Percy Jackson e os Olimpianos RPG BR
Bem vindo ao maior fórum de RPG de Percy Jackson do Brasil.

Já possui conta? Faça o LOGIN.
Não possui ainda? Registre-se e experimente a vida de meio-sangue.

Ficha de Reclamação

Página 5 de 44 Anterior  1, 2, 3, 4, 5, 6 ... 24 ... 44  Seguinte

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Ficha de Reclamação

Mensagem por 108-ExStaff em Dom 09 Nov 2014, 03:49

Relembrando a primeira mensagem :


Fichas de Reclamação


Orientações


Este tópico foi criado para que o player possa ingressar na sua vida como semideus ou criatura mitológica. Esta ficha não é válida sob nenhuma hipótese para os 3 grandes (Hades, Poseidon e Zeus) devendo os interessados para estas filiações fazerem um teste específico, como consta aqui [link]. Para os demais semideuses, a avaliação é comum - o que não quer dizer que ao postar será aceito. Avaliamos na ficha os mesmos critérios que no restante do fórum, mas fichas comuns exigem uma margem menor de qualidade, mas ainda será observada a coesão, coerência, organização, ortografia e objetividade. Abaixo, a lista de deuses e criaturas disponíveis em ordem alfabética, com as devidas observações.



Deuses / Criaturas
Tipo de Avaliação
Afrodite
Comum
Apolo
Comum
Atena
Rigorosa
Ares
Comum
Centauros/ Centauras
Comum
Deimos
Comum
Deméter
Comum
Despina
Rigorosa
Dionísio
Comum
Dríades (apenas sexo feminino)
Comum
Éolo
Comum
Eos
Comum
Espíritos da Água (Naiádes, Nereidas e Tritões)
Comum
Hades
Especial (clique aqui)
Hécate
Rigorosa
Héracles
Comum
Hefesto
Comum
Hermes
Comum
Héstia
Comum
Hipnos
Comum
Íris
Comum
Melinoe
Rigorosa
Nêmesis
Rigorosa
Nix
Rigorosa
Perséfone
Rigorosa
Phobos
Comum
Poseidon
Especial (clique aqui)
Sátiros (apenas sexo masculino)
Comum
Selene
Comum
Thanatos
Comum
Zeus
Especial (clique aqui)




A ficha


A ficha é composta de algumas perguntas e o campo para o perfil físico e psicológico e a história do personagem e é a mesma seja para semideuses seja para criaturas. O personagem não é obrigado a ir para o Acampamento, mas DEVE narrar na história a descoberta de que é um semideus e sua reclamação. Os campos da ficha são:

- Por qual deus deseja ser reclamado/ qual criatura deseja ser e por quê?

- Perfil do Personagem (Características Físicas e Características Psicológicas - preferencialmente separadas)

- História do Personagem

Plágio não será tolerado e, ao ser detectado, acarretará um ban inicial de 3 dias + aviso, e reincidência acarretará em ban permanente. Plágio acarreta banimento por IP.

Aceitamos apenas histórias originais - então, ao usar um personagem criado para outro fórum não só não será reclamado como corre o risco de ser punido por plágio, caso não comprove autoria em 24h. Mesmo com a comprovação a ficha não será aceita.

Fichas com nomes inadequados não serão avaliadas a menos que avisem já ter realizado o pedido de mudança através de uma observação na ficha. As regras de nickname constam nas regras gerais no fórum.

Não é necessário a utilização de template, mas caso opte por fazê-lo, a largura mínima do texto deverá ser de 400px, preferencialmente sem barra de rolagem — caso tenha, a altura deve ter o mesmo tamanho da largura ou maior. Templates que não sigam o disposto farão a ficha ser ignorada, bem como fichas ilegíveis - utilize colorações adequadas no texto.

Lembrando que o único propósito da ficha é a reclamação do personagem. Qualquer item desejado, além da faca inicial ganha no momento de inscrição do fórum e dos presentes de reclamação (adquiridos caso a ficha seja efetivada) devem ser conseguidos in game, através de forjas, mercado, missões e/ou DIY.



  • Obs: Somente envie sua ficha UMA vez para cada avaliação. Fichas postadas seguidamente (como double-post) serão desconsideradas, reincidência acarretará em ban de 3 dias + aviso.




Tks Maay from TPO
108-ExStaff
Administradores
Mensagens :
482

Localização :
Garota, eu vou pra Califórnia. ♪

Voltar ao Topo Ir em baixo


Re: Ficha de Reclamação

Mensagem por Cameron Flames em Seg 05 Jan 2015, 01:46


Ficha de reclamação



Detalhes:
Qual deus e por quê?
Fobos, já que o vejo como um dos deuses "punks". E os poderes são bons.

Perfil do personagem:
Cabelo curto e bagunçado (essa última é uma característica muito presente nele, por sinal); seu corpo não é nenhum modelo de manequim, mas não chega a ser magricela; branco, olhos castanhos e pormenores do gênero; tem várias tatuagens, mas descrevê-las seria trabalhoso e desnecessário.

"Vida louca", embora um termo chulo, resume bastante bem Doug. Ele não é muito do tipo certinho, muito pelo contrário. Ele faz mais o tipo insano. Além de, é claro, vida louca. Tudo que faz é visando o próprio bem-estar e não se importa com o que os outros pensam. Cabeça-quente; tirá-lo do sério é muito fácil, e lidar com ele quando isso acontece é muito difícil. Seu principal hobby é fazer merda.

Como eu vim parar nesse recanto para débeis mentais? Essa é uma pergunta fácil.

Lá estava eu, sentado numa praça e fazendo qualquer coisa que não era importante. Como deve imaginar, meu cheiro de semideus atraiu monstros. Na verdade, apenas um, e o mais clichê possível: dracaena. Ela me atacou, tentou me matar e esse tipo de coisa. Para o meu azar, havia um sátiro passeando no lugar errado e na hora errada.

Depois de me "salvar" — sinceramente, eu preferia que ele não tivesse se metido —, o sátiro me contou toda a história. Eu não dei bola para ele, obviamente. Por mais que fosse verdade, eu não estava nem aí. Mas o desgraçado insistiu. Permaneci ignorando-o, seguindo o meu rumo. Então, ele me apagou e me trouxe à força.

Por que permanecer nesse recanto para débeis mentais?

Primeiro que, embora haja regras, eu nunca as sigo. Isso me deixa à vontade e faz com que eu não odeie tanto o lugar. Segundo que as garotas são umas gracinhas, e eu tenho um gosto particular pelas filhas de Ares. Elas têm fogo. E, em terceiro lugar... Ah, sei lá, a comida é boa.

E a minha reclamação, como aconteceu? Bom, foi até muito sem graça. Para não dizer broxante.

x x x

Acordei sem muita disposição. Naquele dia, eu estava com uma dor de cabeça infernal. Queria ficar na cama o dia todo, mas o chalé de Hermes não permitia. Meu desejo era explodir um por um que tagarelava tão cedo. Ah, filhos da puta.

Arrastei-me para o banheiro, lavei a cara e fiz o possível para manter-me desperto. Voltei para o dormitório, vesti outra roupa sem me importar com os olhares e os comentários e saí do chalé.

A barriga roncando era um ótimo estímulo para andar.

O refeitório encheu em pouco tempo. As mesas, algumas cheias e outras vazias, dividiam a massa de campistas por chalé. Eu ficava com os irritantes e numerosos filhos de Hermes, sem contar os outros não-reclamados.

Sentei-me numa cadeira relativamente afastada dos outros, como se transmitisse uma mensagem bem clara: "Não fale comigo". Mas havia gente que não sabia a hora de ser inconveniente.

— Que que foi? — rosnei entre uma mastigada e outra, fulminando com os olhos o garoto que tentava se aproximar. — Vaza.

Ele se tocou e se afastou.

Quando eu estava quase terminando o café-da-manhã, aconteceu.

Brotou sobre a minha cabeça um enorme outdoor vermelho-sangue. Não percebi, de início, e encarei as pessoas que, pouco a pouco, começavam a olhar para mim. Alguns murmuraram entre si, outros voltaram para os seus pratos.

— Perderam o cu aqui? — questionei, olhando em volta.

As gargalhadas estouraram, vindas da mesa de Fobos. Os semideuses de lá começaram a se cotovelar e apontar na minha direção. Isso chamou a minha atenção e finalmente percebi.

O chalé de Fobos não era de todo mal, afinal. E, de certa forma, eu me encaixava nele. Só não sabia que arrumaria tanta briga futuramente. Ah, mas isso é história para outra hora.
Cameron Flames
Indefinido
Mensagens :
2

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Ficha de Reclamação

Mensagem por 117-ExStaff em Seg 05 Jan 2015, 13:09


Avaliação
ficha de reclamação

Min Duchamps - Não reclamada: Simplesmente adorei sua ficha. Gostei muito da forma como narra e também achei sua história bastante original. Contudo, como em sua ficha anterior, você não cumpriu um ponto obrigatório: não narrou a descoberta de sua personagem como filha de Íris. Pode dizer que alguém contou ou até mesmo que um arco-íris surgiu sobre a cabeça de sua personagem e coisas do tipo, mas a descoberta de seu pai/mãe divino é algo crucial na ficha. Tente novamente, acrescentando esse detalhe, e você conseguirá.

Doug Krueger - Não reclamado: Não encontrei nenhum erro de português em seu texto, mas sua história ficou muito curta e corrida, sem detalhe algum, sendo esse um dos principais motivos para sua reprovação. Melhore também a descrição das características físicas e psicológicas de seu personagem, bem como o motivo de querer ser filho de Phobos, e então volte a postar sua ficha.

Dúvidas ou reclamações, mande uma MP.
117-ExStaff
Administradores
Mensagens :
698

Localização :
Em uma tenda perto de você

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Ficha de Reclamação

Mensagem por Natsya Nickolaevna em Seg 05 Jan 2015, 15:02

Por qual deus deseja ser reclamado e por quê?: Phobos, deus do medo. Particularmente possuo certa admiração especial por tal divindade pois age em uma das áreas mais interessantes do psicológico humano. Fora isso, é o deus que acredito se encaixar melhor na trama da minha personagem, que é conhecida pelos maiores chefes do tráfico como A Menina sem Medo.

Perfil do Personagem: Características Psicológicas: Falar sobre como funciona minha mente é um tanto difícil, porque independente de como eu lhe explique eu não dou a mínima para o que você vai achar. Se eu quiser ser gentil com você, eu serei, mas não ligo se irá retribuir. Se eu quiser ser um pouco malvada com você, eu serei, e não me importo nem um pouco se irá se cobrar ou sair chorando. Sou muito boa com mentiras, então não se iluda se achar que é meu amigo ou inimigo. Aliás, pode se iludir sim. Eu não dou a mínima para você. Muitas pessoas me odeiam, e com certeza é porque eu as ignoro. Mas há uma verdade oculta, no lugar mais profundo, sombrio e obscuro do meu coração: eu tenho medo da morte. Nunca demonstrei medo ou emoção alguma depois que minha mãe morreu. Ver o sangue escorrer do centro de sua testa direto em minhas mãos foi um trauma grande o suficiente para que eu passasse a tomar cuidado ao sair na rua. Medo, eu tenho muito medo, e isso é irônico se for ver minha ascendência divina. O importante é que meu medo me protegeu durante vários anos. Impediu que tivesse uma bala cravada na cabeça, como minha mãe. Mas tudo bem. Não me importo com o medo. Aliás, não me importo com nada, muito menos com a sua conclusão baseada no que acabei de relatar. Afinal, isso é apenas o que eu quero que você pense sobre mim.

Características Físicas: Falar sobre minha aparência já é um pouco mais fácil. Só olhar-me no espelho e descrever o que vejo. Mas, sem mais delongas, tenho cabelos castanhos lisos e compridos. Meus olhos são da mesma tonalidade, porém, um pouco mais claros talvez. Devo ter aproximadamente 1,68 de altura, e meu peso deve estar entre 60 e 65 quilos. Nunca liguei muito para minha aparência. Dificilmente uso maquiagem como maioria das garotas, mas de vez em quando minha meia-irmã dá um jeito e convence-me a pintar a cara. Meu corpo, posso dizer, que até que não é feio. Até que estou em forma, se considerar que não faço dietas ou controlo minha alimentação. Não chego a ter a pele escura, mas não sou nenhum tipo de branquela. Possuo duas tatuagens em meu corpo e várias cicatrizes. A primeira tatuagem que me obrigaram a fazer foi uma folha de maconha, no antebraço direito, com a palavra "Traffic" em baixo. A segunda, que fui apenas 90% forçada, na nuca, escrito em letras padrões pequenas "Princesa do Tráfico". Quanto as cicatrizes, não há nenhuma marcante, apenas vários cortes em minhas costas - devido a várias sessões de chicotadas -, marcas de cinco tiros espalhados pelas duas pernas e uma marca de queimadura com formato de folha de maconha em meu punho - como se já não bastasse as tatuagens, meu padrasto queria deixar claro que eu fazia parte da gangue dele.

História do Personagem: Eu estaria me sentindo desconfortável se já não estivesse acostumada como situações como essa. Estou acorrentada pelos dois tornozelos e algemada. No início eu tentaria fugir até meus pulsos e tornozelos sangrarem, mas agora já não tenho todo esse empenho. Em alguns instantes, meu padrasto vai entrar na sala chutando tudo e metendo bala na cabeça de todos. É sempre assim quando ele deve dinheiro ou drogas pra alguém. Chega a ser rotina.
- Seu pai está demorando, não está? - disse o outro prisioneiro ao meu lado. Eu não sei seu nome, nem tenho interesse em saber, mas os vários curativos malfeitos em seu abdome indicam que ele está em uma situação muito pior que a minha. Grata por isso. Ele deve ser mais um cliente devedor do Minotauro, só que esse não tem uma bela garotinha pseudo-indefesa pra ser sequestrada em seu lugar.
- Graças a todos os deuses que existem, e se existem, ele não é meu pai - retruquei ao cara. O capanga do Minotauro mandou-nos calar a boca, mas o ignorei. Se estivéssemos sozinhos estaríamos jogando cartas, bebendo algumas cervejas, fumando um pouco, se agarrando, ou qualquer coisa do gênero. Ele já estava tão acostumado com minha presença naquela sala que posso considerá-lo uma das pessoas mais próximas de mim. Mas não pense que isso o torna imune a minha ignorância.
Passava-se aproximadamente dez horas desde que eu estava aqui. O prisioneiro ao meu lado teve seus curativos arrancados e acabou morrendo há duas horas de hemorragia, o que obrigou-me a me afastar dele e ir para o outro lado da sala. Jensen, meu pseudo-amigo capanga que me vigiava, já tinha me dado um pouco de cachaça para beber para que eu não morresse de sede. Ele estava sentado ao meu lado, me deixando dar algumas mordidas no pastel frio que ele estava comendo enquanto contava a respeito de um tiroteio que ele se envolveu na semana passada. Jensen era um cara nojento, bruto e insensível. Não era a toa que, de algum modo, eu tinha certa atração física por ele.
- Ele nunca demorou tanto. Estou começando a ficar entediada - disse à Jensen. Ele olhou para mim com um sorriso tapado no rosto, e eu apenas revirei os olhos. Em muitos momentos eu já me entregara aos seus mais mirabolantes desejos nesta sala. Mas fingir que estou realmente interessada nele de alguma maneira cansa. Era bonitinho tê-lo em minhas mãos, mas não hoje. Estou cansada de ficar aqui. Quero que meu padrasto chegue logo para eu deitar em minha cama e descansar.
Esperado alguns minutos, uma presença ilustre estava diante de meus olhos: Minotauro. Um russo brutamontes de cabelos grisalhos e uma camisa social com uma estampa ridícula. Ele estava com um charuto na boca e carregando um saco que pingava sangue. Minotauro jamais aparece para você a não ser que seja muito importante. Não é a primeira vez que o vejo, mas esse também não é um evento muito comum, o que me causou certa surpresa.
- Oh, pequena Natsya. Acho que seu pai se atrasou um pouco - ele disse, logo após dar uma tragada em seu charuto. Ele exibiu seus dentes de ouro com um sorriso de vitória. A princípio eu não entendi o motivo, até que ele largou no chão o saco ensanguentado. A bola orgânica e ensanguentada rolou no chão, e só então pude perceber que aquela era a cabeça de meu padrasto.
Na hora meu coração acelerou. Como sempre, demonstrei não sentir nada e apenas olhei nos olhos de Minotauro. Mas era impossível não ficar um pouco nervosa. Pela primeira vez em dez anos eu queria sair correndo daquela sala. Já enfrentara muitos traficantes, assassinos perigosos, os maiores criminosos da Rússia, mas aquilo era diferente. Aquele era o Minotauro, e ele havia decapitado meu padrasto, que não era pouca coisa também. É, eu estava bem encrencadinha. Precisava escapar de algum jeito, mas como?
- Oh, vejo que você trouxe o jantar - ironizei, o que com certeza fez ele arder de raiva. Ele cerrou os dentes e me ergueu do chão, bufando em minha cara. - Aí, escovar os dentes de vez em quando é bom sabia? - disse com uma careta feia. Fui lançada com força ao chão, e com um chute, voo até a parede de concreto a minha esquerda. Tento me erguer mas sou acertada com força pela cabeça de meu padrasto bem no meio das costas. Ouço alguns tiros, mas eles não me acertam. Quando olho para trás, vejo Jensen com a arma na mão e o sangue escorrendo das pernas de Minotauro.
- Venha. Não temos mais tempo, Natsya - Jensen começou a me puxar pelo braço. Levantei-me um pouco estabanada por ainda estar algemada, mas logo já estava correndo porta afora com ele - Preciso te levar até o Acampamento. Deuses, vai ser uma viagem bem longa - reclamava ele. Eu, sem entender necas.
- Acampamento? Mas o que... - questionei, logo sendo cortada.
- Não tenho tempo pra explicar. Temos que chegar aos Estados Unidos quanto antes possível - certo, não adiantou muito. Eu me negava a prosseguir enquanto não recebesse uma explicação digna. Insisti em bater boca com Jensen até que ele apontou para trás, e no corredor pude ver um tipo de criatura que eu nunca tinha visto antes. Uma mistura bizarra de leão gigante, com o mesmo rosto humano. Grandiosas asas dracônicas e negras brotavam em suas costas, e uma cauda de escorpião ao invés da cauda leônica comum. Seja lá o que botaram no meu último baseado, aquela com certeza era uma pira muito maligna.
Jensen insistia para que eu fosse com ele, e, independente de estar chapada ou não, eu não queria sentir a sensação de ser abocanhada por uma coisa daquelas.
- Natsya, aquilo é uma mantícora - ele dizia, mas minha admiração pela criatura que estava vindo parecia ser maior, de modo que sua voz soava abafada em meus ouvidos - Me escuta, você tem que vir comigo agora - desta vez eu pude ouvi-lo melhor, e não me contive em sair correndo atrás dele.
Disparamos em um corredor extenso, cheio de portas em que provavelmente já fui mantida refém. Jensen estava me puxando pelos pulsos ainda algemados, e de algum jeito parecia que ele estava se importando comigo, o que era estranho para o tipo de cara que ele era. Quem diria, Jensen.
Quando chegamos ao fim do corredor, abrimos uma porta de ferro grande e saímos em uma calçada malfeita já quebrada, seguindo morro abaixo de uma das favelas mais pobres e perigosas do Brasil. Não sou daqui, na verdade. Sou da Rússia, mas estamos aqui há alguns anos para resolver algumas coisinhas pendentes que os brasileiros arranjaram com os russos. Continuamos correndo, e quando olhamos para trás, a criatura vinha voando em alta velocidade, e era estranho que ninguém mais além da gente esteja o vendo.
Jensen parou um cidadão que estava de moto, e com um soco na cara dele, roubou-a para si. Logo subi na garupa e ele acelerou. Descemos o morro com mais velocidade, e ele não estava nem aí para o freio ou para qualquer pessoa que estivesse a nossa frente. Aquela situação toda era estranha, não só pela criatura atrás de nós, mas por Jensen estar se preocupando comigo. E eu que passei anos achando que ele era mais "Fuck the police" do que qualquer um.
- Certo, Jensen, vamos por partes. - disse para ele com a voz um pouco abafada pelo vento. - O que está acontecendo?
- Minotauro, na verdade, é um caçador de... crianças especiais.
- Tá dizendo que sou deficiente? - cortei-o.
- Não! Quer dizer, talvez. - disse ele com a voz um pouco mais grossa. - Acontece que, você estava na fila do jantar há anos, mas seu padrasto sempre chegava antes que ele te devorasse. - milhões de coisas passaram em minha cabeça com essa palavra. Estupro, canibalismo, ou o que fosse. Tudo estava muito estranho. - Sua mãe não se casou com seu padrasto por romance ou acaso. Assim como eu não me ofereci para trabalhar para ele por acaso. Seu padrasto e eu somos sátiros. - certo, já não estava entendendo mais nada. - Ele estava na Rússia em busca de semideuses estrangeiros, quando conheceu sua mãe e...
- Espere aí, você disse semideuses? Quer dizer que... - ok, agora eu estou realmente surpresa.
- É isso mesmo, Natsya. Seu pai é um deus. - disse ele com um tipo de orgulho na voz, mas eu debochei com um riso abafado.
- Então tá bom. - olhei para trás e agora a criatura estava ainda mais perto e voando baixo. Gritei para Jensen ir mais rápido, apesar de já estarmos a mais ou menos 180km/h. Por sorte, já estávamos saindo da favela e seguimos por uma avenida movimentada. Jensen quase atropelou uma senhora quando atravessou o sinal vermelho, o que o fez diminuir um pouco a velocidade. Antes de virarmos em uma curva para a esquerda, a mantícora dá uma patada na roda traseira da moto, fazendo-nos voar em direção a um carro da pista contrária. Eu não pude reagir muito bem pois ainda estava algemada, mas Jensen me puxou para si, agarrando-me e garantindo que seria meu amortecedor quando caímos com força no para-brisas do carro. Vários estilhaços de vidro cobertos com sangue estavam sobre mim. A diferença é que o sangue não era meu.
A mantícora pousou ao nosso lado, mas quando o encarei em seus olhos ele pareceu começar a hesitar. Jensen estava todo arrebentado. Seu rosto estava todo cortado e ensanguentado, e duvido que ele conseguiria andar agora. Ele rasgou sua calça e então pude perceber que suas pernas não eram humanas. Aquele dia estava ficando cada vez mais estranho. Ele me entregou uma espécie de faca feita de bronze.
- Ele está hesitando por enquanto graças a Aura do Medo - eu entendi bulhufas, mas ele resmungou algo do tipo "Como não percebi que era filho dele antes?" - Essa faca vai te ajudar se precisar. Não há muitos monstros no Brasil, então, espero que consiga sair daqui com vida. - ele fez uma pausa para respirar. Ele já está em suas últimas, e não é a toa, pois perdeu muito sangue só nessa pequena pancada. - [/b]Estados Unidos. Estreito de Long Island. Acampamento Meio-Sangue. Quíron.[/b] - e foi aí que seu coração finalmente parou. Ele se foi.
O cara que estava no carro em que caímos apareceu e começou a gritar comigo, perguntando o que estava acontecendo. Levantei-me de seu capô e dei uma joelhada no meio de suas pernas. Ele caiu no chão e chutei sua cabeça, tirando-o de sua consciência. Vários carros estavam parados ao meu redor, buzinando igual loucos. A mantícora resmungava algo e rosnava, mas ficava cada vez mais hesitante a cada passo que eu dava em sua direção. Eu não dei a mínima para a morte de Jensen, apesar de ter sentido uma leve frieza na espinha quando morreu.
Utilizei a faca para quebrar as algemas, o que não foi muito difícil, e apontei a arma para Minotauro. Ele estava visivelmente desnorteado e tentava desviar-se de meu olhar. É, talvez esse negócio de semideus seja verdade. E se for, acho que vou gostar disso.
Corri em sua direção e saltei, com a faca pronta para cravar em seu crânio.
Natsya Nickolaevna
Filhos de Phobos
Mensagens :
3

Localização :
Em cima do poste

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Ficha de Reclamação

Mensagem por 107-ExStaff em Seg 05 Jan 2015, 17:20



Avaliação



Natsya Nickolaevna - Aprovada como filha de Phobos

Primeiro eu quero te dizer que tive bons motivos para te reprovar: um deles foi o fato da semideusa já saber que é filha de Phobos. Isso é extremamente incomum em fichas, que visam justamente esta descoberta, e não uma sabedoria imediata. Mas, no decorrer da história, percebi que muitos detalhes se encaixavam e deixavam tudo mais leve.

Sua escrita é impecável e toda a trama me favoreceu para a aprovação. Phobos não é um deus rigoroso, mas fica de aviso: Na hora de escrever a história, coloque na mente que o ideal é o indefinido ainda não saber do pai ou mão divino até chegar no acampamento. Mesmo assim, está aprovada. Parabéns, cria da fobia.




Atualizado por Quíron.
107-ExStaff
Deuses
Mensagens :
290

Localização :
Ilha dos Sonhos

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Ficha de Reclamação

Mensagem por Min Duchamps em Seg 05 Jan 2015, 21:04



I’m a little different

I believe in the power of optimism



- Por qual deus deseja ser reclamado/ qual criatura deseja ser e por quê? Gostaria que minha personagem fosse filha de Íris. E bem, não existe uma justificativa muito "boa", eu apenas gosto da deusa e de, acordo com o plot da personagem, ela teria de ser filha de uma Deusa (não de algum Deus), e eu escolhi Íris.

- Perfil do Personagem

Seus cabelos já passaram por todos os tamanhos que se possa imaginar, mas sempre com coloração escura. No entanto, em sua nova fase, completando seu estilo atual, seus cabelos tem as pontas tingidas de rosa, preservando o comprimento longo e o castanho natural na parte onde não está colorida. Sendo os olhos de coloração castanho escuro, quase sempre confundido com o preto. As feições do rosto de Min são tipicamente asiáticas, exceto pelos olhos, que são arredondados e maiores do que o de costume. Possui a pele clara, já que não costuma pegar sol com frequência. Seu corpo, a primeira impressão, pode parecer extremamente magro, sem músculos e doente – graças a sua pele clara demais –, porém não é bem assim, afinal a menina costumava ajudar as pessoas, como é costume entre os ciganos, o que incluía desde trabalhos braçais até regar plantas. Min possui 1,61 de altura, o que a torna relativamente pequena.


À primeira vista, Min pode parecer uma garota extremamente social e sorridente, quase sempre disposta a ajudar as pessoas sem precisar receber nada em troca, além de gratidão. Pode-se afirmar com toda certeza que Min pode se dar bem com as pessoas sem fazer o mínimo esforço, já que possui um senso de humor – mesmo que mínimo – e uma paciência de dar inveja. Mas, infelizmente, até agora, realmente ninguém nasceu perfeito e ela não é diferente. São raras as vezes que a garota perde a paciência e, quando isso ocorre, não é algo agradável de observar. Às vezes, ela pode simplesmente se isolar das outras pessoas, sem grandes explicações, ignorando todos que possam vir a atrapalhar sua vontade de ficar sozinha. Além de odiar ser interrompida, tenha a certeza que vai conhecer os espinhos e boca suja da garota se o fizer com frequência. Ela também pode ser extremamente sarcástica e critica quando está em um dia ruim, mas se arrepende com uma frequência absurda dos seus atos desagradáveis, o que a leva a se desculpar varias vezes.

- História do Personagem


Califórnia



A noite despontara, trazendo consigo as estrelas e o brilho brando do luar, cobrindo tudo com seu manto negro. É engraçado como as coisas parecem distorcidas na escuridão, como tudo aparenta ser muito pior do que realmente é, quando, na realidade, tudo está exatamente igual ao que era antes - tirando apenas pelo fato de que não há iluminação suficiente para que se vejam todos os detalhes. A lua cheia anunciava uma noite escura como breu que, contraditoriamente, teria a companhia da luz do astro imponente até o amanhecer.

Não demorou até que as luzes estivessem acessas e as pessoas em busca de farra fossem às ruas, anunciando uma comemoração até a madrugada - transformando pessoas que costumavam ser aparentemente calmas durante o dia em baladeiros sem limites.

O corpo chamativo do rapaz moreno caminhava pelas ruas sujas de um bairro qualquer; Os cabelos já haviam crescido desde a última vez que os cortara e, consequentemente, caiam em torno aos ombros bem delineados do castanho. As roupas eram baratas e já haviam sido remendadas várias vezes, mais isso não tirava a beleza estonteante do rapaz - que praticamente tinha que esquivar de algumas mulheres baixas que se jogavam contra seu corpo com sorrisos nem um pouco puros. Nenhuma delas servia naquele momento, afinal, estava à procura de certa mulher e, até que completasse o serviço, teria de ignorar todas aquelas mulheres e, caso completasse o serviço até o fim da noite, poderia finalmente se entregar aos prazeres físicos de fato.

Jonghyun vivia assim, naquelas ruas imundas, nos bares com pessoas de todo o tipo, motéis que, à luz do dia, fingiam ser hotéis (...) mas não estava ali porque queria  - vivia à procura de pessoas ricas que frequentavam aqueles bares com a intenção de relaxar e ele os ajudava de certa forma e, depois, tirava-lhes todo dinheiro e objetos caros. Porém, todo aquele dinheiro acabava indo para os donos da espelunca onde dormia e lhe serviam algumas refeições.


Na verdade, Jonghyun nunca conheceu os seus pais ou qualquer outro familiar; A única família que tinha era as ruas solitárias da Califórnia. Desde cedo, havia aprendido a lidar com pessoas de todo o tipo e ter de fazer serviços em troca de dinheiro, e tal dinheiro o mantinha vivo ou longe da perseguição dos chefes que controlavam a área.


Cinco minutos foram o suficiente para que o rapaz estivesse prestes a entrar no bar escolhido da noite - poderia demorar pra que alguma mulher que aparentasse ter dinheiro aparecesse. O rapaz tratou de se sentar confortavelmente em um lugar que pudesse visualizar a entrada e não demorou a pedir uma bebida qualquer, afinal, o lucro do dia anterior havia sido satisfatório – o que havia lhe garantido uma pequena quantia para seus gastos – e também não poderia ser expulso do bar antes de sua vitima aparecer, pois, se isso ocorresse, provavelmente passaria o almoço e jantar sem comer ou teria de pedir esmolas.


Sem demonstrar animação, bebericou o conteúdo contido dentro do copo de vidro e, antes de fitar a entrada, passou os olhos pelas pessoas que ali se encontravam - homens com tatuagens cobrindo os braços, pessoas de diversos países. Suspirou e voltou a atenção para entrada do estabelecimento, vendo uma loira romper pela porta com os cabelos presos em um coque frouxo. Ela usava uma calça jeans apertada e um sapato altíssimo que a deixava um pouco maior do que Jonghyun. O rapaz, por sua vez, só sorriu, afinal, sabia reconhecer quando uma mulher tinha dinheiro ou não: Algumas delas eram mais extravagantes, já outras eram simples demais, porém sempre elegantes e bem cuidadas - o que era o caso da mulher que acabara de entrar.


O garoto sorriu fitando a loira com interesse, a noite seria longa.



◣◥◣◥◣◥◣◥




O corpo da criança estava precariamente envolvido por alguns panos velhos que certamente seriam incapazes de protegê-la do frio, porém Jonghyun pouco ligava. Carregava a criança pra longe dos bairros boêmios que costumava frequentar, levando-a para o lugar mais distante possível. Afinal, a garota viria a se tornar um peso na sua vida, provavelmente acabaria sendo vendida para quitar as suas dividas ou, na pior das hipóteses, ele teria que criá-la, trabalhando para sustentar uma criança que nunca havia desejado.


Fazia pouco mais de um ano que ele possuía uma cliente fixa, uma loira bem vestida com um sorriso fácil e bom humor, claro, ele se sentia extasiado por não ter que ir atrás de mulheres que ele poderia facilmente furtar, já que aquela vinha até ele, lhe oferecendo dinheiro de bom grado. E todos aqueles encontros regados a sexo pareceram dar resultado: ela tinha engravidado, ainda que falasse que a criança não era dele, ele acreditava porque, ao que parecia, aquela mulher era casada.

Eles continuaram a se ver, mesmo quando a barriga da mulher havia começado a se mostrar evidente. E, no final da gravidez, a mulher havia parado de frequentar aquele lugar boêmio, prometendo que em breve retornaria. O que de fato ocorreu. Ela, porém, carregava uma criança nos braços, largando-a com seu pai biológico – Jonghyun –, sumindo quando o prostituto estava em uma espécie de choque. Ele se sentiu incrivelmente estúpido por ter acreditado naquela mulher.


Assim que Jonghyun cruzou a avenida pouco movimentada ele se aproximou de um beco pouco iluminado, não hesitando em deixar a criança atrás de alguns sacos de lixo, saindo do lugar sem ao menos olhar pra trás, não percebendo que duas mulheres o observavam de longe, com suas roupas coloridas e olhos grandes.


Ambas se aproximaram, temerosas, do beco. As ciganas conheciam aquele tipo de rapaz, sabiam que quase sempre estavam envolvidos em coisas ruins e temiam que encontrassem ali algum tipo de arma. Porém, se surpreenderam com o choro de uma criança.


◣◥◣◥◣◥◣◥




A garota de cabelos tingidos estava sobre a calçada com o sorriso bonito desenhado no rosto, segurava uma placa e cumprimentava todas as pessoas que passavam por ela, sendo ignorada pela maioria, que sequer pareciam vê-la. Ela gostava de pensar que estavam apressados demais para notá-la. Eram poucas as pessoas que paravam para ler o que estava escrito na placa bem desenhada e menos ainda eram as que pareciam realmente interessadas nos serviços descritos na placa.


Min suspirou quando o movimento se tornou quase escasso, a noite já havia caído e, infelizmente, não havia conseguido nenhum cliente para sua mãe. A garota sentia como se sua cultura fosse estúpida ou ridícula aos olhos daquelas pessoas que passavam por si todos os dias. Ela não gostava de pensar naquilo, mas sabia que era verdade, muitas pessoas viam os ciganos como estorvos, um povo sem país ou leis e com uma fama de serem festeiros ou filhos do demônio. Recriminavam sua cultura, fingindo aceitá-la.


Quase indignada, a garota desceu a rua, indo em direção a casa onde vivia com sua mãe e uma tia, sendo também onde ambas trabalhavam, lendo a sorte das pessoas. Min apenas as ajudava com anúncios, esperando conseguir mais clientes e, de fato conseguia, apesar de serem poucos. E, especialmente naquele mês as coisas estavam apertadas, afinal um dos ciganos do seu grupo havia pedido ajuda para comprar uma casa e, claro, todos haviam se unido e dado algo de valor para o rapaz, mesmo que não tivessem muita coisa, o que era o caso de sua família.


Min rompeu pela porta, deixando a placa pendurada nela e rumando para o quarto que dividia com a tia. Provavelmente ela e sua mãe estavam trabalhando e ela não iria incomodar. A menina deixou o corpo cair na cama de solteiro, se acomodando com facilidade e encarando o teto. A vida delas era difícil, mas era vivida com alegria e simplicidade. Min se sentia verdadeiramente amada pelas mulheres que a haviam criado e pela comunidade cigana que havia a acolhido como se fosse de fato uma deles. Quando criança ela soube que não era, de fato, filha da mulher que havia a criado, ninguém sabia de quem ela era filha realmente, e ela apenas sabia que havia sido deixada por um homem e a haviam encontrado. E, sinceramente, ela preferia não saber quem eram seus pais, afinal fora abandonada.


Os olhos se fecharam à medida que a menina limpava os pensamentos, mantendo a mente longe de quem seriam seus pais biológicos, as pessoas capazes de abandonar uma criança indefesa à própria sorte.


- Min? Sua mãe precisa falar com você, querida. – A voz da tia soou dentro do quarto, fazendo a adolescente abrir os olhos e se levantar quase de imediato, seguindo a mulher mais velha para a sala que ambas usavam para trabalhar.


Era um quarto tingido de amarelo, com uma fraca iluminação onde alguns objetos estranhos estavam arrumados na estante ao lado da entrada, uma mesa estava em frente à porta e tinha varias cadeiras de madeira dispostas pela sala. Min adorava entrar naquele lugar quando era criança, imaginava que era algum tipo de adivinha famosa que previa o futuro como ninguém. Sua mãe estava sentada numa das cadeiras com uma expressão abatida no rosto, ela sabia que havia algo muito errado.


Quase instantaneamente Min arrastou uma cadeira, se sentando perto da mãe e passando o braço em torno da mulher, achando que talvez a situação financeira tivesse ficado pior. Se fosse esse o caso, a garota não hesitaria em arrumar um emprego de meio período para não atrapalhar a escola.


- Mãe, vai ficar tudo bem, a senhora sabe. Nós vamos dar um jeito nisso, vamos ter dinheiro para pagar as contas no fim do mês, não se preocupe. – murmurou, sorrindo e encarando a mais velha. Sua tia continuava no quarto, porém havia caminhado até a janela que antes estava ocultada pelas persianas.


- Min, você sabe que alguns de nós tem o dom da adivinhação, não sabe?! Nós usamos as cartas para ver o nosso próprio futuro e o de outras pessoas. – a mulher murmurou, evitando olhara para a garota. – Aconteceu algo hoje e eu preciso olhar o seu futuro, tudo bem?


A garota concordou, observando a mãe arrumar a mesa enquanto ela havia arrastado a cadeira para perto, tentando não pensar no que a aquilo significava. Ela conhecia previamente as cartas e sabia as varias interpretações que tinham, ainda que nunca tivesse tentando ler a sorte de alguém. Sentia um nervosismo crescente, algo estava errado.


A cigana mais velha embaralhou as cartas varias vezes, respirando nervosa antes de pedir que Min retirasse quatro cartas do baralho. A garota respirou fundo algumas vezes, puxando a primeira carta: A roda do destino. A expressão da mãe de Min se fechou, encarando a carta sobre a mesa. Com um suspiro pesado Min puxou a segunda carta: O Louco.


- Isso não está certo, mãe! As cartas devem ter errado. – Min murmurou, temerosa com o próprio futuro. A cigana indicou que ela pegasse a terceira carta, ignorando por completo o que a mais nova havia dito.


Quase tremula a garota puxou a terceira carta: Eremita. Aquilo não fazia sentido algum, parecia uma brincadeira das cartas, ela nunca havia duvidado dos dons que sustentavam sua família, mas agora, aquilo tudo parecia errado, errado demais. Se as cartas estivessem realmente certas... Quase indignada à garota se levantou, derrubando a cadeira e levando consigo todo o baralho, que caiu esparramado no chão: todas as cartas estavam viradas, exceto quatro delas.

Todas as cartas que Min havia tirado e a quarta, que havia sido tirada sem que ela sequer tocasse na carta: Arcano sem nome.


Um arrepio desceu pela coluna da garota e as mulheres se encararam quase em pânico, elas tinham que tirar Min da cidade o mais rápido possível.


◣◥◣◥◣◥◣◥



Califórnia, Orangevale




O céu estava escuro, consequência da noite, e nuvens em tons alaranjados comprimiam toda a extensão da cidade e uma fina chuva já caia e dava indícios que viria a engrossar. Felizmente era impossível que a chuva penetrasse na imponente construção que ocupava uma das avenidas da cidade pequena.

Em um estampido, um trovão soou no céu alto e imponente, despertando a garota que, sobressaltada, se sentou de forma ereta sobre a cadeira que usava como cama e carregando uma expressão assustada no rosto. Min odiava o inverno, odiava a chuva e todo aquele frio - que agora só ressaltavam toda a atmosfera de tristeza instalada pelos corredores gélidos da biblioteca onde trabalhava, e que parecia prestes a engoli-la.


Um novo estrondo se fez presente, e dessa vez, se tratava de um rapaz de feições tipicamente europeias, olhos azuis e cabelos claros, assim como um corpo alto e rosto másculo. Laurence era um dos funcionários da biblioteca também, um dos poucos com quem ela mantinha contato, alguém que certamente era importante pra Min. Importante por sempre tê-la amparado quando se sentia abalada e sozinha, a garota mantinha certamente um apreço pela personalidade atenta e cuidadosa do amigo.


- Espero que tenha aproveitado o descanso, e desculpe se te acordei. – ditou o loiro sem jeito, olhando para Min que ainda transparecia o susto na expressão facial.


- Não, tudo bem...


Fazia um tempo desde que Min resolvera deixar sua mãe e sua tia para trás, as cartas haviam lhe dito que algo ruim iria acontecer, podendo resultar em morte e de maneira alguma a garota deixaria que elas a acompanhassem. E, agora, estava ali, numa cidade do interior, sozinha e trabalhando numa biblioteca, mal tendo dinheiro para viver. Na realidade a garota havia fugido de ambas, deixando apenas um bilhete preso na geladeira e levando apenas uma mochila velha com alguns trocados e roupas. Às vezes, quando a saudade parecia sufocante Min pegava o telefone de Laurence emprestado, ligando pra mãe e dando poucas noticias antes de desligar.


Com um suspiro a menina se levantou, indo se acomodar perto do rapaz  que lia algumas fichas e fazia algumas anotações. Apesar da fuga conturbada e das noites que Min havia passado pedindo carona sem nem perguntar pra onde estava indo, aquela cidade era relativamente calma e tranquila, assim como o trabalho que havia conseguido. Não havia muitos estudantes interessados na biblioteca e os que tinham eram bem tranquilos, não atrasavam na entrega dos livros e nem os destruíam.


- Eu realmente queria me trancar em casa hoje... Laurence, você pode me dar uma carona? – Min perguntou, finalmente terminando o trabalho que havia deixado pendente antes de dormir, por sorte era pouca coisa e a biblioteca fecharia em menos de uma hora.


- Hum, pode ser, mas se minha gasolina ficar vermelha você enche o tanque.


A castanha concordou, se perguntando se dez dólares seria o suficiente pra encher um tanque..


Por fim, ambos terminaram o trabalho, trancaram a porta da biblioteca, desceram algumas poucas escadas e logo os dois estavam correndo embaixo da chuva, rumo ao carro de Laurence. A biblioteca não possuía um estacionamento próprio, o que levava os funcionários que possuíam carro a estacionarem a alguns metros de distância.


Laurence era um estudante do ensino médio, com uma carteira provisória e bom senso, então seus pais haviam lhe dado um carro que era, no mínimo, precário. O motor mal funcionava direito e, às vezes, ele ficava horas tentando fazer o carro ligar, e bem, naquelas condições, parecia melhor esperar o carro ligar do que ir pra casa naquela chuva.


Assim que entraram no automóvel – quase encharcados e tiritando de frio - fecharam as portas e se encararam, como se temessem que o carro não fosse funcionar. E, infelizmente, foi o que aconteceu. Não só se limitando a tal acontecimento como também parecia que o carro definitivamente não iria mais ligar, já que uma fumaça escura subia do capô do carro.


- Eu realmente não vou sair daqui pra olhar o estrago do motor...
– o rapaz falou, dando ombros e cruzando os braços, como se esperasse que a garota fosse consertar o carro.


- Provavelmente você ficaria sem carro se eu botasse minha mão no motor, então eu realmente não vou sair.


Ambos suspiraram, se acomodando melhor no banco. Aquele carro sequer havia um rádio.


- Então, muitas garotas querem passar um tempo comigo dentro de carro no meio de uma chuva, sabe como é. Um desculpa pra ficar na minha presença e eu não sabia que você era assim, Min. – A garota revirou os olhos, uma das coisas que ela odiava no mais alto era aquela vontade de flertar com toda alma viva que ele via.


- Eu não vou sair com você, Laurence. Desiste que dói menos.


- Desistir não está no meu dicionário. – Min abriu a boca para dar alguma resposta mal criada quando alguma coisa bateu no fundo do carro, fazendo com que os dois se olhassem em pânico.


Aquilo parecia um filme de terror. Min sufocou um grito quando algo tornou a bater na traseira do carro.


- Filho de uma mulher impura, esse desgraçado vai pagar pelo meu carrinho... – Laurence murmurou, saindo do carro antes que a menina tivesse tempo de reagir.


De acordo com algum filme de terror barato, era nessa hora que o mocinho morria e, logo em seguida, viriam atrás dela. Min simplesmente respirou fundo, pensando que provavelmente era um garoto com quem Laurence tinha problemas, possivelmente. E, pra piorar a situação, ela simplesmente não conseguia enxergar nada através do retrovisor por conta da chuva. A garota se encolheu no banco, ainda estava molhada e estava frio. Laurence iria resolver o problema, pelo menos era o que ela repetia para si mesma, até que algo se chocou com a lateral do veiculo, onde Laurence estava sentado minutos antes, deixando um rastro de baba escorrendo pelo vidro quase rachado. Ela respirou em pânico e simplesmente desceu do carro, descendo a rua correndo, em direção à biblioteca, pouco ligando pra chuva que caia.


Aquela criatura não era normal, não poderia ser. O carro deveria ter sido, no mínimo, amassado. Ela sequer pensou em Laurence, que provavelmente havia virado comida. Ela estava tão assustada que sequer conseguia pensar direito, apenas queria salvar a própria pele.

Estava ofegante, respirando de forma quase desesperada, suas roupas grudavam ao longo do corpo e os cabelos estavam colados pelo seu rosto e pescoço. Ela subiu as escadas correndo, tentando pegar a chave no bolso traseiro do jeans.

A Duchamps estava com os lábios roxos, sua pele branca parecia ainda mais branca sob a fraca iluminação que entrava pelas janelas, tudo estava silencioso demais. Seus olhos piscaram algumas vezes, tentando se acostumar com a escuridão, enquanto corria pelo caminho bem conhecido e que estava acostumada a percorrer todos os dias, a única diferença era que estava escuro e ela estava sendo perseguida por algo que, definitivamente, não era normal.

Suspirou, aliviada, e sentindo a cabeça latejar quando finalmente alcançou à porta da biblioteca, com a chave entre os dedos, ainda que estivesse tremula e nervosa demais. Tentou colocar a chave na fechadura de forma desesperada, até que a porta abriu. Fechando-a com violência assim que entrou e voltando a trancar a porta. Pouco ligava se tudo estava escuro, esta ali dentro significava que estava em segurança, ou era isso que pensava.

Min apoiou as mãos nos joelhos magros enquanto tentava recuperar o fôlego, inutilmente.

Fechou os olhos por um breve momento, sentindo-se tonta. E se afastou da porta, temerosa. Se aquela coisa havia feito o carro balançar e, provavelmente, o danificado, poderia muito bem ser capaz de arrancar a porta da biblioteca. Min se sentiu estúpida, enquanto caminhava para onde ficavam os computadores, puxando alguns da tomada e arrastando um gabinete pelo piso liso da biblioteca, o erguendo com certa dificuldade e apoiando o peso numa das mesas. Se alguma coisa entrasse ali, ela estaria pronta.


Um arrepio desceu pela espinha da castanha quando um rosnado animalesco soou, ela estava definitivamente morta. Aquele bicho deveria esta no corredor que ela mesma estivera há alguns minutos. Ela se moveu para trás de umas das estantes cheias de livros, com o gabinete em mãos. Estava quase chorando quando ouviu o baque de alguma coisa se chocando contra a porta, ouviu o mesmo barulho por intermináveis segundos até que a porta fora arrancada, fazendo um som metálico ao se arrastar pelo piso. Min sentiu lágrimas embaçarem sua visão, ela não queria morrer daquela forma ridícula.

Um rosnado havia soado alto, como se a criatura estivesse com dor demais, mas Min não parecia ouvir nada a sua volta. Seus pensamentos estavam fixos na imagem de sua mãe e tia, e na felicidade que ela sentiu durante todos aqueles anos.


Min? – A voz de Laurence soou, ainda que a garota não o ouvisse, o corpo do loiro surgiu no seu campo de visão, fazendo com que ela encarasse-o, assustada. Derrubando o gabinete no chão. – O que você... Você está bem, certo? Hey.


Questionava o garoto esfregando os olhos, embolando com as próprias palavras, enquanto murmurava algumas outras coisas, amaldiçoando alguma pessoa, pelo que parecia.


Porém a Duchamps estava assustada demais para responder, Laurence tinha um pedaço evidente da mão faltando e o sangue pingava no chão, pelo que parecia. Havia uma espécie de espada entre os dedos do rapaz também, o que a fez se sentir ainda mais assustada.


- Nós precisamos sair daqui, você deve está com medo... Oh droga. – Ele murmurou, notando a espada em sua mão, fazendo com ela diminuísse no segundo seguinte. Min sentiu a cabeça girar, aquilo era um sonho, certo?


- Levante daí, eu vou pedir uma carona pra minha mãe. Merda!


Min sentiu todo o seu lanche se revirar no estômago e não hesitou em colocá-lo pra fora, aos pés do amigo que parecia procurar o celular em algum lugar. Era insano. Min jurava que tudo aquilo não poderia ser normal.


- O que..?


Em um segundo ela sentiu o corpo mole e desabou sobre o piso da biblioteca, tudo ficando escuro. Deveria está precisando urgentemente de um médico.


◣◥◣◥◣◥◣◥


Embateu os cílios algumas minuciosas e repetidas vezes, se acostumando com a luminosidade quase inexistente que preenchia o local. Abriu os olhos, logo depois de deslizar os dedos pelos mesmos, sentando-se no banco traseiro onde estivera deitada e carregando uma expressão de sono em mescla com o cansaço, acompanhada de um bocejo lânguido. Ela estava enrolada com uma coberta e suas roupas estavam quase secas, exceto pelos jeans, que ainda estavam molhados, mesmo que minimamente. Por fim ela notou que não estava sozinha.

Laurence estava no banco de passageiro, com um curativo improvisado na mão – que já sangrava, sujando a gaze com o liquido avermelhado –, e ao lado do loiro estava a sua mãe, a senhora Khoury. Min se sentiu levemente confusa, ela lembrava-se vagamente de um sonho estranho, onde fora perseguida – junto com Laurence – por uma espécie de criatura anormal...  No seu sonho Laurence havia se ferido na mão. Certo, isso é só uma coincidência, ela repetiu mentalmente.


- Finalmente você acordou! Como você se sente? – A mãe do amigo questionou, encarando a menina por alguns breves segundos através do retrovisor interno.


- Eu... Onde estou? – Min perguntou, finalmente notando que estavam numa estrada, estava escuro e a única coisa que conseguia enxergar direito era a estrada iluminada pelos faróis do carro. Aquilo parecia uma espécie de sequestro. – Senhora Khoury, eu gostaria de saber para onde a senhora está me levando...


Sua boca estava com um gosto amargo e seu estômago protestava de fome, ao mesmo tempo em que ela sabia que não seria capaz de comer algo tão cedo.


- Para um lugar seguro. – A mulher ditou, quase sorrindo compreensiva quando notou o tom desconfiado da menina. Laurence tinha lhe contado há algumas noites que desconfiava que a recém-amiga fosse que nem ele, filha de algum Deus. E a mulher sabia que acabaria dando carona para aquelas crianças. – Eu tomei a liberdade de ligar para o senhor Harry, para avisar que você estava desocupando o apartamento. Quando você e o Laurence voltarem do acampamento você pode ir morar conosco, vou começar a preparar um lugar confortável pra você... Não se preocupe, meu marido vai aceitar e o Laurence também.


- Acampamento?


- Sim, querida. Eu não sei muita coisa, mas é um lugar que vai te ensinar tudo que você precisa saber.


Min arqueou as sobrancelhas, as coisas estavam fazendo cada vez menos sentido. Simplesmente havia acordado de um sonho estranho no carro da mãe do seu amigo e que, agora, lhe falava coisas que não faziam o mínimo sentido. Era louco pensar que alguém a sequestraria para levar para um acampamento.


- Me desculpe, mas isso não faz sentido algum... – Ela murmurou, quase sendo interrompida por uma tosse, vinda de Laurence.


- Claro que faz. – Ele ditou, a voz soando arrastada e sonolenta demais. – Mãe, o que você disse pra ela?


- Não fale comigo seu irresponsável descuidado. – A mulher falou em um tom cantado, sequer olhando pra o filho que suspirou, recostando a cabeça no banco do carro de forma quase dramática.


Eles não pareciam sequestradores, na realidade eles pareciam pessoas confiáveis – como sempre havia os julgado. Talvez ela ainda estivesse sonhando, afinal tudo aquilo soava estranho demais.


- Infelizmente essa é a vida real, babe. – Laurence falou, como se estivesse lendo os pensamentos da garota, depois de um longo suspiro. – Vou te contar uma história... Um belo dia minha mãe conheceu meu pai, um cara gato e sensual e rolou aquela química, sabe?! Ai eles resolveram ter um filho e nasceu essa coisa maravilhosa, que sou eu, claro. Depois, meu pai teve que ir embora e minha mãe se casou com o Jonh.


- Eu realmente não quero saber da sua história de vida, Laurence. – Min revirou os olhos, se acomodando melhor no banco traseiro.


- Shh, essa é uma história muito bonita e interessante. – Ele revirou os olhos, mesmo que ninguém pudesse ver tal gesto. – Ai eu cresci e virei esse cara gostoso, só que às vezes apareciam bichos tentando me matar, como aquele que acabou com meu carrinho hoje... E eu comecei a achar que tinha drogas nas minhas bebidas, cara eu nunca fui fã de drogas. Só que depois de quase ter minha rosca queimada por um desses bichos bonitinhos e fofos eu fui conversar com a bela senhora ao meu lado. E ela me contou que meu pai biológico era Apolo, o Deus grego. E desde então eu sou um frequentador assíduo do acampamento meio-sangue, sabe?! Um lugar pra pessoas como nós.


Min sinceramente acreditava que, de fato, Laurence usava drogas, drogas fortes. Ela cruzou os braços e quase riu debochada, aquela história era ridícula. Ela só estava tendo um sonho ruim, nada daquilo era real, não poderia ser.


- Como assim “pessoas como nós”? Quer dizer que eu sou filha de Apolo? Olha só, com todo respeito, mas eu acho que vocês não estão no juízo perfeito de vocês. Minha mãe está em Lake Tahoe e eu não tenho pai e nunca quis ter, eu estou bem sem um, entendeu? – a garota quase gritou, as palavras soando raivosas.


- Você é filha de algum Deus e calminha ai, gata. Então como você explica o que nós vimos hoje? Hein?


- Isso é um sonho! Eu ainda estou sonhando na realidade, eu só quero acordar, que droga!


- Isso não é um sonho, infelizmente. Eu queria que fosse um, eu queria ser um cara normal, sabe?! Pegar umas gatas, me preocupar com as garotas que engravidei e não me preocupar em ser perseguido por cães infernais, juro pra você.


A castanha suspirou, se deitando novamente no banco e fechando os olhos. Ouvindo a voz da mãe de Laurence ditar que estariam no acampamento em menos de dois dias.



◣◥◣◥◣◥◣◥



Uma sobrancelha se arqueou enquanto ela observa – quase descrente – as pessoas que circulavam, erguendo o queixo, movendo as mãos as apoiando na curvatura da cintura, visivelmente atônita. Ninguém ali parecia realmente desacostumado ou surpreso ao vê-los: sujos, há pouco mais de um dia sem um banho decente e, no caso de Laurence, com manchas de sangue até na blusa. Na realidade ninguém parecia se incomodar ou ligar com a recém-chegada de ambos.

Min encarou o lugar vazio onde Laurence estava há alguns segundos antes de – misteriosamente – sumir. Ela suspirou, ainda não havia se acostumado com a ideia de ser filha de algum Deus ou Deusa... Durante os quase dois dias de viagem Laurence havia a convencido de que era verdade tudo o que havia lhe contado, mas ainda era difícil aceitar. Ela estava acostumada a pensar que viveria uma vida saudável, longe de coisas perigosas e talvez pudesse se casar com algum rapaz... E toda aquela mudança repentina havia deixado-a sem grandes expectativas para seu futuro. Laurence havia lhe dito que era comum semi-deuses morrerem ainda jovens. Ela só não sabia se aquilo era uma brincadeira.


- Hey! – Alguém a chamou ao seu lado, era uma garota um pouco menor que ela, que a encarava com um sorriso no rosto. – Você precisa de ajuda pra achar os chalés, filha de Íris?


- Hã? – Min a questionou, uma expressão confusa desdenhada no rosto, a garota apenas apontou pra algum ponto acima da cabeça da castanha, que acompanhou o dedo da baixinha e olhou pra cima.


Havia uma espécie de holograma multicolor acima da cabeça de Min, na forma de um arco-íris. E, quase horrorizada a castanha sacudiu a cabeça, tentando fazer aquilo sumir, o que fez a outra garota quase urrar de rir.


- Calma, calma, já já vai sumir. – A garota falou, com as mãos sobre o estômago, tendo uma visível dificuldade em controlar o riso.



Obs:

Sobre as cartas:

Eremita - Segredo descoberto, luz que se fará sobre projetos até agora ocultos.

A roda do destino - Os acontecimentos não serão estáveis, porque necessitam de uma mudança, uma evolução. Esta mudança tende a ser para melhor, no sentido do desenvolvimento.

Arcano sem nome - Morte, perdas, imobilidade.

O Louco - Inconsciência, desordem, falta à palavra dada, insegurança, desprazer.

• • • • • • • • • • • • • • • • •



Template By @justguel // Imagens By @Namjoongi


Min Duchamps
Morto
Mensagens :
113

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Ficha de Reclamação

Mensagem por Henry Christian Campbell em Seg 05 Jan 2015, 23:55




Ficha de Proclamação


Por qual deus deseja ser reclamado/ qual criatura deseja ser e por quê?
Quero ser um filho de Afrodite, pois acho que seria perfeito para a história de vida do personagem (e porque quero domesticar pombos e ensina-los onde podem defecar).

Perfil de Personagem:
Características Físicas: A primeira vista é como todo filho de Afrodite deve ser: um traços definidos. Seus olhos são como um caleidoscópio, não tendo cor definida, como se a cada minuto em que se olha neles ele os desafie, mudando para uma cor mais bela que a anterior. As cores costumavam vagar do azul-céu ao verde-mar. Seu corpo é magro, mas muito bem definido. O garoto costuma vestir-se com roupas simples, como se não gostasse muito de atenção. Seus cabelos são castanhos e bagunçados naturalmente.

Características Psicológicas: Quando visto pela primeira vez pode aparentar ser mais um filho de Afrodite narcisista de egocêntrico, mas é muito mais do que isso, ou espera ser. Costuma ler livros sobre assuntos diversos, mas sua maior paixão é a psicologia e sonha cursar faculdade para se formar em tal. Não costuma se envolver muito nas atividades grosseiras dos outros filhos de Afrodite, que geralmente incluem ferir corações ou... ferir corações. Ele tem uma visão inflexível sobre o amor: deve ser natural e não forçado. Comumente pode ser visto no lago de canoagem, onde confia seus maiores segredos as dríades, sátiros e náiades que por lá vivem. Prefere a natureza perante muitas vezes, o que o difere dos filhos de Afrodite.

História do Personagem:
O dia estava chato e pacato, ou seja, um dia comum na vida de Henry. Ele não tinha ninguém, além do pai. E naquela noite o pai se tornara mais um ninguém na vida do garoto. E tudo culpa de um maldito pensamento, dum maldito desejo que nunca poderia se tornar realidade...

Henry estava encolhido no canto do quarto com um livro qualquer em suas mãos. Era um livro muito antigo, com o canto das páginas comido por traças e páginas amareladas. Mas apesar de tudo, era um bom livro. Contava a história sobre como um garoto derrotara um gigante, cem vezes maior que ele. Aquele tipo de história era a única coisa que mantinha Henry ancorado ao mundo. A falsa esperança de que poderia ter uma vida melhor, a falsa esperança de que a mãe voltaria e que o abraçaria e diria: “Desculpe, me perdi a caminho da padaria”. Era uma coisa boba, uma desculpa boba, uma esperança boba, mas Henry teimava em ostenta-la, sem motivo aparente. Ele gostava da sensação que tinha sempre que chegava a sua casa estilo vitoriano. Quando o falso cheiro de bolo de chocolate lhe preenchia os sentidos e lhe fazia acreditar, mesmo que por um segundo, sua mãe estaria na cozinha, coberta de bolo, usando um avental florido e terminando de preparar um bolo de chocolate enorme, que havia queimado em baixo por passar no ponto.

Henry continuou sua leitura, torcendo para que aqueles pensamentos ridículos não lhe atrapalhassem dali para frente. Sua mãe o havia abandonado desumanamente, deixado ele com o pai – e com os sérios problemas de autoestima que ele enfrentava – e, acima de tudo, o havia deixado só. Sem uma mãe. Ele passara a vida toda ouvindo seus amigos dizerem: “Cara, minha mãe me xingou por ter tirado B- na prova de matemática”, ou “Minha mãe me deixou sem internet”. Ele queria uma mãe que lhe xingasse quando tirasse notas baixas – o que nunca acontecia – e que lhe desse um abraço quando tirasse notas boas e dissesse: “Esse é meu garoto. Eu sempre soube que você seria melhor que todos eles!”.
Mas o destino havia sido cruel com ele. Havia-lhe deixado com um pai que, a cada noite, trazia para casa uma mulher diferente, tentando desesperadamente preencher um pedaço de si que não estava mais ali e que nunca estaria. Ele estava destroçado e transmitia aquilo com tamanha força que Henry só não havia se deixado abater por esperanças. Falsas esperanças.

A porta da sala se abriu vagarosamente. Uma pessoa cambaleando entrou, mas Henry não se importou com tal fato. O pai sempre chegava tarde e bêbado. Aquilo era um costume. Mesmo assim o garoto se levantou e pegou algumas toalhas, para levar o pai até o chuveiro e dar-lhe um banho de água gelada. Não sabia se seria certo se sentir bem por jogar água gelada sobre a cabeça dele, molhar toda sua roupa e deixa-lo desamparado com os diversos xingamentos que lhe dispara durante o processo, mas sempre se sentiu bem. Era estranho e assustador a maneira como ele achara para jogar na cara do pai tudo o que sentia. Sua raiva, aflição, medo, sonhos perdidos. Tudo era terrível demais para ser verdade, mas o garoto se obrigava a deixar tudo para trás a cada noite, quando o pai chegava. Era como se, junto com a água gelada, os pesares de Henry também fossem embora.

– Henry! – gritou a voz do pai. Ele parecia mais sóbrio do que normalmente.

O garoto se levantou, mas seguiu vagarosamente até a sala. O pai estava um caco. Seus cabelos castanhos estavam emaranhados, seus olhos vidrados e possuía cortes pelo corto todo. A primeira coisa que passou pela cabeça de Henry foi: briga de rua. Mas ele parecia mais ter sido atropelado por um caminhão.

– Filho, precisamos tirar você daqui – falou o pai, arfando. Henry ajudou o homem, evitando o bafo de cerveja que saia pela boca dele.

– OK. Vamos lá para cima e depois me tiramos daqui – falou Henry, que estava prestes a conduzir o pai para o banheiro da casa, para a ducha quando alguém entrou na casa. Alguém que não poderia ser uma das garotas com quem o pai saia.

– Corra, eu o distraio! – falou o pai, empurrando cambaleante o garoto para o outro cômodo.
Henry só teve uma mínima visão da criatura antes de cair no chão da cozinha. Era grande, de aproximadamente três metros de altura (quase do tamanho do hall de entrada). Henry não sabia como aquela criatura atravessara a porta sem estragos, nem como o pé direito do hall aumentara para quatro metros de altura, mas não decidiu ficar para saber. Os olhos... ou melhor... o olho da criatura era enorme e castanho era aterrorizante. O garoto correu. Como se sua vida dependesse daquilo – o que não era de todo uma mentira.

– Volte aqui, Henry – rosnou uma voz idêntica a de seu pai. – Lute como um homem, não fuja como sua mãe fez quando você nasceu! Volte aqui.
Henry parou e se virou assim que ouviu sua mãe se tocada no assunto. Ele viu que a criatura estava do lado de fora, com a boca suja de sangue e alguns trapos das roupas de seu pai nos dentes. Ele falava com a voz do pai, imitando perfeitamente ela.

– Não fale de minha mãe! Nunca! – gritou o garoto, encarando com seriedade aquele monstro, que ele identificou como sendo um ciclope. – Você pode ser grande, com um olho só e muito estranho. Não deveria existir e possivelmente é uma visão, mas cale essa maldita boca!

– Como semideuses falam... – resmungou ele, agora em uma voz grossa e cortante. Ele avançou para pegar Henry, mas algo acertou sua mão com força, cortando-a. Henry só teve tempo de ver uma adaga cortando o ar e decepando a mão do garoto, com uma sombra passando logo em seguida. A sombra acertou o nariz do ciclope, derrubando-o no chão.

– Sabe, filhos de Ares detonam! – falou uma garota. Ares? Era sério? – Então, acho bom deixar o garoto glitter em paz, ou terei que lhe machucar.

– Garoto glitter? – Henry não havia percebido, mas a sua volta um brilho sútil de rosa era emanado, fazendo com que seu corpo brilhasse. Sobre sua cabeça um pombo em 3D girava imponente.

– Filho de Afrodite, se quiser – falou a garota, cravando uma lança no peito do ciclope e fazendo-o se desintegrar. – Agora, garoto glitter, vamos para o acampamento!


Sorria :)
Bluee @ CG

Henry Christian Campbell
Filhos de Afrodite
Mensagens :
5

Localização :
Nos confins do universo...

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Ficha de Reclamação

Mensagem por 114-ExStaff em Ter 06 Jan 2015, 11:17


Avaliação — DE RECLAMAÇÃO, Ficha
1UP
Parabéns, agora vocês podem correr risco de vida mortal como verdadeiros semideuses. *o*


Min Duchamps — Aprovada

Eita, Min. Terceira ficha, mas devo dizer que você conseguiu desta vez. Mesmo que a descoberta do Acampamento e de ser uma semideusa tenha ficado destacada da reclamação, não vi motivos para você não ser aprovada. Não tenho muito o que falar aqui, só o que disse na minha última avaliação: você escreve bem, no geral, somente algumas repetições desnecessárias, ainda que eu tenha notado que você sanou a maioria delas — fico feliz que tenha seguido minha dica <3 — e outra coisa que eu lhe dizer, mas acabei esquecendo: não se usa castanha para referir-se a um personagem pela cor do cabelo. Use "morena", é o termo correto. -v-

Henry Christian Campbell — Reprovado

Amigo, eu quase te aprovei, foi por muito pouco. A sua narração, por mais que não seja perfeita, seria satisfatória para a aprovação, a história, embora básica, também não me deu motivos para a reprovação. Mas achei a ficha muito cortada, pouco descritiva em detalhes, além de ter achado alguns pontos passíveis de descontos em fluência, mas o que me fez te reprovar foi você ter parado a ficha numa parte importantíssima, sem contar mais o resto. Como o seu personagem ficou depois de ser salvo? O que aconteceu com ele? Você tem que narrar essas partes, são de tanta importância quanto a reclamação.

Dúvidas, observações, reclamações? MP, Facebook.




Atualizado por Quíron.

114-ExStaff
Deuses
Mensagens :
132

Localização :
Mundo Inferior e tals

Voltar ao Topo Ir em baixo

Pedido De Reclamação

Mensagem por Iara Medeiros em Qua 07 Jan 2015, 03:35

▬ Por qual Deus você deseja ser reclamado? Caso não queira ser um semideus, qual criatura mitológica deseja ser?

Quero ser reclamada por Atena: deusa da sabedoria


▬ Cite suas principais características físicas e emocionais.

11 anos de idade 1,52 de altura cabelo castanhos e encaracolados claramente puxados do pai, olhos castanhos claro e covinhas na bochecha... alegre, animada, aracnofóbica e adora jogos de estratégia e 'se acha' um pouco


Por quê quer ser filho de tal Deus - ou ser tal ser mitológico?

Porque sempre me identifiquei por Atena afinal ela é a deusa da sabedoria e a imagem dela com um escudo e uma coruja sempre me encantou... eu sempre gostei de ouvir historias sobre ela como a que fala que os atenienses preferiram a oliveira de Atena em vez dos cavalos de Poseidon ou a história de Aracne e estratégia e inteligencia sempre foram meu forte

História da personagem: Iara estava entediada na aula enquanto seu professor de inglês explicava a diferença dos verbos em 1º, 2º e 3º pessoa. ela olhou para o lado e mandou por bilhete para seu melhor amigo que se chamava Jonathan. No bilhete estava escrito: 'na aula de Educação Física quando o professor mandar formar fila para escolher o time fique 3 alunos atrás de mim pois é mais ou menos com essa diferença que ele faz os times' .... um tempo depois ele respondeu com um bilhete que dizia tudo bem. Iara olhava o relógio esperando dar logo o horário do recreio para enfim elá ir á aula de Educação Física e então depois de 10 minutos que pareceram 10 horas finalmente eles puderam ir para o recreio.
Depois de comer um sanduíche de queijo ela, Jonathan e outra grande amiga que se chamava Letícia estavam se encaminhando á quadra apareceu de repente saindo do banheiro masculino uma figura alta e estranha que a olhou de de um jeito intimidador e deu um sorriso que pelo que Iara pode ver não tinha muitos dentes e Jonathan pareceu nervoso -O que foi Jonathan?-Perguntou ao vê-lo suar frio e ele respondeu -Nada de mais-
mas Iara sentiu um certo desconforto no seu tom de voz preocupado.
No ginásio havia três garotos estranhos como aquele então o professor disse: -Estamos pagando a esses jovens do orfanato para limpar algumas salas e pensei em chama-los para jogar futebol-... quando ele terminou de escolher os times como Iara previra ela acabou caindo no time de Jonathan e cada um escolheu suas posições.
Mas algo estranho acontecera: Um garotos grandes chutou a bola direto na barriga de Iara e então ela pode ver que ele só tinha um olho. Jonathan pegou a mão de Iara e saiu correndo dizendo -CICLOPES! FUJA!- Os dois fugiram e correram como nunca e ao ver que Jonathan a guiava á saída da escola Iara perguntou perplexa: -Nós vamos fugir da escola?- Quer dizer, está certo que ela achava a escola difícil por causa de sua dislexia mas como aquela era uma escola especial e ela tinha uma ótima memória para se lembrar dos ensinamentos não era tão ruim assim e Jonathan respondeu: -É preciso! Depois eu te explico!- E chegando perto do portão da escola ele gritou -Pule o portão okay?- Iara fez que sim com a cabeça e pulou o portão da escola que estava sem nenhum guarita porque estava na troca de turno e os dois conseguiram ouvir o barulho de destruição.
Já fora da escola Iara perguntou: -Agora você me diz o que está acontecendo?- E Jonathan contou tudo sobre o Acampamento Meio-Sangue e sobre os deuses e Iara falou perplexa -Ah! agora sei porque meu pai nunca me contou sobre minha mãe era para me manter segura de monstros! Mas então você realmente têm...- e Jonathan respondeu tirando os sapato e mostrando os cascos e depois falou: -Sim, e por falar em seu pai me siga! vamos avisa-lo!- Iara já não entendia mas depois de tudo aquilo resolveu seguir Jonathan.
Eles foram até um quintal recém lavado onde tinha um arco-iris -Oh deusa Íris aceite nossa oferenda-murmurou Jonathan jogando uma grande moeda que depois ela descobriria que era um dracma. E então apareceu a imagem de seu pai e Iara o chamou -Pai! EI! Pai!- que virou a cabeça e falou -Iara? E Jonathan? O que está acontecendo?- e Jonathan respondeu -A escola já não é mais segura, estamos ao lado da padaria que você costuma vir e então o pai de Iara gritou para esperarem ai e depois de 5 minutos estava com um carro ao lado deles -Eu lhes dou carona até o acampamento meio-sangue!- exclamou o pai da Iara -Ãhn... obrigado senhor- disse Jonathan, -Alan-respondeu o pai da Iara-Meu nome é Alan- Ele estava dirigindo absurdamente rápido e chegaram á Colina Meio-Sangue Rapidinho e então Alan abraçou Iara e disse que esperaria vê-la em breve.
Já fazia alguns dias que Iara estava ali e até que se dava bem com o chalé de Hermes e estava satisfeita lá e não tinha muitas esperanças de que fosse reclamada já que havia muitos meios-sangues que não foram até que certo dia dois garotos arrogantes do chalé de Hefesto começaram a implicar com um garotinho de 8 anos filho de apolo o que era uma tremenda covardia pois os filhos de Hefesto já tinham 14, Iara não queria deixar isso impune mas ela além de não querer briga com o chalé de Hefesto porque eles eram fortes ela era amiga de algumas pessoas desse chalé e isso poderia pegar mal mas mesmo assim ela foi lá, chamou a atenção deles e puxou sua lança dizendo para eles pararem com isso e os dois largaram os menino de Apolo e pegaram suas fortes espadas forjadas por eles mesmos e partiram pra cima dela que com rapidez e habilidade confundiu-os correndo e saltando de um lado para o outro até que desferiu um golpe num deles que lhe fez um profundo corte na perna e ele olhou para o irmão e disse -Acabe com ela- enquanto se arrastava para a enfermaria. Agora Iara duelava contra o outro filho de Hefesto que tinha uma espada muito boa mas Iara se concentrou fortemente usando sua capacidade de se lembrar bem dos ensinamentos e se lembrou de uma menina veterana no chalé de Hermes, grande amiga sua lhe ensinando a desarmar a alguns dias atras, Iara tentou se concentrar ao máximo até que ela conseguiu lembrar dos movimentos exatos e então ela desarmou o rapaz e lhe deu uma espetada no ombro que só derramou um pouco de sangue mas de qualquer jeito ele estava desarmado, com o ombro sangrando e a menina com quem estava duelando estava com sua espada na mão então ele se rendeu. Iara devolveu a espada para ele que foi atrás do irmão e quando Iara se deu conta muitas pessoas estavam olhando e então uma belíssima coruja chegou trazendo uma carta com uma coruja desenhada no selo prateado. Iara abriu o envelope que continha uma carta escrita com letra cursiva 'Tenho o prazer de reclamá-la como minha filha, assinado: Atena, A deusa da sabedoria' então uma imagem de uma coruja esculpida em um escudo de pedra surgiu no seu braço como uma tatuagem e desapareceu devagarzinho daí todas as pessoas que estavam olhando se ajoelharam e aplaudiram e Iara foi cumprimentada e levada ao chalé de Atenas obs: o meu texto não ficou alinhado porque meu computador está com bug daí eu não consigo alinhar
Iara Medeiros
Indefinido
Mensagens :
6

Localização :
nos seus pesadelos!

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Ficha de Reclamação

Mensagem por Henry Christian Campbell em Qua 07 Jan 2015, 13:20



Ficha de Reclamação


Por qual deus deseja ser reclamado/ qual criatura deseja ser e por quê?
Afrodite, pois seria a deusa perfeita para a trama do personagem.

Perfil de Personagem:
Físicas: Seus cabelos são castanhos, curtos e bagunçados naturalmente, como se mesmo após serem penteados insistissem em ficar daquela maneira. Os olhos do garoto não possuem uma cor definida, mudando a cada instante. Suas íris costumam vagar entre o azul-safira e o verde-mar. O corpo do garoto sempre está em forma, devido ao esforço que este faz para mante-lo assim, indo a academia todos os dias e fazendo uma hora de exercícios sem interrupções. Dono de uma pele bronzeada, mas nada muito exagerado ou artificial. Possui aproximadamente um metro e setenta de altura, não podendo se vangloriar pela altura, que é consideravelmente baixa.

Psicológicas: Henry costuma ser muito sarcástico e irônico com desconhecidos, pegando muito pesado com estes. Seu egocentrismo – herdado da deusa do amor – pode ficar fora de controle certas vezes, o que o leva a parecer um amigo ruim, o que não é verdade. Quando ele se preocupa com as pessoas pode até esquecer um pouco desse papo de boa pinta, manter-se sempre bem vestido e arrumado, sorrir para estranhos e paquerar garotas, só para ajudar a salvar algum de seus amigos. Leonino, ou seja, dotado de uma personalidade forte e exigente, não costuma receber ordens de ninguém que não si próprio e, acima de tudo, nunca desiste de seus objetivos na vida.

História:
Não havia mais motivos para que Christian permanecesse no Tennessee. Ele havia perdido seu único emprego, sido despejado de seu apartamento e, para completar, sua namorada também lhe abandonara. Como alguém, com vinte e cinco anos, poderia passar por tantas coisas ruins? Parecia mais uma das peças infames do destino. Christian Campbell foi até o bar mais próximo, disposto a encher a cara, gastar até o último de seus centavos com tequila, vodca e qualquer outra bebida que lhe oferecessem. Ele não se importava com mais nada. Ele não tinha mais nada.

Christian entrou no bar e sentou-se no bar, com os olhos marejados. Sua cabeça girava e ele remoía tudo que a vida lhe havia disponibilizado: uma chance perfeita de se tornar advogado destruída; uma chance de se tornar alguém na vida destruída; uma chance de começar a criar uma família destruída; o sonho de uma casa própria destruída e, acima de tudo, seu coração, despedaçado.

Sem o emprego de meio-período que ele possuía, não haveria como pagar a faculdade, ou mesmo continuar a ter um teto sobre a cabeça. Ele sabia o que iria fazer, mas resolveu pensar naquilo somente no próximo dia, quando o efeito do álcool viesse cobrar a conta, com uma ressaca inesquecível.

Sob a luz tênue, num dos cantos do bar estava sentada uma mulher lindíssima. Seus cabelos, negros como o véu da noite estavam caídos sobre os ombros. Seus olhos, simpáticos e devastaodores eram de uma cor indecifrável, como se a cada instante mudassem, tão hipnotizantes que Christian poderia olha-los durante uma vida inteira, e ainda assim iria continuar fascinado. A mulher estava com um Martini e o bebericava lentamente, com as pernas cruzadas. O vestido vermelho de couro marcava cada mínima curva do corpo dela, mas incrivelmente ela não parecia uma prostituta como qualquer outra mulher parecia no lugar dela.

Os olhares se trocaram e, no mesmo instante, Christian se levantou e aproximou-se da mulher.

2 anos depois.
Nova York.

Depois daquela noite no bar, Christian nunca mais teve noticias da mulher, mas uma coisa acontecera na sua vida depois de conhecê-la: a sorte mudou. No dia seguinte ele jogou na loteria e venceu. O prêmio era milionário e mudou sua vida totalmente. Ele conseguiu se mudar para Nova York, comprar uma casa, abrir sua advocacia e tudo, aos poucos mudar sua vida, mas naquela tarde quente e abafada de verão, entretanto, ele teria uma surpresa que talvez valesse tanto quanto todos seus bens.

Ele caminhava pelo parque, se exercitando como sempre fazia, até que uma mulher lhe chamou atenção. Usava um vestido vermelho que delineava cada curva do corpo esbelto dela e seus cabelos eram negros. Ele se lembrava dela. Dois anos antes ela o havia incentivado a continuar seu caminho, depois de algumas intimidades. Seu coração bateu mais aceleradamente, talvez por vela, ou talvez só por saber que ela ainda estava viva. Se não fosse ela, talvez ele estivesse atirado num desses becos imundos.

Aos pés dela um cesto, e em seus braços um bebê de aproximadamente dois anos. Seria o filho ela?

Seu filho? – perguntou Christian, se aproximando lentamente.

Nosso – esclareceu ela, em uma expressão aborrecida.

Nosso? – Christian sentiu que seu coração apertar e sua cor se esvair rapidamente. Como ele poderia ter um filho? Ele tinha tomado cada mínima precaução para que isso não acontecesse. Ela deveria estar enganada.

Não estou enganada – esclareceu ela, como se lesse os pensamentos dele. – Eu nunca me engano. Ainda mais quando se trata de meus filhos.

Ele não pode ser meu filho! – falou Christian, entredentes.

A mulher deu de ombros e entregou o bebê no colo do homem, que não conseguiu recusar. Ela parecia angustiada com aquela decisão, como se a criança fosse o centro de seu mundo.

Até as melhores famílias cometem erros – constatou a mulher, com um sorriso amargo. – O meu será deixa-lo com você.... Durma com os deuses, Henry Christian Campbell.

14 anos depois.
Nova York.
Antes de ser caçado por duas empousai sanguinárias, Henry estava tendo mais um dia perfeitamente comum.

Ele havia acordado cedo, como fazia toda a manhã. O sol ainda não havia nascido, mas ele sabia que logo começariam suas aulas matinais. Os cabelos castanhos do garoto estavam bagunçados e seus olhos azul-safira ainda estavam embaçados, deixando com um nível reduzido de visão. Ele caminhava preguiçosamente pelo quarto de paredes cinza e chão branco. Deprimente era pouco para descrever o lugar, mas aquele era um internato não muito amigável. Era proibido todo e qualquer tipo de comunicação com o exterior. Celulares, computadores ou internet? Nem pensar.

Henry era obrigado a compartilhar o quarto com outros três garotos, mas estes ainda dormiam pesadamente em suas camas. Henry seguiu para o banheiro, onde tomou uma ducha rápida e rapidamente se vestiu, com um jeans preto e uma camiseta azul de manga curta. Sua mente estava enevoada, mas ele simplesmente suspirou e passou a mão por sua mochila, saindo do quarto em seguida. No corredor não havia muitas pessoas, mas as que tinham não pareciam se importar com a presença dele, ou com nada que fosse relacionado a ele. Ele não gostava muito da sensação de ser tão excluído assim, mas dava de ombros e continuava sua caminhada.

Duas garotas idênticas começaram a se aproximar de Henry. Eram bonitas, mas exalavam um cheiro extremamente doce e enjoativo, que criava uma terrível ânsia de vômito no garoto. Assim que elas chegaram perto o suficiente suas entranhas deram um salto mortal triplo de costas, o que não foi muito interessante. Ele gostaria de um antiácido – para tentar acalmar suas entranhas –, mas achou que seria grosseria falar aquilo em voz alta. As garotas possuíam olhos que vagavam entre a cor púrpura e o azul, corpos malhados e extremamente bronzeados e vestiam dois vestidos de líderes de torcida que lhes caiam super bem.

Está cedo para estar na rua, Henry – ronronou uma delas, tirando longas mechas de cabelo louro da frente do rosto.

Ebonny, você sabe, e não é de hoje, que eu acordo cedo – falou o garoto, dando um sorriso torto. – Não estou com tempo para suas besteiras.

Vá com calma – ronronou a outra, olhando no fundo dos olhos de Henry de uma maneira predatória. – Não precisa ser rude tão cedo.

Pelo visto está irritadinho – sugeriu Ebonny, sorrindo e mostrando seus dentes perfeitamente brancos e artificiais. Era possível mesmo alguém ser tão perfeita? Ela parecia ter vindo duma fabrica de Barbie’s.

Com licença, eu realmente preciso ir – falou o garoto. – Aliás, deveriam pensar em mudar de perfume. Já estou com vontade de vomitar e nunca mais comer um doce na minha vida.

Falando do meu perfume? Sabe quando custou isso, seu cretino?! – Ebonny, realmente parecia ofendida, mas Henry não se importou com o fato. Elas sempre se ofendiam com tudo.

Deveria ser mais gentil, afinal não queremos que Ebonny lhe machuque antes de podermos lhe preparar devidamente – falou a outra.

Me machucar? – perguntou ele, gargalhando. – Rebecca, com licença. Vou me atrasar se não for agora.

Não, não, não! – disse Rebecca, colocando a mão no peito de Elijah e o empurrando para trás. O garoto quase tropeçara em seus próprios pés. Ela era bem mais forte do que aparentava.

Estamos famintas! – disse Ebonny, com um sorriso torto. – Sabe quanto tempo passamos no Tártaro? Muito. Estou com muita fome e não como um semideus há muito tempo.

Será bom poder nos vingar de nossa mestra da melhor maneira possível – comentou Rebecca. – Ela nos matou com suas próprias mãos, só por termos errado uma poção, e nos lançou ao Tártaro.

Quando se está naquele lugar, existe muito tempo para aprender truques novos – ronronou Ebonny. – Ainda mais quando Pasifae e Medéia estão lá. Elas foram nossas mentoras, sabe?! Ensinaram-nos tantas coisas boas... Tantos truques, para termos nossa doce vingança.

Henry estava com vontade de rir, mas sentia a seriedade na voz delas e, no fundo – mesmo que uma pequena porção de si – sabia que o que elas estavam falando era verdade.
Ele não resistiu em provocar:

Mais doce que seu perfume? Acho difícil.

Nos tornamos muito mais fortes. Mais mortíferas. Mais letais – falou Rebecca, dando um passo a frente e ignorando o comentário de Henry. O barulho de sua caminhada foi como quando se deixa metal cair no chão.

Quando os olhos de Henry encontraram as pernas das garotas percebeu que haviam mudado. Elas possuíam pares de pernas estranhos: uma peluda e de coloração marrom, como as pernas de um burro; outra reluzente e metálica, aparentemente feitas de bronze.

Ele recuou dois passos e encarou-as assustado. Seus cabelos, anteriormente volumosos e perfeitos, agora estavam em chamas. Queimavam de forma uniforme, subindo, mas não deixando fumaça. Sua pele se tornara tão branca quanto os ossos de mortos e suas unhas se alongaram como garras. Dentes pontiagudos e amarelados substituíram os dentes perfeitos e seus olhos ficaram vermelhos-sangue.

Por favor, parem – pediu uma voz feminina atrás de Henry, fingindo súplica. Ele sentiu alguma coisa na voz da garota, mas era fraco demais. Virou-se para encara-la.

Ele fixou seus olhos numa garota não muito alta e de pele levemente bronzeada. Possuía o cabelo castanho e amarrado numa trança, com uma pequena pena azulada em seu fim. Ela era linda, mas, diferente de Ebonny e Rebecca – antes de se transformarem em monstros com pernas irregulares – sua beleza era natural e pacífica. Ela vestia uma camiseta branca com as letras CHB e um jeans simples. Em sua mão ela segurava um chicote, e na outra uma adaga.

Se importam se eu e minha namorada entrarmos na festa? – perguntou uma voz vinda da outra extremidade. Era masculina, sem sombra de dúvida, e parecia pertencer a alguém com aproximadamente dezoito anos. Esta voz não carregava o mesmo poder que a outra, mas soava firme e autoritária.

Henry virou-se novamente, vendo o garoto moreno que entrava pelas portas. Ele possuía mais de 1,80 e tinha olhos castanhos, que vez ou outra, pareciam fumegar, além de porte atlético. Seu cabelo não era muito comprido e estava em perfeito estado, como se cada fio estivesse em posição de sentido. Ele vestia uma camiseta laranja, exatamente como a da garota com as letras CHB. Em sua mão ele segurava uma lança de um metro e meio de comprimento com a ponta de bronze.

Mais semideuses – ronronou Ebonny, mostrando as garras. – Que bom que se juntaram a festa. Pelo cheiro são... filha de Afrodite e... filho de Ares.

Daria um ótimo ensopado – falou Rebecca, lambendo os beiços.

Vocês ficariam melhores no Tártaro – começou a garota –, a decoração lá exige algumas barangas como vocês.

Podemos começar pelas explicações?  – perguntou Henry, saltando para trás quando Ebonny tentou arranha-lo com suas garras. Ele estava assustado com aquilo, mas decidiu focar na sobrevivência.

Se você sobreviver – falou o garoto –, podemos ir para as explicações.

Ótimo – resmungou Henry, abaixando-se e chutando a perna de Rebecca, que tentou lhe arranhar. Ela caiu pesadamente no chão e Elijah retomou sua posição, preparando seus punhos.

Legal – falou a tal filha de Afrodite, com certa surpresa em sua vez. – Ele sabe lutar!

Como se fosse adiantar contra essas empousai – falou o filho de Ares, tentando acertar a lança no peito de Ebonny, que conseguiu desviar com uma velocidade incrível.

Como você é pessimista Elijah – resmungou a garota, filha de Afrodite.

Vai me dizer que não é verdade, Luna? – rebateu Elijah, continuando a lutar.

Luna pegou a adaga e a lançou para Henry, que a segurou firmemente e brandiu contra as empousai. Elas hesitaram, mas logo voltaram a ataca-lo de forma brutal, tentando a todo custo arranha-lo ou morde-lo. Henry, sem saber como, continuava esquivando e tentando esfaquear as empousai. O garoto começou a sentir-se mais motivado a cada vez que conseguia chutar a cara das empousai e isso o fez continuar. A lâmina da adaga que Luna dera-lhe atravessou o braço de uma das empousai e a fez cair pesadamente, se dissolvendo numa poeira dourada. Henry percebeu que acabara de derrotar Ebonny, e sozinho.

Rebecca lutava contra Elijah e Piper. Piper lançava-se contra ela e tentava golpeá-la com sua espada. Jason por sua vez perfurou a barriga de Rebecca com a lança, também fazendo-a se dissolver em um pó dourado.

Sério? – Elijah olhou para o céu, como se falasse com alguém. – Mais um Garoto Glitter? O que eu fiz para merecer isso, pai?

Henry não havia percebido, mas a sua volta um brilho sútil de rosa era emanado, fazendo com que seu corpo brilhasse. Sobre sua cabeça um pombo em 3D girava imponente. Luna parecia animada e abraçou Henry com força.

Bem vindo a família, irmão.

Como eu odeio resgatar filhos de Afrodite... – resmungou Elijah. – Vamos levar ele logo para o acampamento.

Horas depois.
Long Island (Nova York)

Depois de viajar – de pégasos – até Long Island, eles se prepararam para subir uma colina. Sobre esta uma estátua dourada brilhava, emanando poder. Até mesmo Henry sentia aquele poder, mas não parecia ser um tipo de poder agressivo. O coração dele acelerou. Ele não conseguia acreditar que estava subindo uma colina por achar que era um dos filhos de Afrodite, só por ter brilhado e por uma pomba girar sobre sua cabeça.

Atena Partenos original – esclareceu Luna, como se lesse os pensamentos do garoto.

Eles começaram a subir lentamente, o que não ajudava a manter Henry mais calmo, só servia para deixa-lo ainda mais nervoso do que anteriormente. Ele só se acalmaria depois de ouvir a história toda da boca de uma pessoa que não use uma lança para matar as colegas de Henry, que por sinal eram demônios-sanguessugas. Quando estavam quase atingindo o topo, Henry parou e respirou fundo, se preparando mentalmente para qualquer esquisitice que pudessem existir depois da Atena Partenos, que estava sumida a sabe-se-lá quanto tempo. Assim que se preparou para tudo que poderia acontecer, continuou a caminhar.

Na entrada do acampamento um homem-cavalo estava esperando por eles.

Esse é o centauro Quíron, nosso diretor de atividades. – Elijah pareceu insistir na palavra "centauro", como se estivesse dizendo, entrelinhas: "Centauro, não homem-cavalo, nem homem-mula ou super-cavalo-humano.".

Seja bem-vindo ao acampamento Meio-Sangue, Henry, filho de Afrodite.



OBSERVAÇÕES:
A história pode estar um pouco confusa, mas conforme a trama do personagem for sendo desvendada tudo ficará mais simples de se entender.
© Ross at CupcakeGraphics
Henry Christian Campbell
Filhos de Afrodite
Mensagens :
5

Localização :
Nos confins do universo...

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Ficha de Reclamação

Mensagem por 096-ExStaff em Qua 07 Jan 2015, 15:35

avaliação

iara medeiros. Reprovada.

Primeiro, 'cê tem que adequar seu nome, iniciá-lo com letras maiúsculas por questão de estética mesmo. Você pode postar aqui (clica!) e postar, pedindo as devidas mudanças. Segundo, sua ficha, de cara, não encheu os olhos. Tente usar mais cores, separar os parágrafos, tudo para deixar mais chamativo para o avaliador. As respostas, principalmente na questão de descrição do seu personagem — física e psicologicamente — deixaram a desejar; na próxima, tente aprofundar-se mais. Notei também vários erros ao longo do texto, e você tem um sério problema com vírgulas. Leia em voz alta e marque, com as vírgulas, as pausas, e separe uma oração da outra. Isso deixa seu texto mais fluente e agradável de se ler.  No mais, boa sorte na próxima!

Henry Christian Campbell. Reclamado como filho de Afrodite.

Então, Henry, fiquei muito indecisa, mas resolvi te dar essa chance. Notei alguns erros ortográficos, mas nada gritante e que não possa se resolver com uma revisão. Sugiro que utilize um corretor que não seja o word. Alguns erros de concordância, também, mas nada que te reprovasse. Gostei muito da sua história, apesar de encontrar um ou outro "Elijah" no lugar, creio eu, onde deveria estar o seu nome. No mais, parabéns.


atualiza aqui, porfa

096-ExStaff
Deuses
Mensagens :
51

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Ficha de Reclamação

Mensagem por Iara Medeiros em Qua 07 Jan 2015, 15:52

Eu não sei como separar parágrafos e colocar cores
Iara Medeiros
Indefinido
Mensagens :
6

Localização :
nos seus pesadelos!

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ficha de Reclamação - Gwen Breeze

Mensagem por Gwen Breeze em Qua 07 Jan 2015, 21:10

Amnesia anda sendo mais comum do que você imagina nas histórias
Ficha de Reclamação: Gwen Breeze
- Por qual deus deseja ser reclamado/ qual criatura deseja ser e por quê?

A deusa Quione. Isso tem algo a ver com a trama secreta (não tão secreta) de Gwen, mas também porque Quione é o tipo de deusa “invernal”. Não no sentido de ser a deusa da neve, dã, mas por ser aquele tipo de pessoa que te faz calar a boca e se sentir malquisto com um mero olhar. Gostaria de ser esse tipo de pessoa. Sniff.

- Perfil do Personagem

Características Físicas

Gwen é bonita, mas não é o que podemos chamar de “beleza americana”. Ela tem os cabelos loiros muito bonitos na altura dos ombros, lisos e facilmente modeláveis, como também olhos castanho escuros que embora comuns, são genericamente belos. Além disso, ela tem uma pele alva quase exótica, que não chega a ser extremamente branca, mas que definitivamente não se encontra em qualquer um, nem mesmo entre o branco intocável dos filhos de Quione. Pode-se dizer que ela é elegante. Com um corpo esguio, alto e magérrimo ao ponto certo entre a estranheza e o ideal de beleza imposto, Gwen tem suas curvas, ainda que não proeminentes, e um rosto anguloso e bonito.

Entretanto, não se pode dizer que ela chama a atenção onde passa. Aos olhos mortais, ela seria basicamente alguém  de beleza exótica, mas não exatamente atraente, que poderia ficar consideravelmente bem produzida e elegante. Embora ela tenha traços belos, é quase como se ela tivesse esculpida em (ironicamente um trocadilho) gelo: duro demais, anguloso demais. Em um acampamento lotado de semideuses de consideravelmente mais bonitos até simplesmente perfeitos, Gwen fica na faixa rejeitada, ainda que tenha seus atrativos.

Características Psicológicas

A personalidade de Gwen é ao mesmo tempo extremamente definida e drasticamente confusa. Não por ser instável, já que na verdade Gwen permanece calma e pensante em qualquer ocasião (ou quase isso), mas talvez pela garota ter perdido a memória totalmente. Ao contrário de seus irmãos ou ao menos a maioria deles, ela não tem qualquer instinto vingativo ou nutre pensamentos ruins sobre qualquer um, mesmo que provocada. Embora confusa sobre como agir e se sentir, ela tem uma forte tendência a saber o que é certo e errado, dividindo a coisa em dois lados. Gwen não gosta de se sentir de modo esquisito ou que desconhece a sensação, e assim, medo de se apaixonar.

Em matéria de ser bondosa e maldosa, não se pode dizer muito. Ela mesma ainda não sabe o que é, mas não tem desejo de ferir ninguém e muito menos matar. Comparada a muitos de seus companheiros de chalé, ela chega até a ser calorosa e receptiva. A filha de Quione prefere ficar sozinha a ter que se socializar com desconhecidos, mas é muito educada e elegante e nunca perde a compostura. Quando se aborrece ou se frustra, não costuma fazer nada que fira o próximo e se isola. Gwen não tem talentos artísticos com pintura, jardinagem ou algo assim, e mesmo não é muito de batalhar, mas sente uma forte conexão com o passado enevoado quando esculpe, única coisa que consegue fazer muito bem e se sobressai. Ela também parece ter grande talento com piano, embora nada prodigioso, mas não tem qualquer outro dote musical, tampouco os demais, como físicos, culinários e afins.

Gwen não chega a ser muito inteligente ou genial, mas é extremamente cautelosa e metódica, embora não chegue a ser fria ou calculista. Ela é o tipo de pessoa que te cala com o olhar e deixa os outros sem graça de propósito quando quer ficar sozinha (o que é frequente). Além disso, ela é pragmática e tem raciocínio rápido para diversas ocasiões. Entretanto, dentre toda a mentalidade, o que a faz se sobressair é seu esforço notável para descobrir a si mesma e sua persistência, determinação e teimosia. Essas características são tão marcantes que chegam a ser inquietantes aos que olham de fora.

- História do Personagem

Gwendolyn Angeline Breeze. 18 anos. Nascida no estado americano de Nova York, na cidade de Nova York.

Isso era tudo que eu sabia.

Vai parecer fingimento para a maioria, eu sei. Vocês devem estar pensando: “É, com certeza, você perdeu toda a memória e veio parar aí, perto de um acampamento convenientemente posicionado. Aham. Sei.”. É, eu sei, parece estranho, mas é exatamente isso. Talvez, caso você seja mais generoso, pode pensar: “Pobrezinha. Perdeu toda a memória e não se lembra de mais nada. Ela precisa de um médico de cabeça.”.

Médicos de cabeça. Ai. Sinto um puxão doloroso no cérebro quando penso nisso, como se devesse lembrar de algo. Mas quando tento me lembrar, só encontro o vazio. Escuro. Negro como breu. Nada.

Ou, talvez, você não pense nada. Talvez você me ache só mais uma garota loira idiota que não merece sua atenção. Sinceramente, prefiro essa reação a qualquer outra. Mas o que importa é eu me situar e contar o que aconteceu. Bom. Ao menos o que acho que aconteceu.

Eu acordei, no meio do mato próximo a uma estrada. Raios de sol atingiam minha pele branca em meio a algumas árvores. Eu estava em... Em? Não sei. Nunca vi aquele lugar na minha vida, tinha certeza. Na verdade, eu julgava que não tinha visto lugar algum. Não me lembrava de nada. Absolutamente nada. Quando digo isso, eu não estou dizendo que não sabia falar, ler ou meu nome. Eu, estranhamente, sabia disso. Sabia o básico do fundamental, mas não me lembrava dos meus pais. Quem eram eles? Eu tinha pais? Será que eu realmente existia? Talvez estivesse sonhando. Me belisquei com força.

Doeu. Mas não acordei.

Lentamente, me levantei com certa dificuldade. Eu estava apenas com a roupa do corpo, uma calça velha, uma blusa branca de lã encardida e um tênis esportivo dois números maior que o meu pé, visivelmente.

E... Um papel na mão esquerda. Abri-a. Havia um nome escrito, e logo um puxão curioso, nada confortável, mas embora não doloroso, me veio a mente. Quase um formigamento. Não sabia quem era aquela pessoa, mas eu sentia que deveria ter sabido em algum outro momento.

Passos. Certa correria. Duas pessoas, um garoto e uma garota.

Eu não devia estar em aparência digna, mas olhei confusa para aqueles dois. A garota era mais alta que o menino, muito atlética e de pele morena e olivácea. Bonita, eu acho. O garoto ao seu lado era baixo e atarracado, mas tinha traços muito bonitos de quem costumava sorrir muito. Sorrisos. Eu sei que não gosto disso.

Ah, ótimo. Notei um brilho acima da minha cabeça. Muito legal, agora tenho um floco de neve reluzindo acima da minha cabeça, e ambos os jovens desconhecidos encaravam aquilo com certo choque. Senti tontura e eu estava começando a me sentir verdadeiramente nauseada.

Ambos trocaram olhares graves e eu me equilibrei numa árvore, pois tudo pareceu girar levemente quando me levantei. O garoto veio me aparar bem a tempo antes que eu caísse e me encaminhou para a estrada. Ao longe, agora eu via, sem as árvores ocultando minha vista, que havia uma bela casinha de campo e uma plantação de algo vermelho. Talvez morangos. Havia pessoas colhendo, mas só de pensar numa casa aconchegante, me senti melhor.

Logo, as explicações e perguntas infrutíferas viriam. Para perguntas sem pé, temos respostas sem cabeça, afinal. Mas uma coisa, eu estava disposta a dar um pé e uma cabeça. Essa questão merecia isso. Meu passado. E para isso, eu precisava descobrir.

Eu precisava descobrir quem era o nome do papel, quem era Zafrina Goddard.
NOTES : Desculpe a história curta. Poxa. A garota sofreu amnesia, dá um desconto.  
Thank's Lyra' @CUPCAKEGRAPHICS

Gwen Breeze
Filhos de Despina
Mensagens :
7

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Ficha de Reclamação

Mensagem por 111-ExStaff em Qua 07 Jan 2015, 21:39

Assim como a lua cada um tem seu lado escuro
Avaliação


Gwen Breeze - Reclamada como filha de Quione.
Gwen, você escreve muito bem, o que significa que não notei nenhum erro em uma primeira lida. A maioria das pessoas pode dizer que um semideus que perdeu a memória é muito clichê mas eu, pelo contrário, acho isso o charme da história.

Atualizado por ~Eos



Seja bem-vinda /o/ ; Thanks Maay From TPO.
111-ExStaff
Deuses
Mensagens :
261

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Ficha de Reclamação

Mensagem por Caine Wolff Hömenneg em Qua 07 Jan 2015, 22:04



That boy's a slag
WE USED TO SWIM IN YOUR STORIES AND BE PULLED DOWN BY THE TIE


#  #  #


Por qual deus deseja ser reclamado e por quê?

Dionísio.

Foi o que mais combinou com a trama + minha amiga recomendou mandou que fosse de Dio. Aliás, eu meio que gostei dos poderes/itens. Ah, sim: o Caine combina até demais com esse deus, mesmo sendo um pouco cínico demais é/.


Características Físicas

Caine possui cabelos pretos – que, muitas vezes, aparecem cobertos por um gorro azul, pelo garoto sentir pura preguiça de arrumá-los, ou então, por hábito mesmo –, olhos azuis – herdados de sua mãe – e feições que, de tão arrogantes, fazem com que qualquer um sinta a vontade de dar um tapa na cara dele – coisa feita diariamente q.

Geralmente, há sempre um sorriso cínico e ligeiramente malicioso em seus lábios, que, quando abrem-se para emitir palavras, estas acabam soando esnobes e, a cada cinco, quatro são flertes, feitos inconscientemente. Além disso, sempre carrega um maço de cigarros consigo, realmente fumando-os,  e não fazendo uma metáfora coisagay, junto com um simples isqueiro prateado.

Suas vestes são um conjunto despojado. Odeia ter que vestir-se formalmente e preferiria morrer a vestir calças sociais. Tem a tendência a sempre ir para cores de tonalidades neutras, ou então, cinza mesmo.


Características Psicológicas

Seu psicológico, ao contrário do que seus muitos terapeutas afirmam, é facilmente reconhecível; é impulsivo e um arrogante filho da puta. Muitos o caracterizariam-no como um verdadeiro idiota, enquanto outros, idolatrariam-no, como um verdadeiro rei. Tudo depende do seu ponto de vista.

Apesar de todo o seu exterior – e, por vezes, interior também – transmitir a ideia de alguém sem sentimentos, Hömenneg possui-os sim, embora não goste de demonstrá-los, por achar um sinal de fraqueza. Desse jeito, tente a afastar todos aqueles que poderiam, potencialmente, fazê-lo sentir. A única exceção foi Nadja. Tem problemas de confiança graves – dizem seus terapeutas –, mas, quando consegue confiar, pode ser o amigo mais leal que existe.

Seu “grande medo”? Por mais irônico que isso seja, apaixonar-se. Mais irônico ainda? Ele ainda não sabe, mas já o é, apesar de que o simples pensamento de tal ação lhe faz ficar nervoso e incomodado, por conta da infância que teve. Assim, para proteger-se contra tal coisa, prefere acabar com quaisquer laços afetivos que tenha, o que faz com que seja ainda mais difícil para o garoto conseguir amigos verdadeiros.

Um resumo? Wolff é um alemão canalha e arrogante.

Simples assim.


História

O passado de Hömenneg é uma das coisas consideradas tabu para ele. Odeia falar sobre este e, quando mencionado, tenta rapidamente mudar de assunto, usando a tática de fazer com que a pessoa fale de si mesma, perdendo a concentração nele.

E tudo começou na manhã chuvosa de dezembro ~tâ,tã,tãaaaaam q~

Uma maldita manhã do ano 1904.

Sua futura mãe, Elizabeth Wolff, andava, bêbada pelas ruas. Havia acabado de ter, mais uma vez, sua audição negada. Talvez o motivo fosse o cheiro de suas roupas, que pareciam ter sido expostas à uma concentração inimiginável de maconha ou, então, seu estado, como se houvesse acabado de fazer a caminhada após uma longa noite de sexo.

Seja qual foi a razão, a fez ficar brava. E, pior do que isso; a fez beber. E muito. Já estava beirando a inconsciência, ainda reclamando algo sobre um produtor inútil e elitista, quando esbarrou contra alguém. E isso foi o bastante para fazê-la cair nos braços do homem. A este ponto, Wolff já dormia, aconchegando-se nas mãos do desconhecido.

Por sua vez, este tirou-lhe o cabelo do rosto. A chuva parou. E, no sorriso do deus, um sorriso surgiu.

Na manhã seguinte, a mulher acordou em sua cama, já sentindo os efeitos da ressaca. Zonza, tentou abrir os olhos, mas uma voz a fez dormir novamente.

Acordou de novo à tarde. Sentia-se melhor, embora ainda estava com uma enxaqueca dos infernos. Olhou para cima, lentamente, tentando não fazer nenhum movimento súbito. E, foi aí que deu um grito. No canto do apartamento, assistindo à TV – embora o canal que passasse parecia retratar um assassinato um pouco real demais –, estava o desconhecido, fazendo uma cara de exaustidão.

Ele virou-se, sobressaltado. Então, abriu um sorriso tão branco que fez os olhos da desempregada sofrerem.

— Ah! Acordou, finalmente – sua expressão ainda estava exausta, mas sua postura havia se endireitado, e seu olhar era mais determinado — Aliás, dormiu bastante, Elizabeth – levantou-se, de forma que a mulher pudesse admirar seu físico por completo. Estava impressionada, assustada e, principalmente, confusa — Eu devo algumas explicações, não é? Pois bem. Meu nome é Edward. Prazer – ele estendeu uma mão e, hesitante, ela a pegou — Eu sei que tive maneiras terríveis, ao entrar no seu apartamente sem a sua permissão, mas achei que era uma emergência. Senti-me mal em deixá-la e, por isso, esperei que acordasse para poder me despedir.

— De onde você é? – foi a única coisa que ela conseguiu falar.

— Ontem à noite, nós nos esbarramos. Você desmaiou, acho. Enfim, achei seu endereço e te trouxe aqui. Espero que não fique muito brava – Elizabeth balançou a cabeça — Bom, de qualquer maneira, foi um prazer, Elizabeth Wolff. Espero te encontrar mais vezes – ele parecia, pela primeira vez, desajeitado. Ela levantou da cama, e, em um impulso, fez aquilo que a condenou para sempre.

Chamou-o para tomar café da manhã – ou melhor, almoço – com ela.

E ele selou o destino, quando aceitou.

Duas horas depois, os dois estavam na cama, fazendo aquilo que se espera de dois seres – seja um deles imortal ou não –; trepando.

O affair deles durou por dois meses, mas foi o bastante para que Elizabeth se apaixonasse. O deus, por outro lado, apesar de importar-se com ela, nunca chegou a retribuir seus sentimentos. E, por mais que fosse algo cruel, ruim e doente, ele a usava.  Porque sabia que ela sempre estaria disponível.

O casal continuou com seus encontros, até que a mulher descobriu estar grávida.

E foi com essa descoberta que tudo começou a dar errado.

Dionísio – que eu espero que vocês já tenham entendido ser ele q – passou a visitá-la menos, e evitava tocar no assunto do bebê. Bem, quando a criança nasceu, suas visitas passaram a ser ainda mais raras, e a mãe culpava, naturalmente, seu filho.

Apesar de tudo, Elizabeth começou a cuidar do bebê, que recebeu o nome de Caine. Aos poucos, o garoto crescia, demonstrando, cada vez mais, sua ligação com o pai. Os olhos, a expressão, tudo nele lembrava-a de seu antigo amor. E isso fazia com que seu desgosto pela criança aumentasse, mas cuidava desta com a esperança de que, por ter um filho, Edward voltasse a visitá-la.

Aos nove anos, Caine já tinha certeza de uma coisa; amor era algo a ser ignorado. Seu desejo era nunca apaixonar-se. Afinal, após ter crescido com uma mãe que vivia atormentada por causa de uma antiga paixão, seria natural o garoto não querer algo assim em sua vida. Assim, seu caráter começou a se desenvolver. Não seria alguém inocente, já que isso só trouxera miséria à sua mãe.

Não, seria um verdadeiro filho da puta.

Elizabeth já não importava-se mais com ele; havia arranjado um novo marido. Um marido rico, membro de uma família real alemã, mesma nacionalidade que a sua própria. Caine recebeu seu nome. Passou a ser Caine Wolff Hömenneg.

Quando o garoto tinha acabado de fazer dez anos, o primeiro ataque aconteceu. Foi uma dracaenae, mas a simples visão aterrorizou-o. Desesperado, teve que correr até uma avenida, onde um carro tomou conta do monstro, levando-o embora. Bom, aquilo foi embora, sim. Mas não antes de levar a mãe dele junto. Assim, o padrasto, sem a menor vontade de cuidar do garoto, despachou-o para a Rússia, em um orfanato especializado em crianças desajustadas. E, isso, sendo ruim ou não, mudou - sim, de novo - a vida do alemão.

Foi lá que conheceu o que viria a se tornar o amor da vida dele. Sim, ele apaixonara-se por uma garota qualquer, órfã. Seu nome? Nadja. Se ela era especial, como ele? Óbvio. Filha de Afrodite. Mas nenhum dos dois sabiam disso. Nadja, com seu jeito inocente de ser, conquistou o coração do assumido filho da puta - mesmo com ele não sabendo disso - no momento em que passou pela porta de seu quarto, pedindo que ele diminuísse o som do rádio.

A amizade deles durou por uns três anos, não sendo nem de perto o suficiente para Hömenneg. A cada dia ele ia dormir com ela na cabeça, e a cada dia agradecia a qual quer que fosse essa "força maior" que juntou-os.

Isso até o ataque. O que ninguém ali sabia era que o lugar era na verdade, um Acampamento Meio-Sangue russo. Na verdade, era é a palavra-chave. No ano de 1914, o lugar desmoronou. Os monstros destruíram o lugar. E, com eles, levaram Nadja.

E isso foi a gota d'água para o alemão.

Se ele estava em um "lugar ruim" antes, a condição piorara. O padrasto, ao localizá-lo, resolveu vender a história de "sobrevivente de um ataque terrorista" e reclamou-o como seu filho perdido, não demorando muito para achar outro internato. Desta vez, um em Nevada. Não tinha muitos amigos, por ser um canalha com todos, mas não poderia importar-se menos. Passou a ver as garotas como objetos, e afundou-se no vício do cigarro. Não importava para onde ia, sempre carregava um maço consigo.

Foi em 1921 que o "acidente" aconteceu. A Guerra ainda estava rolando, claro, mas até aí, ele ainda não era tachado como inimigo. Isso até alguém descobrir que seus sobrenomes eram alemães. Nesse dia, todos do estado voltaram-se contra ele.

Para despistar seus assassinos, resolveu entrar em um dos velhos bares da cidade, onde ninguém frequentava, e o bartender era um velho relativamente surdo. Felizmente, alguém estava tendo uma festa ali, e todos estava bêbados demais para notar o alemão. Isto é, todos menos o gordo baixo viciado em diet coke e pac-man. Eles conversaram pelo o que pareceram ser horas, até que os gritos da multidão assassina foram ouvidos. Caine levantou-se, com medo, mas aparentemente pronto para a morte.

A última coisa da qual se lembra foi ter visto um brilho... Púrpura nos olhos do seu novo amigo.

Acordou em um lugar luxuoso, mas desconhecido. Era um hotel. Ao olhar para os lados, viu um papel. Vá para o Acampamento. Está na hora de um reencontro entre pai e filho. Olhou para os lados e descobriu que não estava só. Alguém o esperava, sentado na beira da cama. Era uma adolescente, com mais ou menos a sua idade. Ruiva, com uma silhueta definida. Sorriu.

— Ah, olá. Meu nome é Samantha, prazer – desconfiado e ligeiramente zonzo, ele apertou a mão que lhe era oferecida, ensaiando seu sorriso malicioso habitual.

— Caine. O prazer é todo meu, ruiva – ela deu um risinho debochado.

— Bom... Vamos? Francesco está lá embaixo, com o motor do carro ligado. Devo apontar que foi bem difícil de te encontrar, garoto – Samantha reparou na expressão confusa e fez um gesto de deixa ‘pra lá — Enfim. Quíron nos mandou vir te buscar. O caminho vai ser complicado, já que alguém como você vai dificultar muito, mas quanto mais cedo sairmos, mais rápido será.

— Como você sabe que isso irá funcionar? – perguntou o alemão, ainda desconfiado. Hömenneg pegou um cigarro da cabeceira do quarto e acendeu-o, soltando a fumaça. Começou a levantar da cama, não ligando para o fato de estar vestindo apenas uma cueca.

— Hum. E por que eu deveria acreditar em você? – ela passou os olhos rapidamente pelo seu corpo, antes de voltá-los para o rosto do semideus novamente. Parecia mais vermelha que o normal.

— Porque eu sou igual a você – ele riu, exalando fumaça novamente.

— Ninguém é igual a mim. Sou único, ruiva – Samantha aproximou-se, levantando da cama.

— Sério? Então você nunca sofreu um ataque estranho? Nunca viu coisas que apenas alguém considerado louco veria? – apesar do nervosismo, o alemão rolou os olhos. Ela sabia.

— Não sei do que está falando.
— Sabe sim. Só está sendo um idiota em não admitir – a garota respirou fundo e jogou uma roupa, pegando esta do chão — Vamos. Temos que ser rápidos.

E, pela primeira vez na vida, Caine fez o que lhe era mandado.


No momento seguinte, estavam na estrada. Em algum momento da viagem, Hömenneg caiu no sono. A última coisa que conseguiu captar foi cochichos entre a recém-conhecida e o motorista. Por algum motivo, ele jurou ter visto olhos na nuca deste.

— Caine? – a voz acordou-lhe, assustando o adolescente. Já mais alerto, ficou de cara com um homem. Estava em uma cadeira de rodas. Tinha rugas ao redor de seu rosto. Rugas essas que ele não sabia dizer se eram por causa do cansaço ou de sorrir demais — Ah, ótimo. Acordou. Prazer, meu jovem. Meu nome é Quíron.

Foi a partir desse momento que a vida do Hömenneg mudou para sempre. De novo.



#  #  #


the best you ever had:

Ah, sim: a Nadja que foi mencionada é a Nadja algumacoisa, filha de Afrodite, uma player real aqui. E ela autorizou sim a sua participação especial na ficha -q

Caine Wolff Hömenneg
Indefinido
Mensagens :
6

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Ficha de Reclamação

Mensagem por 117-ExStaff em Qua 07 Jan 2015, 23:15


Avaliação
ficha de reclamação

Caine Wolff Hömenneg - Não reclamado: Sua narração é muito boa, e sua ficha me prendeu do início ao fim. Contudo dois pontos foram cruciais para sua não reclamação. O primeiro deles é a cronologia dos fatos: pelo que entendi, seu personagem nasceu entre 1904 e 1905, então ele já teria 111 anos? Não sei se existe alguma coisa em sua trama que explique isso, mas, como não foi citado em nenhuma parte do texto, esse detalhe pesou muito. Contudo, o que realmente me incomodou foi o fato de Dionísio aparecer por tantas vezes na vida de Caine - já que é proibido para um deus interferir diretamente na vida dos seus filhos. O pai divino de seu personagem, entretanto, pareceu não se preocupar com essa lei, interferindo em diversas ocasiões em prol de Wolf.
Tente novamente, fazendo as alterações necessárias e tenho certeza que será aprovado.
117-ExStaff
Administradores
Mensagens :
698

Localização :
Em uma tenda perto de você

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Ficha de Reclamação

Mensagem por Zyra em Qui 08 Jan 2015, 10:19





Ficha de Reclamação

- Qual criatura deseja ser e por quê?

Dríade, pois elas são criaturas fortes e adoráveis, perfeita para a personagem que criei.

- Perfil do Personagem

Física — Zyra é bela, delicada, assim como uma rosa, magra e graciosa. Seus cabelos são vermelhos e seus olhos são verdes.

Psicológicas — Como a roseira, a planta da qual nasceu, é bela e cheia de espinhos. Atenta para a malícia do mundo e moldada por ela, Zyra é fechada e raramente confia em alguém, apenas na doce e inocente Nami.
- História do Personagem

Assim que sua linda roseira brotou e floresceu, Zyra esteve com ela. Antes, era uma jovem cheia de energia e adorava dançar e se divertir com outras Dríades, seu temperamento era controlado. Um belo dia a rosa foi enganada por um sátiro maldoso que tentara fazer com ela coisas que a jovem nem mesmo sabia o que era.

Graças a outros espíritos da natureza, Zyra ainda mantinha sua dignidade, porém após esse evento, nunca mais confiou em alguém. Aprendeu sozinha a sobreviver perto de sua roseira e não permitia ninguém se aproximar.

Em um dia, um novo rio começou a correr próximo a ela. Torceu para que a nova Naiáde não ficasse por ali e durante vários dias seu pedido foi atendido. Até que ela apareceu carregada por campistas e uma comissão de espíritos aquáticos.

Zyra ficou irritada e chegou a odiar a pequena que acabara de chegar, ela acabou com seu sossego e seria obrigada a conviver com ela, mas aos poucos a jovem amoleceu seu coração e despertou um sentimento que a Dríade pensava não existir.

Como uma real criança, Nami conquistou a confiança do espírito da floresta que prometeu manter ela segura. Assim começaram a ser amigas, irmãs até.


Thanks for @Lovatic, Cupcake Graphics


Zyra
Dríades
Mensagens :
5

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Ficha de Reclamação

Mensagem por Nami em Qui 08 Jan 2015, 10:19


Post: 001  Where: Acampamento

Ficha de Reclamação

- Qual criatura deseja ser e por quê?

Naiáde, porque elas são seres fascinantes e eu tenho grande vontade de me tornar uma.

- Perfil do Personagem

Física — De corpo esguio que quando em terra acaba em pernas delicadas, porém nas águas de seu domínio a cauda majestosa toma o lugar dos membros inferiores humanos. Seus cabelos variam entre rosa e azul devido ao trauma com sua nascente.

Psicológicas — Fofa, tímida, brincalhona e medrosa. Isso resume a personalidade da Nami. Após sua chegada ao acampamento não desgruda da dríade Zyra e tem desejo de ser forte como ela.

- História do Personagem

Em um dia ensolarado em algum local não muito longe do acampamento, uma fonte de água límpida brotou da terra e com ela uma surgiu junto. Nami era pequena e curiosa, mas nunca se afastava de sua nascente.

O local onde ficava era afastado das outras criaturas mágicas, estas ficavam no acampamento para semideuses e este a jovem Naiáde não sabia da existência. Em um dia quase o encontrou, porém ao ouvir sons estranhos pela floresta se amedrontou e voltou para a água.

Alguns dias se passaram desde a última exploração da Nami pelos arredores e ela estava feliz em seu lar, não pretendia sair por um bom tempo, mas algo não concordava com isso.

Sentada na margem do rio, a jovem penteava suas longas madeixas e cantarolava distraída. Rio a cima, alguns homens, fugitivos da policia, despejaram alguns produtos na água a fim de que as provas do crime cometido fossem perdidas.

O espírito do rio sentiu logo que algo estava errado. Seus sentidos começaram a falhar e uma forte dor se apossou do seu coração. Ao notar que sua nascente estava sendo contaminada, nadou desesperada para se salvar e também a sua moradia, porém o que os humanos descartaram estava impregnado de magia e Nami não sabia como agir.

Com um grito desesperado, a pequena Naiáde caiu ás margens do seu rio e implorou por ajuda até desmaiar.

~*~



Não muito longe, alguns campistas que estavam perto dos limites do acampamento ouviram o grito e logo correram para ver o que tinha acontecido e encontraram a Naiáde desacordada. Alguns ficaram para ver o que tinha acontecido, temendo monstros por perto, e uma minoria levou o espírito aquático para uma extensão do seu rio que corria para dentro do acampamento.

Ela ficou lá aos cuidados de outras Naiádes até se recuperar o bastante para viver sozinha, porém não conseguiria ser tão forte psicologicamente pelo o que houve com seu rio, que estava sendo purificado por alguns semideuses especializados em magia.

~*~

Não demorou muito para Nami se acostumar com o Acampamento meio sangue. O local onde ficava era calmo e silencioso. A sua única companhia era um Dríade um pouco fechada, mas a Naiáde, depois de muitas tentativas, conseguiu que o outro espírito da natureza falasse com ela e depois de vários dias de conversar se tornaram amigas.

Thanks @Lilah for CG
Nami
Espíritos da Água
Mensagens :
5

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Ficha de Reclamação

Mensagem por Caine Wolff Hömenneg em Qui 08 Jan 2015, 13:50



That boy's a slag
WE USED TO SWIM IN YOUR STORIES AND BE PULLED DOWN BY THE TIE


#  #  #


Por qual deus deseja ser reclamado e por quê?

Dionísio.

Foi o que mais combinou com a trama + minha amiga recomendou mandou que fosse de Dio. Aliás, eu meio que gostei dos poderes/itens. Ah, sim: o Caine combina até demais com esse deus, mesmo sendo um pouco cínico demais é/.


Características Físicas

Caine possui cabelos pretos – que, muitas vezes, aparecem cobertos por um gorro azul, pelo garoto sentir pura preguiça de arrumá-los, ou então, por hábito mesmo –, olhos azuis – herdados de sua mãe – e feições que, de tão arrogantes, fazem com que qualquer um sinta a vontade de dar um tapa na cara dele – coisa feita diariamente q.

Geralmente, há sempre um sorriso cínico e ligeiramente malicioso em seus lábios, que, quando abrem-se para emitir palavras, estas acabam soando esnobes e, a cada cinco, quatro são flertes, feitos inconscientemente. Além disso, sempre carrega um maço de cigarros consigo, realmente fumando-os,  e não fazendo uma metáfora coisagay, junto com um simples isqueiro prateado.

Suas vestes são um conjunto despojado. Odeia ter que vestir-se formalmente e preferiria morrer a vestir calças sociais. Tem a tendência a sempre ir para cores de tonalidades neutras, ou então, cinza mesmo.


         Não obstante, o julgamento imparcial das eventualidades estende o alcance e a importância das direções preferenciais no sentido do progresso. A nível organizacional, o novo modelo estrutural aqui preconizado faz parte de um processo de gerenciamento dos métodos utilizados na avaliação de resultados. Nunca é demais lembrar o peso e o significado destes problemas, uma vez que o entendimento das metas propostas obstaculiza a apreciação da importância das posturas dos órgãos dirigentes com relação às suas atribuições. Por conseguinte, a complexidade dos estudos efetuados prepara-nos para enfrentar situações atípicas decorrentes dos índices pretendidos.

Características Psicológicas

Seu psicológico, ao contrário do que seus muitos terapeutas afirmam, é facilmente reconhecível; é impulsivo e um arrogante filho da puta. Muitos o caracterizariam-no como um verdadeiro idiota, enquanto outros, idolatrariam-no, como um verdadeiro rei. Tudo depende do seu ponto de vista.

Apesar de todo o seu exterior – e, por vezes, interior também – transmitir a ideia de alguém sem sentimentos, Hömenneg possui-os sim, embora não goste de demonstrá-los, por achar um sinal de fraqueza. Desse jeito, tente a afastar todos aqueles que poderiam, potencialmente, fazê-lo sentir. A única exceção foi Nadja. Tem problemas de confiança graves – dizem seus terapeutas –, mas, quando consegue confiar, pode ser o amigo mais leal que existe.

Seu “grande medo”? Por mais irônico que isso seja, apaixonar-se. Mais irônico ainda? Ele ainda não sabe, mas já o é, apesar de que o simples pensamento de tal ação lhe faz ficar nervoso e incomodado, por conta da infância que teve. Assim, para proteger-se contra tal coisa, prefere acabar com quaisquer laços afetivos que tenha, o que faz com que seja ainda mais difícil para o garoto conseguir amigos verdadeiros.

Um resumo? Wolff é um alemão canalha e arrogante.

Simples assim.


História

O passado de Hömenneg é uma das coisas consideradas tabu para ele. Odeia falar sobre este e, quando mencionado, tenta rapidamente mudar de assunto, usando a tática de fazer com que a pessoa fale de si mesma, perdendo a concentração nele.

E tudo começou na manhã chuvosa de dezembro ~tâ,tã,tãaaaaam q~

Uma maldita manhã do ano 1904.

Sua futura mãe, Elizabeth Wolff, andava, bêbada pelas ruas. Havia acabado de ter, mais uma vez, sua audição negada. Talvez o motivo fosse o cheiro de suas roupas, que pareciam ter sido expostas à uma concentração inimiginável de maconha ou, então, seu estado, como se houvesse acabado de fazer a caminhada após uma longa noite de sexo.

Seja qual foi a razão, a fez ficar brava. E, pior do que isso; a fez beber. E muito. Já estava beirando a inconsciência, ainda reclamando algo sobre um produtor inútil e elitista, quando esbarrou contra alguém. E isso foi o bastante para fazê-la cair nos braços do homem. A este ponto, Wolff já dormia, aconchegando-se nas mãos do desconhecido.

Por sua vez, este tirou-lhe o cabelo do rosto. A chuva parou. E, no sorriso do deus, um sorriso surgiu.

Na manhã seguinte, a mulher acordou em sua cama, já sentindo os efeitos da ressaca. Zonza, tentou abrir os olhos, mas uma voz a fez dormir novamente.

Acordou de novo à tarde. Sentia-se melhor, embora ainda estava com uma enxaqueca dos infernos. Olhou para cima, lentamente, tentando não fazer nenhum movimento súbito. E, foi aí que deu um grito. No canto do apartamento, assistindo à TV – embora o canal que passasse parecia retratar um assassinato um pouco real demais –, estava o desconhecido, fazendo uma cara de exaustidão.

Ele virou-se, sobressaltado. Então, abriu um sorriso tão branco que fez os olhos da desempregada sofrerem.

— Ah! Acordou, finalmente – sua expressão ainda estava exausta, mas sua postura havia se endireitado, e seu olhar era mais determinado — Aliás, dormiu bastante, Elizabeth – levantou-se, de forma que a mulher pudesse admirar seu físico por completo. Estava impressionada, assustada e, principalmente, confusa — Eu devo algumas explicações, não é? Pois bem. Meu nome é Edward. Prazer – ele estendeu uma mão e, hesitante, ela a pegou — Eu sei que tive maneiras terríveis, ao entrar no seu apartamente sem a sua permissão, mas achei que era uma emergência. Senti-me mal em deixá-la e, por isso, esperei que acordasse para poder me despedir.

— De onde você é? – foi a única coisa que ela conseguiu falar.

— Ontem à noite, nós nos esbarramos. Você desmaiou, acho. Enfim, achei seu endereço e te trouxe aqui. Espero que não fique muito brava – Elizabeth balançou a cabeça — Bom, de qualquer maneira, foi um prazer, Elizabeth Wolff. Espero te encontrar mais vezes – ele parecia, pela primeira vez, desajeitado. Ela levantou da cama, e, em um impulso, fez aquilo que a condenou para sempre.

Chamou-o para tomar café da manhã – ou melhor, almoço – com ela.

E ele selou o destino, quando aceitou.

Duas horas depois, os dois estavam na cama, fazendo aquilo que se espera de dois seres – seja um deles imortal ou não –; trepando.

O affair deles durou por dois meses, mas foi o bastante para que Elizabeth se apaixonasse. O deus, por outro lado, apesar de importar-se com ela, nunca chegou a retribuir seus sentimentos. E, por mais que fosse algo cruel, ruim e doente, ele a usava.  Porque sabia que ela sempre estaria disponível.

O casal continuou com seus encontros, até que a mulher descobriu estar grávida.

E foi com essa descoberta que tudo começou a dar errado.

Dionísio – que eu espero que vocês já tenham entendido ser ele q – passou a visitá-la menos, e evitava tocar no assunto do bebê. Bem, quando a criança nasceu, suas visitas passaram a ser ainda mais raras, e a mãe culpava, naturalmente, seu filho.

Apesar de tudo, Elizabeth começou a cuidar do bebê, que recebeu o nome de Caine. Aos poucos, o garoto crescia, demonstrando, cada vez mais, sua ligação com o pai. Os olhos, a expressão, tudo nele lembrava-a de seu antigo amor. E isso fazia com que seu desgosto pela criança aumentasse, mas cuidava desta com a esperança de que, por ter um filho, Edward voltasse a visitá-la.

Aos nove anos, Caine já tinha certeza de uma coisa; amor era algo a ser ignorado. Seu desejo era nunca apaixonar-se. Afinal, após ter crescido com uma mãe que vivia atormentada por causa de uma antiga paixão, seria natural o garoto não querer algo assim em sua vida. Assim, seu caráter começou a se desenvolver. Não seria alguém inocente, já que isso só trouxera miséria à sua mãe.

Não, seria um verdadeiro filho da puta.

Elizabeth já não importava-se mais com ele; havia arranjado um novo marido. Um marido rico, membro de uma família real alemã, mesma nacionalidade que a sua própria. Caine recebeu seu nome. Passou a ser Caine Wolff Hömenneg.

Quando o garoto tinha acabado de fazer dez anos, o primeiro ataque aconteceu. Foi uma dracaenae, mas a simples visão aterrorizou-o. Desesperado, teve que correr até uma avenida, onde um carro tomou conta do monstro, levando-o embora. Bom, aquilo foi embora, sim. Mas não antes de levar a mãe dele junto. Assim, o padrasto, sem a menor vontade de cuidar do garoto, despachou-o para a Rússia, em um orfanato especializado em crianças desajustadas. E, isso, sendo ruim ou não, mudou - sim, de novo - a vida do alemão.

Foi lá que conheceu o que viria a se tornar o amor da vida dele. Sim, ele apaixonara-se por uma garota qualquer, órfã. Seu nome? Nadja. Se ela era especial, como ele? Óbvio. Filha de Afrodite. Mas nenhum dos dois sabiam disso. Nadja, com seu jeito inocente de ser, conquistou o coração do assumido filho da puta - mesmo com ele não sabendo disso - no momento em que passou pela porta de seu quarto, pedindo que ele diminuísse o som do rádio.

A amizade deles durou por uns três anos, não sendo nem de perto o suficiente para Hömenneg. A cada dia ele ia dormir com ela na cabeça, e a cada dia agradecia a qual quer que fosse essa "força maior" que juntou-os.

Isso até o ataque. O que ninguém ali sabia era que o lugar era na verdade, um Acampamento Meio-Sangue russo. Na verdade, era é a palavra-chave. No ano de 1914, o lugar desmoronou. Os monstros destruíram o lugar. E, com eles, levaram Nadja.

E isso foi a gota d'água para o alemão.

Se ele estava em um "lugar ruim" antes, a condição piorara. O padrasto, ao localizá-lo, resolveu vender a história de "sobrevivente de um ataque terrorista" e reclamou-o como seu filho perdido, não demorando muito para achar outro internato. Desta vez, um em Nevada. Não tinha muitos amigos, por ser um canalha com todos, mas não poderia importar-se menos. Passou a ver as garotas como objetos, e afundou-se no vício do cigarro. Não importava para onde ia, sempre carregava um maço consigo.

Foi em 1921 que o "acidente" aconteceu. A Guerra ainda estava rolando, claro, mas até aí, ele ainda não era tachado como inimigo. Isso até alguém descobrir que seus sobrenomes eram alemães. Nesse dia, todos do estado voltaram-se contra ele.

Para despistar seus assassinos, resolveu entrar em um dos velhos bares da cidade, onde ninguém frequentava, e o bartender era um velho relativamente surdo. Felizmente, alguém estava tendo uma festa ali, e todos estava bêbados demais para notar o alemão. Isto é, todos menos o gordo baixo viciado em diet coke e pac-man. Eles conversaram pelo o que pareceram ser horas, até que os gritos da multidão assassina foram ouvidos. Caine levantou-se, com medo, mas aparentemente pronto para a morte.

A última coisa da qual se lembra foi ter visto um brilho... Púrpura nos olhos do seu novo amigo.

Acordou em um lugar luxuoso, mas desconhecido. Era um hotel. Ao olhar para os lados, viu um papel. Vá para o Acampamento. Está na hora de um reencontro entre pai e filho. Olhou para os lados e descobriu que não estava só. Alguém o esperava, sentado na beira da cama. Era uma adolescente, com mais ou menos a sua idade. Ruiva, com uma silhueta definida. Sorriu.

— Ah, olá. Meu nome é Samantha, prazer – desconfiado e ligeiramente zonzo, ele apertou a mão que lhe era oferecida, ensaiando seu sorriso malicioso habitual.

— Caine. O prazer é todo meu, ruiva – ela deu um risinho debochado.

— Bom... Vamos? Francesco está lá embaixo, com o motor do carro ligado. Devo apontar que foi bem difícil de te encontrar, garoto – Samantha reparou na expressão confusa e fez um gesto de deixa ‘pra lá — Enfim. Quíron nos mandou vir te buscar. O caminho vai ser complicado, já que alguém como você vai dificultar muito, mas quanto mais cedo sairmos, mais rápido será.

— Como você sabe que isso irá funcionar? – perguntou o alemão, ainda desconfiado. Hömenneg pegou um cigarro da cabeceira do quarto e acendeu-o, soltando a fumaça. Começou a levantar da cama, não ligando para o fato de estar vestindo apenas uma cueca.

— Hum. E por que eu deveria acreditar em você? – ela passou os olhos rapidamente pelo seu corpo, antes de voltá-los para o rosto do semideus novamente. Parecia mais vermelha que o normal.

— Porque eu sou igual a você – ele riu, exalando fumaça novamente.

— Ninguém é igual a mim. Sou único, ruiva – Samantha aproximou-se, levantando da cama.

— Sério? Então você nunca sofreu um ataque estranho? Nunca viu coisas que apenas alguém considerado louco veria? – apesar do nervosismo, o alemão rolou os olhos. Ela sabia.

— Não sei do que está falando.
— Sabe sim. Só está sendo um idiota em não admitir – a garota respirou fundo e jogou uma roupa, pegando esta do chão — Vamos. Temos que ser rápidos.

E, pela primeira vez na vida, Caine fez o que lhe era mandado.


No momento seguinte, estavam na estrada. Em algum momento da viagem, Hömenneg caiu no sono. A última coisa que conseguiu captar foi cochichos entre a recém-conhecida e o motorista. Por algum motivo, ele jurou ter visto olhos na nuca deste.

— Caine? – a voz acordou-lhe, assustando o adolescente. Já mais alerto, ficou de cara com um homem. Estava em uma cadeira de rodas. Tinha rugas ao redor de seu rosto. Rugas essas que ele não sabia dizer se eram por causa do cansaço ou de sorrir demais — Ah, ótimo. Acordou. Prazer, meu jovem. Meu nome é Quíron.

Foi a partir desse momento que a vida do Hömenneg mudou para sempre. De novo.



#  #  #


the best you ever had:

Ah, sim: a Nadja que foi mencionada é a Nadja algumacoisa, filha de Afrodite, uma player real aqui. E ela autorizou sim a sua participação especial na ficha -q
Segundo: esse mimimi do personagem ter mais de um século de vida é sim parte da trama que, como não quis revelar tudo na primeira oportunidade, tenho a intenção de fazê-lo em DIY’s ou missões, etc. É isso.

Caine Wolff Hömenneg
Indefinido
Mensagens :
6

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Ficha de Reclamação

Mensagem por 107-ExStaff em Sex 09 Jan 2015, 13:13



Avaliação



Zyra - Aprovada como Dríade

Zyra, vamos lá. Gostei da sua ficha, de verdade. Achei ela um bocado curta, mas concordo que não seria necessário um testamento para um ficha. Tudo ficou bem legal, ainda mais a conexão com a dríade. Só fique atenta na questão das descrições e em narrações muito curtas, ok? Parabéns, espírito das florestas.

Nami - Aprovada como Náiade

Sua narração ficou muito interessante. Fiquei um pouco confuso com o fato dos fugitivos da polícia(cuidado com a acentuação) despejarem um conteúdo mágico e tóxico no rio, se de acordo com a sua descrição eles eram humanos. Mas acho que isso pode ser melhorado no passar do tempo, sem problemas. Parabéns, espírito das águas.

Caine Wolff Hömenneg - Reprovado como filho de Dionísio

Olha, Caine, não tenho muito para falar. Você praticamente copiou a última ficha e não mudou nada nela. Acho que sim, muitas coisas precisam ser aproveitadas, mas não simplesmente copiar e colar para ficar bonito. Todas as questões levantadas por Asclépio, seu avaliador anterior, serão assinadas por mim também, você só precisa melhorar nisso, meu caro.

~Írislene e seu cajadinho passaram por aqui sz~



107-ExStaff
Deuses
Mensagens :
290

Localização :
Ilha dos Sonhos

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Ficha de Reclamação

Mensagem por Aaron Collins em Sex 09 Jan 2015, 16:12

Eu sou o quê?!


- Por qual deus deseja ser reclamado/ qual criatura deseja ser e por quê?

Eu gostaria muito de ser filho de Apolo. Bom, eu gosto muito de arco e flecha e, visualizando Apolo, é o deus perfeito, quer dizer, ele é deus do tiro com arco, popularmente conhecido por isso e também por ser deus do Sol. Mas esta é uma das principais características de Apolo, e por isso eu gostaria de ser.

- Perfil do Personagem (Características Físicas e Características Psicológicas - preferencialmente separadas)

• Características Físicas: Possui uma pele suave, olhos azuis e cabelo castanho escuro, assim como suas sombrancelhas. Seu nariz é delicado, não sendo diferente com seus lábios. Possui 1,85 (um metro e oitenta e cinco centimetros) de altura.

• Características Psicológicas: Aaron é inteligente, possui paixão em ler livros. Gosta de sempre fazer amizades e é bem alegre, sendo difícil alguém vê-lo com a expressão séria.

- História do Personagem

- Cesta! - Sorri, observando Trovel. - Fiz mais um ponto! Aliás, três pontos!

- Droga! Quanto 'tá o placar, mesmo?


- Não sei, mas eu estou ganhando!

No meio da conversa, um rapaz se aproxima, entrando na quadra do parque.- Posso jogar com vocês? Sou Tyler, prazer. Ele alterna o olhar entre Trovel e eu, abrindo um sorriso.

- Claro, rapaz. Bom, eu estou meio mancando, mas não tenha pena de mim! Quando criança, eu fraturei minha canela, não consigo andar direito ainda. - diz Trovel, mancando até a bola. Pega e joga para Tyler.

- Estão esperando o quê? Vamos logo! Vai ser assim: dois contra um. A pessoa que pegar a bola vai ser o "um", e os outros dois têm que impedir de fazer cesta. Vale as duas cestas. - digo, observando os dois, um após o outro.

Diversas vezes eu observo o rosto de Trovel e ele está sério, olhando Tyler. Está na cara que não confia no novo rapaz. Mas então, continuamos até todos estarmos cansados, com suor em todo o rosto.

-Eu sei uma coisa melhor para fazer. Correr! - no momento que Tyler diz isso, ele vira uma harpia: asas amarronzadas, mãos e pés de uma ave, orelhas pontudas e finalmente, um olhar bravo surge em sua expressão.

Ela levanta voo e parte em minha direção, com as garras em frente ao rosto, querendo me atingir no tórax. O sátiro levanta a camisa com uma mão rapidamente e pega com a mesma uma faca, rasgando o ar com ela para cima quando a harpia chegava perto, cravando-a em seu peitoral. A harpia, mesmo que morta, estava próxima de mim, e logo conseguiu me atingir com suas garras, que cravava em meu peito.

- Ah! Que droga é essa?! - grito, caído no chão, com as garras cravadas em mim.

- Droga, Aaron. Deixa eu te ajudar. - Trovel pisa no chão ao meu lado, puxando com toda a força as garras do meu peitoral. Quando consegue, ele cai para trás, e sua calça levanta, revelando sua perna peluda.

- Que bosta é essa?! - digo, observando sua perna enquanto levanto.

- Não há tempo para explicações. Vamos para a casa da sua mãe, lá eu explico.

Trovel abaixa a calça e pega a mochila. Sigo ele e pego a minha também, colocando nas costas. Lá perto do parque, passa um táxi, e então não hesitamos em ir até lá e chamá-lo, com urgência. Ao vê-lo freiando bruscamente, entro no carro junto com Trovel, virando-se para o motorista.

- Vira a direita aí na frente, motorista! Rápido, por favor!

- Rápido é comigo mesmo, pode deixar! - o motorista até canta pneu na saída, com bastante velocidade. Ele vira à direita como falado por mim, indo reto em seguida.

- Aqui está bom, aqui está bom! - observo o taxímetro e pego uma nota de dez dólares do bolso, entregando para o motorista. Quando ele para o carro, saio do veículo, pegando minha mochila, junto com Trovel.

Na calçada, abro a porta rapidamente do prédio e subo as escadas. Não tem porteiro e nem nada, já que o prédio é velho. No oitavo andar, corro pelo corredor até o andar de número oitenta e sete. Abro a porta sem ao menos tocar a campainha, suspirando fundo até encontrar a mãe, em seu quarto. Me sento na cama, suspirando fundo.

- O que está acontecendo?! Aquilo... aquilo virou um monstro!

- Então... acho que chegou a hora. Você deve ir para o acampamento, Aaron. Caso contrário, estará em perigo. - diz minha mãe, olhando para mim.

- Acampamento? Oi?

- Acampamento Meio-Sangue, Aaron. Minhas pernas são de bode, sou um sátiro.

- Como nas mitologias? - pergunto.

- Como nas mitologias. Certo, agora vamos logo antes que mais monstros aparecem.

- E minhas roupas? E... minha mãe? Ela vem conosco, não?

- Não posso, Aaron. Tenho coisas para fazer por aqui. Lá tudo será explicado, agora vá. Lá perto você compra mais roupas, mas isso não é importante no momento! Vá, vá! - diz minha mãe, novamente.

- Se isso te deixará segura, mãe... vamos logo, vamos!

Para chegar de Manhattan até o Acampamento Meio-Sangue, foi necessário um metrô, dois ônibus e um táxi, o que aliás, demorou relativamente, como umas duas horas. Ao chegar no acampamento, fico com uma cara de dúvida.

- Bom, me ajuda aqui, amigo. Eu tenho uma dúvida: eu sou um semideus, como na mitologia, isso eu entendi, mas eu sou filho de quem?

- Depende, ao longo do tempo, algum item, alguma coisa vai aparecer em cima da su... - Trovel para de falar ao ver aparecer um Sol pequeno na minha cabeça. - Bom, você é filho de Apolo!

- Hm... Gostei. Eu me identifico com ele, em algumas coisas. Eu gosto de ler, principalmente se for ler sobre mitologia.

- Vá aproveitar, rapaz! Deixa eu te apresentar uns amigos!

E assim, Trovel mostra seus amigos para mim, os dois com um sorriso no rosto. Trovel, feliz, nem retira suas calças, continua do jeito que estava. Os dois conversam com os amigos, para mim, meus novos amigos.

Hmm...:
Já pedi para mudar meu nome no tópico de atualizações, então considerei meu novo nome (Aaron Collins).

Trovel realmente é um sátiro do fórum, que me permitiu usá-lo na ficha.


♦ The White Swan ♦ @CG
Aaron Collins
Indefinido
Mensagens :
2

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Ficha de Reclamação

Mensagem por 102-ExStaff em Sab 10 Jan 2015, 14:13


AVALIAÇÃO
Ficha de Reclamação


Aaron Collins - Reprovado.

Hey, mate, a ideia do seu enredo ficou até legal, mas houve muitas incoerências e foram estas que me fizeram reprovar a sua ficha.
Vamos ao que precisa ser corrigido, então.

Aaron escreveu:"-Eu sei uma coisa melhor para fazer. Correr! - no momento que Tyler diz isso, ele vira uma harpia: asas amarronzadas, mãos e pés de uma ave, orelhas pontudas e finalmente, um olhar bravo surge em sua expressão."

Certo, no fim da narração você diz que Aaron gosta de ler sobre mitologia e afins; no entanto, até aquele momento ele não passava de um mero mortal, então como ele sabia que era uma harpia? Por causa de imagens nos livros? Isso não seria muito preciso, uma vez que as figuras não ilustram perfeitamente as criaturas (não poderia ser uma Fúria ou outra criatura alada?). Então, sugiro que troque o termo "harpia" para "monstro", "criatura alada" ou outra palavra mais genérica. Você também precisa mostrar mais seus sentimentos e sensações, afinal não é todo dia que alguém - até então normal -  encontra um monstro por aí.

Aaron escreveu:Ela levanta voo e parte em minha direção, com as garras em frente ao rosto, querendo me atingir no tórax. O sátiro levanta a camisa com uma mão rapidamente e pega com a mesma uma faca, rasgando o ar com ela para cima quando a harpia chegava perto, cravando-a em seu peitoral. A harpia, mesmo que morta, estava próxima de mim, e logo conseguiu me atingir com suas garras, que cravava em meu peito.
Reformule esse parágrafo, porque ficou muito corrido e incoerente. Como assim a harpia cravou as unhas no Aaron já depois de morta? Narre isso de uma forma melhor, que deixei claro todas as ações. E, ah, uma simples punhalada não mataria uma harpia, mataria? A não ser que o atacante seja muito forte.

Aarron escreveu:"- Droga, Aaron. Deixa eu te ajudar. - Trovel pisa no chão ao meu lado, puxando com toda a força as garras do meu peitoral. Quando consegue, ele cai para trás, e sua calça levanta, revelando sua perna peluda.

- Que bosta é essa?! - digo, observando sua perna enquanto levanto."
Quer dizer que Aaron não tem uma reação perante um monstro alado, mas se surpreende com pernas peludas? Interessante, não é?

Aaron escreveu:Na calçada, abro a porta rapidamente do prédio e subo as escadas. Não tem porteiro e nem nada, já que o prédio é velho. No oitavo andar, corro pelo corredor até o andar de número oitenta e sete. Abro a porta sem ao menos tocar a campainha, suspirando fundo até encontrar a mãe, em seu quarto. Me sento na cama, suspirando fundo.
Não seria apartamento oitenta e sete? Erro simples que pode ser facilmente corrigido.

E, para finalizar, quero pedir para que você exponha melhor as características do seu personagem durante a narração. O texto está muito rápido, corrido, apressado e não transmite sensação nenhuma. Tente abordar melhor a forma com que Aaron recebe a notícia de que vai para o Acampamento - afinal, ele vai ter a vida toda mudada e precisará deixar sua mãe para trás -, o que, a meu ver, é uma mudança drástica que causa inúmeras reações.

Ah, também seria bom explicar o que fez a harpia atacar o semideus. Até onde se sabe, as harpias são empregadas do Acampamento Meio-Sangue, então não é comum encontrar uma atacando semideuses sem motivos. Apenas pense em algo.

That's all. Boa sorte na próxima tentativa!

PS: Avaliação feita por mim, Poseidon, qualquer reclamação ou dúvida me envie uma MP.

~Sem necessidade de att~


102-ExStaff
Administradores
Mensagens :
357

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Ficha de Reclamação

Mensagem por Federico Bertolazzi em Seg 12 Jan 2015, 04:48

FICHA DE RECLAMAÇÃO

POR QUAL DEUS VOCÊ DESEJA SER RECLAMADO E POR QUÊ?

Desejo ser reclamado por Dionísio e dentro da trama planejada para o personagem, a personalidade dos filhos de Dionísio é a mais próxima da personalidade de Federico. Logo, Dionísio.

PERFIL DO PERSONAGEM

Federico é um rapaz bem apessoado, com 1m70cm e o corpo bem definido, porém não musculoso. Seus cabelos são ondulados, quase cacheados, castanho-escuros e curtos. Seus olhos são azuis e os traços do rosto leves. As bochechas são levemente protuberantes, mas disfarçadas por uma barba rala que tem maior ênfase na região do queixo, lábios e mandíbula. A pele é clara e tende a apresentar alguns machucados, fruto de brigas e treinamentos.
É um jovem alegre e falante, cujas festas e bebidas são duas de suas principais paixões e disputam a vaga de primeiro colocado no ranking de amor com as artes, enfatizando-se o teatro e a música. Atualmente ocupa uma vaga dentro da New York Academy of Arts, onde busca aprimoramento na área que tem certo domínio natural. De ascendência italiana, é astuto e tem certo domínio na respectiva língua, fruto do convívio com a família materna. Não se abstém à gêneros para relações amorosas, desde que a pessoa o cative e o estimule (é, estimule é uma boa palavra para ser colocada aqui). Dependendo da situação tende a ser presunçoso e orgulhoso.  A lealdade vem a ser seu defeito mortal, por mais que não demonstre isto por inteiro/na maior parte do tempo. Seu senso de proteção alarma-o inconscientemente e o obriga a proteger seus companheiros da forma que conseguir. Busca cumprir seu papel para com o grupo e espera que algum dia venha a retomar sua vida comum, apesar de não levar muita fé nesta possibilidade.

HISTÓRIA DO PERSONAGEM

PRÓLOGO

Eram dez para a meia-noite, contudo uma casa reclusa no Bronx ainda estava agitada. Era composta por dois pisos, abrigando no primeiro a cozinha e a sala de estar e no segundo três quartos e o banheiro. A sala era aconchegante, com sofás e poltronas de couro, paredes vermelhas e uma lareira.
- Aprontem-se logo! - Uma garota berrava. Tinha os cabelos negros e lisos arrumados em um coque largado. As curvas do corpo bem acentuadas estavam cobertas por uma túnica bordô com detalhes dourados que ia até a altura do joelho. O desenho do rosto era belo e suave, contudo enrijecido pela expressão séria que mantinha ao franzir o cenho. Estava diante da lareira, observando o fogo arder.
- Já estamos indo! Se acalme, ma belle. Você está mais apressada que o de costume. - Uma segunda garota apareceu. Seus cabelos ruivos, volumosos e ondulados caiam pelos ombros em cascatas. A pele era branca e o rosto salpicado por poucas sardas. Usava um vestido branco, jaqueta de couro preta aberta e botas de camurça marrom.
- Você é muito mandona, Cassadee! - Uma terceira apareceu pela porta lateral, saltitando alegre e despreocupada enquanto repreendia a garota da túnica. Seus cabelos fartos e cacheados estavam presos em um rabo de cavalo alto, denotando a coloração amarelo-prateada dos fios. Era uma criança, no auge de seus nove anos. Usava calças de moletom e uma camisa rosa com a Barbie estampada. Os pés estavam descalços.
As três postaram-se diante da lareira: Cassadee, a garota dos cabelos negros, ocupava a posição central. Amber, a ruiva, cruzou os braços e caminhou até a direita com uma expressão não muito contente e Carly, a pequenina, pulou de um pé para o outro até a esquerda de Cassadee. As três respiraram fundo e esperaram. O vento silvava e chacoalhava os arbustos e galhos de árvores que, por sua vez, raspavam as folhagens na janela. O fogo em frente as garotas ardia baixinho, fraco.
- Eu adoro quando isso acontece! É sempre divertido. É como se nós fossemos brincar dentro do forno do padeiro! - Carly falou, rindo por já conhecer o que se seguiria. As chamas se expandiram e se estenderam pelo cômodo, contornando as garotas sem tocá-las ou machucá-las. A sensação da passagem era reconfortante e apaziguadora. Elas uniram-se em um único ponto e se modelaram em uma bela garota de roupas simples e expressão serena: Usava um lenço branco que adornava os cabelos ruivos presos por grampos e um vestido bordô, da cor da túnica de Cassadee, que cobria-lhe os braços e se estendia até o chão, se arrastando por ele, como se fosse um modelo da época medieval. Ela sentou-se em uma poltrona de couro e deu uma longa olhada nas três em sua frente.
- Boa noite, minhas caras. - A mulher falou. A pele era branca e os olhos castanho-avermelhados.
- Boa noite, senhorita Héstia. - As três viraram-se para a deusa e entoaram a resposta como num coro.
- O assunto que tenho para tratar é urgente e de grande importância, por isto as convoquei hoje. Há tempos foi-me delegada a guarnição do Jarro de Pandora e, como sabem, eu o mantive calmo durante o máximo possível, mas temo que a turbulência se aproxima. O lacre está fora de meus cuidados, desaparecido.
- Isto quer dizer que... - Cassadee pronunciou, mas absteve-se em terminar a frase. A expressão séria abriu espaço para um momento de descrença e preocupação.
- Sim, significa que ela trama o retorno, doce Cassadee.
- Então iremos combatê-la! Pandora foi inteligente em mantê-la presa, como a senhorita nos contou. Podemos fazer isto, não podemos? - Amber se pronunciou, gesticulando enquanto falava. Soava confiante, como se tivesse certeza que o grupo era capaz de arcar com tal responsabilidade.
- Pandora fora criada por um deus e abençoada por tantos outros, mas mesmo assim caíra em tentação e quase a libertara. Por mais que preparadas, vocês precisarão de ajuda.
- Precisamos de ajuda? Ué, não entendi. Achei que fossemos fortes! - Carly falou, mostrando o muque à deusa. Faltava-lhe um dente no sorriso branco. Um dente de leite que havia caído.
- E são, Carly. E são. Mas até os deuses precisam cooperar com mortais em certas ocasiões. Contudo, não é este o caso. A ajuda virá de um quarto semideus. - Héstia falou, cruzando as pernas e entrelaçando os dedos, repousando os palmos em seguida sobre o joelho.
- De um quarto? - Cassadee tomou a frente, recuperando a expressão séria - Mas senhorita, a tríade... O três é um número sagrado! As três parcas, os três grandes e
- E creio que situações extremas requerem medidas extremas, minha jovem. Entendo sua preocupação, mas é necessário. - Héstia se pronunciou, cortando a fala da morena - Vocês serão informadas sobre quem, quando e onde achá-lo, porém terão de ser pacientes.
- Pacientes? Por que pacientes? - Amber perguntou, estranhando o comentário.
- Ele ainda não tem conhecimento de seu parentesco divino.

PRIMEIRO ATO

A madrugada de Manhattan era embalada pelo som dos bares e clubes de dança, situados principalmente em East Village. SABOR DIVINO, uma boate conhecida por ali, era embalada por música ao vivo na primeira hora da madrugada. O restante da noite era ocupada por um DJ que era incumbido de segurar as rédeas da festança.
Federico, também conhecido como Fred pelos mais chegados, ocupou a posição central do palco, acompanhado pela banda ao redor. Ele era um aspirante a cantor. As festas e o palco eram algo que o deixava realmente confortável e ele pretendia estender isto o quanto pudesse. Tinha dezenove anos, cabelos castanho-escuros e curtos. Olhos azuis e um sorriso travesso, bem como um gosto estranho e nunca satisfeito para bebidas.
Seguido pelos músicos munidos de guitarras, baterias e outros instrumentos musicais,  o show do menino começou com músicas que variavam entre Rock, Pop-Rock e Indie Rock. Sem problema algum aquela uma hora fora transcorrida e a apresentação se encerrou, sendo substituída pelo DJ da casa.
O garoto caminhou pela pista de dança até o bar e ocupou um banco, pedindo um Whisky.
- Bela apresentação. - Uma garota falou, berrando para ser escutada em meio aquela barulheira toda - Você tem uma ótima voz.
- Obrigado. Você tem um belo rosto, acho que ganha da minha voz. - Ele deu um sorriso bobo, jogando charme para a garota. Tudo é válido em festas. Ela deu uma risada e eles engataram uma conversa.  
- Meu nome é Rebecca.
- Fred, pode me chamar de Fred.
Federico pagou uma bebida para a garota e eles se sentaram na área vip, acomodando-se em um dos sofás. Em certo ponto da noite trocaram um beijo, outro e mais outro. As coisas esquentavam até que Rebecca se pronunciou.
- O que você acha de irmos para outro lugar? - Ela deslizava a mão pelo peito do garoto, debruçando-se sobre ele enquanto sussurra as palavras ao pé do ouvido. Fred abriu um sorriso.
- É, aqui tá cheio mesmo. - Ele se levantou e ajudou a garota a fazer o mesmo. Os dois cortaram caminho entre a multidão eufórica que dançava uma música eletrônica sob fachos de luz que piscavam freneticamente. Eles deixaram o clube e contornaram o lugar, dobrando a esquina até os fundos do prédio. Ofuscado pela escuridão, o rapaz envolveu a cintura da garota e depositou as mãos bem próximo aos quadris, recostando-a na parede logo atrás. Ela enjambrou seus braços por baixo dos do garoto e começou a beijar-lhe queixo, deslizando até o pescoço.
- Seu gosto... É delicioso.
- Não costumam me dizer isto, mas já serve - Ele respondeu, não ligando muito para o papo. Estava focado em outro assunto. Aos poucos foi deslizando as mãos da cintura pelo tronco até chegar a um ponto em que Rebecca segurou-lhe palmo, impedindo-o de continuar. Contudo, ela mantinha-se fixa a beijá-lo no mesma posição.
- Você... Seu cheiro! Seu gosto! Eu preciso tê-lo.
- Ahm, claro... - Envolvido com o momento ele simplesmente manteve-se a deslizar o mão pelo corpo da mulher. Seu movimento parou quando uma dor lancinante despontou no pescoço. Ele baixou o olhar e viu Rebecca grudada em sua jugular, como uma vampira. Seus dentes haviam se transformado em presas e lhe perfurado a pele.
- É... tão... bom...
- Me solta! Aah! - O rapaz tentou livrar-se dela e recuar, mas se vira preso. Ela o segurava com muita força, um nível de força sobre-humano, e havia lhe abraçado o tronco. Aos poucos ela se metamorfoseara em um híbrido de humano e monstro: Cascos despontaram nos pés e pelos cobriram-lhe o braço direito. Os cabelos eriçaram-se e se tornaram flamejantes nas pontas. A pele também mudara, tornara-se áspera e pálida. Um pálido doentio.
- Aproveite o momento, meio-sangue. Será o seu último. - O monstro ainda falava com aquele tom sedutor, mas a aparência havia cortado todo o efeito encantador. E, afinal de contas, que história era essa de "meio-sangue"? Esta era a menor das perguntas, Federico pensou, já que a principal era como ele escaparia daquilo. O rapaz sentia-se fraco já. Percebia sua energia se esvaindo e por mais que tentasse lutar, não conseguia se libertar. Era isto, ele o seu fim. Como falam, quando se está perto da morte a vida passa diante dos olhos. Com ele não foi diferente.

HORA DA VIDA PASSANDO DIANTE DOS OLHOS:
Federico "Fred" Russo nasceu em dezembro de noventa e cinco, em Hamilton, local que outrora fora um grande polo da imigração italiana. Sua mãe, Franchesca Bertolazzi era uma jovem e bela mulher que dera sorte no mercado de vinhos e produção de uvas, incorporando os conhecimentos da família que foram cultivados dentre várias gerações. Nunca conhecera o pai, ele abandonara sua mãe ainda grávida sem nem ao menos dizer o porquê.
O jovem teve uma infância feliz, apesar dos problemas envolvendo Transtorno de Déficit de Atenção, vulgo DDA, e dislexia. Eles complicaram drasticamente sua vida escolar, quase reprovando-o durante vários e vários anos. Agregando-se a lista de doenças, aos doze anos fora diagnosticado como esquizofrênico por conta de estranhas visões que o perseguiam. Literalmente o perseguiam: Mulheres-cobra vinham ao seu encontro, ou cachorros gigantes e negros. Ele sempre despistou-as, mas com o passar dos anos aqueles ataques tornavam-se cada vez mais frequentes. Seu melhor amigo era o jardineiro da casa, senhor Parkes, um rapaz de pele morena, cavanhaque e corpo magrelo. Sempre usava um chapéu e macacão para trabalhar na terra.
Diante daquela situação conflituosa, a mãe decidiu matriculá-lo em aulas de defesa pessoal e assim o fez. Ele era acompanhado sempre pelo senhor Parkes, tanto na ida quanto na volta. Durante as manhãs era enclausurado na escola, durante a tarde no ginásio da academia, onde praticava kickboxing. Depois da academia ele era acompanhado de volta para casa e assim seguiu-se esta rotina por um longo tempo.
Não apenas as situações boas e ruins despontaram em sua mente. As mais estranhas também, como a vez em que jurara ver o jardineiro com chifres na cabeça e cascos nos pés. Ele estranhou e perguntou o que estava se passando. O jardineiro desconversou e Federico o vira normal, como sempre. Devia ter sido algum truque de sua mente esquizofrênica.
Aos quinze anos começara o envolvimento com a arte. O teatro e a música foram uma das formas de preencher seu tempo na adolescência, juntamente das festas! Ah, ele sabia como fazer uma boa festa, parecia algo natural. Beber em uma festa era quase tão bom quanto as companhias... especiais e o que fazia entre quatro paredes com elas.  
É, fora uma boa vida.

Quando perdera suas esperanças, algo aconteceu.
- Excuseses-moi, honey. Será que poderia soltá-lo? Precisamos dele vivo. - Uma voz falou misturando francês e inglês e então um baque surdo a seguiu. O monstro vampiro libertou o garoto e olhou para a área das costelas.
- Ai, titica. - Após a fala, Rebecca-presas-malvadas explodiu em uma nuvem de pó dourado e a flecha que a havia atingido caiu no chão. Fred desabou no chão sentado, estava um pouco zonzo.
- Ei, sweety, levante. Precisamos sair daqui agora. Não tenha medo, eu vim ajudar. - A mesma voz falou e alguém colocou-lhe a mão no queixo, erguendo sua cabeça e uou! Uma linda garota estava lá. Seus cabelos eram ruivos e fartos, ondulados. A pele era branca e algumas sardas cobriam-lhe o rosto. Os olhos da menina miravam-no e ele não pode dizer de que cor eram, talvez por conta da tontura, mas eles pareciam modificar-se a todo momento. Ela ajudou-o a se erguer e ele não fez muitas perguntas, não estava com a cabeça no lugar para pensar e, além do mais, a garota falava de um modo tão convidativo que ele não achava meios para contestá-la. Ele sentia que a qualquer momento ele pensava que ia apagar.
- Bom, vamos até o carro e... ô, damn it. - A garota passou os braços por baixo dos de Federico para servir-lhe de sustento. Eles caminhavam em direção a avenida até serem surpreendidos por um trio de garotas vindo em sua direção. O rapaz pode reconhecê-las como monstros vampiro.
- Corra, você precisa sair daqui! Aah, meu pescoço. Eu tentarei distraí-las.
- Oh, ma cherie, que encantador. Mas nesta história de amor você é a princesa e nós somos as suas cavaleiras. Isto não é romântico? - Ela falou, dando uma risadinha. Três flechas zarparam na escuridão da noite e abateram as empousai, monstros-vampiro, sem que ao menos elas percebessem o que as havia atingido - Carly, desça daí e vá para o carro.
- O.k.! - Federico ainda não havia percebido, mas havia uma criança empoleirada numa superfície de metal da lateral de um prédio. Ela descia pela escada de incêndio, o mesmo modo que havia encontrado para subir, provavelmente, movendo-se de modo alegre e agitado enquanto cantarolava uma música. Ela tinha cabelos loiros e cacheados amarrados em um rabo de cavalo. A cor da pele era de um bronzeado desbotado e os dentes brancos. O rosto parecia travesso.
- Ma belle, diga para Cassadee se preparar.- A ruiva falou enquanto caminhavam e a criança passou correndo por ela com os braços estendidos, imitando o som de um avião. Agora ele havia reparado que a menina tinha uma aljava presa nas costas e carregava um arco na mão direita. Eles seguiram até a rua em frente ao clube e, pela segunda vez, uou! Em frente a um Renault Logan preto estava uma bela garota de cabelos negros armados em um coque e curvas bem definidas. Ela vestia uma túnica bordô com detalhes dourados que ia até os joelhos e um chinelo. Estava recitando alguma coisa com os olhos fechados e um livro aberto sobre o capô do carro.
- κατάπνιξη! - Ela terminou a reza com a palavra "supressão" pronunciada em grego e uma espécie de aura cobriu o grupo. Como ele sabia que era grego? Boa pergunta. Esta foi a última memória do rapaz, pois após tal feito ele desabou inconsciente.

SEGUNDO ATO

A cabeça de Federico latejava. Ele pensava ter bebido muito na noite anterior, pois tivera um sonho maluco: Rebecca, a garota com quem estava, havia se transformado em um monstro que o atacara. Para completar, ele foi salvo por um trio de garotas estranhas. Bonitas, mas estranhas. Ele abriu os olhos e os fechou novamente por conta da claridade. Mais cinco minutos. Irei dormir mais cinco minutos. - Ele pensou e sua cama sacolejou. Um instante desconfortável foi formado e um novo pensamento se formou em sua cabeça: Camas não sacolejam.
Ele abriu os olhos devagar e então entrou em pânico. Ele estava no banco traseiro do Renault Logan acompanhado pelas três garotas do sonho. Ou melhor, aquilo não havia sido um sonho, o que era pior que melhor. A criança que havia disparado flechas da plataforma de ferro estava praticamente grudada em seu rosto, analisando-o enquanto cutucava seu nariz. Ele mirou-a e ela deu um sorriso travesso.
- Você é bonito.
- On-onde é que eu estou?!
- Ma belle, você acordou. Bom para você. - A ruiva falou, reclinando-se para olhá-lo. Ela estava no banco da frente, no carona. A morena da túnica bordô guiava o carro.
- Parem este carro! Eu quero descer!
- Isto não vai ser possível. Agora fique quieto o resto do trajeto. - A motorista pronunciou-se. As palavras eram tão frias e afiadas quanto as presas da vampiro que o haviam mordido na noite anterior. Pensar naquilo trouxe uma nova memória: Rebecca.
- Meu deus! E Rebecca? O que aconteceu com ela?! O que vocês fizeram ontem?! Vocês mataram ela mesmo?!
- Rebecca? - Carly perguntou, agora pegando a orelha de Fred com a ponta dos dedos. Ela sacudia-a de um lado para o outro, com uma cara de tédio.
- A empousai, Carly. - Cassadee se pronunciou.
- Ah, a empousai! "O que fizeram?". - A menininha repetiu a pergunta, mudando o tom de fala para tentar se parecer com o do rapaz. Não havia ficado nada parecido - Nós salvamos sua vida, ora essa! E eu matei! A Carlynha aqui é a flecha mais rápida do estado de Nova Iorque.
- Carly, não esqueça que você não a matou. Ela somente se dispersou, mas hora ou outra retornará. - Amber, a ruiva, intervenho.
- Ora essa, que seja. O importante é que a minha flecha acertou... E você. O que você acha disso? - A menina se escorou no ombro de Federico e ficou encarando-o, esperando por uma resposta. O garoto congelou e nada fez por um momento. Instantes após se debruçou sobre a porta e sacudiu a tranca desesperadamente, esperando abri-la. Ela estava trancada.
- Seu plano é saltar de um carro em movimento? Quanta inteligência.
- Por que não relaxa um pouco, cherie? Temos que explicar algumas coisas para você. - Amber falou novamente naquela mistura de inglês-francês. A fala era tão convidativa e sedutora que era impossível resistir as ordens. O rapaz se acalmou no banco.
- Carly, por que você também não se acalma um pouco. Ele parece precisar de espaço. - A menina torceu o nariz e acatou as ordens. - Você tem alguma pergunta antes de começarmos?
- Não, nenhuma.
- Eu não estou falando com você, Carly.
- Ah, tudo bem. - A ruiva mandou um olhar inquisidor a Fred pelo retrovisor, arqueando as sobrancelhas enquanto esperava uma resposta. Federico negou com a cabeça, um pouco nervoso.
- O mundo não é o que parece, veja bem... - Amber pôs-se a falar sobre toda a história mitológica envolvida no desdobramento da humanidade e sua evolução. A garota apontava que monstros ainda existiam, bem como os deuses gregos também existiam. Rebecca era um monstro, segundo ela. Falava com tanta naturalidade que realmente parecia real para o garoto, talvez a voz influenciasse-o - Bem... e como os costumes são mantidos, o envolvimento dos deuses com alguns mortais ocorrem... Destes envolvimentos nascem os semideuses, ou "meio-sangues". Filhos de mortais com deuses.
- Exatamente! Veja bem, meu papis é Apolo! A mamis da Amber- Ela apontou para a ruiva - é Afrodite. Cassadee é....
- Hécate.
- É, Hécate.
- ...
- Isso não é legal!?- Carly explodiu em entusiasmo, ergueu os braços e abriu um novo sorriso, encarando-o como se perguntasse "Você não vai fazer também?". Cassadee mantinha-se quieta, assim como Amber. O rapaz olhou para cima, o mundo parecia girar. Ele vasculhava a mente em busca de um plano para se livrar de um carro em movimento com três garotas malucas.
- O.k. Quer dizer que, por algum motivo eu tenho que acreditar que vocês são filhas de deuses e, tanto deuses quanto monstros existem... e eles vivem no Empire State?
- Uhun.
- Isso ai.
- É.
Ele analisou todas as possibilidades. Olhou para os dois lados e ao atingir a melhor solução, decidiu agir.
- Me deixa sair! Ah, meu Deus! Alguém me ajuda! Estou com três sequestradoras psicóticas e malucas! - O garoto se debateu no banco e se grudou na janela, gritando para algum possível carro invisível que estivesse passando. Para o seu azar, eles estavam sozinhos na rodovia.
- Meus deuses, ele vai surtar aqui dentro. Sério?
- Se acalme, Federico. Se acalme. - Ela tentou falar e impor a sua vontade sobre o garoto, mas ele estava agitado demais para a escutar. Carly ria no banco traseiro e Cassadee franzia as sobrancelhas, desconfortável com a situação. Ela enfiou o pé no frio e subitamente o carro parou, levando todos com um solavanco para a frente. Eles só não saíram voando pelo para-brisas por conta do cinto.
- Você. Cale a boca. Aceite a vida como ela é.
- M-mas...
- Irei falar algumas coisas. Sei que você tem dislexia e também sei que você entende grego, ou ao menos percebeu que entende. Sei que você tem visões estranhas e, muitas vezes, as pessoas não te compreendem e falam que você está louco. Sei que deve ter sido perseguido por motivos estranhos, cujos quais você não sabe. - O garoto a escutou e baixou a cabeça, pois sabia que tudo era verdade. Parou para checar ao redor e se perguntou se elas estariam o vigiando ao longo desse tempo todo.
- C-como você...
- Como eu sei de sua vida?
- Todos nós sofremos disto, seu bobinho.
- Parabéns, você é um semideus. - Um semideus, ela diz... Se aquilo tudo fosse verdade, seria um deus seu pai? E se sim, de qual deus ele era filho?
- Agora saia do meu carro. Se pretende continuar com isto, terei que fazê-lo sair.
- Mas Cassadee...
- Não. Se ele continuar com isto, terá que saber com o que está lidando e aceitar sua jornada do jeito que deve.
- O.k. - ele deu um longo suspiro e preferiu aceitar as palavras das três. Elas não pareciam estar mentindo e depois que Rebecca, a empousai, tentou matá-lo e acabou destruída pelo trio. Elas o protegeram, então deviam ser pessoas legais - O.k. Se eu sou um semideus, como vocês acham que eu sou, quem é meu pai?
- Isso é um mistério. - Carly falou, recuperada do choque do impacto. O carro retomou seu trajeto e a menina tornou a se debruçar sobre o rapaz, brincando com sua orelha. Ela parou ao ver o surgimento de um cacho de uvas holográfico flutuando sobre a cabeça do garoto. - Ei, gente, não é um mistério tão grande assim.
- Diosio! - As três falaram juntas, rindo.

OBSERVAÇÕES:


  • O.k! Primeira coisa, peço desculpas por ter feito um pouco grande, mas é necessário para abordar o personagem e os possíveis outros personagens que eu gostaria de desenvolver aqui! (Caso dê pela própria narração, perfeito. Caso não, procurarei outro jeito q)


  • Segunda coisa, a tríade citada no início (Amber, Cassadee e Carly) respondem a Héstia, já que a deusa está diretamente ligada aos eventos da trama pessoal (espero poder desenvolver isto, bem como a trama pessoal do personagem). Não tomem como presunção envolver uma deusa e o Jarro de Pandora, mas é que para o desfecho que eu bolei é extremamente necessário.


  • Terceira coisa. Como o personagem chegou aos dezenove anos sem ser atacado por monstros? Bem, ele não foi diretamente atacado. Não sei se deixei claro o bastante (tenho certeza que não), mas o senhor Parkes é um sátiro que teoricamente estaria encarregado de proteger Federico (outro ponto que será/seria futuramente abordado).



  • Quarta coisa. Estou repostando isto e não revisei o texto novamente, mesmo sabendo que eu havia feito algumas alterações com base no arquivo primário. Desculpe qualquer erro que eu tenha mantido, mas eu tô com preguiça!


Não sei se restaram mais duvidas quanto a estória, mas qualquer coisa me mandem uma M.P! E outra coisa que peço é que me avisem se posso seguir com a aventura própria, que se passará fora do acampamento e não terá envolvimento direto do personagem com este até o fim da trama (pelo menos assim planejo), ou não para que eu possa encaminhá-lo para o acampamento.



Federico Bertolazzi
Filhos de Dionísio
Mensagens :
1

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Ficha de Reclamação

Mensagem por Thomas D. Montcold em Ter 13 Jan 2015, 00:36

▬ Por qual Deus você deseja ser reclamado? Caso não queira ser um semideus, qual criatura mitológica deseja ser?
Athena
▬ Cite suas principais características físicas e emocionais.

Físicas: Thomas é alto basicamente com 1,92 de altura, músculos realmente saltados como se tivesse feito 3 anos de academia, cabelos loiros com corte undercut, olhos azuis, pele branca com tatuagem de coruja humanoide nas costas segurando uma lança e escudo.
Emocionais: Aparenta ser tímido ou metido, tem certa dificuldade em fazer amizades talvez por sempre ser sincero, prefere muitas vezes ficar sozinho em treinos que não necessitem algum parceiro, tem mania de sempre dizer a verdade, reserva uma hora do dia para ler livros sempre quando acorda, sempre tenta ser legal e amigável com todos porém não faz questão que as pessoas gostem dele.
▬ Diga-nos: por quê quer ser filho de tal Deus - ou ser tal ser mitológico?
Por ela ser a Deusa mais formidável fora os três grandes, o fato dela ter conseguido nascer de dentro da cabeça de Zeus já é grandioso, o jeito com que ela disputou a cidade de Athenas contra Poseidon não só domando o animal como também lhes dando alimento e pelo fato dela ter um imenso senso de justiça.
▬ Relate a história da sua personagem - não haverá um limite de linhas definidos, deixe a sua criatividade fluir.
Nascido em Nova York/NY em meio a uma grande tempestade, bom era assim que meu pai me contava, sempre que perguntava da minha mãe ele dizia que ela havia sumido sem dizer nada e ficamos apenas nós dois o que nunca foi problema, porém eu gostaria de conhece-la ele sempre fala muito bem dela, uma vez perguntei – Papai, como era a mamãe? - com um sorriso no rosto me olhou e seus olhos brilhavam enquanto diziam – ela era perfeita meu filho, alta, tinha cabelos castanhos e olhos acinzentados, personalidade forte, sempre sincera e muito cativante, me apaixonei logo de cara. – disse a min com um sorriso bobo no rosto, meu pai era lutador com especialidades em muay thay, jiu-jitsu e taekwondo, estava aposentado dos ringes agora só treinava novos lutadores, era homem forte que vivia para isso, desde pequeno me ensinava a arte da luta e incrivelmente emocionante cada aula, cada movimento aqui era ótimo passar aquele tempo com ele, fora luta e escola meu pai me colocou para aprender uma outra língua, pensei que seria francês ou alemão mas na verdade ele me colocou para aprender grego não entendi porque mas fiquei interessado com forme o tempo passava pois eu aprendia esta língua com muita facilidade que normalmente não teria nas outras, cuidava de min por dois isso sempre me fazia dar tudo de min para orgulha-lo, sua determinação em criar um filho sozinho era de se impressionar, aquele homem com sempre um sorriso largo em seu rosto algumas cicatrizes que eram parte de seu tempo como lutador, nunca brigava comigo acho que era pelo fato de me inspirar no tipo de homem que ele era e sempre tentava fazer tudo para diminuir seu fardo pesado, sempre concentrado na escola tentando ir bem em todas as matérias, teria conseguido com esforço se não fosse o problema da dislexia, aquilo me afetava de uma forma sem igual, as até me perguntava por que acontecia isso comigo como uma queixa pessoal, não entendia minhas notas não eram boas e mesmo assim meu pai sempre sorria e dizia – Não se preocupe filho, você sempre vai ser o meu orgulho – Me abraçando com força, mesmo assim detestava ir mal na escola mas não conseguia mudar minhas notas, pelo menos na luta eu me dava bem, sempre sabia o que fazer, apesar de muito novo já era um excelente lutador, todos muitas vezes se impressionavam como eu evoluía, meu velho sempre orgulhoso e querendo que eu cresce-se muito mais no ramo das lutas, de certa forma ele sabia que eu precisaria mais para frente, o único problema é que na escola eu por ser pequeno na época não era aceito pelos outros que sempre me tentavam me bater e acabavam machucados, o diretores e professores sempre diziam-nos que ensinar luta para um garoto nessa idade não era legal dizia que eu iria machucar os outros punindo meu pai como se ele tivesse cometido um crime em querem me passar a tradição da família, mas ele não ligava pois sabia que os seus ensinamentos seriam necessários para minha segurança um dia.
Então anos se passaram expulso de 2 ou 3 escolas por bater em outros alunos, sempre por autodefesa, mas essas coisas não o abalavam e logo partíamos para outra, agora estava completando 18 anos, indo para faculdade, o que me parecia interessante sempre fui fascinado por entrar na faculdade e acontecer como nos filmes, mas sabia que ia ser complicado por causa da minha dislexia, graças aos estudos de grego quando era mais novo pude me adequar na faculdade somente ouvindo o professor e depois procurando assuntos na língua que minha dislexia não me afetava, depois de algumas semanas de aula fiz amizade com estudante de história chamado Jayson, ele meio deficiente usava muletas, bom não fiquei muito impressionado com isso pois ele era muito gente boa não podia ver mulher que já ia atrás, fiquei impressionado de como fizera amizade tão fácil com ele pois seria a primeira vez, não tinha muitos amigos desde pequeno, era um parceiro para todas as horas, compartilhava minha sina de malhar o que era o melhor, minha vida bem corrida ele consegui me fazer ter tempo para outras coisas como sair para festas da faculdade quando bebia cerveja ele ficava meio alegre e fazia uns barulhos estranhos como de bode, mas eu sempre achei que fosse uma mania até que um dia voltávamos até para o dormitório com umas garotas e um vulto passou por nós e parecia estar se escondendo atrás das arvores – Oque foi aquilo? - Perguntaram assustadas, nem havíamos bebido tanto para começar a ver coisas, provavelmente deveria ter sido algum cão ou algo do tipo Jeyson estava com um cara assustada como se tivesse visto um monstro horripilante – acho melhor a gente ir depressa já está meio tarde – dizia ele para que não ficássemos parados ali, conforme íamos comecei a ver oque ele estava com tanto medo algo parecia uma aranha gigante na verdade um pouco maior do que eu achei estar vendo coisas a bebida devia ter surtido mais efeito do que imaginava – caraca, devo estar muito bêbado estou vendo uma aranha gigante – disse para ele, Jayson imediatamente olhou para trás e nos mandou correr, imediatamente começamos a correr na hora deduzi que todos ficaram muito bêbados e entram na onda, mas estávamos só alegres de repente aquele monstro mostrou-se ser real, não acreditei no que estava acontecendo, logo Jay mando as garotas saírem correndo enquanto íamos para o outro lado atraindo-a para nós e deu certo, ela estava vindo atrás de nós – impossível, isso só pode ser um sonho, não tem como uma coisa dessas existir – disse para ele enquanto corríamos desesperadamente para o meio do campus, entramos no corredor da faculdade – existem sim Thommy, ela é uma filha de Aracne que despeja sua vingança sempre nos filhos de Athena – dizia ele – sim, eu conheço a história mas o que isso tem a ver comigo e como isso pode existir nem os deuses existem – dizia ainda mais em dúvida – ai é que você se engana, os deuses existem sim e o que eu quis dizer é que você é um filho de um deus, ou melhor de uma deusa e provavelmente de Athena creio eu, porém ainda é um monstro e você um semideus ele pode ter vindo somente pra te matar mesmo e é por isso que eu vim para cá para escolta-lo para o acampamento meio sangue por que agora eles sabem onde você está e querem te caçar – dizia como se aquilo tudo fosse fácil de digerir – você é louco só pode, fumou quantos hoje?, devo ter ficado chapado de tabela só pode – dizia para o Jay enquanto saímos correndo para as salas de laboratório – bom precisamos de um plano para matá-la antes que ela nos mate, eu vou servir de isca só tempos que arranjar algo para usar e quando ele estiver perto eu irei fazer um barulho e você a pega por trás – não havia muito no que pensar ali era um lugar apertado havia várias e então ele fez um caneta se transformar em uma espada – trouxe por precaução – dizia ele – como você fez isso? - pensei encabulado – ele a colocou em minha mão e disse – eu serei a isca pois eu estou aqui para te proteger e não ao contrário – antes que eu pudesse reclamar ele me empurrou em direção a uma porta e foi para outra, o monstro chegava cada vez mais perto e então ouvi o barulho forte vindo da sala onde jayson se encontrava sai rapidamente e lá estava a aranha entrando na sala, para ela aquela porta era um pouco apertada que facilitou a investida, deslizei por baixo dela e enfiando a espada rasgando-a – bem não foi tão difícil – dizia enquanto me levantava – haha, quero ver você dizer isso após uma luta contra ela livre, e vamos sair logo daqui pois pode haver mais – empurramos aquilo para fora da sala e fomos correndo para a saída – então como assim existem deuses, monstros e você estar aqui para me proteger? - perguntava ainda incrédulo – então é assim, sabe aquela história toda da mitologia grega e tudo mais? então é tudo real tudo verdade e os humanos distorcem tudo a sua versão de realidade assim não percebem o que acontece ou as criaturas e itens mágicos por ai – dizia ele como a coisa mais normal do mundo – mas por que eu consegui ver essa coisa se eu sou um humano – estávamos voltando para os alojamentos de estudante quando ele me disse algo sobre a minha mãe – bom Thommy sua mãe, então você não a conhece certo? bom os Deuses olimpianos as vezes descem e tem relações com os mortais assim dando a luz aos que chamamos de meio-sangue ou semideus como você preferir – Jayson estava com um tom sério que não dava para duvidar – então você está querendo dizer que minha mãe é uma Deusa? e quem seria ela por acaso? - perguntava desconfiado que fosse uma pegadinha – bom ainda não tenho certeza isso descobriremos quando ela te reclamar como filho por enquanto somente sei que você é filho de uma Deusa, agora precisamos nos apressar e ir para a colina meio-sangue já sabem quem você é e que está aqui lá será o único lugar seguro para você – fomos em direção ao meu quarto para arrumarmos minhas coisas e em seguida partirmos – preciso avisar meu velho antes de irmos – disse colocando as coisas no carro – não temos tempo quando estiver lá daremos um jeito de avisa-lo – logo após todas as coisas estarem prontas saímos em direção a colina meio-sangue, ainda não havia me convencido do que estava acontecendo porém deixei acontecer, ao chegar no acampamento muitos me receberam e na mesma hora a marca de Athena me reclamando como seu filho apareceu – Olha só um filhinho de Athena – dizia um cara com olhar de valentão como os que eu enfrentava na escola – não liga não – dizia Jay - vou te levar Até o chalé de Athena – fala enquanto voltávamos a caminhar.
Thomas D. Montcold
Indefinido
Mensagens :
2

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ficha de Reclamação

Mensagem por Raven em Ter 13 Jan 2015, 18:41

Deus /criatura mitologica escolhido e porque:


Naiáde,as criaturas aquáticas são fantásticas e imprevisíveis como o próprio mar.Eu escolho ser uma criatura aquática por terem uma forte ligação com a água como eu própria tenho.
Perfil do Personagem
Características Fisicas:Cabelos marrons  de tamanho médio,pele pálida,magra e olhos azul piscina que lembram o exótico mar do caribe.Usa-se sempre seu casaco azul quando fica na forma humana

Características Psicológicas:Raven é uma garota perfeccionista,fala o que pensa sobre as coisas,más por dentro é bastante solitária e emotiva.


O Chamado de Tritão



5.01.2015,Undefined





Era uma manhã nublada o mar estava violento as ondas batiam fortemente nas pedras.
Eu acordei assustada com o vento que bateu na janela do meu quarto e fez ela abrir,meu
quarto estava más bagunçado do que nunca, livros no chão,roupas sujas e meu diário
com uma pagina em branco que eu ganhei e comecei a escrever ontem.Você acha que eu sou
uma garota normal,más pensou errado eu tinha uma anormalidade que tinha de esconder
das pessoas a minha pequena habilidade cinética de controlar pequenas quantidades de água
na qual minha mãe me proíbe de explora-la e usar.Más e meu pai?Eu não tinha pai e nunca
o conheci,más sim um bebado que maltrata minha mãe.A única coisa que eu lembro do meu
pai era seus olhos azul piscina no qual eu herdei chorando e dizendo adeus para a minha mãe.

Fechei o diário e fui descer as escadas para tomar café,da porta da cozinha dava para sentir o
delicioso cheiro de panquecas sendo fritas vindo de lá.

-Hm que delicia!-sussurrei baixo quando ia abrindo a porta.
Na sala estava Derek sentado na cadeira tomando café.Ele parecia mais gordo do que nunca,então
sentei na mesa e olhei para a farta mesa que tinha incluindo rosquinhas,café,pão,queijo,ovo,bacon e
panquecas que minha mãe estava estava preparando para min.Finalmente estavam prontas e ela disse:

-Raven as panquecas estão prontas!-disse ela com a sua cara maternal
-Obrigada,mãe eu adoro as panquecas da senhora.-eu disse com a boca cheia.-tem melaço de uva?
-Claro esta bem al...-Derek interrompeu como ele tem sempre o hábito de fazer isso e disse com ferocidade:
-Ei mulher!!Me dá o presunto sua surda desgraçada!!-eu olhei para cara dele e falei com raiva:
-Não fale assim com minha mãe seu gordo filho da puta,se não...-falei extremamente nervosa
-Se não o que?-ele falou com cara de quem tava esperando minha ação

Atrás de min ouviu-se um estrondo de uma enxurrada de água que eu ''acidentalmente'' criei,ela veio
despedaçando a parede da sala e indo na direção de Derek,jogando ele para a janela.Ia vindo mais e mais
que começou a alagar a casa e destrui-la,eu estava tentando para-la más eu não conseguia.Então a água jogou
eu e minha mãe para fora de casa na direção de minha mãe ela estava sendo empurrada para costa e eu para o mar aberto.

Quanto mais eu nadava para a costa mais eu era levada pelo mar,então veio uma serie de ondas
me levaram o mais longe possível da terra me deixando no meio do nada no mar.Eu já estava cansada de me
manter nadando na água.E eu comecei a me desesperar e se rebater gritando e chorando:

-Alguém me ajuda!!...-grito interrompido de choro -por favor!!

Eu fique afundando até ficar completamente submersa de água.Meus olhos ardiam,eu tinha a horrível
sensação da água invadindo meus pulmões,não enxergava nada até eu ter uma visão do meu sub-conciente de um
homem de cabelos castanhos olhos que pareciam com os meus e com uma calda de peixe e um tridente na mão dizendo:
-Raven,eu sou seu pai.Os deuses e criaturas do olimpo sempre foram reais.Meu nome é Tritão,filho de Poseidon,
deus dos mares.Eu te aviso que deves fugir daí o mais rápido que podes,tu deves ir para um acampamento que
existem pessoas do seu tipo em Long Island.Más antes disso concedo-lhe ser um um verdadeiro espírito
da água.
-Então ele me tocou com seus dedos.Senti uma leve sensação de perder meu corpo eu brilhava como
uma luz em um quarto escuro,e finalmente desmaiei de cansaço

6.01.2015,Long Island,Ocean

Eu acordei em um banco de areia que ficava no mar,tive pequena sensação de sentir o cheiro de carvão sendo
queimado.Quando eu me lembrei de tudo que aconteceu e me dei conta que estava com uma
calda de peixe e gritei bem alto.
-Ahhh!Eu estou com uma calda!
Dois ciclopes viraram e olharam para min um tinha uma aparência de mais sujo e o outro de mais limpo e um disse

-Tantus,vá ver a comida para ver se ela não escapa que nem da ultima vez!-Falou o mais sujo que estava queimando carvão
-Tá bom Teoplos, más eu quero esses acessórios para minhas bonecas!-Falou ele com uma voz bem delicada para um ciclope


Eu estava amarrada junto com mais 5 náiades em um coqueiro,conversei muito com elas e finalmente descobri o que aconteceu comigo.Eu era filha do deus Tritão,mensageiro do mar e deus das criaturas aquaticas.

-É uma honra conhece-la - falou Melody a nereida de cabelos loiros
-Obrigada mas não precisa disso...-falei sem jeito- más nós precisamos de um plano se não nos vamos virar peixe frito!
-Tem razão,mas o que nós poderíamos fazer?-disse Serenia com uma cara pensativa.
-Nós temos que fazer um canal ligando o mar até aqui já que não podemos alcança-lo com nossas caudas.-disse Norits
-Ou tentar puxar a água como se fosse a maré encher até alcançarmos a água suficiente para nos livrarmos deles-disse Tara
-Boa ideia!-disse Melody sempre com seu tom de voz infantil
-Temos que ver quem vai fazer o que !-disse Norits

-Eu distraiu eles,vi que esse tantos é mais idiota que um ciclope normal -falei entusiasmada
-Serenia,eu vamos puxar a água enquanto Norits,Tara,Melody e essa daí afogam esse idiotas!-disse Talidia a mais quieta
-Talidia,voce é inteligente!-falei surpresa
-Por favor querida!-Falou ela com desprezo

Serenia e Thalidia puxaram a aguá como se as mãos delas fossem a maré vindo.Percebi que elas eram bem habilidosas conseguiram puxar tudo em 2 minutos más tinham que manter a postura se não as aguas recuariam.

-Ei Thantus!-falei com inocência

-O que foi comida?-disse ele idiota como sempre
-Tem certeza que não vai comer nos comer molho de algas e ouricinhos?
-Molho de algas e ouricinhos?Como é que se faz isso?
-Me liberte e eu ensino!
-Tudo bem!

Ele parou de abanar o fogo com a folha de bananeira e foi me soltar para eu ensinar a minha mais nova invenção.Retornei para a forma humana e fui para um coral na beira da praia.Peguei um ouriço fazendo uma pequena bola de água levitar com ele dentro e entreguei ao ciclope idiota que cortou os espinhos.Só que eu ainda não tinha desfeito minha bola de água e distribui pequenas outras gotas nos espinhos fiz eles levantarem e quando Thantus se virou os joguei nas costas dele.

-Vão joguem a água
-Nãooo!!?-disse Teoplos quando viu a gigante onda vindo na direção deles

A onda deixou o banco de areia quase submerso faltando uma terrinha.Norits fez um movimento incrível,chicotes da água gigantes que imobilizaram Teoplos e Thantos.Já Tará nadou para os tocar e receberem um choque enorme deixando-os desmaiados,e por fim Melody tirou sua flor dourada dos seus cabelos loiros e a flor se transformou em um tridente de bronze celestial jogando-o contra os dois ciclopes e fazendo-os desintegrarem.

-Meu deus!!O que vocês fizeram foi incrível!

-Obrigada!-disseram todas de uma só vez
-Onde  vocês moram?
-Somos nômades.Más acho que poderíamos morar aqui,eu achei uma caverna submersa!-disse serena
-Finalmente!-disse Thalidia

-Vocês sabem onde é o Acampamento meio sangue?
-Claro!Fica na floresta daquela praia ali!-Melody apontou para uma praia bem longe
-Más você é uma náiade!?-disse Tara

-As vezes eu esqueço disso-eu disse com uma cara meio idiota-Posso ficar na caverna de voces até amanhã?
-Não sua ridicula-disse Thalidia
-Ei...ela pode sim vamos Raven!-disse Melody definitivamente uma boa amiga.


A caverna era linda eu fiquei encantada tinha vários corais de diferentes cores decorando ela,ela tinha varias estalactites deixando-a mais linda ainda.Já era tarde e eu já estava com sono e fui dormir numa rocha,o que era bem desconfortável.



07.01.2015,Long Island,Ocean




Acordei com bastante sono,já que não consegui dormir deitada em uma rocha que machucava minha cabeça.Melody estava com sua diaria aparência comendo um montinho de plantas verdes que pareciam algas.Eu fui em direção a ela e perguntei:

-Vocês comem isso daí?-apontei com uma cara de nojo

-Sim quer um pouco?-falou ela com rapidamente pegando um punhado de algas e dando na minha mão.Aceitei e dei uma mordida na qual eu me arrependi.Aquilo tinha um gosto salgado e era bem gosmento quando se mordia se sentia um gosto azedo de chá de meia.Cuspi fora e aquela ''comida'' ficou flutuando,e fiz uma cara de aprovação.
-Então eu já vou indo-eu disse com uma cara enjoada
-Ei espera!-disse Melody - Você vai precisar disso!-ela deu um pente de prata com enfeites nobres da lua e do mar
-Para que é isso?Meus cabelos sempre se arrumam com facilidade.-falei

-Olhe e preste atenção-disse Melody tocando detalhe de peixe,o pente brilhou com uma luz azul e se transformou em um arco de prata com vários detalhes referentes ao mar.Ela puxou  o cordão e foi conjurada uma flecha de água que foi lançada tão rápida que quase não foi vista e perfurou uma rocha fazendo-a despedaçar.
-Meu deus obrigada!-eu disse com uma cara impressionada.

Eu sai da caverna e fui nadando em direção a um pontinho verde.Por incrível que pareça eu conseguia me
localizar no mar facilmente,quando eu estava perto do encontro com a floresta e o mar a água ficou bem mais fria e relaxante era como se fosse o rio e o mar que davam uma impressão relaxante.Retornei a forma humana já com meu clássico capote azul nublado e minha mochila bege,o que era um alivio porque eu tinha vários pesadelos com isso.
A floresta era calma e agradável os pássaros piavam e tinham varias flores com uma variedade de cores eu estava correndo pois queria chegar logo e ter uma verdadeira cama para dormir.Eu ouvi um som de alguém pisando nas folhas secas que cercavam a floresta e me escondi atrás de uma arvore.Quando eu olhei de novo e vi um homem de pele morena e perna de pode segurando uma lança e corri gritando louca fugido do sátiro que estava correndo atrás de min e falando:
-Espera!Se acalma!-falou o sátiro
Então eu bati a cabeça em uma arvore e fiquei inconsciente.


13/01/2015,Long Island,Acampamento Meio-sangue,Lago


Eu acordei me sentindo bem fraca,eu estava no fundo de um lago fresco.Uma nereída com uma cauda majestosa e seu cabelo azul com umas mechas rosas ela tinha uma aparência fofa ela nadou até min e disse:
-Olá meu nome é Nami!Bem-vinda ao Acampamento Meio-sangue!-falou ela com gentileza
-Olá como é que eu vim parar a...-e antes de completar a frase eu novamente desmaiei de cansaço.

Minhas Notas:
-Eu sei que as criaturas aquáticas quando entram em contato com a água se curam más eu queria que a pancada fosse grave
-Eu acho que exagerei fazendo minha personagem ficar inconsciente a quase uma semana
-Sei que eu já deveria sabendo que nasci sendo nereída más um tritão com uma humana então é uma ''semi-nereída'' antes do pai toca-la e torna-la uma completa
-Sou novata com RPG más pretendo melhorar meus defeitos
-Eu não gosto de usar templates prefiro uma decoração básica e legível
-Obrigada!
Raven
Indefinido
Mensagens :
1

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Ficha de Reclamação

Mensagem por Berilla Q. Amet em Ter 13 Jan 2015, 19:47


Berilla Quodmalum Amet


-Por qual deus deseja ser reclamado/ qual criatura deseja ser e por quê?

Desejo ser reclamada por Nyx, por motivos bem claros. Pretendo fazer de Berilla uma personagem profundamente imersa em alguns tipos de magia, e as habilidades dessa deusa me dão um empurrãozinho inicial nesse quesito.

Achei mais interessante escolher tal deusa a outras associadas a arcanidade, como Hécate, pois o conceito de Nyx, a personificação da noite, sempre me agradou mais, além de se encaixar melhor em Berilla. Essa deusa passaria o tipo de poder primordial e sombrio que pretendo incorporar não só ao arsenal, mas também a personalidade dessa personagem em específico.

- Perfil do Personagem (Características Físicas e Características Psicológicas - preferencialmente separadas)

Físicas: Berilla é claramente mais velha que a maioria dos semideuses do Acampamento Meio-Sangue. Sua idade biológica e aparente seria de 25 anos, mas a filha de Nyx foi mantida em um encantamento de coma por séculos, o que torna o quesito idade um pouco mais complexo. Tem uma beleza madura e vulgar, que está sempre a mostra, mesmo com seu estilo razoavelmente gótico de se vestir. Possui curvas acentuadas, cabelos vermelho escuro abaixo do ombro e olhos verdes. Sua altura é mediana, por volta de 1,70 m. Embora não se compare facilmente a uma filha de Afrodite, consegue chamar uma atenção razoável para seu corpo, especialmente a noite.

Psicológicas: Tem uma personalidade sempre superior e poderosa. Mesmo em raríssimos momentos de fraqueza; física ou psicológica, quem a observa de fora diria que tem a situação sob total controle, e irá sub-julga-la em pouco tempo, o que torna Berilla uma arma tanto para o corpo quanto para a mente de seus adversários. Não segue nenhum tipo de código de moral. Embora não seja necessariamente sempre " do mal ", sempre pende e penderá para esse lado, especialmente se tiver como objetivo adquirir poder. É ambiciosa, sádica, manipuladora, grosseira e tende a subestimar seus inimigos, mesmo que apenas aparentemente. O orgulho não lhe interfere muito; sabe quando não é forte o suficiente para algo e pode recuar, mas raramente deixa claro sua inferioridade. Sempre utiliza da sedução, mesmo que não necessária ou ineficaz, embora sexo nunca seja realmente um objetivo. É devota a magia negra, a necromancia e ao satanismo, e possui conhecimentos abrangentes no ramo arcano em geral.

- História do Personagem


Salem, Massachusetts, 1692

There is a house...
They call it Rising Sun....


Pela base precária, aromas e auras experimentados por pouquíssimos mortais estalavam e enchiam as salas com a energia da Tríplice. As bruxas marcavam o solo com seus símbolos de devoção. Evocações e feitiços enchiam o ar nublado da cidade. Todas aquelas que não quisessem ser restritas as limitações do Acampamento eram bem-vindas ao Clã. Dentro da proteção secreta da comunidade, semideusas poderiam realmente aproveitar de todo o potencial de seu sangue mágico. Magia Negra, Necromancia, Satanismo. Todos os campos temidos e muitas vezes proibidos pelos deuses. Mas, é claro, tudo tinha seus riscos. Mesmo bruxas experientes de sangue divino não poderiam se proteger tão bem quanto o local construído com a supervisão dos próprios deuses. As runas não a protegiam do clima, não garantiam segurança total contra os monstros. Viviam com o perigo. E Berilla era uma delas.

A filha da Noite era observada de perto pela líder do Clã das 13. Um número considerado amaldiçoado e sombrio pelos supersticiosos. Como era de se esperar, simbolismo e miticismo eram aplicados com resultados verdadeiros no local, e as integrantes não podiam ultrapassar a quantia do número do diabo. Em troca dessa fidelidade, recebiam mais liberalidade do próprio. Todas elas devotas, direta ou indiretamente, de Satã. Berilla era tida como promissora. Não era todo dia que sangue primordial entrava no grupo. Talento, no entanto, era uma faca de dois gumes. Se ameaçasse a posição da líder, acabaria eliminada. Eram todas aliadas, mas as regras eram estritas e duras. Eram ensinadas que, uma vez que tivessem mestrado os ensinos do local, teriam apenas uma coisa a temer. Christa, filha de Hécate. A líder. E eram ensinadas corretamente.

As mãos treinadas pelo tempo da ruiva folheavam os livros, a procura de Deus sabe o que. Mesmo acolhida pelo local aos 12 anos, depois de viver nas ruas, ainda não chegava perto da maestria das mais altas na hierarquia. Ainda lembrava-se do símbolo da Noite reluzindo em sua cabeça. Depois disso, não demorou para que a comunidade a tomasse para si.

A maioria era considerada uma veterana por volta dos 40, mesmo que ainda aparentam estar no ápice da juventude, graças a encantamentos ou pactos. No final, o único jeito era tentar estender sua vida o máximo que fosse possível. Uma vez mortas, a alma de uma bruxa tão corrompida tinha um destino nada agradável, seja nas mãos de Hades ou do próprio Satã.

Berilla sacou sua faca ao perceber a aproximação de Samantha. A filha de Afrodite era a escória do Clã. Não seria uma surpresa se fosse tentar mata-la. Sacrificar uma integrante mais poderosa era uma forma comum de adquirir mais valor na hierarquia, além de um apreço maior dos deuses da magia. A própria Amet já havia matado uma ou duas membras desatentas.

- Samantha, eu estou muito ocupada para um combate. Tente me matar outro dia. Será divertido.- Disse, com escárnio.

- Quem sabe um dia, Quodmalum. Mas eu não vim te matar. Christa quer falar com você. - A semideusa respondeu com malícia, saindo devagar. Uma conversa pessoal com a líder costumava significar algo ruim.

Berilla levantou-se sem demora. O que quer que a filha de Hécate quisesse, seria algo importante, tendo convocado-a. Caminhou pela estrutura de madeira e pedra, passando pelos aposentos de muitas de suas irmãs bruxas, antes de ver-se em frente à sala que desejava. Na porta, ocupando-a por inteiro, estavam entalhadas pequenas representações de todos os deuses que podiam escolher cultuar e basear sua energia mágica, de todas as culturas possíveis. Ísis, Hécate, Circe, Nyx, Selene, Lúcifer, A Deusa. Algumas, nem mesmo a ruiva saberia nomear. Adentrou o local sem hesitar. A sua frente, Christa sentava-se em sua mesa, repleta de todo o tipo de ingrediente e material cintilante e mágico. Tinha um rabo de cavalo sem falhas e olhos púrpuros quase intimidadores.

- O que você quer... líder? - Perguntou, de maneira lenta e provocativa. Se seu comportamento quase desrespeitoso não fosse conhecido desde que adentrara no grupo, teria sido banida imediatamente.

- Berilla. Esta será uma conversa rápida. Feche a porta. - Ordenou. A semideusa convocada fechou-a devagar. -  O povo de Salem descobriu tudo. Aparentemente, um ou dois mortais que conseguem ver pela Névoa conseguiram convencer um membro do clero que somos bruxas. Para ser sincera, isso era questão de tempo. Somos 13 mulheres vivendo sozinhas numa casa distante da vila, não seria difícil deduzir isso. O Clã acabou por enquanto. Mesmo sendo apenas mortais, uma hora ou outra, irão receber apoio de Deus ou deuses, e não desistirão nunca. Eu terei de tomar medidas quase drásticas.

A bruxa mais nova riu baixo.

- Achei que você tinha dito que bruxas não tem de temer nada a não ser você. Por que fui chamada?

- Você se esqueceu que eu disse " Bruxas bem-sucedidas". E, nós, bruxas bem-sucedidas, não temos. 5 membros do Clã, além de mim, vão sobreviver. Arranjei um jeito de dar vida nova ao grupo. As mais dispensáveis morrerão. Deixe os mortais acharem que tiveram uma vitória. Enfeiticei algumas mulheres. Elas se passarão por bruxas no nosso lugar e serão executadas. Você e as outras quatro serão postas em um encantamento de coma. Quando eu julgar necessário, acordarão. Em uma época onde não somos caçadas. Pode levar séculos, mas longevidade não é um problema para mim. Está de acordo?

- Estou surpresa em saber que meu... esforço valeu a pena em algum ponto. Estou de acordo, Christa. Vida longa ao Clã.

- Vida longa ao Clã.


Observações:


Bem, desculpe se a narração ficou muito curta ou corrida. Pensei em apenas explicar o estado geral do Clã e de Berilla explicar o passado e deixar subtendido o futuro num momento rápido do presente. A história de Berilla é ligada a fatos históricos. O julgamento de Salem ocorreu em 1692, época da narrativa, e pãnz. Sendo uma bruxa, sua história é ligada também ao cristianismo, e acho que isso ficou claro no decorrer da ficha. Berilla acordou nos tempos atuais. A trama dela começará aí. O clã e suas regras foram inspirados no Julgamento de Salem, e um pouquiiiiiinho de sua atmosfera em AHS: Coven. A maioria, no entanto, são idéias brisadas. Quanto aos deuses citados entalhados na porta, são os associados a magia de mitologias variadas: Egípcia, wicca e grega. Beijos no tímpano. Se ficou forçado demais, desculpe também. Essa personagem é emo gótica rara diferente mesmo.




Berilla Q. Amet
Filhos de Nix
Mensagens :
36

Localização :
réu 666

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Ficha de Reclamação

Mensagem por Conteúdo patrocinado Hoje à(s) 21:01

Conteúdo patrocinado

Voltar ao Topo Ir em baixo

Página 5 de 44 Anterior  1, 2, 3, 4, 5, 6 ... 24 ... 44  Seguinte

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum