[Narrada] A stranger one — Externa para Alysson Hoechlin

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

[Narrada] A stranger one — Externa para Alysson Hoechlin

Mensagem por Zeus em Sab 01 Dez 2018, 05:52




A stranger one


Alyssa realizaria uma das atividades externas da Academia Blackwell em um campo distinto nos arredores de New Orleans. Para isso, foi designada à ela a tarefa de ir ao centro da cidade em busca de alguns utensílios para a efetivação da prova, sendo assim, junto de outra aluna e uma instrutora, partiram para o lugar. Tudo ocorria normalmente, o trio buscava pelo local exato onde encontraria o necessário, contudo, a filha de Afrodite parece ter sido a única a avistar, ao longe, uma figura distinta.

Na esquina oposta, do outro lado da rua, tinha uma garota com o uniforme da instituição, no entanto, maltrapilho - estava rasgado em inúmeras partes do tecido, além do mais, ela própria carregava alguns hematomas no rosto e um cabelo bastante despenteado. A desconhecida apenas devolvia o olhar, embora o dela não fosse de curiosidade, mas sim de socorro. Ao parar para entender a cena, Hoechlin acabou ficando para trás de seu grupo. A dupla se perdia no enorme fluxo de pessoas de New Orleans.

A misteriosa garota correu, sumindo depois da esquina. Se quisesse compreender aquilo a fundo, a semideusa deveria ser rápida, mas ainda tinha tempo de chamar por suas parceiras.

Diretrizes e aconselhamentos

— Introdução: Desejo uma introdução fluída e atraente, narrando a partir do momento em que foi designada para a tarefa.
— Desenvolvimento: Narre o que foi proposto e introduza as reações da personagem de forma clara, quero entender o que se passou pela cabeça dela com a suposta e misteriosa colega da Academia.
— Decisão: Alysson deve escolher o que fazer após testemunhar a cena. Há duas alternativas: a) seguir a desconhecida e continuar em seu encalço ou b) pedir o auxílio das outras duas companheiras e automaticamente perder a facilidade com que alcançaria a estudante misteriosa.
— Aconselhamento: Lembre-se que o narrador sou eu, portanto, em momento algum dê certeza de suas ações.

— Sobre o turno: Deixei inúmeras informações em aberto para que você possa trabalhá-las neste turno. Por exemplo, você poderá detalhar durante a narrativa que tipo de atividade as alunas foram incumbidas de realizar, quais os utensílios que sua personagem foi buscar, o uniforme da instituição, etc. A única regra é: até que eu dê a ordem, nenhuma das duas npcs é uma semideusa - automaticamente, por ora, elas não terão acesso a poderes.  

— Horário: 14:28 pm.
— Clima: Ameno.
— Poderes e armas: Sempre citados em spoiler sem irregularidades, caso contrário serão ignorados.
— Prazo de postagem: Terá até o dia 04/12, às 05:52 am. Atrasos sem justificativas ou aviso prévio não serão tolerados.
— Off: Peço sinceras desculpas pelo atraso. Tentarei recompensá-la ao máximo com turnos relâmpagos.


Boa sorte.








Zeus
avatar
Administradores
Mensagens :
2147

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [Narrada] A stranger one — Externa para Alysson Hoechlin

Mensagem por Alysson Hoechlin em Dom 02 Dez 2018, 10:04

Strange One
O vento frio deslizava pelo rosto da semideusa que corria descalça pela floresta. As árvores eram tão grandiosas e próximas que impediam que os raios solares chegassem ao solo. Os galhos baixos e arbustos arranhavam sua pele e se enroscavam no leve tecido azulado do vestido. Da terra brotavam raízes altas que em conjunto com as pedras, folhas e o chão lamacento fizeram-na tropeçar. As mãos encobertas pelas manoplas de tecido negro a protegeram do impacto. Aprumando-se rapidamente ela se virou para recepcionar a criatura que a perseguia. Os punhos foram cerrados e ajeitados em uma perfeita posição de combate. Quando o vulto negro saltou por entre as folhagens a menina já havia reagido com um soco de direita que interceptaria a figura em pleno ar.

Bum!

Todo o corpo de Ally enrijeceu contra a cadeira graças a súbita carga de adrenalina. Em pé ao lado da carteira a jovem professora observava a garota que tentava raciocinar e normalizar a respiração. Todos os alunos tinham os olhos fixos na imagem e os sorrisos zombeteiros. Naquele momento o entendimento da situação chegou aos neurônios entorpecidos pelo sono, o despertar ocorreu através do enorme exemplar de Guerra da Independência jogado sobre a mesa. A vergonha tingiu suas bochechas de vermelho.

– Posso supor que a senhorita entendeu a atividade? – comentou e após o sussurro de desculpas afastou-se – Não quero perder meu tempo, sua equipe vai orientá-la. Os grupos e as tarefas já foram designadas. Encontrem os itens listados e os transportem a escola para que possamos realizar a reconstituição da Batalha de New Orleans – recostou-se na mesa e prendeu os cabelos dourados em um coque alto realçando os olhos prateados e as feições jovens – O combate de 8 de janeiro de 1815 foi uma das maiores vitórias do nosso país, então por favor não estraguem tudo. Não se separem. Para aqueles com... Dificuldades, não esqueçam de levar o necessário – o olhar assumiu um tom mais sério. A maioria sabia o que seria preciso.

###

– O que nós temos que levar? – Ally questionou enquanto tentava acompanhar as colegas e tentava desviar das pessoas no centro da cidade.

Max, a instrutora, checou a folha antes de responder. Alta com cabelos castanhos e os olhos castanhos amarelados a adolescente exibia uma beleza e força surpreendente, nem mesmo o uniforme apagava sua individualidade. A camisa social branca estava sem a gravata e com os primeiros botões abertos, o blazer preto com detalhes em amarelo encontrava-se desabotoado e a saia rodada com xadrez em preto e cinza escuro ficava meio palmo acima dos joelhos.

– Ficamos com os acessórios. Medalhas, relógios de bolso, colares, essas coisas que os soldados carregavam consigo.

– Foi sorte não sortear as roupas – Nell se vestia exatamente como a primeira. Seus cabelos loiros estavam presos em uma trança lateral – Aquelas coisas pesam muito e ocupam um volume enorme.

As duas que andavam apressadamente desviaram a conversa para os possíveis locais onde encontrar os produtos. Ally não se importava com isso e ficou aliviada por poder ficar alguns passos atrás. Diferente das outras a menina vestia uma calça jeans preta, seu blazer fechado era um pouco mais comprido que os outros. Presa as suas ancas e ocultadas pela vestimenta ela carregava seu chicote enrolado e a adaga embainhada. Entediada ignorava a conversa enquanto admirava os pedestres. Seus olhos não ficavam muito tempo em cada um deles, até que uma menina lhe chamou a atenção.

Do outro lado da rua uma garota também a observava mas seu semblante não exibia curiosidade, apenas pavor. Seus cabelos repletos de cachos negros estava muito bagunçado e seu rosto possuía vários hematomas. As roupas rasgadas e sujas não impediam que Ally enxergasse o brasão da academia, uma letra B dentro de um triângulo e círculo. Mesmo sem constatar esse fato a filha de Afrodite já se encontrava preocupada. Seu primeiro pensamento era de que um dos grupos foi atacado, afinal boa parte dos alunos eram especiais. Ela não podia deixar que eles corressem mais perigo mesmo sendo desconhecidos.

– Meninas... – virou-se para chamar as companheiras apenas para notar que elas não se encontram alí. Ao voltar o foco para a desconhecida percebeu que ela corria para longe – Droga! – sabendo que não daria tempo de encontrar as colegas e explicar tudo decidiu chamar a atenção gritando – Ei vadias! – sem esperar para ver se as meninas escutaram correu atrás da fugitiva.

Adendos:

Poderes:
Nenhum
Armas:
{Half Blood} / Adaga Comum [Adaga simples feita de bronze sagrado, curta e de duplo corte. A lâmina possui 8cm de largura, afinando-se ligeiramente até o comprimento, que chega a 20cm. Não possui guarda de mão e o cabo é de madeira revestido com couro, para uma empunhadura mais confortável; acompanha bainha de couro simples.] {Madeira, couro e bronze sagrado} (Nível mínimo: 1) {Não controla nenhum elemento} [Recebimento: Item de Reclamação]

{Nome} / Flagelo [Semelhante ao chicote comum, possui uma longa tira de couro reforçado presa ao cabo, e fibras de bronze sagrado. O chicote mede 3m, mas possui cravos entrelaçados no couro, provocando dano por corte quando acerta o oponente][Bronze sagrado e couro} (Nível mínimo: 1) {Não controla nenhum elemento}
Obs:
Desculpe pelo tamanho do texto, não sei se ficou muito grande para introdução. Tentei colocar as informações necessárias sem me prolongar muito.
O início do texto se refere a trama pessoal da personagem.

Não se deve falar com estranhos



Alysson Hoechlin
avatar
Filhos de Afrodite
Mensagens :
21

Localização :
New Orleans

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [Narrada] A stranger one — Externa para Alysson Hoechlin

Mensagem por Zeus em Dom 02 Dez 2018, 20:28




A stranger one


Max e Nell perderam-se dentro do aglomerado de pessoas ao passo que os gritos de Alysson foram abafados, dessa forma, a filha de Afrodite seguiu sozinha a garota misteriosa. Correu com tudo o que tinha e, ao virar a esquina, conseguiu distinguir seu alvo em meio à multidão que parecia um tanto assustada com a cena. Não era comum, afinal, duas garotas correrem daquela forma enquanto uma aparentava sérias feridas no corpo.

Após uma breve corrida, Alysson acabou alcançando uma rua distinta e pouco movimentada. O lugar tinha uma estética rústica, com estabelecimentos e casas marcadas com objetos de magia, voodoo e ossos. Tratando-se de New Orleans, aquilo era normal. Logo a frente, haviam três lojas: a primeira vendia ervas e outras substâncias usadas para rituais, a segunda era um pequeno museu com objetos de inúmeras décadas enquanto a terceira era pertencente a uma vidente e seus serviços.

Seu alvo, no entanto, tinha sumido.

Diretrizes e aconselhamentos

— Desenvolvimento: Narre o que foi proposto e introduza as reações da personagem de forma clara. A partir de agora, você está livre para explorar o ambiente, um de cada vez. O objetivo é encontrar a garota.
— Aconselhamento: Lembre-se que o narrador sou eu, portanto, em momento algum dê certeza de suas ações.

— Horário: 14:34 pm.
— Clima: Ameno.
— Poderes e armas: Sempre citados em spoiler sem irregularidades, caso contrário serão ignorados.
— Prazo de postagem: Terá até o dia 08/12, às 23:59 pm. Atrasos sem justificativas ou aviso prévio não serão tolerados.

Boa sorte.








Zeus
avatar
Administradores
Mensagens :
2147

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [Narrada] A stranger one — Externa para Alysson Hoechlin

Mensagem por Alysson Hoechlin em Seg 03 Dez 2018, 09:25

Strange One
Enquanto corria entre as ruas movimentadas Ally notou dois fatos: estava sozinha e não era louca. As companheiras não davam sinais que a seguiam, era provável que sequer ouviram seus gritos. Com alívio a filha de Afrodite percebia a apreensão nos rostos das pessoas, principalmente com a desconhecida. Graças a isso ela descartou as opções mais perturbadoras como fantasmas ou visõe, já que os mortais também a enxergavam naturalmente.

Após a breve perseguição Ally dobrou uma esquina e se deparando com uma rua menor e menos movimentada. As casas e estabelecimentos assumiam um tom exotérico devido suas ligações com a prática da feitiçaria. As construções não eram tão sofisticadas mas isso não afetava a semideusa, ela até gostava dessas lojinhas. Seus olhos não avistaram mais seu alvo, a desconhecida sumiu. Logo a frente, evidenciadas pela organização do local, três lojas chamavam atenção. A primeira exibia galhos, folhas e ramos de plantas em sua vitrine, a segunda aparentava ser um antiquário simples e a terceira vitrine possuía um olho cintilando em néon e dizeres sobre a previsão do futuro.

– Sem profecias – sussurrou para si mesma.

A filha de Afrodite precisava encontrar a menina mas evitaria a vidente, a maioria era conhecida por enganar os desavisados. A loja de antiguidades não gerava nada atrativo. O destino foi acertado. Caminhando em direção ao primeiro estabelecimento organizava o cabelo, as roupas e recuperar o ar. Caso alguma coisa a aguardasse lá dentro ela preferiu não chamar atenção.

– Se estivesse machucada – comentou – Procuraria uma cura. Algumas plantas são medicinais. Então... – forçou o melhor sorriso que conseguiu ao adentrar o local – ... Olá plantinhas!

Adendos:

Poderes:
Nenhum
Armas:
{Half Blood} / Adaga Comum [Adaga simples feita de bronze sagrado, curta e de duplo corte. A lâmina possui 8cm de largura, afinando-se ligeiramente até o comprimento, que chega a 20cm. Não possui guarda de mão e o cabo é de madeira revestido com couro, para uma empunhadura mais confortável; acompanha bainha de couro simples.] {Madeira, couro e bronze sagrado} (Nível mínimo: 1) {Não controla nenhum elemento} [Recebimento: Item de Reclamação]

{Nome} / Flagelo [Semelhante ao chicote comum, possui uma longa tira de couro reforçado presa ao cabo, e fibras de bronze sagrado. O chicote mede 3m, mas possui cravos entrelaçados no couro, provocando dano por corte quando acerta o oponente][Bronze sagrado e couro} (Nível mínimo: 1) {Não controla nenhum elemento}
Obs:
Não entrei muito em foco na descrição das lojas por não saber a intenção do narrador.

Eu tenho essas opção? Ou posso te minha própria opção?



Alysson Hoechlin
avatar
Filhos de Afrodite
Mensagens :
21

Localização :
New Orleans

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [Narrada] A stranger one — Externa para Alysson Hoechlin

Mensagem por Conteúdo patrocinado

Conteúdo patrocinado

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum