Percy Jackson e os Olimpianos RPG BR
Olá. O PJBR passou por diversas mudanças ao longo dos 9 anos em que esteve ativo — muitas delas foram benéficas, porém outras acabaram por deixar o jogo maçante a ponto de fazer com que perdesse seus membros.

Todas as pessoas que passaram pela administração fizeram o máximo para que o fórum não morresse, mas chegou um momento em que era inevitável que cada um seguisse com sua vida. Não há erros para serem apontados, pois o fórum nunca teve um manual de administração ou qualquer coisa parecida, que mostrasse as decisões corretas a serem tomadas. Por mais que uma medida agradasse certo público, era criticada pelo outro lado. Não existe o RPG perfeito e nem nunca existirá. O que sempre permaneceu, entretanto, foi a vontade de fazer com que o PJBR se tornasse um local de escape para a vida real, onde a criatividade poderia fluir de forma a dar vida para cada um dos personagens.

Por mais que pareça, esse não é um texto de adeus.

O reset acabou por desmotivar grande parte dos membros. Entende-se hoje de que foi uma decisão precipitada, tomada no calor do momento pela ideia de mudança radical. Estou hoje tentando fazer um backup do fórum para antes do reset, onde cada conta ainda preservava seu progresso e o Acampamento ainda não havia sido destruído.

Peço ajuda de quem quer que se interesse, pois não há staff nem administração no momento. Tentarei tornar o PJBR um RPG casual, sem complicações de sistemas e regras em excesso, sem cobranças e sem estresse, pois sinto a falta desse fórum de forma absurda.

Deixo um agradecimento especial para todos que se doaram por esse RPG antes, todos que escreveram textos extraordinários por aqui e todos que cresceram de alguma forma por contribuição do PJBR.

Caso você queira ajudar, mande uma mensagem privada para a conta Caos se identificando (e anexando uma forma de contato externo, de preferência).

{Circeland} — Missão Narrada para Lyanna MacMahon

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

{Circeland} — Missão Narrada para Lyanna MacMahon

Mensagem por 151 - ExStaff em Seg 03 Dez 2018, 11:33


Circeland



New Orleans havia recebido a visita de uma cartomante. Ela se encontrava no Parque Louis Armstrong, do lado de dentro, e estava companhada de algumas garotas que faziam truques de mágica para entreter crianças e adultos, e muitos diziam que ela era excelente em prever o futuro: tudo que vi, acontecia. Esse fato a deixou bem famosa por lá, fazendo muitos acreditarem que ela era uma bruxa, assim como as moças que estavam consigo. De onde vieram? Por que faziam aquilo? A cartomante não cobrava um tostão para fazer suas previsões!

E, obviamente, essa história chegou aos ouvidos de Lyanna.



Pontos a serem Considerados
— Gostaria que começasse sua missão dizendo o que estava fazendo, como foi o seu dia e tudo mais. Não poupe detalhes, ok?
— Em determinado momento da tarde você escutará uma dupla de garota cochichando, falando a respeito de uma cartomante que estava no parque,e em como ela e suas ajudantes faziam mágica como se não fosse nada. Curiosa, dê um jeito de ir até o parque;
— Chegando lá, procure pela cartomante. Você pode pedir ajuda ou pode conseguir encontrá-la por conta, mas peço que tenha pelo menos uma dificuldade em encontrá-la.
— Assim que a avistar - o local onde ela estará fica à sua escolha -, ela vai pedir para você se aproximar, passando à frente de todos.
— Finalize seu post sentando-se na cadeira de frente para ela, vendo a bola de cristal em cima da mesa adquirir um fraco brilho púrpuro.


Ademais
— Prazo de entrega 10/12/2018, 11:33, horário de Brasília.
— Poderes e armas em spoiler no final da narração.
— Peço, por gentileza, para não usar templates muito estreitos, com cores cegantes ou letras pequenas - sou meio cega ;-;
— Quaisquer dúvidas pode me contatar via MP ou chatbox;
— Boa sorte.





151 - ExStaff
151 - ExStaff
Deuses
Mensagens :
144

Localização :
Mundo Inferior

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: {Circeland} — Missão Narrada para Lyanna MacMahon

Mensagem por Lyanna MacMahon em Ter 04 Dez 2018, 13:58

Circeland
– Meninos não se esqueçam de colocar a quantidade certa de flavorizante – comentou o professor – Se colocar em excesso os cristais não vão se formar.

O professor de química apesar de jovem possuía experiência o suficiente para saber que explicação nunca era demais. A atividade, supostamente fácil, consistia na criação de cristais de açúcar no formato de pirulitos. A frente do quadro branco encostado em sua mesa o orientador exasperado ajeitava seus cabelos castanhos, no final sempre haveria um aluno que faria errado. Separados em duplas os adolescentes ocupavam as bancadas de mármore para participar da aula. Os materiais necessários encontravam-se nas prateleiras a esquerda, em frente as amplas janelas.

Aparentemente todos efetivavam a tarefa, variando o grau de atenção ou em alguns casos apenas enrolando. Na segunda mesa de trabalho vestidas com jalecos brancos duas meninas concentravam-se no exercício, uma com mais eficiência do que a outra. Lyn prendeu seu cabelo ruivo em um rabo de cavalo para não atrapalhar seu foco nos vitrais. Seu béquer guardava um líquido esverdeado e calmamente ela pingava a essência de limão. Ao seu lado Ally* também estava com suas madeixas negras presas, menos compenetrada colocando os ingredientes de forma desleixada na solução rosa.

– Você ainda não me respondeu – a morena comentou – Você vai ou não ao parque? – após ser ignorada virou-se para amiga – Vamos! A apresentação vai ser maravilhosa.

– Por que não convida a Alex para isso? – perguntou sem desviar os olhos do conta-gotas.

– Eu já a convidei e ela aceitou. Só falta você aceitar. É uma apresentação de jazz no auditório municipal, vai ser incrível.

Antes que a filha de Melinoe replicasse foi interrompida pelo professor que pedia para todos levaram suas experiências para o ultra congelador. Ela sabia que a colega errará, levou o béquer rosa a chama, adicionou algumas gotas de corante e essência de morango, mais algumas colheres de açúcar e estaria pronta.

– Não sei, é perigoso. Três semideusas... – sussurrou para que apenas a outra ouvisse.

– Sem essa! Qualquer coisa nós levamos armas – a morena seguiu a ruiva para o fundo com as soluções – Sério, vai tocar aquele saxofonista que você gosta – aguardou um pouco, mas sabia que não adiantaria pressiona-la – Okay. Você que sabe. Seria demais se você fosse. Vou ao banheiro.

De volta ao seu lugar sem a presença da filha de Afrodite, Lyn ficou em silêncio ponderando sobre o assunto enquanto organizava os materiais. Com tudo em seu devido lugar sentou-se para aguardar o tempo necessário para o fim do experimento. Nos lugares atrás dela duas meninas conversavam empolgadamente. No início tentou ignorar o diálogo mas com o passar dos segundos os sons ficaram mais ruidosos e difíceis de não ouvir.

– É fantástico! Ela adivinha qualquer coisa – a primeira comentou.

– Eu não entendi. Ela é uma cigana? – a outra questionou.

– Minha prima disse que não. Ela falou que é uma vidente com um grupo de mágicos – explicou – Totalmente composto por mulheres. Ninguém entendeu os truques, alguns comentaram inclusive que era magia de verdade e todas eram bruxas. Elas não cobram nada para assistir ou se consultar. Parece que estão aguardando...

Nesse momento Ally retornou interrompendo a espionagem da ruiva, mas ela já ouviu o suficiente. Ela iria para o parque Armstrong mas não seria pelo jazz.

###

A filha de Melinoe descia a rua Rampart em direção a entrada principal. Ainda com o uniforme escolar, uma saia rodada xadrez preto e cinza, camisa social branca, gravata borboleta amarela e um blazer negro com detalhes amarelados. O que a diferenciava das demais estudantes eram seus acessórios, uma corrente de bronze sagrado enrolada como um cinto e uma adaga embainhada na parte interior do casaco. Suas madeixas ruivas em conjunto com o pirulito esverdeado a deixavam inocente e sexy ao mesmo tempo.

Próximo ao arco de entrada um bom número de pessoas se aglomeravam, algumas apenas conversando entre si, outras circulavam por todas as direções. No canto esquerdo um homem de meia idade abordava os outros oferecendo algum produto.  O vendedor de colete azul se aproximou, deixando sua calvície ainda mais evidente.

– Você minha jovem, vai querer um ingresso para o show? – ofertou.

– Na verdade –forçou o melhor sorriso possível, mas esse não era seu forte – Eu gostaria de saber aonde está a vidente.

– Essas menininhas – comentou ofendido – Nunca se preocupam com cultura de verdade. Só querem saber de futuros namorados – mirando-a dos pés a cabeça– Direi onde é por trinta dólares.

A semideusa nem se deu ao trabalho de responder, o primeira comentário já a irritou o suficiente, o sujeito possuía sorte por Lyn ainda não controlar perfeitamente seus poderes. Fora que não pagaria por algo que ela mesma poderia fazer. Após caminhar por certo tempo dentro do parque notou um forte movimento em direção a praça do Congo. Não se surpreendeu ao notar uma pequena multidão circulando um grupo de garotas que apresentavam um truque envolvendo transformação de objetos. Mais ao canto pessoas formavam um semicírculo em volta de uma simples tenda púrpura. Lyn sabia que aquele era local, então se aproximou no exato momento em que uma mulher, aparentemente abalada, saía por entre as cortinas.

Segundos após outra mulher retirou-se mas essa era diferente. Ela era alta e exibia um bronzeado perfeito. Os longos cabelos negros estavam trançados com o que parecia fios de ouro. Nos braços e dedos pulseiras e anéis reluziam combinando de forma elegante com o longo vestido escarlate. Passeando os encantadores olhos lilases pela aglomeração ela demonstrava procurar por algo ou alguém. O coração da filha de Melinoe saltou uma batida ao notar que a figura gesticulava para que a seguisse para dentro. Sem perceber seus pés a levaram para o interior, a tenda possuía apenas uma mesa de madeira negra ladeada por duas cadeiras com estofado vermelho.

– Sente-se minha criança. Está na hora de começarmos.

A semideusa somente acatou a ordem sentando a frente da mulher. A esfera de cristal que repousava entre as duas passou a cintilar em tons púrpuras.


Adendos:

Poderes:
Nenhum
Armas:
{Half Blood} / Adaga Comum [Adaga simples feita de bronze sagrado, curta e de duplo corte. A lâmina possui 8cm de largura, afinando-se ligeiramente até o comprimento, que chega a 20cm. Não possui guarda de mão e o cabo é de madeira revestido com couro, para uma empunhadura mais confortável; acompanha bainha de couro simples.] {Madeira, couro e bronze sagrado} (Nível mínimo: 1) {Não controla nenhum elemento} [Recebimento: Item de Reclamação]

{Nome} / Corrente com cravos [Corrente metálica com 4m de comprimento, possui cravos em toda sua extensão. Exige certa perícia para seu uso, mas um combatente habilidoso possui enormes vantagens, já que ela privilegia tanto a força quanto a destreza. É uma arma pesada, que requer o uso de ambas as mãos para o manuseio adequado, mas seu dano é tanto contusivo quanto perfurante, e é versátil devido à grande quantidade de manobras e alcance, que varia de corpo a corpo a médio, de acordo com o movimento.] {Bronze sagrado}(Nível mínimo: 3 para filhos de Héracles, Ares e Centauros; 2 para filhos de Nyx e Melinoe; 5 para os demais) {Não controla nenhum elemento}
Obs:
Ally é um personagem importante na trama assim como Alex.
Eu tentei não me prolongar demais, para não ficar maçante.

Macumbeiras



Lyanna MacMahon
Lyanna MacMahon
Filhos de Melinoe
Mensagens :
12

Localização :
New Orleans, French Quarter

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: {Circeland} — Missão Narrada para Lyanna MacMahon

Mensagem por 151 - ExStaff em Qui 13 Dez 2018, 10:33


Circeland



A cartomante sorriu para a semideusa e então pegou um baralho de tarot, embaralhando-o e jogando em cima da mesa seis cartas aleatórias. A bola de cristal ainda brilhava, mesmo que de fato a mulher não fosse utilizá-la.

— Antes de começarmos, você gostaria de ouvir uma história? — ela perguntou enquanto embaralhava as cartas. — Era uma vez algo que me pertencia. Uma linda corrente feita em prata, com um pingente de pentagrama em sua ponta.

A cartomante depositou as cartas na mesa, enquanto continuava a falar e Lyanna se perguntava o motivo de ela estar falando aquilo. Por quê? E o que significava?

— Um semideus, assim como você, encantou uma de minhas seguidoras para me tirar aquilo. E eu quero de volta. — como se o dia tivesse escurecido, a aura da mulher parecia ter vida própria, exalando ódio e ressentimento. O brilho da bola de cristal tornou-se mais intenso, como se aquilo indicasse a raiva da cartomante. — Sou Circe, criança, e preciso de um favor.



Pontos a serem Considerados
— Narre o citado acima na visão de sua personagem. Sentimentos, ações e reações detalhadas são bem vinda.
— Circe lhe dirá que a última notícia que teve de sua seguidora foi no Quarter Francês, por isso estava em New Orleans. Ela não lhe dirá o local exato, pois lhe dirá apenas isso "Muitas pessoas passam pelo Quarter Francês, mas não sei quantas passam pelo sagrado. Nem todos acreditam nele mesmo". Então ela pedirá para agir depressa pois está com um mau pressentimento.
— O objetivo deste post é você descobrir onde a garota foi vista pela última vez antes de simplesmente sumir. Finalize seu post indo até o local quando descobrir.


Ademais
— Prazo de entrega 22/12/2018, 10:33, horário de Brasília.
— Poderes e armas em spoiler no final da narração.
— Peço, por gentileza, para não usar templates muito estreitos, com cores cegantes ou letras pequenas - sou meio cega ;-;
— Quaisquer dúvidas pode me contatar via MP ou chatbox;
— Peço desculpas pela demora, mas tive problemas familiares e não consegui logar para lhe avisar. Isso não se repetirá, pode ter certeza;
— Boa sorte.





151 - ExStaff
151 - ExStaff
Deuses
Mensagens :
144

Localização :
Mundo Inferior

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: {Circeland} — Missão Narrada para Lyanna MacMahon

Mensagem por Lyanna MacMahon em Ter 18 Dez 2018, 22:30

Circeland
As duas figuras se encaravam fixamente. Verde no lilás. No espaço que as separavam a esfera de cristal cintilava em tons púrpuros iluminando a face de ambas. Lyn prendia sua respiração, apesar da feição neutra sua mente era uma mistura de curiosidade e apreensão. A vidente exibia uma confiança inabalável, que ficou ainda mais visível após seu sorriso estonteante. De algum lugar que passou despercebido pela semideusa a mulher retirou um baralho de tarô. Após embaralhar separou seis cartas e as colocou lentamente sobre a mesa enquanto proferia:

– Antes de começarmos, você gostaria de ouvir uma história? – sem dar tempo a uma réplica continuou – Era uma vez algo que me pertencia. Uma linda corrente de prata com um pentagrama em sua ponta – três cartas foram reveladas pouco a pouco mas a ruiva não conseguia as distinguir – Um semideus, assim como você, encantou uma de minhas seguidoras para rouba-lo. E eu quero de volta – todos os pelos de seu corpo arrepiaram quando o cristal intensificou seu brilho – Sou Circe criança, e preciso de um favor.

”Essa é a hora”, pensou.

Era de conhecimento geral dos semideuses que nenhum deus pedia favores, eles apenas ordenavam de um modo gentil. Os filhos funcionavam como meros peões em um jogo muito maior. Muitos teriam ficado apavorados, mas a filha de Melinoe era diferente. Ela estava com medo mas sua ambição era maior que esse vago sentimento. Raramente uma bruxa recebia a chance de encontrar uma deusa da magia, se tudo ocorresse corretamente a menina poderia cair nas graças da divindade. Respirando fundo arrumou sua postura e exibiu um sorriso verdadeiro.

– Diga-me senhora. Eu farei o que desejar – comentou com a voz mais firme possível, recebendo um sorriso da outra.

– Corajosa e ambiciosa – avaliou a menina – Não sou uma mãe coruja, mas sempre fico com um olho nas minhas pupilas – Circe revelou mais duas cartas que novamente não foram vistas pela garota – A última visão que recebi a respeito da minha feiticeira foi no bairro francês. Entre aquela quantidade enorme de mortais – Lyn abriu a boca para perguntar o local mas foi interrompida – Minhas visões não são como um GPS. Muitos passam por esse lugar, mas não sei quantos vão ao sagrado. Afinal nem todos acreditam... – a mulher parou de falar ao revelar a última carta, um esqueleto armado com uma lança sobre um mar negro repleto de ossos – Vá logo! Estou com um mau pressentimento. Vá!

MacMahon levantou-se rapidamente e se retirou da tenda, ela era corajosa mas não louca para desobedecer a ordem de uma deusa. Ao sair notou os olhos curiosos das seguida sobre si e se arrepiou ainda mais com essa curiosidade mórbida.  “Foco! Essa é sua chance. Seu coven precisa que você seja forte. O que ela realmente falou?”, refletiu. Rapidamente caminhou até a saída do parque e saiu em direção ao bairro. No caminho sua mente repassou cada palavra proferida naquela tenda, na intenção de descobrir alguma pista. “Poucos vão ao sagrado... Sagrado no French Quarter?... A catedral!”, era um chute mas Lyn conhecia aquelas ruas e sabia que aquele era o local sagrado mais conhecido da região. Localizada na praça Jackson a Catedral de St. Louis é um grande marco religioso.

Mudou o caminho para ir na direção do monumento. Abrindo o blazer retirou do bolso interno um laço negro e arrumou sua bainha para que pudesse sacar a arma com rapidez. Prendeu suas madeixas escarlates em um rabo de cavalo e ajeitou o pirulito no canto esquerdo da boca. Após se organizar acelerou os passos para seu destino. Ela salvaria a feiticeira, recuperaria o colar e derrotaria o ladrão. A ajuda de Circe seria crucial para sua jornada e ela lutaria bravamente para conseguir o necessário. Seus lábios se alongaram em um sorriso ao avistar a praça, hoje a noite seria divertida.


Adendos:

Poderes:
Nenhum
Armas:
{Half Blood} / Adaga Comum [Adaga simples feita de bronze sagrado, curta e de duplo corte. A lâmina possui 8cm de largura, afinando-se ligeiramente até o comprimento, que chega a 20cm. Não possui guarda de mão e o cabo é de madeira revestido com couro, para uma empunhadura mais confortável; acompanha bainha de couro simples.] {Madeira, couro e bronze sagrado} (Nível mínimo: 1) {Não controla nenhum elemento} [Recebimento: Item de Reclamação]

{Nome} / Corrente com cravos [Corrente metálica com 4m de comprimento, possui cravos em toda sua extensão. Exige certa perícia para seu uso, mas um combatente habilidoso possui enormes vantagens, já que ela privilegia tanto a força quanto a destreza. É uma arma pesada, que requer o uso de ambas as mãos para o manuseio adequado, mas seu dano é tanto contusivo quanto perfurante, e é versátil devido à grande quantidade de manobras e alcance, que varia de corpo a corpo a médio, de acordo com o movimento.] {Bronze sagrado}(Nível mínimo: 3 para filhos de Héracles, Ares e Centauros; 2 para filhos de Nyx e Melinoe; 5 para os demais) {Não controla nenhum elemento}
Obs:
Pensamento
Falas
Eu acredito que pela pista a catedral seja o local.
Tudo bem em relação ao atraso, ouvi suas justificativas e desejo boas vibrações.

Macumbeiras



Lyanna MacMahon
Lyanna MacMahon
Filhos de Melinoe
Mensagens :
12

Localização :
New Orleans, French Quarter

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: {Circeland} — Missão Narrada para Lyanna MacMahon

Mensagem por Conteúdo patrocinado

Conteúdo patrocinado

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum