dez níveis subidos. Não pode ser perdida, vendida e tampouco trocada ou dada, visto que além do poder fornecido ele é um símbolo da confiança e amizade dos Reis para com Ayla e Jhonn.] (Nível mínimo: 50) {Não controla nenhum elemento} [Recebimento: Missão "Return of Kings", passada e avaliada por Nyx e atualizada por Hécate.] No bolso da camisa.
Poderes:
Passivos

Nível 2

Bom Senso - O filho de Héstia, diante de uma situação, consegue discernir o caminho menos danoso com mais facilidade, sabendo quando uma ação é claramente estúpida ou perigosa. Vale ressaltar que não é um poder combativo - ele não pressente um ataque ou nada do tipo, mas intuiria, por exemplo, que fazer o movimento x seria estúpido, ou que não conseguiria saltar a uma distância y sem se ferir. Para dúvidas, consulte o narrador para manter a coerência. (Héstia)

Nível 6

Sensitivo - Ao encontrar uma pessoa, você reconhece o que ela está sentindo (de forma geral, ainda que não saiba o que provoque a alteração sentimental). Aqueles que possuírem qualquer tipo de resistência ou aura relacionadas a esse poder e que tiverem no mínimo 10 níveis a mais que o Filho de Héstia, a anulação dessa habilidade é imediata. (Héstia)

Nível 8

Visão das Chamas - O fogo representa também a energia da vida. A partir desse nível, filhos de Héstia conseguem ver as chamas internas das pessoas, conseguindo saber sobre seu estado de saúde geral (cansado, ferido, próximo da morte, etc) apenas com o olhar. Na prática, sabe quanto de vida um aliado possui. Bloqueios de aura também afetam esta visão. [Novo] (Héstia)
Itenzão especialzão:
❖ {Tao} / Amuleto [Um amuleto antigo de prata com inscrições em um idioma desconhecido. A imagem circular de Yin e Yang se complementando permanecem no centro da figura. Ao ser segurado por seu usuário, pode dividi-lo em suas duas essências, personalidades opostas com HP/MP individuais, equivalentes a 1/2 do total do personagem. Devido ao estado incompleto do item como está, cada uma das personalidades pode utilizar apenas poderes de um dos grupos aos quais o semideus pertence – Um com acesso aos poderes de Héstia, o outro aos poderes de Asclépio. O nível máximo de acesso aos poderes equivale a ¾ do nível atual do personagem. Com futuras DiY, as limitações do item poderão ser removidas.] {Metal e Magia} (Nível Mínimo: 70) {Magia} [Recompensa pela DiY "Yin and Yang", avaliada e atualizada por Hécate.] Bolso da camisa.
Obs:
Legendinhas, personagens e explicações:
1Yin: O princípio passivo. Manifestação de Jhonn que incorpora a reação, a passividade, a mente intuitiva e empática. É um personagem mais racional, compassivo e emotivo da dupla. É o lado bom e puro de Stark, sua parte protetiva. Só tem acesso aos poderes de seu patrono, Asclépio.

2Yang: O princípio ativo. Manifestação de Jhonn que incorpora a ação, o calor,  a impulsividade e vigorosidade. É um personagem de certa forma irritadiço e tomado facilmente por seu instinto, representando a parte guerreira de Stark. Só tem acesso aos poderes de sua progenitora, Héstia.
Outras observações cabíveis:
Então, lá vamos nós.

❖ A parte das crianças enxeridas é referência a scooby-doo sim.
❖ Os medos do Jhonn são todos relativos a algum ponto de trama.
❖ O primeiro ponto de trama é o medo dos arautos, que fuderam o camp e os amigos dele. Ele ainda não sabe o que são, quem são ou até se ele poderia fazer parte disso. Então é bem tenso pra ele.
❖ O segundo ponto é um caçador de semideuses que era parte da trama 01 do Jhonn, e de quem ele ainda tem algum receio. É o objetivo primário de vida do Jhonn resolver isso.
❖ O terceiro ponto é a questão dos espíritos chineses que torturaram eles na China e dos quais eu falei na missão toda.
❖ Espero que baste pra eu não morrer q
AGORA VAI!:

[EVENTO] The Hypno Song — Grupo 2 (Alaric) Giphy
Jhonn Stark
Jhonn Stark
IndefinidosPercy Jackson RPG BR

Mensagens :
691

Localização :
Acampamento Meio-Sangue

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [EVENTO] The Hypno Song — Grupo 2 (Alaric)

Mensagem por Alaric L. Morningstar em Dom 19 Nov 2017, 01:39

The Hypno Song

AVALIAÇÃO


Primeiramente, gostaria de agradecer àqueles que se dedicaram e se comprometeram à esta loucura desenvolvida por mim. Espero que tenham gostado, de verdade. Agora, vamos às avaliações:

Peter Lost

Eu amo as suas narrações, real. Você é uma das raras pessoas que conseguem se manter fiel a um personagem criança e consegue fazer isso muito bem, sendo um diferencial. Gostei bastante da forma como explorou a personalidade e a parte psicológica do personagem, deixando evidente o medo e o fato de que era uma criança (duas coisas essenciais a este evento). Também gostei de ter usado e abusado das interações, junto do Jhonn. Em relação aos erros, que foram poucos, houveram dois: no primeiro turno, faltou descrever melhor o pesadelo, um dos pontos que tinha deixado evidente; enquanto, no segundo, um trecho com um deslize na escrita — "não havia nada de mais por ali" (onde o correto seria "demais"). Mas foram coisas bobas, então apenas lhe parabenizo pelos posts incríveis.

Coerência: 50/50;
Coesão, estrutura e fluidez: 25/25;
Objetividade e adequação à proposta: 13/15;
Ortografia e organização: 9/10
97% de rendimento


Jhonn Stark

Rapaz... o que comentar sobre você? Assim como o Peter, foi excelente a forma de interpretação do personagem (principalmente o psicológico), abordando tanto o medo em alguns casos quanto a própria "infantilidade" do evento. Adorei como explorou as duas personalidades do personagem, algo que também é um diferencial, e ainda seguiu com o hype do enredo muito bem. Em relação aos erros, apenas encontrei um deslize na escrita (talvez por falta de atenção ou revisão), no terceiro turno: "Criam cegamente que as promessas da voz eram verdadeiras. Queriam estar felizes e a salvo. Queriam tanto…" — onde o correto, logo no início, seria "Queriam". Ainda assim, não foi nada que prejudicasse sua ótima participação.

Coerência: 50/50;
Coesão, estrutura e fluidez: 25/25;
Objetividade e adequação à proposta: 15/15;
Ortografia e organização: 9/10
99% de rendimento


Bianca H. Somerhalder

Bianca Hale Somerhalder... como é que eu posso começar a explicar Bianca Hale Somerhalder? Bem, assim como os rapazes acima, você foi muito bem. Primeiro, confesso que, além de um tanto surpreso, achei bem divertido ler a Bianca criança, pelo menos no primeiro turno. A coisa toda sobre fantasmas, o conflito entre menininha com medo e bad girl que a personagem é... foi tudo incrível. Só dei uma desanimada ao ver isso (algo até então "inédito") ser subitamente substituído pela Bianca atual, o que também quebrou um pouco a onda de "criança" que o evento também tinha. Além disso, achei também que, no terceiro turno, você poderia ter dificultado mais a luta; ficou fácil demais, sem tomar hit e ele usou só um poder que nem funcionou. No mais, apesar dos deslizes, repito que seus posts foram muito bem descritos (conseguindo ter qualidade e sendo escritos em pouco tempo, o que me admirou) e sem quaisquer outros erros. Meus parabéns!

Coerência: 42/50;
Coesão, estrutura e fluidez: 25/25;
Objetividade e adequação à proposta: 13/15;
Ortografia e organização: 10/10
91% de rendimento

Aurora R. Bailey

Então, moça, infelizmente, notei que seu desempenho não foi tão bom quanto seus companheiros. Não sei se foi por uma real falta de tempo ou relaxamento, mas os posts foram escritos de forma corrida demais, muito curtos, pobres em descrição. Você também ignorou a aura do medo que influenciava os personagens (algo que era mágico e, querendo ou não, a personagem era uma criança, mais suscetível a ter medo); chegou a atrasar em um dos turnos e não postou o último. Não me estenderei mais aqui com os outros deslizes cometidos, mas espero que leve como uma crítica construtiva e que, nas próximas vezes, se dedique mais à sua escrita (qualquer coisa, se precisar de ajuda, pode falar comigo).

Coerência: 31/50;
Coesão, estrutura e fluidez: 14/25;
Objetividade e adequação à proposta: 8/15;
Ortografia e organização: 7/10
60% de rendimento (descontos também aplicados por atraso de postagem do primeiro turno)

[EVENTO] The Hypno Song — Grupo 2 (Alaric) 7GS5MvG

Recompensas


Peter Lost: 582 xp + item

Jhonn Stark: 594 xp + item

Bianca H. Somerhalder: 546 xp

Aurora R. Bailey: 240 xp

item:
— {Gengarite} [Um dos fragmentos da Orbe Fantasma, que antes aprisionava almas de crianças, é uma pedra escura (em tons de roxo e preto) e pequena, com cerca de 3 cm de diâmetro; pode ser fundida em uma forja junto a um acessório (colar, anel, etc.) para melhor utilização. Atualmente/no mundo real, ao matar um inimigo, pode-se aprisionar sua alma na pedra para, posteriormente, ativar seu poder: uma vez por missão/evento/DiY/SM, ao sacrificar uma alma, o usuário assumirá uma forma etérea por dois turnos. Nesse estado, poderá passar por paredes e objetos, bem como, em combate, ataques físicos e armas mundanas não o afetam; poderes de inimigos até seu nível e armas "sagradas" têm dano reduzido pela metade. Armas de bronze celestial/ouro imperial/ferro estige e poderes de inimigos mais fortes afetam normalmente. Vale ressaltar que, apesar de etéreo, o personagem não fica invisível ou indetectável.][Pedra mágica (origem desconhecida, não mundana)][Nível mínimo: 50]["The Hypno Song", evento narrado e avaliado por Alaric L. Morningstar, atualizado por___]

[EVENTO] The Hypno Song — Grupo 2 (Alaric) 7GS5MvG

Descontos


Peter Lost: 25 HP e 50 MP

Jhonn Stark: 20 HP e 120 MP

Bianca H. Somerhalder: 70 MP

Aurora R. Bailey: 130 HP e 190 MP



Edited by H.I.M. & morningstar
Alaric L. Morningstar
Alaric L. Morningstar
IndefinidosPercy Jackson RPG BR

Mensagens :
1048

Localização :
Hollywood Hills, LA.

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [EVENTO] The Hypno Song — Grupo 2 (Alaric)

Mensagem por Conteúdo patrocinado

Conteúdo patrocinado

Voltar ao Topo Ir em baixo

Página 1 de 2 1, 2  Seguinte

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum
:: Topsites Zonkos - [Zks] ::