Ficha de Reclamação para Deuses Olimpianos

Página 2 de 4 Anterior  1, 2, 3, 4  Seguinte

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Ficha de Reclamação para Deuses Olimpianos

Mensagem por Organização PJBR em Qua 12 Set 2018, 13:07

Relembrando a primeira mensagem :


Ficha de Reclamação


Este tópico foi criado para que o player possa ingressar na sua vida como semideus filho de um deus olimpiano.  Avaliamos na ficha os mesmos critérios que no restante do fórum, mas fichas comuns exigem uma margem menor de qualidade, porém ainda será observada a coesão, coerência, organização, ortografia e objetividade. Abaixo, a lista de deuses olimpianos disponíveis em ordem alfabética, com as devidas observações.





   
   
 
 
   
   
 
 
   
   
 
 
   
   
 
 
   
   


   
   


   
   


   
   


   
   
DeusesAvaliação
AfroditeComum
ApoloComum
AtenaRigorosa
AresComum
DeméterComum
DionísioComum
HefestoComum
HermesComum


Recompensa de reclamação


As fichas de reclamação valem, além da aprovação no grupo almejado, um rendimento de experiência de no máximo 100 xp para o jogador. O rendimento deve ser de acordo com a avaliação e só será bonificado caso o semideus tenha sido reclamado, portanto fichas rejeitadas não rendem nenhuma experiência.


Item de reclamação


Não existem mais itens de reclamação por progenitor, sendo o único presente a adaga a seguir:

{Half Blood} / Adaga Comum [Adaga simples feita de bronze sagrado, curta e de duplo corte. A lâmina possui 8cm de largura, afinando-se ligeiramente até o comprimento, que chega a 20cm. Não possui guarda de mão e o cabo é de madeira revestido com couro, para uma empunhadura mais confortável; acompanha bainha de couro simples.] {Madeira, couro e bronze sagrado} (Nível mínimo: 1) {Não controla nenhum elemento} [Recebimento: Item de Reclamação]


A ficha


A ficha é composta de algumas perguntas e o campo para o perfil físico e psicológico e a história do personagem e é a mesma seja para semideuses ou criaturas.

Plágio não será tolerado e, ao ser detectado, acarretará um ban inicial de 3 dias + aviso, e reincidência acarretará em ban permanente. Plágio acarreta banimento por IP.

Aceitamos apenas histórias originais - então, ao usar um personagem criado para outro fórum não só não será reclamado como corre o risco de ser punido por plágio, caso não comprove autoria em 24h. Mesmo com a comprovação, a ficha não será aceita.

Fichas com nomes inadequados não serão avaliadas a menos que avisem já ter realizado o pedido de mudança através de uma observação na ficha. As regras de nickname constam nas regras gerais no fórum.

A promoção da ficha acabou e a história passa a ser obrigatória a partir daqui. Boa sorte a todos.

Aviso! Acerca dos chalés dos deuses primordiais e menores, eles não existem, pois a história se passa em meados de 2008, durante a Guerra de Cronos. Apenas os chalés dos doze olimpianos estão disponíveis.



TEMPLATE PADRÃO:
Não serão aceitas fichas fora desde modelo

Código:
<center>
<a href="goo.gl/6qY3Sg"><div class="frankt1">FICHA DE RECLAMAÇÃO</div></a><div class="frank1"></div><div class="franktextim">[b]— Por qual deus deseja ser reclamado/ qual criatura deseja ser e por quê?[/b]

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit. Curabitur facilisis lacus eu urna varius, quis tempus neque tincidunt. Nulla ex nisl, ornare et maximus nec, auctor quis nisi. Interdum et malesuada fames ac ante ipsum primis in faucibus.

[b]— Perfil do Personagem (Características Físicas e Características Psicológicas - preferencialmente separadas):[/b]

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit. Curabitur facilisis lacus eu urna varius, quis tempus neque tincidunt. Nulla ex nisl, ornare et maximus nec, auctor quis nisi. Interdum et malesuada fames ac ante ipsum primis in faucibus.

[b]— História do Personagem:[/b]

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit. Curabitur facilisis lacus eu urna varius, quis tempus neque tincidunt. Nulla ex nisl, ornare et maximus nec, auctor quis nisi. Interdum et malesuada fames ac ante ipsum primis in faucibus. Mauris ut luctus lorem, at malesuada neque. Integer eget consectetur mi, sit amet efficitur magna. Maecenas tincidunt euismod orci non pretium. Suspendisse potenti. Donec non enim et est fringilla faucibus quis at elit.

Maecenas a augue odio. Pellentesque faucibus vehicula sollicitudin. Curabitur tincidunt purus ante, ut ultricies dui congue non. Ut volutpat convallis gravida. In interdum, mi id lacinia dignissim, mauris nulla maximus sem, fermentum luctus sapien velit sed felis. Nullam fermentum, lectus in eleifend iaculis, magna ex bibendum mi, nec dignissim felis urna tincidunt ex. Nunc vitae elementum diam. Nullam ac leo cursus, porta magna vitae, tempor purus. Nunc dictum, purus non malesuada auctor, turpis felis tristique turpis, ac volutpat dolor mi eget eros. Donec a neque a augue tincidunt hendrerit eu et sapien.

Maecenas vel est vulputate, suscipit enim a, vehicula mauris. Curabitur ac molestie dui. Sed vel venenatis lacus. Sed at purus interdum, venenatis metus viverra, sodales metus. Sed aliquet eleifend nisl, id placerat urna sagittis sit amet. Aliquam vitae scelerisque lectus. Maecenas ligula massa, luctus eget commodo sit amet, dignissim eu quam. Curabitur interdum vitae lectus ut congue.

Nulla mollis ornare magna in suscipit. Quisque pretium libero at sem condimentum, dignissim pretium turpis rhoncus. Ut mattis posuere nibh sit amet fringilla. Nulla feugiat imperdiet fermentum. Aenean in diam urna. Interdum et malesuada fames ac ante ipsum primis in faucibus. In pharetra convallis neque fringilla gravida. Donec ullamcorper, eros et pharetra facilisis, lectus turpis sollicitudin justo, vitae lobortis quam lorem quis tellus.
</div><div class="frank2"></div> <div class="frankt2">Percy Jackson RPG BR</div></center>


<style type="text/css">.frank1 {margin-left:-320px; width:300px; height:200px; padding:20px; background:transparent; border-left:1px solid #000; border-top:1px solid #000;} .frank2 {margin-right:-320px; width:300px; height:200px; padding:20px; background:transparent; border-right:1px solid #000; border-bottom:1px solid #000;margin-top:-210px;} .frankt1 {margin-left:-320px; width:300px; text-align:center; font-family:'Slabo 27px'; font-size:30px; color:#000; padding:10px;font-weight: bold; line-height:25px;letter-spacing:-1px;} .frankt2 {margin-right:-220px; width:210px; font-family: VT323; font-size:12px; text-transform:uppercase; letter-spacing:2px; text-align:center; color: #000; line-height:9px;padding:10px;} .franktextim {width:550px; padding:30px; font-family:calibri; font-size: 13px; color:black; background: #fff; display: relative; margin-top:-230px;text-align:justify;} .franktextim b {font-size:13;color:#4D4C4C; font-family:'Slabo 27px'; font-weight:700;} .franktextim i {color:#9A9999;} .franktextim f {font-weight: bold; font-size:13; color:#777;font-family:'Slabo 27px'}</style><link rel="stylesheet" href="path/to/font-awesome/css/font-awesome.min.css"><link href="https://fonts.googleapis.com/css?family=VT323" rel="stylesheet"><link href="https://fonts.googleapis.com/css?family=Slabo+27px" rel="stylesheet">



Organização PJBR
avatar
Administradores
Mensagens :
889

Voltar ao Topo Ir em baixo


Re: Ficha de Reclamação para Deuses Olimpianos

Mensagem por Rachel Goldstein em Sex 05 Out 2018, 01:11


FICHA DE RECLAMAÇÃO
— Por qual deus deseja ser reclamado/ qual criatura deseja ser e por quê?

Afrodite. A deusa encaixa na personalidade de Rachel, uma personagem movida por sentimentos e que permite que o externo engane os olhos de todos. Afrodite ergue-se como uma progenitora ideal para Rachel, no que diz respeito aos sentimentos que ela ainda desencadeará ao decorrer de seu amadurecimento como semideusa e mulher.

— Perfil do Personagem (Características Físicas e Características Psicológicas - preferencialmente separadas):

Características Físicas: Rachel é uma moça de pele alva e suave, possuindo 1.72 cm de altura e 58 kg. Seu corpo é bastante esguio e delineado. Seu porte de modelo é intimidador e a semideusa não resiste a fazer olhares de mistérios para todos. Suas roupas são sua marca registrada, uma vez que, Rachel é apaixonada pelo estilo retrô e grunge. Suas criações refletem o mundo e como ela o enxerga, sendo ela sua maior consumidora. De cabelos dourados e espessos, Rachel contrasta estes muito bem como os olhos claros.

Características Psicológicas: Rachel é alegre e possui um sorriso que ilumina qualquer recinto. Embora ache que é bastante experiente e vivida, é ingênua e deixa-se guiar por seus sentimentos. A semideusa é graciosa em todas as suas ações, mas não se engane, ela pode ser bem perigosa. A filha de Afrodite não perdoa traições ou deslealdade e, uma vez magoada, jamais esquecerá as transgressões do indivíduo. Possui uma ligação forte com a família humana e faria de tudo para protegê-los.

— História do Personagem:

De todas as obras de arte que existiam ao redor do mundo, nenhuma encantava mais Edmond Goldstein, do que O Nascimento de Vênus. Mesmo que nascido em seio americano, o rapaz estudou por muitos anos na capital francesa, adquirindo muita experiência no ramo da pintura. Ele não se via como um pintor, jamais seria assim. Ele preferia crer que seu destino era gerenciar as industrias hoteleiras do pai. No entanto, acerca do último tópico, Edmond nutria uma paixão exacerbada pela figura renascentista. Ele a admirava, enquanto a figura aproximou-se sorrateira:

— É minha pintura favorita, também é a sua? – Ela era linda, tão deslumbrante quanto a figura no quadro.

Era uma sorte tremenda o Louvre estar pouco movimentado, Edmond não aceitaria nunca ter encontrado com aquela mulher. Ele não sabia um terço do que estava para se desenrolar, iniciando por aquele sorriso, o sorriso inevitável da deusa do amor.

— É sim, sempre que estou pela cidade, eu venho observá-la. É uma pintura que me fascina, sabe? – O americano não retirou seus olhos da mulher, teria ela algum poder mágico para captar sua atenção.

OS dois indivíduos discorreram sobre a pintura por horas, o tempo passava tão devagar que era como se fosse inexistente. Foram apenas lembrados de que o museu fecharia, o que não diminuiu a vontade do diálogo ou estarem um na presença do outro. A noite estendeu-se por um café, uma dança, paixão consumada. Edmond não entregava-se à sentimentos rasos, motivo pelo qual nunca teria a beijado se soubesse que partiria. Foi uma enorme surpresa ouvir que ela gostaria de morar com ele, sobretudo, na América. Uma convivência tão bela quanto um soneto de Shakespeare, todavia, também trágica como tudo que o autor escrevia.

Primeira Parte — A Teoria

A menina sentou na base da janela da sala de música, seus pensamentos devaneavam como sempre. Uma garotinha de cinco anos nunca deixaria de pensar acerca de sua mãe, quem ela fora, onde ela estava. Aqueles sentimentos intensificavam-se nos períodos festivos, sobretudo, na época dos festejos natalinos. Os cabelos dourados caiam por seus ombros e se esticavam até a altura da cintura. Rachel adorava a neve, mas não possuía vontade de brincar ao ter seus pensamentos tomados pela figura ausente feminina da mãe.

— Não pense tanto, querida, vai passar uma hora. – O pai aproximou-se e beijou o topo de sua cabeça. A filha era tudo para ele.

— Por que nunca falamos sobre ela? Eu queria saber tanta coisa. — Rachel olhou nos olhos do pai, seus olhos estavam cobertos de angústia.

— Não é sensato, filha. Por favor, não comece com esse assunto. — Edmond afastou-se um pouco da menina e colocou as mãos nos bolsos do jeans.

— Sou a única a não ter mãe na escola, as crianças riem de mim. — A garotinha afundou a cabeça nas pernas e chorou. O pai, ao ver aquilo, correu até ela.

— Não chore, Rachel, por favor! Você tem a sua avó, tem o vovô, tem o seu papai. Sua mãe foi embora, ela precisava tomar a decisão correta. Eu também sinto a falta dela, entende? Só preciso dividir as coisas. — Edmond encostou o queixo na cabeça da filha, seus olhos contemplavam a neve do lado de fora.

Nada conseguia aplacar a falta que Afrodite lhe fazia. Edmond levara tanto tempo para aceitar e assimilar toda a verdade contada por ela, ainda mais os perigos que a filha correria um dia. O pai temia não ser capaz de contar toda a verdade, mascarava as tristezas de Rachel dando todo o tipo de bens materiais que ela desejava.

Naquela época, eis que a semideusa já demonstrava tamanha habilidade nos desenhos. O pai ficava impressionado com os traços sofisticados que aquela menina podia fazer. Cada figura que Rachel trazia ao mundo, devia ser como uma representação de perfeição. Seria alguma benção? Ele só possuía a certeza de que a mãe nunca se afastara dela, não completamente. Abriram os presentes naquela noite, cearam e foram cada qual para o seu espaço. A loirinha sentia insônia, algo não tão adequado para uma infante de sua idade. A criança sentou em sua cama e rezou as mesmas palavras de sempre, a prece fervorosa em favor da volta da sua mãe. O senso sonhador de Rachel nunca mudaria, seu pior defeito seria ver o lado bom dos indivíduos.

Segunda Parte —A Menina que Queria ser VOGUE

Rachel girou o vestido em frente ao espelho, era uma mistura futurista de Maria Antonieta com Madonna, ela mesmo havia projeto aquele vestido. Quinze anos, para ela a idade que seus planos começariam a acontecer. Já era chamada de “a jovem prodígio” do mundo da moda, suas criações foram expostas pelo próprio pai. Pelo fato de atuar no ramo hoteleiro e conhecer muitas pessoas, Edmond Goldstein não poupou esforços para impulsionar Rachel ao mundo das nobres celebridades. Uma garota de sua idade se perderia na fama, mas não ela.

Para os que conviviam com a garota, ficava evidente que sua alma transcendia seu corpo de adolescente. Rachel possuía uma alma velha e à frente de seu tempo. Nunca superara o abandono da mãe, bem como, as lacunas que a ausência dela deixou, mas aprendeu a se virar sozinha. Aliás, a menina Rachel não dependia de ninguém para fazer algo. Acabou afastando-se do pai, estava ocupada na maior parte do tempo e já tracejava vestimentas para figuras altamente importantes do círculo social americano. Até aquele instante, ela não possuía seu espaço para criar e costurar, todavia, a situação estava para mudar.

Como presente de aniversário, Rachel ganhara seu próprio ateliê, localizado na zona nobre de Nova York. As criações eram sua maneira de ignorar as coisas estranhas que pareciam acontecer em sua presença. Jamais foi uma garota comum, suas roupas deixavam isso bem claro, a começar pelo estilo dos anos 40 e 50 em suas peças, todos desenhados e costurados por ela.

— Você está linda, filha. – Edmond surgira na porta do quarto, Rachel sobressaltou.

— Que susto, papai! Qualquer hora o senhor vai me matar. — A loira colocou uma miniatura de coroa real nos cabelos e finalizou o outfit. Seu pai não parava de encará-la.

— Está muito parecida com ela. — Ele manteve a postura, mas Rachel sabia que era difícil falar dela para seu pai. Assim ela aprendeu, não queria ver o pai triste, ou seja, não falava sobre sua progenitora.

— Lhe cobrei muito sobre ela, papai. Quando olho para minha vida hoje, quando olho para mim mesma, vejo que consigo seguir sozinha. Quinze anos com alma de sessenta, creio que seja assim. — A jovem abraçou-se com o homem, mantinha todo o cuidado para não amassar a roupa.

— Você estava certa, Rachel, estava no seu direito de filha e queria saber quem era sua mãe. Agora, se me permite, vim lembrar-lhe que não deve demorar muito. A casa está cheia, hoje é seu primeiro dia como um ícone da moda. – O pai segurou a mão da filha e a soltou, não se demorou mais no recinto.

Falta apenas fazer a maquiagem dos cílios, Rachel era expert em realizar aquela espécie de trabalho. A garota sentou na penteadeira e olhou para o espelho, toda sua beleza refletida no objeto. Embora não admitisse para si mesma, a menina era bela e graciosa. Existiam poucas como ela e, sabendo disso, Rachel utilizava o pensamento como um mantra de autoestima. Preparou o pincel para decorar as sobrancelhas e ao olhar mais adiante, na portinhola que dava acesso à varanda, a mulher sorriu para ela.

Rachel girou a cadeira da penteadeira e observou a figura, tão bela e encantadora, ela atraia todas as luzes para si. A menor repousou os olhares na maior, dizendo:

— Quem é você?

— Olá, Rachel. Como você está linda. – A mulher juntou as mãos em frente ao corpo, ela parecia emocionada ao ver a menina. — Sou a pessoa que você acha que te abandonou. Teria tempo para uma conversa de mãe e filha?

Ela não foi capaz de conter as emoções dentro dela, tudo obscurecido pela ausência de anos. Rachel levantou do banco e caminhou até a mãe, lágrimas rolavam por sua face. Apesar deste fato, amenina recusava-se a perder a compostura. As duas caminharam até a varanda da mansão, Afrodite admirando cada aspecto arquitetônico do lugar.

— Me diga, Rachel, gosta de histórias de amor? – A mãe questionou ao dirigir seu olhar para o dela. Sua mão tocou o rosto da mais nova.

— São as minhas favoritas, mesmo que eu não admita para ninguém. — A menina sorriu tímida e escorou-se na sacada.

— Vou te contar uma, então. Essa é sobre você. — A mão da mais velha tocou a superfície da mão da garotinha. Filha e mãe estavam juntas.

(...)

A mulher deixou a filha cheia de pensamentos conturbados, embora ela tivesse amado saber toda a história de seus pais e dela. O pouco de rímel que havia passado nos olhos, já não existia mais. Em forma de lágrimas, rímel escorria pelo rosto da semideusa. A palavra causou calafrios em Rachel ao primeiro momento. Segundo sua mãe, havia um lugar para ela, um ao qual ela precisaria ir para se proteger. Ainda poderia ter sua marca de roupas, suas criações, mas não era sensato permanecer naquele lugar.

Rachel retornou ao cômodo anterior e viu algo na cadeira a qual estivera sentada. Uma espécie de faca jazia em cima do objeto de madeira. Não configurava-se como algo amedrontador, todavia, devia fazer um bom estrago.

“Se precisar se defender...”
Ela sabia que havia sido deixado pela progenitora. Ela não acreditou que já havia se passado uma hora desde o aviso paterno, estava atrasada ao extremo. Limpou o rosto e decidiu não colocar mais maquiagem, permaneceria ao natural.

A festa foi um sucesso, durou o tempo necessário para alguns se embebedarem e para propostas surgirem no caminho da filha de Afrodite. Após a partida das pessoas, o pai de Rachel avisou acerca da tia e que precisaria deixa-la em casa. A distância não era tanta, seriam apenas algumas quadras. A menina sentou no bar do salão de festas e capturou uma dose do licor sem álcool.

— É uma honra ter contigo, Miss Goldstein. – A voz feminina veio do lado contrário ao qual Rachel olhava.

Ela trajava um terninho preto e uma saia elegante, cabelos negros escorriam pelos ombros e a expressão de predador estava evidente no olhar. A loira não gostou dela à primeira vista, nenhum pouco.

— Eu não a conheço, a festa já acabou. – Fora a melhor forma que Rachel encontrara de dizer que ela deveria deixar o recinto.

— Que grosseiro, Rachel. Sua mãe não ficaria contente com este tipo de comportamento. – O tempo foi suficiente para ela perceber que algo tomava o lugar das mãos da mulher. Não podia ser, eram garras.

A semideusa saltou para trás, obviamente indo de encontro com o cão. Por conta da roupa cheia de camadas, Rachel conseguiu ter um pouco da queda amortecida. A loira rolou no carpete e olhou para cima. Do mesmo loca anterior, ela, sua assassina, utilizava uma aparência totalmente monstruosa e diferente. Uma mulher com traços de pássaro, um pássaro assustador e letal.

A criatura investiu contra Rachel, a menina rolou para a esquerda e esquivou do que parecia ser uma das garras dela. Risadas passaram a ecoar no lugar, o monstro era sádico e narcisista. Com certo esforço e destreza, Rach ergue-se do chão e ficou diante da harpia. Estavam olhando uma nos olhos da outra. Um pavor inigualável tomava conta do corpo da cria de Afrodite.

Ao lembrar de algo, Rachel foi tomada por uma dor excruciante no ombro direito e caiu ao chão. A faca estava na barra do vestido, por alguma razão ela havia carregado o presente da mãe com ela. O ser conseguira arranhar a pele da semideusa, causando uma ira descomunal na, até então, menininha recatada. Rachel aguardou o próximo avanço do monstro para fazer o que queria. A mão que capturou a faca fez um movimento para cima e foi de encontro ao braço da harpia.

— Maldita filha de Afrodite! — A investida ocorreu de maneira violenta. O monstro atacou Rachel e a segurou pelo pescoço.

A cabeça da loira estava contra o piso frio, podia sentir as garras da harpia causando cortes superficiais na derme de seu pescoço. Sentiu que morreria ali e a única coisa que a consolava era saber que morreria bela e graciosa. Ainda assim, a prole da deusa do amor conseguiu força e determinação para realizar outro movimento com a faca. A ponta do objeto encontrou o ventre do ser alado, um som de dor ecoou pelo recinto.

A harpia apertou o pescoço de Rachel com mais força e a menina retribuiu o gesto, fez questão de subir a faca e ir rasgando o tronco da criatura. Em momento algum de sua existência, Rachel sonharia que viveria algo parecido, que seria capaz de fazer o que estava fazendo. E eis que a harpia virou pó, literalmente.

A menina não sabia ao certo a constituição daquela arma, mas sabia que o que quer que estivesse ali, foi o que derrotara a criatura. Ela largou a faca, as mãos de Rachel tocaram o pescoço e seu corpo estava próximo de desmaiar. Embora breve, aquele atentado a havia fragilizado.

— FILHA! — O grito de desespero do pai foi tudo que a menina conseguiu ouvir antes do desmaio.

Tudo escureceu.

Terceira Parte – O Nascimento da Filha de Vênus

O corpo estava desnudo, apenas uma fina manta de cor azul adornava a derme de seu tronco. Segurando a fina vestimenta, Rachel caminhou até a beirada da pedra. Com a ponta do dedão do pé direito, a semideusa tocou a superfície das águas do lago. Ela não sabia onde estava, mas a serenidade do local a instigava. Não se demorou a colocar os dois pés na água. Rachel não afundara, do contrário, algo surgiu abaixo de seus pés. Uma concha dourada a manteve erguida na superfície aquática.

Os cabelos dela dançavam conforme o vento soprava, havia um movimento silencioso que a concha fazia ao deslizar pela água. Rachel respirou fundo e sentiu um leve aroma floral, uma delícia às suas narinas. Quanto mais o vento a guiava, mais um sentimento sublime crescia dentro de si. Tendo olhado para as margens do lago, a semideusa contemplou a presença de outra pessoa. Sua mãe, em roupas totalmente diferentes das comuns usadas na festa, esperava por ela.

— Senhora Afrodite em seu biquíni de conchas. — Tal qual no trocadilho musical, Rachel sussurrou para si mesma.

A deusa segurou na mão da filha e ajudara a descer de seu objeto condutor. A garota não conseguia sentir vergonha de estar sem devidas roupas em frente à sua mãe, acreditava que algo natural pairava naquela atmosfera.

— Você renasceu, Rachel. A perfeição nunca deixará de caminhar ao seu lado, nem mesmo te abandonará a graça e a beleza. – A mão direita da deusa tocou o rosto de sua prole. O orgulho transbordava dentro dela. — Erga-se, guerreira do amor!

(...)

Os olhos da menina se abriram e vasculharam o ambiente. Rachel não conhecia aquele espaço, era bem rústico e campestre. Estava repleta de curativos nos ombros e no pescoço, bem como, numa das pernas. A lembrança de sua mãe a fez sorrir, um esticar sublime de lábios.

— Ela acordou, gente! – Um menino correu na direção da semideusa, sentando com cuidado na maca. — Poxa, ela é linda.

— Cala a boca, garoto! – Uma menina negra ultrapassou o primeiro rapaz. — Seja bem-vinda ao Acampamento Meio – Sangue, Rachel Goldstein.

E, momentaneamente, Rachel teve a certeza de que muita coisa iria mudar. Aquela realidade que parecia a assustar, era tudo que ela tinha.

Percy Jackson RPG BR



Rachel Goldstein
avatar
Devotos de Hera
Mensagens :
9

Localização :
London - New Jersey

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Ficha de Reclamação para Deuses Olimpianos

Mensagem por 147-ExStaff em Sex 05 Out 2018, 01:47


Rachel Goldstein


Aprovada como filha de Afrodite
100 de 100 xp's possíveis
Item padrão


    Parabéns pela ficha! Saindo 100% do padrão, menina Vogue! Continue assim e Bem vinda!






ATUALIZADA






147-ExStaff
avatar
Deuses
Mensagens :
77

Localização :
Olimpo

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Ficha de Reclamação para Deuses Olimpianos

Mensagem por Kalled C. Almeida em Sex 05 Out 2018, 15:24


FICHA DE RECLAMAÇÃO
— Por qual deus deseja ser reclamado/ qual criatura deseja ser e por quê?
Hefesto, pois era o progenitor da minha conta antes do reset e eu não consigo me identificar com nenhum outro.

— Perfil do Personagem (Características Físicas e Características Psicológicas - preferencialmente separadas):
Físicas:

Kalled possui um corpo atlético mediano, não é todo sarado, mas tem uma boa aparência. Mede 1,82, possui olhos castanhos, cabelos castanhos e a pele bronzeada. Seu cabelo é caracterizado por um corte curto e sempre se veste com camisas confortáveis, calças jeans, tênis sociais e jaquetas de couro.

Psicológicas: É um rapaz reservado, porém não é tímido. Quando quer pode ser extrovertido e conquistar boas amizades, possui uma grande vontade de ajudar sempre que vê uma necessidade o que às vezes se torna prejudicial para ele. Gosta de ter boas companhias, mas às vezes prefere ficar só para refletir sobre sua vida e certas decisões.

— História do Personagem:

Tudo teve início quando eu tinha uns 10 anos de idade, antes disso sempre havia sido apenas eu e minha mãe e éramos felizes assim. Ao menos eu pensava dessa forma.

Minha mãe era uma descendente italiana muito bela que, logo, atraiu um homem solteiro e muito rico chamado Daniel. Daniel Almeida era um brasileiro dono de uma indústria multimilionário de algodão, ele residia em Los Angeles onde conheceu minha mãe. Algum tempo se passou, um namoro teve início e, dois anos depois, estavam casados.

Daniel foi muito mais que um marido perfeito para minha mãe, ele foi um verdadeiro pai. Como eu carregava apenas o nome de minha mãe ele me registrou como filho, a partir daquele momento eu era Kalled Cavalière Almeida.

Mais dois anos se passaram e eu, agora com 14 anos, estava mais feliz do que nunca. Eu estudava em uma boa escola, tinha bons pais e uma vida extremante confortável. Nessa mesma época conheci um novo amigo e logo nos tornamos próximos. Seu nome? Will.

Will era um pouco misterioso. Nunca falava da família, nem me convidava para ir até sua casa e muito menos me explicava porque andava um pouco engraçado. Mesmo assim era engraçado, inteligente e ótima companhia; por isso resolvi ser seu amigo.

Meses se passaram e faltavam algumas semanas para meu aniversário de 15 anos, como sempre meus pais planejavam uma pequena festa para comemoração, o que eu não sabia é que esse dia não chegaria porque eu não estaria em Los Angeles.

Em uma certa manhã de sábado Will foi até minha casa e pediu para falar com minha mãe em particular, achei tal pedido muito estranho, mesmo assim minha mãe aceitou falar com ele. Após vinte minutos no escritório ambos retornaram até a sala de estar e mamãe veio falar comigo.

— Filho, você precisa ir com o Will. É uma emergência.

Eu não estendia nada, mas antes que pudesse questionar ouvi um outro carro se aproximar de casa e a campainha tocou, a empregada correu para atender e assim que o fez ela caiu morta no chão com um punhal cravado em seu peito.

Eu gritei de pavor, porém Will e minha mãe me puxaram para próximo deles. Ousei encarar quem estava na porta e era um homem, mas ele não tinha um rosto normal, seus braços eram peludos e suas mãos tinham enormes garras, já a sua cabeça não era de um humano comum e sim de um tipo de cachorro selvagem.

— Um cinocéfalo.— disse Will.

Eu não entendi o que ele quis dizer, mas ele desembainho uma espécie de faca de sua cintura e mandou que eu ficasse atrás dele. A criatura retirou o punhal do peito de sua vítima mais recente e correu em nossa direção. Ele teria nos alcançado se não fosse por meu amigo ter pulado e projetado suas pernas para sua frente acertando a cara do monstro.

Aquilo foi estranho demais, maior foi meu susto quando vi que Will estava sem tênis e no lugar do pé ele tinha... cascos? Estava paralisado diante de tudo aquilo. Fui puxado por minha mãe até o fundo da casa enquanto Will gritava que fôssemos embora, pois ele cuidaria de tudo.

Corremos para fora e entramos no carro, partimos sem olhar para trás e eu só desejava entender tudo aquilo ao mesmo tempo que torcia para que meu amigo conseguisse sair ileso daquela situação. Sentia-me um covarde, mas avisa de tudo eu estava muito confuso.

— O que foi aquilo?— indaguei minha mãe.

— Kalled, você é um semideus e é filho de Hefesto, nunca contei a verdade para você esperando o momento certo de fazer isso. Você precisa ir até um lugar seguro, ficar com outros iguais a você. Prometo que lá entenderá tudo.

Eu estava assustado demais e mesmo assim ainda achava que minha mãe, a mulher que me criou, estava louca. Eu não podia ser um semideus, deuses não existiam. Então foi aí que uma voz masculina disse em minha cabeça.

— Finalmente a verdade foi revelada, a primeira peça está encaixada.






Ps: Deixei o destino de Will e a identidade da voz misteriosa em aberto, pois serão desenvolvidos dentro de minha nova trama.
Percy Jackson RPG BR



Kalled C. Almeida
avatar
Filhos de Hefesto
Mensagens :
784

Localização :
Residindo em Nova York

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Ficha de Reclamação para Deuses Olimpianos

Mensagem por 147-ExStaff em Sex 05 Out 2018, 15:49


Kalled C. Almeida


Reprovado


    Pois é. Tenho tendência a ser um pouco criteriosa com players mais antigos devido à experiência que nós ganhamos ao longo dos anos. Mas sua ficha está tão matada e tão preguiçosa que sua aprovação não seria possível nem mesmo se se tratasse de um novato. Você me parece confiante de que seria aprovado escrevendo qualquer coisa, e essa confiança é mortal. Era preferível que você tivesse se empenhado em escrever só as questões anteriores do que trazer uma história desconexa e mal escrita. Mas não desista! Boa sorte e bem vindo novamente!










147-ExStaff
avatar
Deuses
Mensagens :
77

Localização :
Olimpo

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Ficha de Reclamação para Deuses Olimpianos

Mensagem por Nikolas Erichsen em Sex 05 Out 2018, 17:12


FICHA DE RECLAMAÇÃO
— Por qual deus deseja ser reclamado/ qual criatura deseja ser e por quê?

Apolo.

Primeiramente porque eu queria fazer um semideus que era filho de um deus com um mortal, ambos do sexo masculino. Nos livros do Rick, a personagem Kayla Knowles cumpre esse requisito e é filha de Apolo, então pra mim já foi um ponto dentro — afinal, Apolo teve dezenas de amantes homens, então nem de longe fere sua mitologia (e se já existe isso com ele no cânone, é uma escolha ainda mais segura).

Fora isso, eu sempre me identifiquei mais com ele, tanto que meus primeiros personagens no PJBR (Paul e Elijah) foram seus filhos. Acabou que eu uni isso ao fato de que queria fazer um personagem pacifista e/ou médico (curandeiro), me trazendo de volta às origens. Encaixou como uma luva e ainda criei uma trama legal, então escolhi ele.

— Perfil do Personagem:

Perfil Físico: Nikolas é um homem esguio, alto, de 1,83 metros de altura, pele caucasiana e estatura atlética. Possui cabelos loiros, geralmente curtos com as laterais aparadas, que são naturalmente ondulados — embora à primeira instância, quando penteados, pareçam lisos. De seu pai mortal, Niko herdou os olhos de cor esmeralda, enquanto que de Apolo herdou uma beleza estonteante e a falta de pelos corporais e faciais. De sua aparência, em geral, Nikolas só não fica satisfeito com o seu nariz, que é um pouco grande nas laterais. No entanto, sua estrutura facial expressa muita jovialidade e compacta as boas características de ambos seus progenitores no auge de sua beleza. Um sorriso de Niko geralmente é o suficiente para conquistar a simpatia das pessoas e é definitivamente um dos pontos fortes de sua aparência. Incrivelmente, não tem cicatrizes, e as maiores manchas em sua pele, que é bem uniforme, são as causadas por sardas; algumas em seu peitoral e uma grande quantidade nas costas, principalmente omoplatas.

Perfil Psicológico: Niko é amável e dedicado. Cresceu cuidando de seu pai e irmã com a ajuda da tia e, curiosamente, sempre gostou disso, e tornou seu objetivo de vida ajudar as pessoas. É superprotetor com Brooke, sua irmã, e igualmente com o resto da família; embora tenha certeza de que nem sempre isso é justificável. Às vezes pode sentir que se sente responsável pelo bem estar de muitas pessoas e por isso sempre tenta ser amigável. Inevitavelmente, acaba sendo excessivamente energético, e herdou de seu pai imortal todas suas aptidões e proficiências para o entretenimento, esporte, artes e ciências, o que lhe rende o perfeito estereótipo de filho de Apolo (por mais que se recuse a admitir isso, já que conhece as circunstâncias das quais seu progenitor o abandonou e às vezes o rejeite, embora tente o compreender).

Niko é regido pelo positivismo e pela ideia de que se deve aproveitar o melhor da vida, embora ele mesmo se dedique mais aos outros do que à si mesmo, qualificando o altruísmo como um de seus maiores defeitos quase tanto quanto qualidades. Pelo mesmo motivo, e por lidar com a sensibilidade de outras pessoas, é um ótimo ouvinte e conselheiro, encontrando prazer em estudar a psique humana e também a medicina em geral. Embora não o faça com tanta frequência quanto cantar, tocar instrumentos, jogar esportes ou produzir obras de artes, Niko também encontra prazer em ler narrativas ou romances e, com muita facilidade, poderia passar horas dentro das páginas de uma boa leitura.

Das coisas que o desagradam, Niko poderia citar com facilidade a desonestidade, crueldade, brincadeiras idiotas/ infantis e até palavrões. Ele não tem medo de muitas coisas ou conceitos, mas pode ser um pouco claustrofóbico quando o lugar, além de fedido e úmido, também seja escuro ou não tenha sido tocado pela luz do sol há muito tempo. Aranhas e insetos no geral também podem despertar calafrios, mas o seu maior receio é perder sua família por completo — motivo de, claro, ser tão protetor com ela.

— História do Personagem:

— Sr. Law?

Nikolas abriu cautelosamente a porta da ala médica. Seus olhos vagarosamente invadiram o quarto que já lhe era tão familiar. Além da maca, ocupada por uma figura distraída, havia sobre o criado-mudo ao seu lado um vaso de flores ainda bem vívido e um pequeno quadro emoldurado com a foto de uma família. O ambiente era bem monótono, com móveis e paredes completamente brancas ou em tons pastosos de azul. Uma TV suspendia-se sobre a maca, mas encontrava-se desligada e o controle remoto jogado no chão, embora o homem não parecesse se incomodar com — ou sequer notar — isso.

— É hora do café da manhã. — Niko anunciou, dando os primeiros passos para dentro do quarto, finalmente desgarrando o homem de sua distração. Trazia nas mãos uma bandeja com suco, pão integral e geleia.

O Sr. Law, como gostava de ser chamado, era um homem de meia-idade. Tinha por volta de 40 anos, fortes rugas de expressão, mas uma beleza jovial e apenas alguns cabelos grisalhos que no máximo lhe conferiam charme. Ele era loiro, possuía um cavanhaque aparado e seus olhos eram esverdeados como uma esmeralda. Possuía um corte de cabelo recente que o impedia de parecer desarrumado, mesmo naquelas condições. Não expressava nenhuma reação com a aproximação de Niko, pelo menos até conseguir ver seu rosto com clareza.

— Você me lembra alguém. — Havia uma entonação de surpresa nas palavras do homem. Niko olhou-o nos olhos, sorrindo.

— Esse “alguém” deveria ser lindo. — Niko brincou, sabendo exatamente quem estava na cabeça do Sr. Law. Ele riu alto, como se fosse a primeira vez que ouvia aquela piada; o que também fez Niko rir, só que contido, porque havia um semblante de tristeza em sua expressão.

— Ah, ele era. — Disse, enquanto se ajeitava no estofado e puxava uma mesa retrátil acoplada à maca. Niko colocou a bandeja sobre a mesa assim que o homem tivesse encontrado uma posição confortável, e puxou uma cadeira branca, de plástico e sem encosto, para se sentar ao lado da cama.

Nikolas coçou sua própria nuca. Pegou o controle remoto do chão e o deixou sobre o criado mudo, dando uma rápida olhada no vaso e depois no quadro da família. O Sr. Law estava nela, com mais uma mulher, um menino e uma menina, todos abraçando-se enquanto posavam para a fotografia. Por mais que tivessem passados anos, Law mal havia envelhecido. Por outro lado, Niko quase não se reconhecia ali; era muito mirrado, birrento e raquítico naquela época.

O Sr. Law, que notou o movimento, olhou para o crachá de identificação de Nikolas, seus trajes de enfermeiro e depois para o seu rosto, e com uma sobrancelha arqueada, enquanto comia e de boca cheia, proferiu. — Senhor... Erichsen? — O nome gerou algum tipo de dúvida dentro de Law.

— Pode me chamar de Niko.

— Niko... — A palavra dançou em sua língua. Talvez significasse alguma coisa. Mas ele não soube dizer o quê. — Você poderia ligar a TV, já que está com o controle? — Pediu.

E Niko suspirou baixinho. O jeito como Law havia se referido à Nikolas só significava uma coisa.

— Claro, Sr. Law.

E, claro, faria aquilo.

Estava acostumado a repetir aquele mesmo processo por horas, dias, semanas e anos. Mas nunca, nunca deixava de sentir aquela melancolia. Lidar com a doença era exaustivo tanto fisicamente quanto emocionalmente. O que você faria se alguém que costumava te amar repentinamente já não soubesse mais quem você é?

Naquele dia, ele não era o filho.

Naquele dia, ele seria só um enfermeiro.

[...]

"Apolo foi um deus que teve tanto amantes mulheres quanto homens."

"Jacinto, Admeto, Ciparisso e Cômodo; todos mortais que chamaram sua atenção e lhe renderam apaixonantes — mas trágicas — experiências. Poucas, senão ainda mais raras, foram as vezes em que tais paixões resultaram em uma prole. Com o famoso cantor e compositor de rock dos anos 80, Kennedy Law Erichson, foram não apenas uma, mas duas. Era impossível para o homem resistir ao charme do deus-sol e sua divindade. A paixão se desenvolveu para amor; e ao sucesso repentino, concedido por Apolo e pela própria competência do mortal, Kennedy rapidamente enriqueceu."

"O simples desejo do deus de estar com Kennedy fez com que Nikolas e Brooke fossem, como aconteceria com os filhos de Athena, concebidos a partir do pensamento. Nikolas, durante um dia ensolarado de verão, veio primeiro. A notícia foi um grande choque para Kennedy, mas com a ajuda de sua irmã viúva e também membro de sua banda, Eva Law Erichson, Kennedy o criou. Brooke nasceu 3 anos depois, quase ao término de sua carreira, quando a fagulha do amor entre o deus e o mortal ainda existiam."

"Eles eram, de verdade, uma família feliz. Ambos reclamados por Apolo em seu nascimento, sempre foram reconhecidos pelo deus; segurança sempre existiu e em momento algum eles precisaram lutar por sua vida — pois Apolo fez questão de informar tanto Eva quanto Kennedy de que o mundo jamais seria seguro para eles, exceto no acampamento meio-sangue; onde sempre passaram as férias de verão. No entanto, aos indícios de que havia algo de errado com a mente de Kennedy, Apolo sumiu."

"Talvez fosse ridículo ou simplesmente exaustivo ter de lidar com as perdas de memória recente da estrela do rock, observando ele deixar de ser tudo o que amava para depois precisar ser até mesmo alimentado, não mais capaz de dizer se havia ou não comido naquele dia ou no anterior. No entanto, a doença era uma herança genética que sempre se fez presente na família Erichson. E, infelizmente, era uma condição terminal; do qual Kennedy fora incapaz de fugir, ainda que tivesse implorado por Apolo para que o curasse com seus poderes divinos."

"Ainda assim, ele era um mortal. E mortais iam e vinham; Apolo, como estava sujeito ao Tratado de Não Intervenção, ainda que quisesse, não pôde ajudar."

"A relação entre deus e mortal terminou com ambos corações partidos. Apesar disso, pelos anos que restaram, Nikolas cresceu amando-o como ninguém mais jamais faria. Seus filhos com Apolo eram uma lembrança dolorosa de que o deus havia o abandonado e a certeza de que mesmo assim havia deixado um pedaço dele, como um presente, para guardá-lo. E durante os anos seguintes, enquanto a doença se desenvolvia e tomava conta de Kennedy, Niko e Brooke lhe deram todo o amor que possuíam. Dedicaram suas vidas a ajudar e entreter as pessoas; campistas, ONGs e em hospitais. Acompanharam seu pai, acompanharam até que ele não se lembrasse nem do próprio nome. Porque ele família."

"E família é nunca abandonar ou esquecer."

Percy Jackson RPG BR



Nikolas Erichsen
avatar
Filhos de Apolo
Mensagens :
337

Localização :
New York

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Ficha de Reclamação para Deuses Olimpianos

Mensagem por 147-ExStaff em Sex 05 Out 2018, 17:35


Nikolas Erichsen


Aprovado como filho de Apolo
100 de 100 xp's possíveis
Item padrão
    Parabéns Nikolas! Ficha fantástica! Estou curiosa pelo desenvolvimento desse personagem. Parabéns e muito bem vindo!


AGUARDANDO ATUALIZAÇÃO



147-ExStaff
avatar
Deuses
Mensagens :
77

Localização :
Olimpo

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Ficha de Reclamação para Deuses Olimpianos

Mensagem por Kalled C. Almeida em Sab 06 Out 2018, 00:46


FICHA DE RECLAMAÇÃO
— Por qual deus deseja ser reclamado/ qual criatura deseja ser e por quê?
Hefesto, pois era o progenitor da minha conta antes do reset e eu não consigo me identificar com nenhum outro.

— Perfil do Personagem (Características Físicas e Características Psicológicas - preferencialmente separadas):
Físicas:Kalled possui um corpo atlético mediano, não é todo sarado, mas tem uma boa aparência. Mede 1,82, possui olhos castanhos, cabelos castanhos e a pele bronzeada. Seu cabelo é caracterizado por um corte curto e sempre se veste com camisas confortáveis, calças jeans, tênis sociais e jaquetas de couro.

Psicológicas: É um rapaz reservado, porém não é tímido. Quando quer pode ser extrovertido e conquistar boas amizades, possui uma grande vontade de ajudar sempre que vê uma necessidade o que às vezes se torna prejudicial para ele. Gosta de ter boas companhias, mas às vezes prefere ficar só para refletir sobre sua vida e certas decisões.

Dentro de sua própria história considera-se um herói e defende essa ideia de tudo e de todos. Acima de tudo procura justiça pela morte de sua prima e uma maneira de manter sua mãe e seu padrasto protegidos dos males do mundo.

Sua maior característica sempre será a habilidade de se importar mais com os outros do que consigo mesmo.

— Histórias do Personagem:

Observação: Vou deixar a parte da história em aberto para incluir em minha própria trama.







Percy Jackson RPG BR



Kalled C. Almeida
avatar
Filhos de Hefesto
Mensagens :
784

Localização :
Residindo em Nova York

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Ficha de Reclamação para Deuses Olimpianos

Mensagem por Killian G. Fitzroy em Sab 06 Out 2018, 01:23

FICHA DE RECLAMAÇÃO
— Por qual deus deseja ser reclamado/ qual criatura deseja ser e por quê?

Ares, pois a esfera de guerra do deus será não só de intrínseca importância para a trama como também influencia a personalidade do garoto, mesmo que não das formas mais comuns.

— Perfil do Personagem (Características Físicas e Características Psicológicas - preferencialmente separadas):

Físicas: Reinhardt é um filho de ares que se destaca na multidão de altos e bombados, com seus 1,70 de altura o garoto tem um porte atlético, de músculos definidos e delineados, porém tais órgãos fibrosos se estendem em um corpo magro e delgado, um fator que valoriza sua predileção por velocidade e agilidade. Cabelos alvos e bagunçados coroam o rosto de estrutura óssea e marcante, o principal holofote para as raízes nórdicas do garoto, com um maxilar quadrado, bochechas cavadas e nariz fino e avantajado. Os cílios também brancos circundam as írises cinza nuvem, que quase sempre estão assoladas pelos seus tempestuosos pensamentos e ainda mais tormentosas memórias.

Entretanto a característica menos marcante, e a mais apontada pelos outros, é o seu albinismo. De forma que não só seus pelos como pele são tão claros quanto neve, concedendo um ar misterioso ao jovem rapaz. Essa camada clara é maculada de cicatrizes róseo-esbranquiçadas, espalhadas como constelações em um mapa estelar.

Psicológico: No aspecto da mente, pode se dizer que Killian é um cara soturno, — por mais que o mesmo ainda seja tão jovem — as inúmeras situações traumatizantes por quais passou lhe atribuiu uma maturidade e calma que falta a muitos de seus meios-irmãos. Capaz de exercer um grande nível de controle sobre sua raiva, de forma a não se deixar levar por banalidades e simples provocações, o garoto tem uma visão clara e uma mente limpa sobre o mundo com a facilidade de alguém não tão emocionalmente inepto, o que mesmo não o colocando num nível de racionalidade como os filhos de Athena, alavanca-o acima do estágio de estupidez e insensatez ao ponto de torná-lo um bom estrategista.

De poucas palavras, e tão quanto menos reações ainda, o semideus é normalmente visto portando uma cara fechada com olhos frios e expressão indeterminada (para a maioria ao menos), mesmo que isso não chegue a fazê-lo rabugento ou excessivamente sério, sendo capaz de aproveitar piadas e brincadeiras e até mesmo fazer o raro ato de rir, porém seu modus operandi é mais indiferente, apático e desinteressado, características que apenas reforçam sua incapacidade de vincular-se a qualquer coisa. Incapacidade, a bem da verdade, é uma palavra forte, visto que, Vorüberg é capaz de ser empático e tecnicamente bondoso, mas os anos o ensinaram a preferir omitir tais traços.

Introspectivo, margeando a solidão, o ariano é usualmente encontrado apenas na companhia de seus pensamentos, mas, não surpreendente considerando sua descendência, é mais do que capaz de trabalhar em conjunto com qualquer um, bem, enquanto o mesmo não entrar em seu caminho. Tal mania de isolamento o transformou em uma pessoa independente com quase nenhum escrúpulo ou regras predefinidas. Sem remorso, o albino analisa cada caso independente e age como o momento indicar ser a melhor saída.

Mesmo em seu estilo independente de viver, o rapaz não chega a ser insubmisso ou um rebelde sem causa, sendo tranquilamente capaz de seguir ordens se as mesmas parecerem ser o melhor caminho a seguir. Afinal como ele mesmo se define as vezes: “Sou apenas um soldado veterano que não vê a hora de seu general dispensá-lo e eu puder voltar pra casa, esposa, filhos e tentar não surtar cada vez que ligam o liquidificador ou o ventilador de teto”.


— História do Personagem:

Entonces, como ‘ta’ rolando essa parada de não ser necessário fazer uma história, irei aproveitar para deixar e desenvolver a trama depois.
Percy Jackson RPG BR



Killian G. Fitzroy
avatar
Filhos de Héracles
Mensagens :
65

Localização :
Camp Half-Blood, USA

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Ficha de Reclamação para Deuses Olimpianos

Mensagem por Dionísio em Sab 06 Out 2018, 10:02




Avaliação  


Resultado- Kalled C. Almeida

Ficha OK! Sem mais.

Aceito como filho de Hefesto;
Item de reclamação padrão;
Recompensa: nenhuma.

Resultado- Killian V. Reinhardt

Sua ficha é bem interessante, mas notei alguns erros de concordância verbal e nominal.
Não compromete sua reclamação, mas uma revisão nos posts futuros será bem importante.

Aceito como filho de Ares.
Item de reclamação padrão;
Recompensa: nenhuma.


ATUALIZADOS






Dionísio
avatar
Deuses
Mensagens :
51

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Ficha de Reclamação para Deuses Olimpianos

Mensagem por Teodoro Carvalho em Sab 06 Out 2018, 19:50

— Por qual deus deseja ser reclamado/ qual criatura deseja ser e por quê?
Deméter, pois é uma das deusas que menos aparece, tanto nos livros quanto no RPG. Também acho ela abre possibilidades para um personagem “diferente”, como o meu.
— Perfil do Personagem (Características Físicas e Características Psicológicas - preferencialmente separadas):
Físicas: Teodoro tem apenas 1,35m e 32kg, explicados pela sua pouca idade: 9 anos. Cabelo negro, pele bem morena, grandes olhos castanhos e uma característica pinta preta abaixo do olho esquerdo são alguns de seus mais marcantes traços. É um pouco mais pesado que o normal para a sua idade, mas essa gordura extra é bem espalhada pelo seu corpo. Pelo trabalho na plantação de seu pai, se exercita um pouco, mas nada demais, tendo apenas ombros levemente mais largos que os de outras crianças da sua idade e pernas mais grossas.
Psicológicas: inocente e curioso são palavras que o definem bem. Geralmente de bom humor, menos quando está com fome. Confia excessivamente em pessoas, o que as vezes causa problemas. Tem um grande senso de trabalho e dever, pois sempre ajudava seu pai na plantação de quinoa que era o sustento da dupla. Além de ajudar na plantação, vendia parte da quinoa na feira de Troy, cidade perto da sua fazenda, no Kansas, e por conhecer todos lá desenvolveu o hábito de achar que todas as pessoas são boas. Quando pedem um favor, ele o faz de boa vontade, e está sempre querendo saber o que acontece à sua volta, o que as vezes lhe rende uma expressão preocupada quando não tem todas as informações possíveis. Embora seja gentil e esteja sempre procurando ajudar, é uma criança, e pode ser bem irritante quando quer.
— História do Personagem: (não é exatamente uma história, é só para não ficar muito vago)

Eu estava no avião, esperando Mike chegar do banheiro. Ele era um cara que meu pai havia pagado para me acompanhar, pois eu não podia viajar de avião sozinho. Uma aeromoça chegou e perguntou onde estava o meu acompanhante, e eu fiquei sem saber o que responder, mas Mike chegou e explicou tudo para ela. Ele usava uma calça jeans, uma camiseta branca e uma camiseta verde de manga curta por cima andava de um jeito estranho, e usava um boné estilo branco estilo rapper. Disse que o avião ia partir em dez minutos, e eu ainda mais nervoso. Nunca havia viajado de avião, ao menos saído do Kansas, e agora estava indo para Nova York, meio país a leste. Ficaria com muitas saudades de meu pai (e já estava, mesmo tendo visto ele a meia hora), e para piorar, ele tinha dito que não sabia quando eu o veria novamente. Eu deixaria muita coisa para trás, somente para ir a um acampamento onde ficaria seguro. Não veria meu cachorro, Fred, por muito tempo, e todos os meus amigos ficariam para trás. Para falar a verdade, trocar toda a minha vida em Troy simplesmente para ter um pouco de segurança não parecia justo. Mas naquela época eu não sabia o quanto valeria a pena, sim. Peguei um gibi e comecei a ler, mas o pato Donald não parecia tão engraçado, e eu não conseguia imaginar a sua voz na minha cabeça. Mike falou que eu não precisava ter medo de andar de avião, que era bem seguro. Mas enquanto o aeroporto ficava para trás e acelerávamos mais ainda, eu só pensava na minha casa, e em como tudo aquilo era desnecessário.
Teodoro Carvalho
avatar
Indefinido
Mensagens :
11

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Ficha de Reclamação para Deuses Olimpianos

Mensagem por 146-ExStaff em Sab 06 Out 2018, 20:07




Avaliação —  Teodoro Carvalho


Olá Teodoro! Por favor, reposte sua ficha utilizando o código de template padrão que está disponível na primeira postagem deste tópico, assim podemos avaliá-lo.

Se tiver dúvidas ou dificuldade com o code, pode entrar em contato via MP.






146-ExStaff
avatar
Administradores
Mensagens :
1021

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Ficha de Reclamação para Deuses Olimpianos

Mensagem por Teodoro Carvalho em Sab 06 Out 2018, 21:10


FICHA DE RECLAMAÇÃO
— Por qual deus deseja ser reclamado/ qual criatura deseja ser e por quê?

Deméter, pois é uma das deusas que menos aparece, tanto nos livros quanto no RPG. Também acho ela abre possibilidades para um personagem “diferente”, como o meu.

— Perfil do Personagem (Características Físicas e Características Psicológicas - preferencialmente separadas):

Físicas: Teodoro tem apenas 1,35m e 32kg, explicados pela sua pouca idade: 9 anos. Cabelo negro, pele bem morena, grandes olhos castanhos e uma característica pinta preta abaixo do olho esquerdo são alguns de seus mais marcantes traços. É um pouco mais pesado que o normal para a sua idade, mas essa gordura extra é bem espalhada pelo seu corpo. Pelo trabalho na plantação de seu pai, se exercita um pouco, mas nada demais, tendo apenas ombros levemente mais largos que os de outras crianças da sua idade e pernas mais grossas.

Psicológicas: inocente e curioso são palavras que o definem bem. Geralmente de bom humor, menos quando está com fome. Confia excessivamente em pessoas, o que as vezes causa problemas. Tem um grande senso de trabalho e dever, pois sempre ajudava seu pai na plantação de quinoa que era o sustento da dupla. Além de ajudar na plantação, vendia parte da quinoa na feira de Troy, cidade perto da sua fazenda, no Kansas, e por conhecer todos lá desenvolveu o hábito de achar que todas as pessoas são boas. Quando pedem um favor, ele o faz de boa vontade, e está sempre querendo saber o que acontece à sua volta, o que as vezes lhe rende uma expressão preocupada quando não tem todas as informações possíveis. Embora seja gentil e esteja sempre procurando ajudar, é uma criança, e pode ser bem irritante quando quer.

— História do Personagem:

Eu estava no avião, esperando Mike chegar do banheiro. Ele era um cara que meu pai havia pagado para me acompanhar, pois eu não podia viajar de avião sozinho. Uma aeromoça chegou e perguntou onde estava o meu acompanhante, e eu fiquei sem saber o que responder, mas Mike chegou e explicou tudo para ela. Ele usava uma calça jeans, uma camiseta branca e uma camiseta verde de manga curta por cima andava de um jeito estranho, e usava um boné estilo branco estilo rapper. Disse que o avião ia partir em dez minutos, e eu ainda mais nervoso. Nunca havia viajado de avião, ao menos saído do Kansas, e agora estava indo para Nova York, meio país a leste. Ficaria com muitas saudades de meu pai (e já estava, mesmo tendo visto ele a meia hora), e para piorar, ele tinha dito que não sabia quando eu o veria novamente. Eu deixaria muita coisa para trás, somente para ir a um acampamento onde ficaria seguro. Não veria meu cachorro, Fred, por muito tempo, e todos os meus amigos ficariam para trás. Para falar a verdade, trocar toda a minha vida em Troy simplesmente para ter um pouco de segurança não parecia justo. Mas naquela época eu não sabia o quanto valeria a pena, sim. Peguei um gibi e comecei a ler, mas o pato Donald não parecia tão engraçado, e eu não conseguia imaginar a sua voz na minha cabeça. Mike falou que eu não precisava ter medo de andar de avião, que era bem seguro. Mas enquanto o aeroporto ficava para trás e acelerávamos mais ainda, eu só pensava na minha casa, e em como tudo aquilo era desnecessário.

Percy Jackson RPG BR



Teodoro Carvalho
avatar
Indefinido
Mensagens :
11

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Ficha de Reclamação para Deuses Olimpianos

Mensagem por Rakan Lhothlan em Sab 06 Out 2018, 23:05


FICHA DE RECLAMAÇÃO
— Por qual deus deseja ser reclamado/ qual criatura deseja ser e por quê?

Afrodite, uma vez que a a descrição das características psicológicas de seus filhos combina bastante com o Rakan. Ele gosta de ser o centro das atenções e prefere distrair seus oponentes com seu charme para pegá-los de surpresa do que engajar-se numa luta direta - apesar de não ter medo de seguir esse caminho também, principalmente se sua parceira estiver em perigo.

— Perfil do Personagem (Características Físicas e Características Psicológicas - preferencialmente separadas):

Físicas: Rakan é um jovem semideus de 28 anos e altura acima da média. Por dançar muito e estar sempre em movimento o rapaz mantém um porte físico bonito e saudável, porém não chega a ser um jogador de futebol americano. Seu cabelo é castanho-claro e seus olhos são azuis. Costuma usar pouca ou nenhuma roupa na parte superior do corpo, a não ser por uma capa dourada que lhe foi dada por sua mãe.

Psicológicas: Rakan é um dançarino exímio que adora chamar a atenção com suas habilidades. Facilmente se distraí, principalmente consigo mesmo. Combinado com sua impulsividade, raramente segue ou se lembra de planos, apesar de que quando se trata de algo importante para Xayah, ele tenta fazer um esforço. Possui um lado narcisista muito forte - a única pessoa que ama mais que si mesmo é Xayah. É sempre visto com um sorriso contagiante no rosto.

— História do Personagem:

Segundo a ADM, a história do personagem não é necessária até o dia 07. Prefiro narrar a história dele em Ongame.
Percy Jackson RPG BR



Rakan Lhothlan
avatar
Filhos de Afrodite
Mensagens :
6

Localização :
Acampamento Meio-Sangue

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Ficha de Reclamação para Deuses Olimpianos

Mensagem por Eldritch Frankenstein em Sab 06 Out 2018, 23:30


FICHA DE RECLAMAÇÃO
— Por qual deus deseja ser reclamado/ qual criatura deseja ser e por quê?

Hefesto. É um deus que permite explorar minha criatividade como jogador por meio das forjas, gosto da ideia de ter esse sistema 'exclusivo' e pretendo explorá-lo junto da trama do meu personagem, dando uma grande influência ao deus na minha história.

— Perfil do Personagem (Características Físicas e Características Psicológicas - preferencialmente separadas):

Físicas: por mais que não seja o destaque entre uma multidão de semideuses extravagantes, Eldritch não costuma passar despercebido. Com 1,80m de altura e um corpo atleticamente proporcional, robusto e musculoso, o rapaz se porta como um real filho de Hefesto, embora essa não esteja entre os primeiros palpites da maioria das pessoas, graças às feições que não seguem em nada o estereótipo bruto e calejado que os meio-irmãos compartilham. Pelo contrário, o jovem possui um rosto belo, com olhos claros, expressões suaves e um sorriso fácil.Seus cabelos e barba são dourados, e o tamanho destes costuma dizer muito sobre o humor do semideus no momento.

Em relação a marcas distintas, Frankenstein foi um sobrenome que caiu como uma luva ao jovem, por ironia do destino. Oito cicatrizes de feridas graves estão espalhadas pelo corpo dele, sendo as mais notáveis um grande corte que chega bem próximo do pescoço e uma queimadura que cruza as costas da base da coluna até a nuca. Além disso, cicatrizes menores são facilmente vistas em grande parte do corpo.

Psicológico: Se preciso definir em apenas uma palavra, caloroso seria a melhor para isso. Eldritch possui um brilho próprio capaz de contagiar as pessoas ao seu redor de maneira positiva, e costuma levar conforto para aqueles que o têm como amigo. Sua companhia é aconchegante e seu modo de agir é inspirador, marcas que ele possui desde sua infância. Seu modo de ver a vida é bem próprio, sendo o otimismo uma de suas melhores características, de acordo com o próprio filho de Hefesto. Procurar sempre enxergar o lado positivo das coisas, mesmo nos momentos mais obscuros de sua vida, é o que o mantém de pé em um mundo repleto de caos e sofrimento. Isso não o torna incapaz de ver a escuridão à sua volta, ele apenas tenta ver a luz até mesmo dentro dela.

Empatia é outra característica da qual Frankenstein se orgulha, e que também o afasta da maioria dos seus meio-irmãos. Entender verdadeiramente os sentimentos das pessoas é parte importante de uma relação, e é o que o jovem busca mesmo nos mais simplórios encontros. Como um verdadeiro entusiasta, a palavra “hiperativo” não chega nem perto de defini-lo, e nenhuma adversidade é grande demais para fazê-lo desistir de um objetivo. Mesmo nas tarefas mais cotidianas é praticamente possível tocar a empolgação do jovem. Vê-lo deprimido é algo tão raro que alguns chegam a considerar impossível.

A solidão, no entanto, não é em nada incômoda. Máquinas e ferramentas fazem tão boa companhia quanto qualquer pessoa, e em meio ao seu trabalho é quando se sente mais livre e deixa fluir todas as insanas ideias que rodeiam sua cabeça a todo o tempo. O ócio é, na realidade, o único sentimento que Eldritch não é capaz de suportar em qualquer hipótese. Na mente do jovem, é como se cada segundo parado correspondesse a uma eternidade de possibilidades desperdiçadas em sua vida, e por isso até mesmo atividades básicas como dormir são completamente prejudicadas(o tempo de sono do semideus está bem longe de ser considerado saudável), e atos como esperar em filas são impensáveis.

No geral, qualquer pessoa que passe um tempo com ele é capaz de lê-lo como a um livro, pois não costuma esconder traços de sua personalidade, tampouco vê motivos para se fazer misterioso. Suas palavras costumam ser tão sinceras quanto suas ações, e mentir é algo que só faz em situações que realmente necessitem disto. No entanto, não tem problemas em conviver com qualquer tipo de pessoa que não siga seu “código de conduta”, tampouco é a pessoa irritante que tentará converter os outros ao estilo de vida que segue.

— História do Personagem:

Como vocês são muito legais, vou deixar em aberto sz Obrigadinho sz
Percy Jackson RPG BR



Eldritch Frankenstein
avatar
Filhos de Hefesto
Mensagens :
8

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Ficha de Reclamação para Deuses Olimpianos

Mensagem por Victor Stone em Dom 07 Out 2018, 00:26


FICHA DE RECLAMAÇÃO
— Por qual deus deseja ser reclamado/ qual criatura deseja ser e por quê?

Hefesto. É o deus tido como ferreiro dos deuses, um deus habilidoso que prefere máquinas a pessoas, apesar de Victor se ver como um herói o deus ferreiro e recluso é o que mais combinaria com a trama futura dele.

— Perfil do Personagem (Características Físicas e Características Psicológicas - preferencialmente separadas):
Características Físicas: Apesar de não gostar muito, Victor não passa em locais sem que as pessoas o vejam. É alto e forte por natureza, com o corpo “definido” por conta de ajudar a mãe com sua mecânica e por sempre fazer esportes, principalmente basquete, sendo apaixonado pelo esporte. Possui olhos escuros, porém que trazem um “fogo” dentro de si. Gosta de deixar tanto o cabelo como a barba muito bem aparados, principalmente a barba, ao qual não deixar crescer sempre tirando.
Suas mãos são típicas de um filho de Hefesto, calejadas, porém rápidas para trabalhos manuais. Da mesma maneira é seu olhar, geralmente sendo atento para tudo a sua volta, principalmente detalhes.

Características Psicológicas: Responsabilidade é uma palavra que sempre pesou nas costas e na mente de Victor. Sendo criado por sua mãe e sua avó, o garoto teve que aprender a ser responsável desde cedo principalmente para cuidar da avó que tem um grave problema nas pernas ficando numa cadeira de rodas grande parte do tempo. Apesar de chamar atenção por onde passa devido a altura e a força, não gosta de chamar atenção sendo tímido na maioria das vezes, porém quando conhece bem a pessoa tende a se tornar um valoroso amigo.


— História do Personagem:

Sinceramente tentei fazer a história pelo menos 3 vezes, não consegui. Por isso vou me aproveitar dessa "benção" e optar por fazer a trama ongame.
Percy Jackson RPG BR



Victor Stone
avatar
Filhos de Hefesto
Mensagens :
4

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Ficha de Reclamação para Deuses Olimpianos

Mensagem por Darling Hernandez em Dom 07 Out 2018, 03:59


FICHA DE RECLAMAÇÃO
— Por qual deus deseja ser reclamado/ qual criatura deseja ser e por quê?

O deus da guerra, Ares. Darling é uma garota completamente ácida e impulsiva, do tipo que se deixa levar pelas emoções e tem um gênio forte, sendo este um dos motivos que me fez escolher o progenitor almejado. Já o segundo, em especial, é que tenho certa preferência e carinho para com Ares e sua esfera de poder, a guerra - já que minha primeira conta neste fórum, e creio que a que me introduziu no mundo dos RPGs, foi um filho deste deus. Por isso, como forma de homenagem para o personagem que se foi com o reset, o deus da guerra é a opção desta nova conta.

— Perfil do Personagem (Características Físicas e Características Psicológicas - preferencialmente separadas):

Quem vê Darling caminhando entre as ruas de Manhattan não imagina o gênio forte que a meio-sangue carrega consigo. Ela não segue o esteriótipo de Ares, sendo dona de uma beleza estonteante e um corpo escultural - quase se assemelhando aos herdeiros de Afrodite. Os traços hispânicos são evidentes, principalmente em seu rosto, já que a garota descende de imigrantes latinos e com muito orgulho, diga-se de passagem. Lábios carnudos e sobrancelhas delinedas são a marca registrada da semideusa, ela tenta sempre manter a beleza em seu auge, tanto por vaidade quanto por método de sobrevivência. Seu corpo é definido e musculoso, ainda assim, feminino e suas curvas são majestosas, fato que a afasta totalmente da maioria dos meios-irmãos. Possui a pele bronzeada naturalmente e um longo cabelo preto e ondulado que casa perfeitamente com o restante de sua aparência, já o tom de seus olhos é herança da mãe que nunca conheceu, ora de uma cor ora de outra, mas quase sempre estão em um azul claro. É possuidora de bustos e quadris perfeitamente alinhados e naturais e, por todos esses fatores, considera-se uma viúva-negra: magnífica e fatal.

Não é de se surpreender que as características mentais mais evidentes na filha de Ares sejam o orgulho e vaidade. Darling age exatamente de acordo com o quê deseja transparecer: ácida, egoísta e sádica, embora não passe de máscaras usadas para esconder o passado sofrido que viveu. Quando necessário, revela seu lado para com aqueles em que se identifica, mostrando-se uma garota sábia, eloquente e gentil, completamente diferente de quem é na maior parte do tempo. Darling, apesar das escolhas que a afastaram do Acampamento Meio-Sangue, tem o grande impulso de defender os campistas de qualquer perigo, dando ressalvas ao seu senso de altruísmo. Seu grande rancor e motivador de sua raiva é o abandono duplo em sua infância, tanto do progenitor quanto da mãe - por isso, tenta sempre ser a melhor no que faz, já que se sente na obrigação de provar ao pai que mesmo sem seu incentivo, tem capacidade o suficiente para se tornar a melhor guerreira.

— História do Personagem:

Utilizando a promoção de reabertura dentro do prazo designado pela staff, deixarei a história em aberto para desenvolvê-la em futuras postagens.
Percy Jackson RPG BR



Darling Hernandez
avatar
Filhos de Ares
Mensagens :
4

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Ficha de Reclamação para Deuses Olimpianos

Mensagem por Edwin Barton em Dom 07 Out 2018, 04:59


FICHA DE RECLAMAÇÃO
— Por qual deus deseja ser reclamado/ qual criatura deseja ser e por quê?

Apolo, deus do sol, da música, das profecias e da perfeição. Quem não quer ser filho dele? Ele é o deus mais liberal e, de certa forma, menos maturo do panteão o que abre diversos modos e explorar possíveis vacilos que ele cometeu nos últimos éons.

— Perfil do Personagem (Características Físicas e Características Psicológicas - preferencialmente separadas):

Impulsivo e cheio de si Edwin costuma se meter em encrencas. A depender da confusão consegue sair usando seu charme e galanteio natural. Sua pele clara porém bronzeada e corpo atlético formam um bom conjunto com os olhos cor de mel dourado e a boca carnuda. E quem prestar atenção poderá ver que ele tem um tique de jogar o cabelo ondulado - que vai até os ombros - para trás.

— História do Personagem:

Infelizmente senhoras e senhores do júri, não será hoje que serão contemplados com a história de vida desse rapaz. Tudo foi bolado, aproveitando a chance dada pela adm, para que isso seja explorado in game durante missões e interações com personagens.
Percy Jackson RPG BR



Edwin Barton
avatar
Indefinido
Mensagens :
37

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Ficha de Reclamação para Deuses Olimpianos

Mensagem por Julie Allerdyce em Dom 07 Out 2018, 05:27


FICHA DE RECLAMAÇÃO
— Por qual deus deseja ser reclamado/ qual criatura deseja ser e por quê?

Hefésto, deus das forjas e do fogo. Pelas atribuições dadas ao deus, Hefésto e seus filhos podem ser muito bem explorados com a trama certa.Eu tenho essa trama? Bem, cenas dos próximos capítulos...

— Perfil do Personagem (Características Físicas e Características Psicológicas - preferencialmente separadas):

“Marrenta mas um poço de doçura quando se conhece bem.” Seria o melhor jeito de descrever a garota de cabelos curtos. Mas não se deixe enganar, isso não significa que, caso confrontada, ela irá recuar. Sua estatura mediana, corpo singelo e rosto afinado, assim como o de sua mãe, podem encantar, mas não os deixem desviar de sua mente criativa que trabalha numa ideia nova sempre que pode.

— História do Personagem:

E com cenas dos próximos capítulos eu quis dizer desenvolvimento em on da personagem, espero que entendam, mas às vezes é melhor assim.
Percy Jackson RPG BR



Julie Allerdyce
avatar
Indefinido
Mensagens :
1

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Ficha de Reclamação para Deuses Olimpianos

Mensagem por Edmund Kowalski em Dom 07 Out 2018, 07:01

FICHA DE RECLAMAÇÃO
— Por qual deus deseja ser reclamado/ qual criatura deseja ser e por quê?

Desejo ser reclamado por Hefesto porque gosto da habilidade de forjar itens.

— Perfil do Personagem (Características Físicas e Características Psicológicas - preferencialmente separadas):

Apesar de ter uma constituição forte, com músculos notáveis e um metro e setenta e três de altura, Edmund não possui uma imagem ameaçadora. Sua sobrancelha dá um aspecto alegre e gentil para seu olhar, contrastando com sua voz calorosa que aparece vez ou outra para contar uma piada autodepreciativa. Não é do tipo vaidoso, porém se esforça para sempre deixar o cabelo castanho jogado para trás, do jeito que sua mãe diz ficar parecendo um galã. Sua pele é clara, mas desde que chegou no Acampamento Meio-Sangue ela vem ganhando um bronzeado por conta das atividades ao ar livre.

Altruísta, Edmund tem muita energia e vontade de trabalhar, mas isso raramente é para ganhos pessoais. Seus ideais são bem claros, sendo difîcil desviar o garoto do que ele acredita ser o certo. É bom em seguir planos e ordens, saindo de sua zona de conforto quando tem que improvisar e explorar. Prefere momentos solitários ao mesmo tempo que acha indispensável manter contato com seu grupo íntimo de amigos. É ciente da importância da razão, contudo, sente-se condenado a seguir a emoção.

— História do Personagem:

Emilly Unlocked, filha de Hermes

Conheci a Emilly no meu primeiro dia no Acampamento Meio-Sangue, enquanto fazíamos a arrumação do chalé onze. Ela roubou esse caderno que você está lendo agora, mas devolveu ao ver que a maioria das páginas já estavam preenchidas com desenhos que ela julgou chatos. Tentei convencê-la que desenhos técnicos não são chatos, mas não consegui. Em vez disso ganhei uma amiga.


Pablo García, filho de Ares

Capitão da equipe adversária na minha primeira captura a bandeira. Ele estava prestes a capturar a bandeira da minha equipe quando tropeçou e quebrou o braço. Ninguém estava vendo, então deixei ele vencer e levantar o mastro com o braço que estava inteiro. Por conta de nossos pais e seus interesses por Afrodite ele foi especialmente orgulhoso, dizendo que não era para eu esperar gentileza de sua parte. Entretanto, ele começou a seguir eu e Emilly. No começo achamos que estava querendo arrumar briga, mas na verdade era apenas seu jeito de começar uma amizade conosco.


Kahei, dríade

Estávamos eu, Emilly e Pablo quando conhecemos Kahei. Não desconfiávamos que o grande salgueiro onde nos encontrávamos no rio era uma dríade, por isso foi um grande susto quando a árvore se transformou em uma jovem. Kahei admitiu que não tinha se revelado porque gostava de ouvir nossas conversas, e acredite, ela falou de uma forma tão sinistra quanto a frase em si já é. Ela adquiriu a maturidade aparentando ter dezessete anos, mas ninguém sabe ao certo sua idade, nem as outras dríades. Não gosta de falar do seu passado, nem de falar no geral. Ela é mais de observar e nos seguir.


Edmund Kowalski, filho de Hefesto

Fui reclamado no pavilhão de refeitório, no café da manhã. No momento estava saindo suco de manga do meu nariz porque não consegui conter o riso diante das caretas fantásticas da Emilly. Uma engrenhagem apareceu planando sobre minha cabeça e todos apontaram para mim, animados. Houve um alvoroço especial na mesa de Hefesto, e foi quando eu soube que ali estavam meus irmãos.


Informações:
Edmund pode escolher no seu aniversário de quinze anos se preferia morar com a mãe na Inglaterra, onde ela lecionaria na Universidade de Oxford, ou se preferia continuar nos Estados Unidos em um lugar que seu pai indicou. Era a chance de finalmente conhecer mais de seu pai, o único homem que sua mãe amou. O que Edmund não esperava era que esse lugar era um acampamento de verão, e que seu pai era um deus.

Wess escreveu:A história do Edmund começa de verdade no acampamento, com seus amigos. Esse é o foco da aventura dele. Se acharem muito nada a ver, podem ignorar a parte da “história”. De qualquer modo, espero que tenham gostado da introdução do squad.
Percy Jackson RPG BR


Edmund Kowalski
avatar
Filhos de Hefesto
Mensagens :
60

Localização :
the factory

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Ficha de Reclamação para Deuses Olimpianos

Mensagem por Amora Cadore em Dom 07 Out 2018, 13:24


FICHA DE RECLAMAÇÃO
— Por qual deus deseja ser reclamado/ qual criatura deseja ser e por quê?

Dionísio, tanto pela identificação com a personalidade da personagem quanto porque é o que mais se encaixa na história que pretendo desenvolver.

— Perfil do Personagem (Características Físicas e Características Psicológicas - preferencialmente separadas):

Tem cabelos pretos e cacheados de tamanho médio para longo, pele branca e bochechas bastante coradas, além de olhos verde-claros e a boca pequena que sempre exibe um sorriso fácil, ainda que ela tente disfarçá-lo em algumas situações, e está sempre com um batom vermelho que ela adora. É pequena, cerca de 1,60 de altura, magra, com um corpo que apresenta bonitas curvas, que ela procura valorizar através das roupas que veste - muitas vezes vestidos e saias. Quando sorri, fica com os olhos pequenininhos.

É muito extrovertida, mas nas horas em que sente que pode ou precisa ser. Tem um senso de humor duvidoso, que oscila entre piadas muito ruins, muito sarcásticas ou muito sujas, e na maioria das vezes apresenta uma paciência fora do comum, mas que acaba rápido quando ela se depara com algo que a faça mal. Ama animais, mas tem uma paixão enorme por felinos, principalmente leões e gatos, tendo um gatinho branco chamado Arroz. A depender das situações, fica ansiosa com facilidade e isso acarreta uma boa dose de manias - estalar os dedos e falar pelos cotovelos, por exemplo. E apesar de todas as brincadeiras feitas com seu nome ao longo dos anos, ela o ama profundamente, pois foi uma escolha do pai que ela nunca teve oportunidade de conhecer.

— História do Personagem:

Aproveitando a oportunidade de postar a ficha sem desenvolver a história, me dou a liberdade de trabalhar mais no enredo depois.
Mudança de Nome:
Caso ainda não tenha sido atualizado no momento da avaliação, o pedido de mudança de nome já foi feito aqui.

Percy Jackson RPG BR



Amora Cadore
avatar
Filhos de Dionisio
Mensagens :
2

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Ficha de Reclamação para Deuses Olimpianos

Mensagem por Conteúdo patrocinado

Conteúdo patrocinado

Voltar ao Topo Ir em baixo

Página 2 de 4 Anterior  1, 2, 3, 4  Seguinte

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum