Percy Jackson e os Olimpianos RPG BR
Bem vindo ao maior fórum de RPG de Percy Jackson do Brasil.

Já possui conta? Faça o LOGIN.
Não possui ainda? Registre-se e experimente a vida de meio-sangue.

Atividade extra: Hipismo

Página 6 de 6 Anterior  1, 2, 3, 4, 5, 6

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Atividade extra: Hipismo

Mensagem por ♦ Eos em Sex 14 Fev 2014, 23:21

Relembrando a primeira mensagem :





- - - - - - - - - - - - - - - - - Hipismo


Spoiler:

O local é amplo, com várias pistas divididas de acordo com a atividade. Todas possuem um cercado branco, relativamente alto, para evitar a fuga dos cavalos, apesar que a maioria dos animais possuem um bom temperamento.

Pistas iniciais:
Feitas para quem está iniciando, são apenas um grande espaço oval, mais voltado para o ensino das ações básicas, como colocar e verificar os equipamentos, montar e a cavalgada, do passo leve ao trote.

Pistas de salto: Este percursos possui obstáculos de alturas variadas, para o treino de salto. A altura dos obstáculos e sua frequência variam com o nível de experiência, e é ajustável - apenas a base é fixa, mas os níveis de  altura das cancelas podem ser regulados.

Pistas de tambor: O espaço é semelhante ao das pistas iniciais, mas com tambores diversos posicionados. O objetivo é fazer o percurso e suas curvas no menor período de tempo. Também pode ser usado apenas para treinar curvas, nesse caso adotando um ritmo de cavalgada mais leve.

Pistas mistas: Misturam obstáculos de salto e tambores, mas são indicados apenas para cavaleiros mais experientes.

As pistas comuns podem ser usados por pégasos, no caso dos treinos iniciais. Contudo, também há um espaço exclusivo a eles, mas com atividades adaptadas - no caso, estruturas de sustentação para tambores e postes finos, com bandeirolas, que devem ser apanhadas pelo cavaleiro, em treinos de equilíbrio e manobras, ou estruturas com objetos móveis, para treinos onde a velocidade da reação e estabilidade afetem as ações, e uma área de uso exclusivo para treino de pouso.

Os instrutores estão sempre presentes: Louise, uma filha de Afrodite, e John, filho de Íris, além de outros instrutores voluntários, mas que auxiliam no básico.

- - - - - - - - - - - Observações


A descrição aqui visa dar uma base interpretativa na hora de descrever a realização do trabalho;

NPCs podem ser utilizados livremente e outros semideuses além do instrutor também podem frequentar livremente o local - apenas seja coerente;

A postagem no hipismo rende apenas xp, seguindo o sistema de avaliação da arena. Pode-se postar uma vez por atualização.

Flood não é permitido. Só serão consideradas postagens com mais de 5 linhas em fonte arial ou times tamanho 12 com margem normal, no Word. Templates e tables são aceitos, mas o tamanho da postagem será verificado para ver se o conteúdo se adequa ao disposto.


Créditos aos idealizadores do local e antigos deuses do PJBR. Novas descrições criadas por mim.





SHINJI @ OPS!
♦ Eos
avatar
Administradores
Mensagens :
1393

Voltar ao Topo Ir em baixo


Re: Atividade extra: Hipismo

Mensagem por Odollam Cerberin em Dom 18 Jun 2017, 19:48

aprendendo a cair


O sol do meio dia dava lugar a um céu coberto por nuvens, contudo, o clima ainda continuava ameno. Eram aproximadamente três horas da tarde, Odollam se encontrava na entrada da área de Hipismo debruçado sobre uma das divisas. Seu semblante esboçava claramente sua hesitação em entrar no local, visto que apesar de gostar de cavalos, este não jamais chegou próximo de um. Cerberin ficou ali por alguns minutos, até que foi abordado por um jovem semideus.

— E aí, com medo? — questionou o desconhecido, percebia-se um tom de desafio na fala do rapaz.

— Claro que não, apenas esperando o momento ideal. — respondeu Cerberin enquanto seu semblante ficava ligeiramente corado.

— Pois então, você é o sortudo da vez! Sou John, o instrutor. — apresentou-se o filho de Íris, acrescentando —  Siga-me, vou fazer a coisa ficar fácil.

Sem que houvesse tempo de resposta, o instrutor já se encontrava próximo aos estábulos. Odollam suspirou e acompanhou o semideus sem sequer reclamar, uma vez que o filho de Perséfone estava ali para isso, ele precisava aprender tudo que pudesse naquele acampamento. O ruivo ao aproximar-se de John parou quando viu centenas de equipamentos que nem ao menos sabia o nome, deixando transparecer em sua feição uma certa preocupação.

— Relaxa, cara! Vai ser tranquilo — disse John, deixando escapar um riso abafado.

— Não estou muito certo disso. — respondeu o jovem de pele pálida ainda mais preocupado.

O instrutor então se aproximou de Odollam, auxiliando-o a colocar os equipamentos de segurança enquanto ele observava atentamente o passo a passo. Os utensílios iam de tornozeleira até capacete extremamente apertado, uma vez que as orelhas do ruivo não encaixavam de forma ideal. Após propriamente equipado, John joga uma sela para Cerberin, o qual pegou de forma desajeitada. Ambos então seguiram à pista um, a pista dos iniciantes.

— Como é a sua primeira vez, estou te dando uma forcinha. Na próxima você tenta se equipar sozinho e pode chamar qualquer instrutor para checar, beleza? — informou John.

— Certo. — respondeu o ruivo, questionando em seguida — Vai me ajudar a colocar a sela, não é mesmo?

— Obviamente. — disse o instrutor, dessa vez não conseguindo conter sua risada.

Havia apenas um cavalo no espaço oval, este tinha uma pelagem marrom e uma crina negra. O animal foi chamado para próximo dos semideuses assim que o filho de Íris assobiou, aquele ato demonstrava claramente o treino que o garanhão recebera.

— Esse será seu companheiro de hoje, ele atende por Tullister. Antes de tudo você precisa ter o contato com o animal, então vá em frente. — ensinou o instrutor, gesticulando para o jovem aproximar-se do cavalo.

— Olá Tullister! — exclamou Cerberin, tentando uma aproximação.

Assim que o ruivo tentou se aproximar esticando sua mão, o cavalo inclinou suas patas dianteiras fazendo com que ele tropeçasse no instante em que tentou um recuo. No chão, o semblante de Cerberin agora estava pior, era nítida sua vontade de desistir de tentar montar naquele animal. O instrutor, experiente, assim que leu a feição do rapaz, esticou sua mão ajudando-o a levantar-se. John então o chamou para o canto, um lugar onde o cavalo não pudesse escuta-los, de sua mochila tirou uma maçã a qual ofereceu para Odollam.

— É normal isso acontecer, não se preocupe. Tullister ama maçãs, se não pode vencê-lo, compre-o. — sugeriu John, entregando a maçã nas mãos do ruivo.

— Acho que estou mudando de ideia sobre cavalgar. — admitiu o filho de Perséfone.

— De maneira alguma, vai desapontar a platéia? — questionou o filho de Íris, apontando para Louise, outra instrutora.

Corado, ignorando a garota que estava observando-o distante, Odollam aproximou-se novamente de Tullister. O cavalo estava batendo no chão sua ferradura direita na medida em que o semideus chegava próximo, até que a ação foi pausada no momento em que o animal viu a maçã. Quieto, o garanhão parecia aguardar a próxima ação do filho de Perséfone, que ao chegar numa distância segura, esticou a mão próximo a boca do animal. Em apenas uma abocanhada o cavalo devorou metade da maçã que, em segundos, foi devorada por completo numa segunda abocanhada. Em agradecimento, o garanhão encostou seu focinho gélido no rosto de Cerberin, relinchando em sinal de felicidade.

— Viu só? Eu disse. Eu conheço esse grandão não é de hoje. — disse John, enquanto colocava sem dificuldade as rédeas em Tullister.

— É, agora ele parece bastante contente. — respondeu o ruivo, limpando parte de seu rosto marcado por coriza de cavalo.

— Terminei, vou ajuda-lo a subir agora. — disse o instrutor assim que terminou de fixar a sela.

O semblante do filho de Perséfone não havia mudado, esboçava uma preocupação perturbadora. Felizmente o ruivo possuía altura suficiente para subir na sela, precisando apenas de um apoio nos ombros do instrutor e auxílio do estribo. Montado sobre Tullister, o jovem começava a perder um pouco da hesitação, visto que ele sequer imaginou que conseguiria estar ali. John estava segurando as rédeas e após checar que Cerberin estava seguro, começou a andar. O percurso era simples, fizeram uma volta oval completa até o ponto de partida.

— Tranquilo, né? — indagou John, sorrindo.

— Mais fácil do que imaginei. — admitiu Odollam, soltando o ar que prendia a cada trote do cavalo.

— Pegue, tente sozinho. — disse o instrutor, entregando as rédeas para o semideus.

— Engraçadinho, como eu controlo isso? — indagou o filho de Perséfone, olhando para as rédeas.

— Bem lembrado, vamos lá, primeiro de tudo deixe seus calcanhares leves, você é iniciante e não quer que ele corra. Deixe as rédeas folgadas, jamais as puxe de vez. Para ele andar, toque-o suavemente com o calcanhar e para para-lo puxe suavemente as rédeas para si. — instruiu John.

Ouvindo atentamente cada palavra do instrutor, o ruivo permanecia quieto. Embora houvesse bastante informação, o jovem de pele pálida absorveu as instruções como se estivesse lendo um livro de botânica, ou ele achava que absorvera. Batendo suavemente o calcanhar na lateral de Tullister, ele começou a se locomover em linha reta. O semideus ainda prendia a respiração a cada passada que o garanhão dava, contudo, sua confiança havia aumentado.

Assim que percebeu seu sucesso, Cerberin não conteve sua alegria, respirando de forma aliviada e dando um pequeno pulo de forma involuntária sobre a sela. Erro de principiante, a ação involuntária fez com que seu calcanhar batesse ligeiramente forte na lateral de Tullister que, imediatamente, começou a correr. O coração de Cerberin acelerou, tudo que havia aprendido sumiu de sua mente, enquanto John gritava algo sobre as rédeas. Em um ato de desespero, o filho de Perséfone puxou de forma brusca as rédeas para si fazendo com que o cavalo erguesse suas patas dianteiras, derrubando-o.

Felizmente seus pés não ficaram preso nos estribos e o cavalo ficou parado assim que ouviu o assobio de John. O instrutor correu até o semideus que estava no chão, Cerberin aparentemente estava bem, talvez com a sua região traseira um pouco dolorida. Com a ajuda de John o ruivo levantou-se, limpou-se e olhou à sua volta procurando por alguém, o que para seu alívio não encontrara.

— Ela foi embora. — disse John como se estivesse lendo a mente do garoto.

— Bah, você disse que montar seria fácil. — resmungou Odollam.

— Mas é, só precisa de mais prática. — concordou o filho de Íris, consolando-o em seguida — Se você não caísse aí que eu ia achar estranho, a maioria dos campistas aqui caem da mesma forma que você caiu.

O filho de Perséfone ficou ali conversando com John por algum tempo, até que se despediu. Durante a conversa o instrutor fez Cerberin prometer que voltaria novamente ao local, argumentando de forma eufórica o quanto hipismo seria necessário na sua vida como um semideus. Ele havia respondido que sim, mas o tom duvidoso era explícito em sua fala.





Odollam Cerberin
avatar
Filhos de Perséfone
Mensagens :
5

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Atividade extra: Hipismo

Mensagem por Lavínia Cavendish em Seg 26 Jun 2017, 10:42



Avaliação


Odollam Cerberin

Olá moço! Primeiramente peço desculpas pela demora na sua avaliação, mas cá estamos. Eu gostei bastante do seu texto e achei bem coerente para um primeiro treino do personagem, você conseguiu desenvolver um relacionamento legal do meio-sangue com os demais e ambientou de forma correta. Não encontrei grandes erros de coerência ou ortografia, achei muito objetivo e cumpriu com o proposto de forma excelente. Espero poder ver mais do seu personagem pelo fórum. Parabéns!

Coerência: 50/50 XP
Coesão, estrutura e fluidez: 25/25XP
Objetividade e adequação à proposta: 15/15 XP
Ortografia e organização: 10/10 XP

Total: 100 XP

Dúvidas, reclamações, desabafos: MP
© lavínia cavendish


Lavínia Cavendish
avatar
Líder dos Mentalistas
Mensagens :
442

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Atividade extra: Hipismo

Mensagem por Psiquê em Qua 28 Jun 2017, 11:10




Atualizado!




How fickle my heart and how woozy my eyes, I struggle to find any truth in your lies. And now my heart stumbles on things I don't know, my weakness I feel I must finally show. Lend me your hand and we'll conquer them all but lend me your heart and I'll just let you fall, lend me your eyes I can change what you see, but your soul you must keep totally free
Psiquê
avatar
Administradores
Mensagens :
970

Localização :
Castelo maravilhoso do Eros

Voltar ao Topo Ir em baixo

Hipismo do Nap

Mensagem por Napoleon Cruz em Qui 23 Nov 2017, 03:03




ACORDEI ÀS SETE DA MANHÃ embora apenas meu corpo tenha despertado e minha mente tenha continuado parcialmente adormecida. O corpo pode se acostumar, mas meu espírito ainda é livre..., pensei enquanto esfregava violentamente os olhos.
Vesti uma camiseta amarrotada que encontrei no pé da minha beliche; era no mínimo três tamanhos maior que o meu e o laranja do acampamento dava impressão que eu estava vestindo um paraquedas recém usado. Não era minha camiseta.

– Alguém viu minha camiseta? Hein?! Alguém?... – ninguém nunca confessa nada no Chalé 11.

Com bermuda e tênis de caminhada completei minha vestimenta e saí para tomar café no campo de morangos. Não posso cavalgar de estômago cheio, pensei. Com isso em mente fui roubar as tais frutas para comer uma refeição muito mais leve que a ideal (que para mim seriam muitos ovos, panquecas e bacon). De lá fui direto para a pista de hipismo.

Ronald estava lá inspecionando os arreios de uma égua malhada como fazia diariamente naquele horário e eu fui até ele para cumprir o combinado na noite anterior. Resumindo a história: alguém roubou dos varais o suéter de bolinhas que a avó mortal de Ronald havia tricotado para ele. Ele veio até um filho de Hermes perguntar e... bem... digamos que eu conheço um cara que conhece um cara que rouba roupas estranhas pra revender aos brechós... digamos que ele mora no meu Chalé.
Devolvi o suéter esquisito para Ronald e em troca ele prometeu me introduzir ao hipismo, o que me interessou bastante. Como filho de Hermes gosto bastante de correr porque me destaco nisso, mas fiquei sabendo que as garotas adoram homens que sabem cavalgar e resolvi dar uma chance.

– Nappie! Achei que não fosse aparecer!... – exclamou Ronald quando finalmente notou minha presença.
– O nome é Napoleon, Ronald.
– Me chame de Ronnie, todo mundo me chama assim.
– Eu não sou todo mundo, Ronald. – ao cuspir no chão sentenciei o fim da conversa.

Ronnie pegou as rédeas e levou a égua do estábulo até a pista dos iniciantes. Sem falar nada aguardou até que eu subisse na égua e eu assim o fiz, imitando o que vi nos filmes de velho oeste: corri vindo da parte traseira da égua e saltei para a cela usando minhas mãos como impulso no quadro traseiro do animal. Infelizmente eu não era o Clint Eastwood e assim que atingi a cela fui atirado para frente pela Lei da Inércia.
Atingi o chão mais rápido do que achei possível e enchi minha camisa extra larga de areia. Havia areia até na minha boca e por isso quando fui questionar o instrutor Ronnie a voz não soou tão intimidadora quanto eu esperava.

– Fonnie, porfê nhão funfionô? – (Ronnie, por que não funcionou?)
Primeiro houveram risadas durante dois minutos, depois a resposta:
– Por Íris! Nossa, Nap, isso foi doido! Nossa! – ele imitou com mímica as fisionomias que eu fiz e tive que rir, porque havia sido engraçado.
– Cara, eu sempre vi isso nos filmes, achei que ia ser moleza imitar...
– Tem que começar do básico. Coloca o pé no estribo, passa a perna por cima e coloca o outro pé no estribo. Não no mesmo estribo, o estribo do lado de lá.

Lentamente eu fiz conforme explicado e então cutuquei a barriga do animal com o calcanhar para que ele se mexesse. Foi um toque tão suave que a égua pareceu reconsiderar se andaria ou não, mas os incentivos de Ronnie a colocaram em movimento. Andei um pouco em círculos aprendendo intuitivamente os comandos da rédea até considerar que estava pronto para praticar o trote.
Imprimi um toque mais rude com o par de calcanhares e relaxei mais as rédeas, fazendo com que a égua acelerasse seu ritmo até um trote suave. Cumpri o circuito da pista inicial e repeti o processo várias vezes até retornar para o instrutor Ronald.

– Em uma semana eu viro um cowboy! Sou muito bom nisso...
– Menos, cara. Você no máximo serve pra palhaço de rodeio.
– Você é bem engraçadinho pra um cara que usa suéter de bolinha, hein Ronnie.

Demos algumas risadas e conversamos pelos próximos dez minutos antes de eu resolver dar uma última volta no circuito e retornar ao Chalé 11. Me despedi de Ronnie com a certeza que iria retornar em breve.


napoleon cruz





Napoleon Cruz
avatar
Filhos de Hermes
Mensagens :
3

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Atividade extra: Hipismo

Mensagem por Alaric L. Morningstar em Qui 23 Nov 2017, 03:20

AVALIAÇÃO
Hipismo

Napoleon Cruz

Você conseguiu desenvolver um personagem interessante, misturado a uma narração um tanto cômica e que evidencia o estilo do Napoleon, eu gosto disso (e já disse na sua ficha de reclamação). Foi um texto bacana de se ler, coerente, coeso e sem erros ortográficos. Apenas ressalto o que já havia lhe dito e percebi aqui: tente descrever as coisas mais um pouco. Não precisa sair uma Bíblia e nem tanta encheção de linguiça; mas evita fazer algo simples e curto demais, entende? Mas ainda assim, admito que foi um bom treino com um background bacana.

Coerência: 50/50
Coesão, estrutura e fluidez: 25/25
Objetividade e adequação à proposta: 10/15
Ortografia e organização: 10/10

Total: 95 XP

Alaric L. Morningstar
avatar
Líder dos Feiticeiros
Mensagens :
1008

Localização :
Hollywood Hills, LA.

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Atividade extra: Hipismo

Mensagem por Conteúdo patrocinado

Conteúdo patrocinado

Voltar ao Topo Ir em baixo

Página 6 de 6 Anterior  1, 2, 3, 4, 5, 6

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum